PS e di­rei­ta que­rem re­gis­to obri­ga­tó­rio pa­ra lobbyis­tas, PCP e BE te­mem a “opa­ci­da­de ofi­ci­al”

BE de­so­be­de­ce­rá à lei que, pe­lo re­gis­to de reu­niões com as ban­ca­das, pos­sa “de­nun­ci­ar tra­ba­lha­do­res com em­pre­go em ris­co”

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - Trans­pa­rên­cia Ma­ria Lo­pes

É bem pos­sí­vel que se che­gue ao fi­nal da le­gis­la­tu­ra com uma lei com os prin­cí­pi­os bá­si­cos so­bre o lobbying, com a cri­a­ção de um re­gis­to obri­ga­tó­rio de re­pre­sen­tan­tes de in­te­res­ses jun­to da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca. PS e CDS têm pro­pos­tas nes­se sen­ti­do e têm do seu la­do o PSD. Já Blo­co e PCP re­jei­tam li­mi­nar­men­te que to­dos os con­tac­tos fei­tos com os de­pu­ta­dos se­jam re­gis­ta­dos, por­que, di­zem, is­so li­mi­ta­rá a ac­ção de mui­tos ci­da­dãos e o seu con­tac­to com o Par­la­men­to, so­bre­tu­do nos ca­sos em que re­cor­rem aos de­pu­ta­dos pa­ra de­nun­ci­ar si­tu­a­ções que po­nham em cau­sa a sua car­rei­ra — al­guns até fo­ram ful­crais em re­cen­tes co­mis­sões de inqué­ri­to.

Os blo­quis­tas, pe­la voz do lí­der par­la­men­tar, avi­sam: “Nós de­so­be­de­ce­re­mos à lei. Nós não aju­da­re­mos a de­nun­ci­ar tra­ba­lha­do­res.” Pe­dro Fi­li­pe Soares fez um vi­o­len­to ata­que às pre­ten­sões do PS e da di­rei­ta, e foi se­cun­da­do por Jor­ge Ma­cha­do, do PCP.

O CDS pro­põe a re­gu­la­ção do lobbying — ou da re­pre­sen­ta­ção fun­ci­o­nal de in­te­res­ses le­gí­ti­mos, co­mo a de­sig­na — atra­vés de um re­gis­to obri­ga­tó­rio de to­das as en­ti­da­des que con­tac­tem com a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, o Go­ver­no e a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, se­ja de for­ma pes­so­al, por cor­res­pon­dên­cia, com even­tos, reu­niões ou con­fe­rên­ci­as. Se­ria um re­gis­to elec­tró­ni­co, pú­bli­co, obri­ga­tó­rio e gra­tui­to, com no­mes, pro­fis­sões e in­te­res­ses que es­sas pes­so­as e em­pre­sas re­pre­sen­tam, des­cre­ve a de­pu­ta­da Vâ­nia Di­as da Sil­va. O CDS quer tam­bém que fi­que re­gis­ta­da to­da a pe­ga­da le­gis­la­ti­va.

O PS de­fen­de um re­gi­me mais li­gei­ro e li­mi­ta-se ao Par­la­men­to por con­si­de­rar que es­te não po­de le­gis­lar so­bre o Go­ver­no. Mas faz exi­gên­ci­as so­bre a fi­de­dig­ni­da­de da in­for­ma­ção que o lobbyis­ta pres­tar aos de­ci­so­res, quer sa­ber se es­sas em­pre­sas têm có­di­gos de con­du­ta na re­la­ção com en­ti­da­des pú­bli­cas e im­pe­dir que o re­gis­to se­ja usa­do co­mo van­ta­gem co­mer­ci­al. O PS ad­mi­te um pe­río­do de no­jo de três anos pa­ra os an­ti­gos ti­tu­la­res de al­tos car­gos pú­bli­cos e po­lí­ti­cos po­de­rem exer­cer lobbying.

Sem pro­pos­ta so­bre o te­ma, o PSD con­si­de­ra que é tem­po de le­gis­lar — o Go­ver­no de Pas­sos Co­e­lho pro­me­te­ra fa­zê-lo — e ale­ga que há en­ti­da­des que se quei­xam de não ter aces­so aos de­ci­so­res no Par­la­men­to e no Go­ver­no. “Não é trá­fi­co de in­fluên­ci­as. To­dos sa­be­mos que há re­pre­sen­ta­ção de in­te­res­ses le­gí­ti­mos so­bre os pro­ces­sos le­gis­la­ti­vos”, diz o de­pu­ta­do Du­ar­te Mar­ques. “O pro­ble­ma é quan­do is­to é fei­to nas cos­tas, na som­bra e sob a ca­pa de ou­tros ti­pos de in­te­res­se.”

Pa­ra o blo­quis­ta Pe­dro Fi­li­pe Soares, o úni­co bem pú­bli­co que es­tá a ser pro­te­gi­do nes­ta ma­té­ria “é o ne­gó­cio dos lobbyis­tas” e não a trans­pa­rên­cia, co­mo que­rem fa­zer crer PS, CDS e PSD. “Não se pre­ten­de um re­gi­me de trans­pa­rên­cia, mas de opa­ci­da­de, de um re­gi­me pro­fis­si­o­nal com re­gis­to de pres­são jun­to dos de­ci­so­res po­lí­ti­cos. E tam­bém uma se­pa­ra­ção dos ci­da­dãos dos de­ci­so­res po­lí­ti­cos”, opôs. “Com es­te re­gis­to te­re­mos acam­pa­dos à por­ta do Par­la­men­to um gru­po de lobbyis­tas [que fa­ci­li­ta­rão o aces­so aos de­pu­ta­dos e co­mis­sões par­la­men­ta­res a tro­co de di­nhei­ro].”

“Se­rão cri­a­dos obs­tá­cu­los re­ais ao fun­ci­o­na­men­to da de­mo­cra­cia e da re­pre­sen­ta­ção di­rec­ta”, diz o PCP que se­cun­da a mai­or par­te dos ar­gu­men­tos do BE. Jor­ge Ma­cha­do diz que ho­je “qual­quer ci­da­dão, as­so­ci­a­ção de pais, de bair­ro, sin­di­cal ou con­jun­to in­for­mal de pes­so­as se po­de di­ri­gir sem qual­quer en­tra­ve ao Par­la­men­to”, e is­so é pu­bli­ci­ta­do de for­ma trans­pa­ren­te no seu si­te.O de­pu­ta­do lem­bra os ca­sos do Par­la­men­to Eu­ro­peu e dos EUA, on­de as em­pre­sas de lobbying “fun­ci­o­nam co­mo em­pre­sas de car­te­li­za­ção de in­te­res­ses. É a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção do trá­fi­co de in­fluên­ci­as”. Os lobbyis­tas, diz, tan­to po­dem re­pre­sen­tar uma as­so­ci­a­ção de pais ou uma ONG co­mo uma gran­de far­ma­cêu­ti­ca. ma­ria.lo­pes@pu­bli­co.pt

Pe­dro Fi­li­pe Soares não quer lobbyis­tas “acam­pa­dos” à por­ta, a afas­tar os elei­to­res dos elei­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.