Tría­de chi­ne­sa co­bra dí­vi­da a Lar­go Win­ch

8.º ál­bum du­plo Lar­go Win­ch (Os Três Olhos dos Gu­ar­diães do Tao / A Via e a Vir­tu­de) Quar­ta-fei­ra, 14 de No­vem­bro Por + 11,90 €

Edição Público Lisboa - - INICIATIVAS - Car­los Pes­soa

Um acor­do en­tre a Di­vi­são Ae­ro­es­pa­ci­al do Gru­po W e o gru­po chi­nês Tsai In­dus­tri­es tem de ser as­si­na­do pe­lo jo­vem mag­na­ta em Hong Kong. Mas há um pro­ble­ma: Lar­go es­tá ina­ces­sí­vel e ape­nas Si­mon sa­be co­mo en­trar em con­tac­to com ele. Dwight Co­ch­ra­ne ad­ver­te o seu che­fe de que o fu­tu­ro do gru­po es­tá em jo­go e que de­ve es­tar im­pe­ra­ti­va­men­te em Hong Kong em me­nos de dez di­as. Na se­gun­da par­te da his­tó­ria, Lar­go con­ti­nua de­sa­pa­re­ci­do e os seus ami­gos e co­la­bo­ra­do­res pró­xi­mos ten­tam en­con­trá-lo, mas nin­guém pa­re­ce sa­ber o que lhe acon­te­ceu. Pa­ra os exe­cu­ti­vos do gru­po W, Lar­go foi pro­va­vel­men­te ví­ti­ma de um nau­frá­gio ou se­ques­tra­do por pi­ra­tas. Mas Tsai Hu­ang sa­be mui­to bem on­de Lar­go Win­ch se en­con­tra: nu­ma das su­as pri­sões. O oi­ta­vo ál­bum da co­lec­ção Lar­go Win­ch (tex­to de Je­an van Ham­me e de­se­nho de Phi­lip­pe Francq), con­ten­do as aven­tu­ras Os Três Olhos dos Gu­ar­diães do Tao e A Via e a Vir­tu­de, se­rá dis­tri­buí­do com o PÚ­BLI­CO na pró­xi­ma quar­ta-fei­ra.

Pa­ra não va­ri­ar, o pro­ta­go­nis­ta des­ta sé­rie de ban­da de­se­nha­da de gran­de pú­bli­co es­tá mer­gu­lha­do em pro­ble­mas até à pon­ta dos ca­be­los, pois tem de hon­rar uma dí­vi­da con­traí­da jun­to de uma tría­de chi­ne­sa. Des­ta vez, po­rém, a his­tó­ria é me­nos di­ri­gi­da pa­ra o uni­ver­so fi­nan­cei­ro e mais cen­tra­da na aven­tu­ra pu­ra e du­ra, com o in­te­res­se su­ple­men­tar de fo­ca­gem, atra­vés de curtas sequên­ci­as sub­til­men­te in­tro­du­zi­das, em as­pec­tos par­ti­cu­la­res do pas­sa­do do jo­vem “mi­li­o­ná­rio de té­nis”. Gra­ças a es­sa op­ção, o ar­gu­men­tis­ta ex­põe nes­te ci­clo uma cer­ta sen­si­bi­li­da­de e vul­ne­ra­bi­li­da­de de Lar­go, afas­tan­do a ima­gem de um “su­per-he­rói” que po­de­ria pro­jec­tar­se no ima­gi­ná­rio dos lei­to­res. O pro­ta­go­nis­ta re­ve­la-se al­guém ca­paz de emo­ções e afec­tos que con­for­mam uma vi­são das coi­sas e do mun­do in­ves­ti­da de uma in­con­di­ci­o­nal hu­ma­ni­da­de — ele é, pois, um aven­tu­rei­ro dos tem­pos mo­der­nos com uma for­ça mo­ral re­sis­ten­te a to­das as pro­va­ções e di­fi­cul­da­des. Se con­si­de­rar­mos que Lar­go Win­ch é a ex­pres­são aca­ba­da de uma sé­rie co­mer­ci­al, a pre­sen­ça de to­dos es­tes ele­men­tos con­fe­re-lhe um sa­bor es­pe­ci­al que a su­ces­são de aven­tu­ras só tem vin­do a en­fa­ti­zar.

Tu­do co­me­ça mui­to bem, e com gran­de di­na­mis­mo, no con­tex­to de uma Chi­na do nos­so tem­po. O ar­gu­men­to de­sen­vol­ve-se de for­ma sus­ten­ta­da, co­mo é sem­pre apa­ná­gio do tra­ba­lho de Van Ham­me, e a ac­ção es­tá pre­sen­te em ca­da pran­cha, mal per­mi­tin­do a quem lê res­pi­rar en­tre per­se­gui­ções, com­ba­tes cor­po­rais e si­tu­a­ções ines­pe­ra­das.

A se­gun­da par­te des­te ci­clo, por seu la­do, foi ori­gi­nal­men­te pu­bli­ca­da em ál­bum no ano de 2008, quan­do se re­a­li­za­ram os Jo­gos Olím­pi­cos na Re­pú­bli­ca Po­pu­lar da Chi­na. Es­te even­to de di­men­são mun­di­al tor­nou pos­sí­vel tra­zer a pri­mei­ro pla­no os pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com a pre­sen­ça chi­ne­sa no Ti­be­te. Mas is­so não sig­ni­fi­ca que tal re­a­li­da­de se­ja di­rec­ta­men­te re­fe­ri­da nes­te díp­ti­co, até por­que o Ti­be­te é um ele­men­to an­te­ri­or­men­te pre­sen­te na sé­rie. Se­pa­ran­do cons­ci­en­te­men­te as águas, os au­to­res op­tam por es­ta­be­le­cer cu­ri­o­sas e fi­nas cum­pli­ci­da­des com os apre­ci­a­do­res de his­tó­ri­as aos qua­dra­di­nhos — é o ca­so da re­ac­ção “had­doc­ki­a­na” de Si­mon Ovron­naz, quan­do, ao acor­dar, se vê ines­pe­ra­da­men­te em fren­te de uma es­tá­tua, ou do no­me de um ho­tel on­de se ins­ta­la (The Blue Lo­tus)...

No pla­no grá­fi­co, cons­ta­ta-se a ha­bi­tu­al efi­cá­cia e di­na­mis­mo do de­se­nho de Francq. O seu tra­ço re­a­lis­ta con­se­gue mi­la­gres, tan­to nos pla­nos de in­te­ri­o­res, co­mo nas ce­nas de ac­ção e nas sequên­ci­as em que ocor­rem per­se­gui­ções au­to­mó­veis; as vis­tas aé­re­as so­bre Hong Kong, no Du­bai ou na ilha de Lar­go, por exem­plo, são des­lum­bran­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.