No Fó­rum do Fu­tu­ro pe­sou-se o pre­sen­te à luz da An­ti­gui­da­de

No Por­to, hou­ve sa­las chei­as pa­ra ou­vir pen­sa­do­res de vá­ri­as par­te do mun­do de­ba­ter o nos­so tem­po

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ví­tor Be­lan­ci­a­no vbe­lan­ci­a­no@pu­bli­co.pt

Acon­te­ceu em qua­se to­das as ses­sões. Às tan­tas, o apre­sen­ta­dor ou mo­de­ra­dor, en­car­re­ga­do de con­tex­tu­a­li­zar a vi­da e obra do con­vi­da­do, de­cla­ra­va que o mes­mo “dis­pen­sa­va apre­sen­ta­ções”, co­mo se afi­nal es­va­zi­as­se a sua uti­li­da­de ali, pro­vo­can­do sor­ri­sos. Mas o sen­ti­men­to ge­ral foi es­se. Os pa­les­tran­tes eram de no­me­a­da. E o pú­bli­co era co­nhe­ce­dor.

Tem si­do as­sim des­de do­min­go, dia em que se ini­ci­ou o Fó­rum do Fu­tu­ro, no Por­to, com sa­las es­go­ta­das, as­sis­tên­ci­as aten­tas e par­ti­ci­pa­ti­vas, ge­ran­do um am­bi­en­te tran­qui­lo e ao mes­mo tem­po en­tu­si­as­ta, em tor­no de inú­me­ras pa­les­tras e per­for­man­ces pro­ta­go­ni­za­das por agen­tes de vá­ri­as par­tes do mun­do, de di­fe­ren­tes dis­ci­pli­nas, en­tre pen­sa­do­res, ar­tis­tas ou ci­en­tis­tas, que res­pon­de­ram ao de­sa­fio de pen­sar co­mo a An­ti­gui­da­de se ma­ni­fes­ta nas idei­as, na cul­tu­ra e na ar­te dos nos­sos di­as.

“Es­ta­mos mui­to sa­tis­fei­tos pe­lo ní­vel da par­ti­ci­pa­ção do pú­bli­co, com mui­tas ses­sões to­tal­men­te re­ple­tas, e pe­lo es­pa­ço de en­con­tro e de tro­ca de idei­as em que o pro­gra­ma se trans­for­mou”, afir­ma em jei­to de ba­lan­ço o di­rec­tor e cu­ra­dor da ini­ci­a­ti­va, Gui­lher­me Blanc, des­ta­can­do que as pa­les­tras ao fi­nal da tar­de —uma no­vi­da­de es­te ano — se re­ve­la­ram um êxi­to, “sen­do di­rec­ci­o­na­das pa­ra um pú­bli­co mais jo­vem, mui­tos de­les es­tu­dan­tes de ar­tes e não só, ou pa­ra ar­tis­tas”, en­quan­to as ses­sões noc­tur­nas to­ca­ram um pú­bli­co mais trans­ver­sal e me­nos es­pe­ci­a­li­za­do.

O acon­te­ci­men­to ter­mi­na ho­je, nu­ma ses­são a ter iní­cio pe­las 21h30 no gran­de au­di­tó­rio do Ri­vo­li, or­ga­ni­za­da em três ac­tos em tor­no do te­ma das “ruí­nas” e da re­cons­tru­ção da his­tó­ria, do Oci­den­te ao Ori­en­te. É o en­saís­ta e ro­man­cis­ta in­di­a­no Pan­kaj Mish­ra, au­tor de Tem­po de Rai­va - Uma His­tó­ria do Pre­sen­te (Temas e De­ba­tes), que es­tá guar­da­do pa­ra o fi­nal, com mo­de­ra­ção do es­cri­tor e pro­du­tor de ci­ne­ma in­glês Ga­reth Evans, re­flec­tin­do so­bre a ne­ces­si­da­de de re­ver a nos­sa com­pre­en­são do mun­do e re­e­xa­mi­nar as nar­ra­ti­vas que lhe es­tão sub­ja­cen­tes, da­do que a his­tó­ria do Oci­den­te, fun­da­da na An­ti­gui­da­de Clás­si­ca, tem es­que­ci­do os arqué­ti­pos de ou­tras so­ci­e­da­des ou ci­vi­li­za­ções.

Se­rá um mo­men­to ques­ti­o­na­dor que aglu­ti­na­rá al­guns ei­xos prin­ci­pais que têm es­ta­do em de­ba­te. Por um la­do cons­ta­tar que em al­tu­ras de cri­se ou de im­pas­se — se­ja do pon­to de vis­ta so­ci­o­po­lí­ti­co ou cul­tu­ral — o Oci­den­te ten­de a re­gres­sar às su­as es­tru­tu­ras ba­si­la­res, ao que é pe­re­ne, ao que lhe atri­bui sen­ti­do des­de sem­pre. A An­ti­gui­da­de sem­pre es­te­ve vi­va. Mas dir-se-ia que em al­tu­ras de de­sa­gre­ga­ção es­sa cons­ci­ên­cia tor­na-se ní­ti­da.

Cons­tru­ção de iti­ne­rá­ri­os

No Por­to exis­ti­ram inú­me­ras de­mons­tra­ções dis­so mes­mo. Na quin­ta-fei­ra ao fi­nal da tar­de, no pe­que­no au­di­tó­rio do Ri­vo­li, a du­pla ame­ri­ca­na Mary Reid Kel­ley e Pa­trick Kel­ley tra­tou de ex­por que a sua prá­ti­ca ar­tís­ti­ca pro­fun­da­men­te con­tem­po­râ­nea (fil­mes que cru­zam o ví­deo, po­e­sia, pin­tu­ra e per­for­man­ce) é afi­nal ba­li­za­da por re­pre­sen­ta­ções clás­si­cas, co­mo Di­o­ni­so, sím­bo­lo de ca­os e lou­cu­ra, um fac­to cons­ta­tá­vel quan­do exi­bi­ram um di­ver­ti­do fil­me que re­cria o te­ma do Mi­no­tau­ro.

O mes­mo se po­de­ria di­zer da obra da es­cri­to­ra ca­na­di­a­na Mar­ga­ret Atwo­od, re­ce­bi­da de for­ma en­tu­siás­ti­ca na noi­te de quin­ta-fei­ra, no gran­de au­di­tó­rio do Ri­vo­li, mos­tran­do que é uma ex­ce­len­te co­mu­ni­ca­do­ra, dis­cor­ren­do so­bre a sua vi­da e obra— cer­ca de 60 li­vros de fic­ção, po­e­sia e en­saio, mui­tos pré­mi­os e adap­ta­ções pa­ra TV — a par­tir de ilus­tra­ções su­as, pro­jec­ta­das no ecrã, on­de fi­cou pa­ten­te o pa­pel dos mi­tos, len­das e con­tos de fa­das na sua obra e na lei­tu­ra do mun­do ac­tu­al.

Mas o Fó­rum não quis ape­nas mos- trar co­mo a An­ti­gui­da­de Clás­si­ca se ma­ni­fes­ta ho­je. Quis tam­bém olhar pa­ra o câ­no­ne oci­den­tal, en­quan­to mo­de­lo de cons­tru­ção do mun­do, de for­ma crí­ti­ca. Não por sim­ples re­a­va­li­a­ção do pas­sa­do, mas por­que é ca­da vez mais ní­ti­do que uma Eu­ro­pa em cri­se, ou um pen­sa­men­to Oci­den­tal des­gas­ta­do, só se en­ri­que­ce­rá acei­tan­do en­ten­di­men­tos e ex­pe­ri­ên­ci­as so­ci­o­cul­tu­rais di­fe­ren­tes da sua, ten­do em vis­ta a cons­tru­ção de ou­tros iti­ne­rá­ri­os.

Já se per­ce­beu. O pas­sa­do, a me­mó­ria, só in­te­res­sa­ram por es­tes di­as, no Por­to, nu­ma pers­pec­ti­va de fu­tu­ro. Na quin­ta-fei­ra, no au­di­tó­rio de Ser­ral­ves, um dos ar­tis­tas fran­ce­ses mais co­nhe­ci­dos dos nos­sos di­as, Ch­ris­ti­an Bol­tans­ki, co­me­ça­va a sua co­mu­ni­ca­ção di­zen­do que iria fa­lar do pas­sa­do, o que era es­tra­nho por­que o mo­te ali era o fu­tu­ro. Na ver­da­de, co­mo pou­co an­tes enun­ci­a­ra o cu­ra­dor Ri­car­do Ni­co­lau, na obra de Bol­tans­ki são uma e a mes­ma coi­sa. Nos seus tra­ba­lhos — fo­to­gra­fia, pin­tu­ra, es­cul­tu­ra ou ins­ta­la­ção — in­ter­ro­ga-se as nar­ra­ti­vas his­tó­ri­cas, o que dei­xam de fo­ra ou a sua ver­da­de, nu­ma ló­gi­ca on­de o pas­sa­do (a ex­pe­ri­ên­cia), o pre­sen­te (a ac­ção), e o fu­tu­ro (a ex­pec­ta­ti­va), não se su­ce­dem ape­nas di­a­cro­ni­ca­men­te, mas tam­bém sin­cro­ni­ca­men­te.

“Vi uma ex­po­si­ção de­le em Guimarães, em 2012, on­de usa­va rou­pas que cir­cu­la­vam pe­lo es­pa­ço, qua­se co­mo se fos­se uma co­re­o­gra­fia, e des­de aí fui co­nhe­cen­do a sua obra e fi­can­do ca­da vez mais cu­ri­o­so”, diz-nos Ri­car­do Ro­sá­rio, de­sig­ner, pre­sen­te na ses­são de Ser­ral­ves, “e vê-lo aqui a fa­lar so­bre es­tas ques-

Es­ta­mos mui­to sa­tis­fei­tos com mui­tas ses­sões to­tal­men­te re­ple­tas e pe­lo es­pa­ço de en­con­tro e de tro­ca de idei­as em que o pro­gra­ma se trans­for­mou

Gui­lher­me Blanc di­rec­tor e cu­ra­dor

tões, a mor­te, a vi­da, a me­mó­ria, a ma­nei­ra co­mo ele nos faz par­ti­ci­par em his­tó­ri­as re­ais, é uma opor­tu­ni­da­de úni­ca.”

Se na An­ti­gui­da­de a pos­si­bi­li­da­de de trans­mi­tir, atra­vés da es­cri­ta, uma me­mó­ria pa­ra o fu­tu­ro, trans­for­mou a no­ção de tem­po, o mes­mo pa­re­ce es­tar a acon­te­cer ago­ra com a In­ter­net. Em vez de uma his­tó­ria com um per­cur­so pre­ci­so e con­tí­nuo, te­mos re­gres­sos, des­con­ti­nui­da­des, re­cu­pe­ra­ções e con­vi­vên­ci­as. Tu­do mui­to rá­pi­do. E no en­tan­to se­rá que as nos­sas vi­sões so­bre o amor e o ero­tis­mo se te­rão trans­for­ma­do as­sim tan­to des­de que Pla­tão es­cre­veu O

Ban­que­te? Is­so mes­mo es­pe­lha­ram a es­cri­to­ra in­gle­sa Ma­ri­na War­ner e a es­pa­nho­la Be­a­triz Co­lo­mi­na, de­se­nhan­do um lon­go per­cur­so des­de a Gré­cia clás­si­ca às re­des so­ci­ais.

Con­clu­sões? “Fi­quei com a ideia que o dis­cur­so ro­man­ti­za­do so­bre o amor não mu­dou as­sim tan­to quan­do jul­ga­mos”, ri-se no fi­nal da ses­são, Ma­fal­da Flo­ri­val, 34 anos, ar­qui­tec­ta, “mas fi­quei a pen­sar quan­do uma das co­mu­ni­ca­do­ras dis­se que du­ran­te sé­cu­los as re­pre­sen­ta­ções fe­mi­ni­nas fo­ram do­mi­na­das pe­lo olhar mas­cu­li­no. Ou se­ja, as mu­lhe­res não pro­du­zi­am as su­as pró­pri­as ima­gens, li­mi­ta­vam-se a ser re­tra­ta­das, e que ago­ra, em par­te por cau­sa das re­des so­ci­ais as mu­lhe­res pas­sa­ram a au­to-re­pre­sen­tar-se. Nun­ca ti­nha pen­sa­do nis­so, pe­lo me­nos des­sa for­ma.”

Fa­zer pen­sar. Eis um dos de­sa­fi­os do Fó­rum. Cla­ro que ha­ve­rá sem­pre quem vá à pro­cu­ra de con­fir­ma­ções. Mas exis­te tam­bém quem de­se­je o es­pan­to. Ser ator­do­a­do. É di­fí­cil não o ser pe­lo ar­tis­ta plás­ti­co li­ba­nês Wa­lid Ra­ad, no­me que se con­fun­de com o de Atlas Group, que co­me­ça por fa­lar da es­co­la de ar­tes (Co­o­per Uni­on Scho­ol of Art) em No­va Ior­que, on­de lec­ci­o­na, pa­ra in­ter­ro­gar o ne­o­li­be­ra­lis­mo ac­tu­al e ter­mi­nar por ques­ti­o­nar a re­la­ção en­tre Oci­den­te e Ori­en­te a par­tir das ar­tes.

Pe­lo meio fa­la do seu tra­ba­lho ar­tís­ti­co mais re­co­nhe­cí­vel, a res­sus­ci­ta­ção da guer­ra ci­vil no Lí­ba­no atra­vés de fo­to­gra­fi­as, ví­deo ou tex­tos, sem­pre na ten­são en­tre a re­a­li­da­de e a fic­ção, fo­can­do-se nos acon­te­ci­men­tos trau­má­ti­cos — que pro­vo­cam uma ci­são ou um cor­te, mas atra­vés dos quais se es­tá sem­pre a vol­tar atra­vés da me­mó­ria. O tem­po, ou­tra vez. “O trau­ma diz-nos que te­mos de aban­do­nar uma no­ção cro­no­ló­gi­ca do tem­po”, di­rá às tan- tas. “O pas­sa­do já foi ou es­ta­mos a vi­vê-lo ago­ra?”

O li­ba­nês é um ex­ce­len­te co­mu­ni­ca­dor. A sua apre­sen­ta­ção tem al­go de per­for­ma­ti­vo. Tra­duz com­ple­xi­da­de com efi­cá­cia. Ho­ras an­tes, na quar­ta-fei­ra, o ar­qui­tec­to ja­po­nês Toyo Ito, ven­ce­dor do Pritz­ker em 2013, ha­via ti­do uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to di­ver­sa. O Ri­vo­li lo­tou pa­ra o ou­vir, mas o fac­to de se ex­pres­sar em ja­po­nês — com tra­du­ção si­mul­tâ­nea, nem sem­pre fe­liz, pa­ra por­tu­guês, atra­vés dos au­ri­cu­la­res — não fa­ci­li­tou a men­sa­gem.

Du­ran­te o dia ha­via vi­si­ta­do Si­za Vi­ei­ra e tam­bém a Ca­sa da Mú­si­ca. Ali fo­cou-se em pas­sar a ideia de que os no­vos es­pa­ços pú­bli­cos de­vem re­cu­pe­rar a li­ga­ção en­tre se­res hu­ma­nos e na­tu­re­za, mos­tran­do-se ao mes­mo tem­po pre­o­cu­pa­do pe­la evo­lu­ção ur­ba­na de Tó­quio, que irá aco­lher os jo­gos olím­pi­cos de 2020. “A ci­da­de es­tá a trans­for­mar-se nu­ma enor­me gre­lha de ar­ra­nha-céus in­di­fe­ren­ci­a­dos”, afir­mou, dis­cor­ren­do so­bre a res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al da ar­qui­tec­tu­ra, pa­ten­te num dos seus pro­jec­tos mais co­nhe­ci­do, Ho­me for

All, que ser­viu mi­lha­res de de­sa­lo­ja­dos em con­sequên­cia do ter­ra­mo­to de 2011. Em si­mul­tâ­neo mos­trou edi­fí­ci­os pú­bli­cos que tem vin­do a de­se­nhar e que re­cu­pe­ram ele­men­tos clás­si­cos, ten­ta­ti­va de nos re­a­pro­xi­mar de con­tex­tos na­tu­rais.

So­bre o nos­so tem­po

Pa­ra os mui­tos es­tu­dan­tes de ar­qui­tec­tu­ra que o fo­ram ver, Toyo Ito é uma ce­le­bri­da­de, al­go cons­ta­tá­vel pe­los mui­tos pedidos de fo­to­gra­fia que acon­te­ce­ram no fi­nal. Mas a es­tre­la mai­or dos úl­ti­mos di­as do Fó­rum foi Mar­ga­ret Atwo­od, qua­se 79 anos, au­to­ra de A His­tó­ria

de Uma Ser­va (Ber­trand), no ori­gi­nal The Hand­maid’s Ta­le, o li­vro de uni­ver­so dis­tó­pi­co de 1985 con­ver­ti­do em sé­rie de TV em 2017, co­mo se tra­du­zis­se o au­to­ri­ta­ris­mo ou a mi­so­gi­nia da Amé­ri­ca pós-Trump ou do Bra­sil de Bol­so­na­ro. Mi­nu­tos an­tes, jan­tan­do en­tre os par­ti­ci­pan­tes do even­to, era ape­nas al­guém a par­ti­lhar as su­as im­pres­sões so­bre o Por­to e as vi­a­gens que vai re­a­li­zan­do pe­lo mun­do. Ali, em pal­co, é a mes­ma pes­soa e si­mul­ta­ne­a­men­te ou­tra. Tem cons­ci­ên­cia do efei­to que pro­duz. É di­ver­ti­da, pro­vo­ca­do­ra por ve­zes, qua­se sem­pre per­ti­nen­te.

Fa­la da sua in­fân­cia — “que­ria ser pin­to­ra”, diz, ao mes­mo tem­po que mos­tra as su­as ilus­tra­ções. Re­cor­da os pais — a mãe, eman­ci­pa­da, lon­ge de qual­quer pa­pel fe­mi­ni­no sub­ju­ga­do, e o pai, um aven­tu­rei­ro — ou o ir­mão mais ve­lho, que lhe con­ta­va his­tó­ri­as e de­se­nha­va he­róis mi­to­ló­gi­cos, cri­an­do-lhe o gos­to pe­la ilus­tra­ção e pe­las mi­to­lo­gi­as, que nun­ca mais lar­gou, e que ain­da ho­je diz se­rem a ba­se da sua ac­ti­vi­da­de co­mo es­cri­to­ra “mui­to vi­su­al”. Na ado­les­cên­cia ad­veio o gos­to por clás­si­cos, co­mo a Ilía­da e Odis­seia, e pe­la fic­ção ci­en­tí­fi­ca. A par­tir daí nun­ca mais te­ve dú­vi­das de que que­ria es­cre­ver li­vros, “mas com uma nar­ra­do­ra fe­mi­ni­na, por­que to­dos os que lia eram nar­ra­dos por ho­mens”, diz, acres­cen­tan­do que in­de­pen­den­te­men­te do con­tex­to, “só se es­cre­ve so­bre o nos­so tem­po”.

Mar­ga­ret Atwo­od tem ra­zão se­gun­do a no­ção de tem­po cro­no­ló­gi­co. Po­de-se ima­gi­nar sé­cu­los pas­sa­dos, mas não es­ta­mos lá, e tam­bém não sa­be­mos o que vai ser o fu­tu­ro. Mas o tem­po, co­mo as con­fe­rên­ci­as não dei­xa­ram de evi­den­ci­ar, po­de ser múl­ti­plo, di­nâ­mi­co e he­te­ro­gé­neo. Não há es­que­mas úni­cos. Nes­se sen­ti­do po­dem-se pro­jec­tar no­vas for­mas de vi­ver o tem­po que te­mos pa­ra vi­ver. Tam­bém por is­so, pe­la re­le­vân­cia das ma­té­ri­as de re­fle­xão que vai pro­pon­do, cin­co anos de­pois, o Fó­rum do Fu­tu­ro re­ve­la-se apos­ta ga­nha, dis­pen­san­do apre­sen­ta­ções.

O pas­sa­do já foi ou es­ta­mos a vi­vê-lo ago­ra? Wa­lid Ra­ad Ar­tis­ta plás­ti­co

FO­TOS: ANDRE RO­DRI­GUES

A du­pla ame­ri­ca­na Mary Reid Kel­ley e Pa­trick Kel­ley que tra­tou de ex­por que a sua prá­ti­ca ar­tís­ti­ca. Ao la­do, a es­cri­to­ra Mar­ga­ret Atwo­od

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.