Nowo fi­ca sem Sport TV e dei­xa dí­vi­da de qua­tro mi­lhões por pa­gar

A em­pre­sa de­ti­da pe­la Oli­ve­des­por­tos e pe­las ope­ra­do­ras Nos, Meo e Vo­da­fo­ne cor­tou o ser­vi­ço à Nowo, que é par­cei­ra da Ele­ven Sports. Sport TV fa­la em dí­vi­das por pa­gar, mas a ope­ra­do­ra não co­men­ta

Edição Público Lisboa - - ECONOMIA - Te­le­co­mu­ni­ca­ções Ana Brito

A Sport TV cor­tou o ser­vi­ço à Nowo na ma­dru­ga­da de on­tem. A Nowo, que era a an­ti­ga Ca­bo­vi­são e que es­tá en­vol­vi­da num bra­ço-de-fer­ro com os três ope­ra­do­res ac­ci­o­nis­tas da Sport TV por cau­sa do aces­so aos con­teú­dos da Ele­ven Sports, quei­xa-se de uma “de­ci­são sem pre­ce­den­tes” e de “exi­gên­ci­as des­le­ais” por par­te da em­pre­sa de­ti­da pe­la Oli­ve­des­por­tos, de Jo­a­quim Oli­vei­ra, Nos, Meo e Vo­da­fo­ne, co­mo um au­men­to de 15% no pre­ço do con­tra­to.

Em co­mu­ni­ca­do, a Nowo as­se­gu­rou que a “in­ter­rup­ção uni­la­te­ral do ser­vi­ço” de­ci­di­da pe­la Sport TV se de­veu à sua “re­cu­sa (...) em acei­tar no­vas con­di­ções im­pos­tas pe­la Sport TV”, que con­si­de­rou “des­le­ais, ina­de­qua­das e de­sa­jus­ta­das fa­ce à re­a­li­da­de do mer­ca­do”. Crí­ti­cas se­me­lhan­tes às que até já lhe ti­nham si­do fei­tas pe­los ope­ra­do­res a pro­pó­si­to das ne­go­ci­a­ções pa­ra ace­der aos con­teú­dos des­por­ti­vos da Ele­ven Sports (co­mo os jo­gos da li­ga dos Cam­peões e li­ga es­pa­nho­la).

A Sport TV de­fen­deu-se afir­man­do que o con­tra­to com a Nowo ter­mi­nou no fi­nal de Ju­lho e que a em­pre­sa — que já nes­sa al­tu­ra ti­nha uma “ele­va­da dí­vi­da ven­ci­da” jun­to da Sport TV — con­ti­nu­ou a re­ce­ber o ser­vi­ço sem pa­gar e, ao mes­mo tem­po, a fac­tu­rá-lo aos cli­en­tes. Uma in­for­ma­ção que a Nowo op­tou por não co­men­tar, quan­do con­tac­ta­da. Em cau­sa es­tá um va­lor em dí­vi­da que ron­da os qua­tro mi­lhões de eu­ros, se­gun­do apu­rou o PÚ­BLI­CO.

Após o tér­mi­no do con­tra­to, a Sport TV “ace­deu, ain­da as­sim, em man­ter o ser­vi­ço” até dia 8 de No­vem­bro, “no sen­ti­do de não pre­ju­di­car os cli­en­tes Sport TV que ace­dem aos seus ca­nais atra­vés des­te ope­ra­dor, e, si­mul­ta­ne­a­men­te, pre­ser­var a re­la­ção de par­ce­ria en­tre am­bos”, fri­sou a em­pre­sa li­de­ra­da por Nu­no Fer­rei­ra Pi­res. “Du­ran­te to­do o pe­río­do em dí­vi­da, a Nowo con­ti­nu­ou a co­brar aos seus cli­en­tes os ser­vi­ços da Sport TV”, su­bli­nha ain­da a em­pre­sa.

Co­mo “não hou­ve até ho­je qual­quer pa­ga­men­to da Nowo à Sport TV, se­ja por con­ta da dí­vi­da re­fe­ren­te ao con­tra­to an­ti­go e já ter­mi­na­do, se­ja por con­ta dos ser­vi­ços pos­te­ri­o­res pres­ta­dos até 8 de No­vem­bro de 2018”, a em­pre­sa que con­ta com os di­rei­tos te­le­vi­si­vos dos jo­gos do Ben­fi­ca (fo­ra de ca­sa), do FC Por­to, e do Spor­ting, bem co­mo das li­gas in­gle­sa e ita­li­a­na, en­tre ou­tras, op­tou por in­ter­rom­per os ser­vi­ços, “por fal­ta de acor­do”.

En­quan­to a Sport TV re­fe­re que as “ne­go­ci­a­ções pa­ra re­no­va­ção en­tre as du­as en­ti­da­des” ti­ve­ram iní­cio ain­da em Fe­ve­rei­ro, a em­pre­sa pre­si­di­da por Mi­guel Ve­nân­cio diz que foi apa­nha­da de surpresa pe­las “no­vas con­di­ções” exi­gi­das pe­la sua for­ne­ce­do­ra, das quais “a mais gra­ve” foi a apre­sen­ta­ção por par­te da Sport TV de um “no­vo con­tra­to com um cus­to 15% su­pe­ri­or ao pra­ti­ca­do até en­tão”.

A ope­ra­do­ra ga­ran­te que as no­vas con­di­ções lhe fo­ram apre­sen­ta­das “na vés­pe­ra do úl­ti­mo dia de vi­gên­cia do con­tra­to an­te­ri­or­men­te em vi­gor” e que não ti­nha “ha­vi­do até en­tão qual­quer in­di­ca­ção que pu­des­se an­te­ver uma re­vi­são con­tra­tu­al nos mol­des” que fo­ram de­fi­ni­dos.

Qu­ei­xan­do-se de uma “pos­tu­ra aten­ta­tó­ria aos va­lo­res de res­pei­to co­mer­ci­al e sã con­cor­rên­cia de mer­ca­do”, a Nowo diz ain­da que “é la­men­tá­vel que, ape­sar da su­bi­da do cus­to que a Sport TV ago­ra pre­ten­de im­por à Nowo e aos ou­tros ope­ra­do­res, a mes­ma de­ci­da man­ter os cus­tos de subs­cri­ção jun­to dos seus cli­en­tes”. A em­pre­sa ga­ran­te que “ac­ci­o­na­rá os mei­os que con­si­de­rar ne­ces­sá­ri­os pa­ra sal­va­guar­dar os in­te­res­ses dos seus cli­en­tes”.

Já a Sport TV diz-se em­pe­nha­da “em res­ta­be­le­cer o ser­vi­ço dos seus seis ca­nais aos cli­en­tes da Nowo, as­sim que a Nowo pre­ten­da ul­tra­pas­sar a ac­tu­al si­tu­a­ção”.

En­quan­to is­so, a Nowo já en­vi­ou SMS pa­ra os seus cli­en­tes a in­for­má­los da sus­pen­são das trans­mis­sões e da fac­tu­ra­ção da Sport TV e avan­ça com uma pro­pos­ta al­ter­na­ti­va: “Co­mo com­pen­sa­ção, ve­ja o me­lhor des­por­to na Ele­ven Sports e BTV nas po­si­ções 65 à 72 até 31-05-2019 ou re­po­si­ção do ser­vi­ço Sport TV”, re­fe­re o SMS en­vi­a­do es­ta ma­nhã.

“Si­tu­a­ções es­pe­ci­ais”

A Nowo foi ven­di­da pe­la Al­ti­ce à ges­to­ra de fun­dos de pri­va­te equity fran­ce­sa Apax em 2015, pa­ra que a em­pre­sa de Pa­trick Drahi e Ar­man­do Pe­rei­ra pu­des­se con­cluir a com­pra da Meo. Con­tu­do, a Apax acor­dou re­cen­te­men­te a trans­mis­são do con­tro­lo dos ac­ti­vos agru­pa­dos na so­ci­e­da­de lu­xem­bur­gue­sa Ca­bo­link — além da ex-Ca­bo­vi­são, a Oni — à KKR, ou­tra ges­to­ra de fun­dos nor­te­a­me­ri­ca­na.

A ope­ra­ção de “aqui­si­ção de con­tro­lo ex­clu­si­vo in­di­rec­to” foi no­ti­fi­ca­da no fi­nal de Se­tem­bro à Au­to­ri­da­de da Con­cor­rên­cia, que na quin­ta-fei­ra pu­bli­cou uma de­ci­são de não-opo­si­ção.

Se­gun­do in­for­ma­ções re­co­lhi­das pe­lo PÚ­BLI­CO, o no­vo ac­ci­o­nis­ta tem-se fei­to re­pre­sen­tar nas reu­niões com a Sport TV por Ga­bri­e­le Qu­es­ta, um di­rec­tor da KKR Caps­to­ne (que ac­tua sob li­cen­ça da KKR), que é o res­pon­sá­vel pe­la uni­da­de de Spe­ci­al Si­tu­a­ti­ons, de­di­ca­da à re­cu­pe­ra­ção de dí­vi­das e cré­di­tos.

Foi pre­ci­sa­men­te por cau­sa de uma dí­vi­da da Ca­bo­link, mais con­cre­ta­men­te da Oni, que a Al­ti­ce avan­çou es­te ano com um pe­di­do de in­sol­vên­cia da ope­ra­do­ra de co­mu­ni­ca­ções em­pre­sa­ri­ais, à qu­al pres­ta um ser­vi­ço de ope­ra­do­ra mó­vel vir­tu­al (MVNO).

Na quin­ta-fei­ra, o pre­si­den­te da Al­ti­ce, Ale­xan­dre Fon­se­ca, re­ve­lou à mar­gem da Web Sum­mit que me­ta­de da dí­vi­da (em tor­no de oi­to mi­lhões de eu­ros, se­gun­do o Eco) já foi pa­ga e que o pe­di­do de in­sol­vên­cia de­ve­rá ser re­ti­ra­do. ana.brito@pu­bli­co.pt

MI­GUEL A. LO­PES/LU­SA

A Sport TV é li­de­ra­da por Nu­no Fer­rei­ra Pi­res A Sport TV, de­ti­da em par­tes iguais pe­la Oli­ve­des­por­tos, Nos, Meo e Vo­da­fo­ne, al­can­çou um re­sul­ta­do lí­qui­do de 4,8 mi­lhões de eu­ros em 2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.