Trump sus­pen­de di­rei­to de asi­lo a imi­gran­tes sem do­cu­men­tos

O do­cu­men­to as­si­na­do pe­lo Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos não tem for­ça de lei e de­ve­rá ser con­tes­ta­do em tri­bu­nal nos pró­xi­mos di­as. “A lei é cla­ra: qual­quer pes­soa po­de pe­dir asi­lo”

Edição Público Lisboa - - MUNDO - EUA Ale­xan­dre Mar­tins

O Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, as­si­nou on­tem um do­cu­men­to que tem co­mo ob­jec­ti­vo ne­gar o di­rei­to de asi­lo às pes­so­as que en­trem no país sem do­cu­men­tos atra­vés da fron­tei­ra com o Mé­xi­co. Es­ta me­di­da, apre­sen­ta­da co­mo uma res­pos­ta a uma mar­cha de mi­lha­res de imi­gran­tes que es­tão nes­te mo­men­to a di­ri­gir-se pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, não tem for­ça de lei e de­ve­rá ser con­tes­ta­da nos tri­bu­nais.

A de­ci­são de Trump foi apre­sen­ta­da sob a for­ma de uma pro­cla­ma­ção pre­si­den­ci­al, que fun­ci­o­na co­mo uma de­cla­ra­ção, e é um ins­tru­men­to di­fe­ren­te do de­cre­to pre­si­den­ci­al, que fun­ci­o­na co­mo uma di­rec­ti­va.

Na pro­cla­ma­ção as­si­na­da on­tem, o Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no de­cla­ra, na prá­ti­ca, que os imi­gran­tes que en­trem no país por qual­quer ou­tro pon­to da fron­tei­ra com o Mé­xi­co que não se­ja uma por­ta de en­tra­da ofi­ci­al per­dem o di­rei­to ao pe­di­do de asi­lo — uma de­ci­são que, à par­ti­da, é con­trá­ria à le­gis­la­ção so­bre pedidos de asi­lo, que não faz qual­quer dis­tin­ção en­tre en­tra­das le­gais ou ile­gais.

Mas a de­cla­ra­ção tem um ca­rác­ter pro­vi­só­rio, por 90 di­as, e não ne­ga o di­rei­to a qual­quer pes­soa de pe­dir “ou­tras for­mas de pro­tec­ção da per­se­gui­ção ou tor­tu­ra”. Du­as ex­cep­ções que a Ca­sa Bran­ca acre­di­ta se­rem su­fi­ci­en­tes pa­ra que os tri­bu­nais acei­tem a va­li­da­de da de­cla­ra­ção.

“Me­di­an­te es­ta sus­pen­são, os es­tran­gei­ros que en­trem pe­la fron­tei­ra a sul, mes­mo os que não te­nham do­cu­men­ta­ção, po­dem va­ler-se do nos­so sis­te­ma de asi­lo, des­de que se apre­sen­tem pa­ra ins­pec­ção num por­to de en­tra­da”, lê-se no do­cu­men­to as­si­na­do por Do­nald Trump.

Não se tra­ta de fe­char a fron­tei­ra à en­tra­da de imi­gran­tes (is­so não é se­quer fi­si­ca­men­te pos­sí­vel), mas sim de sus­pen­der o di­rei­to de asi­lo a quem en­trar nos Es­ta­dos Uni­dos sem au­to­ri­za­ção, e ape­nas atra­vés da fron­tei­ra com o Mé­xi­co — um método na­tu­ral­men­te usa­do por imi­gran­tes e can­di­da­tos a asi­lo sem do­cu­men­tos, co­mo os mi­lha­res que par­ti­ram das Hon­du­ras, no iní­cio de Ou­tu­bro, em di­rec­ção aos Es­ta­dos Uni­dos.

Es­tas mar­chas não são uma no­vi­da­de, e já no ano pas­sa­do fo­ram usa­das pe­lo Pre­si­den­te Trump pa­ra exi­gir ao Con­gres­so um re­for­ço da fron­tei­ra, prin­ci­pal­men­te a cons­tru­ção de um mu­ro. Na mai­or par­te dos ca­sos, as cha­ma­das “ca­ra­va­nas” são or­ga­ni­za­das por gru­pos de apoio à imi­gra­ção e ser­vem pa­ra pro­te­ger os imi­gran­tes da ex­plo­ra­ção dos car­téis, que con­tro­lam as ro­tas da imi­gra­ção.

Atra­sos nos pro­ces­sos

De acor­do com a lei, qual­quer pes­soa que con­si­ga en­trar no ter­ri­tó­rio dos Es­ta­dos Uni­dos sem au­to­ri­za­ção fi­ca ime­di­a­ta­men­te à guar­da do Es­ta­do e tem o di­rei­to a apre­sen­tar o seu ca­so aos tri­bu­nais. A es­cas­sez de juí­zes e o ele­va­do nú­me­ro de pro­ces­sos le­vam a que es­ses ca­sos fi­quem sem uma de­ci­são du­ran­te me­ses ou anos — du­ran­te es­se tem­po, os me­no­res não po­dem fi­car de­ti­dos, sen­do mui­tas ve­zes en­tre­gues a de­par­ta­men­tos e ins­ti­tui­ções até que os seus pro­ces­sos se­jam con­cluí­dos.

As as­so­ci­a­ções nor­te-ame­ri­ca­nas de apoio dos imi­gran­tes di­zem que es­tas res­tri­ções vi­o­lam as leis do país, ar­gu­men­tan­do que da Lei da Imi­gra­ção e da Na­ci­o­na­li­da­de se de­pre­en­de que qual­quer pes­soa que es­te­ja a fu­gir à per­se­gui­ção ou à vi­o­lên­cia no seu país po­de re­que­rer asi­lo nos EUA, in­de­pen­den­te­men­te de en­trar no ter­ri­tó­rio de for­ma le­gal ou ile­gal.

“A lei é cla­ra: qual­quer pes­soa po­de pe­dir asi­lo, quer en­tre no país por um pos­to de con­tro­lo quer não, e in­de­pen­den­te­men­te do seu es­ta­tu­to mi­gra­tó­rio. O Pre­si­den­te não tem po­der pa­ra ig­no­rar a lei, mes­mo que não gos­te de­la”, dis­se ao New York Ti­mes Omar Jadwat, da Ame­ri­can Ci­vil Li­ber­ti­es Uni­on. ale­xan­dre.mar­tins@pu­bli­co.pt

HANNAH MCKAY/REU­TERS

Uma mar­cha com mi­lha­res de imi­gran­tes es­tá a ca­mi­nho dos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.