Co­mo ga­nhou ma­tu­ri­da­de o re­bel­de da opo­si­ção

A con­ven­ção do par­ti­do ar­ran­ca ho­je com os olhos nas elei­ções

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ma­ria João Lo­pes mj­lo­pes@pu­bli­co.pt

Quan­do che­gou à As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, em 1999, o Blo­co de Es­quer­da ar­mou lo­go um fa­la­tó­rio. Os de­pu­ta­dos Fran­cis­co Lou­çã e Luís Fa­zen­da re­cu­sa­ram os lu­ga­res que lhes ti­nham des­ti­na­do e exi­gi­ram que fos­sem na pri­mei­ra fi­la, na ex­tre­ma-es­quer­da do ple­ná­rio. Co­mo o PCP não os que­ria ce­der, os blo­quis­tas fi­ca­ram de pé. À da­ta, o PÚ­BLI­CO es­cre­via que a ati­tu­de foi mo­ti­vo de con­ver­sas nos cor­re­do­res da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca (AR) e que os no­vos de­pu­ta­dos já “eram cri­ti­ca­dos” pe­la “ar­ro­gân­cia”.

Qua­se 20 anos de­pois, com al­tos e bai­xos pe­lo ca­mi­nho, já não há só dois de­pu­ta­dos blo­quis­tas, mas 19, e as ten­sões com o PCP já não se de­vem a lu­ga­res, mas a ne­go­ci­a­ções com o exe­cu­ti­vo pa­ra Or­ça­men­tos do Es­ta­do. Os dois par­ti­dos dei­xa­ram de es­tar con­fi­na­dos à opo­si­ção: em 2015, as­si­na­ram acor­dos com um exe­cu­ti­vo mi­no­ri­tá­rio do PS, pa­ra re­po­si­ção de ren­di­men­tos, e ga­ran­ti­ram uma mai­o­ria de es­quer­da na AR. Pas­sa­ram a fa­zer par­te de uma so­lu­ção iné­di­ta de Go­ver­no. Os blo­quis­tas tam­bém já não es­tão de pé no he­mi­ci­clo, mas a mar­ca de re­bel­dia fi­cou. Per­du­ra ou foi-se apa­gan­do com a pro­xi­mi­da­de ao po­der? De que for­ma a “ge­rin­gon­ça” trans­for­mou o BE?

Fran­cis­co Lou­çã, fun­da­dor, não tem dú­vi­das: “Al­te­rou mé­to­dos de tra­ba­lho, cri­ou uma agen­da mais in­ten­sa, am­pli­ou a au­di­ên­cia, cri­ou no­vos ca­nais de diá­lo­go po­lí­ti­co”, diz, an­tes da XI Con­ven­ção Na­ci­o­nal do BE, mar­ca­da pa­ra es­te fim-de-se­ma­na, na qu­al a di­rec­ção apre­sen­ta uma mo­ção em que se lê que, “em 2019, o Blo­co quer ser for­ça de go­ver­no, com uma no­va re­la­ção de for­ças”. Uma con­ven­ção que acon­te­ce quan­do pas­sam pre­ci­sa­men­te três anos so­bre a as­si­na­tu­ra do acor­do com o PS e quan­do se apro­xi­ma um ano de vá­ri­as elei­ções, in­cluin­do le­gis­la­ti­vas.

“A mo­ção se­gue a es­tra­té­gia an­te­ri­or, mas em con­di­ções de me­lhor re­la­ção de for­ças. Co­mo o PS não con­se­gui­rá mai­o­ria ab­so­lu­ta e o Blo­co po­de re­for­çar-se nas elei­ções, fi­ca­rá em con­di­ções de ba­ta­lhar por me­di­das de fun­do pa­ra a re­du­ção da de­si­gual­da­de e a re­for­ma es­tru­tu­ral do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Saú­de, por exem­plo”, diz Lou­çã, con­fi­an­te na co­or­de­na­do­ra Ca­ta­ri­na Mar­tins, “das pes­so­as mais bem pre­pa­ra­das na vi­da pú­bli­ca em Por­tu­gal, pois tem a ca­rac­te­rís­ti­ca mais es­sen­ci­al, é de con­fi­an­ça”.

Ou­tro fun­da­dor, Fer­nan­do Ro­sas, tam­bém não se mos­tra sur­pre­en­di­do com a pre­ten­são ins­cri­ta na mo­ção e de­fen­de que o BE de­ve ad­mi­tir fa­zer par­te de um go­ver­no de es­quer­da: “Se, por via dos re­sul­ta­dos elei­to­rais, uma no­va cor­re­la­ção de for­ças es­ta­be­le­cer no­vas pos­si­bi­li­da­des de alar­ga­men­to, a pos­si­bi­li­da­de de ir pa­ra o Go­ver­no de­ve ad­mi­tir-se.” Ca­so a ex­pec­ta­ti­va não se cum­pra, há sem­pre ca­mi­nho a tri­lhar: “Se hou­ver con­di­ções pa­ra que aqui­lo que é a nos­sa vi­são fun­da­men­tal so­bre as coi­sas ser com­pa­tí­vel com a ida pa­ra o Go­ver­no, mui­to bem; se não, a lu­ta con­ti­nua”, re­su­me.

Um ado­les­cen­te e o BE

Ho­je, diz o de­pu­ta­do blo­quis­ta Jo­sé So­ei­ro, já não se tra­ta ape­nas do que o po­der fez ao BE, mas tam­bém do que o BE fez ao po­der: “O BE tam­bém pro­vo­cou uma gran­de mu­dan­ça. Ho­je é di­fí­cil e con­train­tui­ti­vo pen­sar o que se­ria a po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa sem o BE.”

O per­cur­so des­te de­pu­ta­do, de 34 anos, mis­tu­ra-se com o do par­ti­do. Ti­nha 15 anos quan­do foi com o pai — au­tor do sím­bo­lo do BE — a uma ses­são de apre­sen­ta­ção do par­ti­do, no Por­to: “Lem­bro-me des­sa sen­sa­ção de que vai nas­cer uma coi­sa no­va.”

A sa­la es­ta­va cheia e So­ei­ro foi lo­go abor­da­do por um jo­vem do en­tão PSR pa­ra ir a um acam­pa­men­to de jo­vens re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os, em Fran­ça. Nes­se Ve­rão, lá foi, le­van­do de­pois o es­pí­ri­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio até

à es­co­la: par­ti­ci­pou em ma­ni­fes­ta­ções con­tra a re­vi­são cur­ri­cu­lar, con­tra au­las de 90 mi­nu­tos, pro­tes­tou por ha­ver es­ca­das só pa­ra pro­fes­so­res, or­ga­ni­zou con­ver­sas. Uma foi so­bre edu­ca­ção se­xu­al e a par­ti­ci­pa­ção de uma lés­bi­ca pro­vo­cou um bru­aá.

Tam­bém re­pre­sen­tou os es­tu­dan­tes do se­cun­dá­rio num pro­gra­ma te­le­vi­si­vo, so­bre a es­co­la. Quem lá es­ta­va co­mo mi­nis­tro da Edu­ca­ção era San­tos Sil­va, ago­ra a tu­te­lar os Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros. Nas vol­tas que o mun­do deu, o en­tão es­tu­dan­te pas­sou a ser de­pu­ta­do e a par­ti­ci­par em reu­niões com o Go­ver­no.

“O BE ho­je tem mui­to mais en­rai­za­men­to so­ci­al, é pro­cu­ra­do por mais gen­te, o que nos obri­gou a ter um co­nhe­ci­men­to mui­to mais pro­fun­do so­bre vá­ri­os as­sun­tos. Co­mo es­ta­mos nu­ma po­si­ção em que ne­go­ci­a­mos leis e or­ça­men­tos, te­mos de fa­zer pro­pos­tas tec­ni­ca­men­te ina­ta­cá­veis e po­li­ti­ca­men­te cer- tei­ras”, ex­pli­ca So­ei­ro. “O BE ho­je es­tá mui­to mais pre­pa­ra­do. É mais es­cru­ti­na­do, as pes­so­as são mais exi­gen­tes e te­mos mais ca­pa­ci­da­de de mu­dar”, acres­cen­ta.

Do im­pos­sí­vel ao re­al

O lí­der da ban­ca­da par­la­men­tar, Pe­dro Fi­li­pe Soares — que já dis­pu­tou a co­or­de­na­ção com Ca­ta­ri­na Mar­tins —, vai mais lon­ge na aná­li­se so­bre o re­la­ci­o­na­men­to com o po­der e con­si­de­ra mes­mo que o BE tem “mais cons­ci­ên­cia do sig­ni­fi­ca­do de uma go­ver­na­ção do país”: “Ter­mos um pro­gra­ma elei­to­ral ca­paz de go­ver­nar o país é uma pro­pos­ta ago­ra mais sé­ria aos olhos das pes­so­as, por­que per­ce­bem que te­mos mais pro­ta­go­nis­tas po­lí­ti­cos ca­pa­zes de o fa­zer, e que pro­pos­tas, que fo­ram con­si­de­ra­das im­pos­sí­veis e ir­re­a­li­zá­veis, pas­sa­ram no cri­vo da re­a­li­da­de e es­tão adi­ti­va­das com o co­nhe­ci­men­to que ad­qui­ri­mos ao lon­go dos três anos.”

Aos de­sa­fi­os, Lou­çã acres­cen­ta os cui­da­dos: o par­ti­do tem de “me­dir de ou­tra for­ma to­das as con­sequên­ci­as e to­das as pa­la­vras. Um par­ti­do de opo­si­ção não é igual a um par­ti­do que tem um acor­do com um Go­ver­no”. Daí que o es­cru­tí­nio se­ja mais fe­roz, e “ain­da bem”, diz Lou­çã: “Um er­ro é um er­ro. O que o Blo­co não po­dia fa­zer de­pois da de­mis­são de Ro­bles era dei­xar de com­ba­ter a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria e pe­la ha­bi­ta­ção. Que te­nha re­for­ça­do a sua in­sis­tên­cia nes­ses pon­tos é pro­va de ma­tu­ri­da­de e de ca­pa­ci­da­de ofen­si­va.”

Em cau­sa, es­tá a saí­da de Ri­car­do Ro­bles da au­tar­quia de Lis­boa, de­pois de se sa­ber que o blo­quis­ta, crí­ti­co da es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria e das con­sequên­ci­as do alo­ja­men­to lo­cal, ti­nha in­ves­ti­men­tos imo­bi­liá­ri­os com os con­tor­nos que cri­ti­ca­va. O an­ti­go ve­re­a­dor não vai à con­ven­ção.

Ape­sar do sa­fa­não que o ca­so pro­vo­cou, Lou­çã con­si­de­ra que as do­res de cres­ci­men­to do BE são ou­tras: “Ele­var os pa­drões de con­sis­tên­cia téc­ni­ca das su­as pro­pos­tas pa­ra o ní­vel de um Go­ver­no, mos­trar com­pe­tên­cia e ca­pa­ci­da­de de diá­lo­go, per­ce­ber o ris­co de ter mui­tas pes­so­as en­vol­vi­das em fun­ções ins­ti­tu­ci­o­nais ro­ti­nei­ras”. Fer­nan­do Ro­sas con­cor­da: “[A so­lu­ção de Go­ver­no] deu mais tra­ba­lho, mais sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de, mais ma­tu­ri­da­de na abor­da­gem das ques­tões.”

E se, em 1999, o BE era al­vo de crí­ti­cas na AR, em 2018 con­ti­nua a me­xer com os ner­vos de al­guns: “O BE ir­ri­ta mui­ta gen­te, so­bre­tu­do na di­rei­ta. Quer na di­rei­ta, di­rei­ta, quer na di­rei­ta do pró­prio PS, na me­di­da em que cor­res­pon­de a uma ten­dên­cia em cres­ci­men­to.” O BE atin­giu a mai­o­ri­da­de e tem ago­ra um po­der que nun­ca te­ve. Man­te­ve a iden­ti­da­de ge­né­ti­ca? Fer­nan­do Ro­sas, que es­te­ve na fun­da­ção des­se ADN, ga­ran­te que sim: “Não há um des­vio de iden­ti­da­de do BE, há é no­vos in­tér­pre­tes.”

Fran­cis­co Lou­çã, que foi um dos fun­da­do­res do BE em 1999, fri­sa que um par­ti­do que tem um acor­do com o Go­ver­no não é igual a um par­ti­do da opo­si­ção

Ter­mos um pro­gra­ma elei­to­ral ca­paz de go­ver­nar o país é uma pro­pos­ta ago­ra mais sé­ria aos olhos das pes­so­as

Pe­dro Fi­li­pe Soares Lí­der par­la­men­tar do BE

O Blo­co no iní­cio da sua ac­ti­vi­da­de par­ti­dá­ria em 1999 e mais re­cen­te­men­te com a no­va lí­der

DR

MI­GUEL MANSO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.