Re­for­mas an­te­ci­pa­das po­dem vir a ter com­pen­sa­ções

Blo­co de Es­quer­da ne­go­ceia com o Go­ver­no ajus­tes pa­ra quem des­con­tou des­de mui­to ce­do

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ra­quel Mar­tins ra­quel.mar­tins@pu­bli­co.pt

O Blo­co de Es­quer­da (BE) es­tá a ne­go­ci­ar com o Go­ver­no a cri­a­ção de um com­ple­men­to pa­ra com­pen­sar as pes­so­as que co­me­ça­ram a tra­ba­lhar ain­da cri­an­ças e pe­di­ram a re­for­ma an­te­ci­pa­da com ele­va­das pe­na­li­za­ções. A pos­si­bi­li­da­de tem si­do dis­cu­ti­da nas reu­niões que es­tão a de­cor­rer na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca pa­ra acer­tar al­gu­mas pro­pos­tas de al­te­ra­ção ao Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019 (OE 2019), mas ain­da é ce­do pa­ra di­zer se a me­di­da po­de­rá avan­çar e em que mol­des.

O BE tem in­sis­ti­do na ne­ces­si­da­de de cri­ar um “com­ple­men­to de re­pa­ra­ção pe­lo tra­ba­lho in­fan­til”. O ob­jec­ti­vo é com­pen­sar as pes­so­as que co­me­ça­ram a tra­ba­lhar an­tes dos 16 anos e que pe­di­ram a re­for­ma an­te­ci­pa­da en­tre 2014 — quan­do o Go­ver­no de Pas­sos Co­e­lho-Pau­lo Por­tas au­men­tou as pe­na­li­za­ções — e Ou­tu­bro de 2018, al­tu­ra em que en­trou em vi­gor a úl­ti­ma fa­se do no­vo re­gi­me das mui­to lon­gas car­rei­ras con­tri­bu­ti­vas (que per­mi­te a re­for­ma an­te­ci­pa­da sem cor­tes a quem co­me­çou a tra­ba­lhar an­tes dos 16 anos). Es­tão em cau­sa pen­si­o­nis­tas que ini­ci­a­ram a sua car­rei­ra con­tri­bu­ti­va ain­da cri­an­ças e que se re­for­ma­ram nos úl­ti­mos anos com pe­na­li­za­ções mui­to ele­va­das (fac­tor de sus­ten­ta­bi­li­da­de e cor­te por antecipação), por­que ain­da não es­ta­va em vi­gor o no­vo re­gi­me.

O as­sun­to, con­fir­mou ao PÚ­BLI­CO o de­pu­ta­do do BE Jo­sé So­ei­ro, es­tá a ser ava­li­a­do. “Não te­mos ain­da uma es­ti­ma­ti­va do nú­me­ro de po­ten­ci­ais abran­gi­dos e dos cus­tos, mas se­rá um uni­ver­so re­la­ti­va­men­te con­tro­la­do”, adi­an­ta. “Pa­re­ce-nos que é pos­sí­vel fa­zer es­te ca­mi­nho”, acres­cen­ta. “Te­mos es­ta­do a di­a­lo­gar com o Go­ver­no so­bre so­lu­ções possíveis. Além da de­fi­ni­ção do uni­ver­so e dos cus­tos, tem si­do di­fí­cil che­gar a con­sen­so so­bre a for­ma le­gal a dar a es­se com­ple­men­to”, re­for­ça Jo­sé So­ei­ro, aler­tan­do que es­tão a ser ava­li­a­das vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des tan­to no que res­pei­ta ao uni­ver­so de po­ten­ci­ais be­ne­fi­ciá­ri­os, co­mo à for­ma co­mo es­se com­ple­men­to se po­de­rá tra­du­zir.

“Te­mos es­ta­do a di­a­lo­gar com o Go­ver­no so­bre so­lu­ções possíveis. Além da de­fi­ni­ção do uni­ver­so e dos cus­tos, tem si­do di­fí­cil che­gar a con­sen­so so­bre a for­ma le­gal”, diz So­ei­ro

Uma das hi­pó­te­ses em ci­ma da me­sa pas­sa por per­mi­tir que es­tes pen­si­o­nis­tas re­ce­bam uma com­pen­sa­ção equi­va­len­te ao cor­te do fac­tor de sus­ten­ta­bi­li­da­de a que fo­ram su­jei­tos (e que nes­te pe­río­do os­ci­lou en­tre os 12,34% e os 14,5%). No ca­so de uma pes­soa que se re­for­mou an­te­ci­pa­da­men­te em 2017, por exem­plo, o com­ple­men­to equi­va­le­ria a um au­men­to da sua pen­são na or­dem dos 13,88%.

Na dis­cus­são do OE pa­ra 2018, o BE já ti­nha de­fen­di­do que era pre­ci­so en­con­trar uma for­ma de com­pen­sar as pes­so­as que se re­for­ma­ram an­te­ci­pa­da­men­te com cor­tes mui­to ele­va­dos nas su­as pen­sões. A me­di­da apro­va­da li­mi­tou-se a alar­gar o com­ple­men­to so­ci­al pa­ra ido­sos a quem re­ce­be pen­sões an­te­ci­pa­das abai­xo do li­mi­ar da po­bre­za.

No OE 2019, o BE es­pe­ra con­se­guir ir mais lon­ge. O gru­po par­la­men­tar, re­la­ta Jo­sé So­ei­ro, to­dos os di­as re­ce­be “cen­te­nas” de emails de pen­si­o­nis­tas. Mui­tos que­rem sa­ber se tam­bém se­rão abran­gi­dos pe­las no­vas re­gras e se ve­rão fi­nal­men­te as su­as pen­sões ali­vi­a­das dos cor­tes que, tem ar­gu­men­ta­do o BE, são “uma he­ran­ça do Go­ver­no an­te­ri­or, quan­do al­te­rou as re­gras de cál­cu­lo do fac­tor de sus­ten­ta­bi­li­da­de e au­men­tou a ida­de da re­for­ma.

Ain­da na área da Se­gu­ran­ça So­ci­al, o BE não de­sis­te de aca­bar com o cor­te do fac­tor de sus­ten­ta­bi­li­da­de pa­ra as pen­sões an­te­ci­pa­das pe­di­das por quem tem 60 anos e 40 de des­con­tos. Quer ain­da ga­ran­tir que o OE pre­vê o alar­ga­men­to do fim dos cor­tes pa­ra as pen­sões an­te­ci­pa­das dos tra­ba­lha­do­res que des­con­tam pa­ra a Cai­xa Ge­ral de Apo­sen­ta­ções, à se­me­lhan­ça do que es­tá pre­vis­to pa­ra o sec­tor pri­va­do. Além dis­so, o Blo­co vai apre­sen­tar uma pro­pos­ta pa­ra me­lho­rar a bo­ni­fi­ca­ção da­da aos tra­ba­lha­do­res que op­tem por per­ma­ne­cer mais tem­po no mer­ca­do de tra­ba­lho. A ideia é que a ida­de pes­so­al de re­for­ma pos­sa re­du­zir-se em um ano por ca­da ano a mais de tra­ba­lho além dos 40. A pro­pos­ta que o Go­ver­no apre­sen­tou aos par­cei­ros so­ci­ais em 2016 apon­ta pa­ra uma re­du­ção en­tre os qua­tro e os se­te me­ses por ca­da ano a mais de tra­ba­lho.

ENRIC VIVES RUBIO

Al­te­ra­ções fei­tas por Mo­ta Soares, quan­do era mi­nis­tro do Go­ver­no PSD-CDS/PP, agra­va­ram cor­tes nas pen­sões an­te­ci­pa­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.