Pla­nis­fé­ri­co O su­per­clá­si­co em três his­tó­ri­as

Bo­ca Ju­ni­ors e Ri­ver Pla­te jo­gam ho­je a pri­mei­ra mão da fi­nal da Co­pa Li­ber­ta­do­res

Edição Público Lisboa - - DESPORTO - Fu­te­bol in­ter­na­ci­o­nal Marco Va­za

É mais ou me­nos con­sen­su­al que 40% dos ar­gen­ti­nos são do Bo­ca Ju­ni­ors e 30% são do Ri­ver Pla­te, sen­do que, fo­ra des­ta per­cen­ta­gem es­tá o Pa­pa Fran­cis­co, adep­to fer­re­nho do San Lo­ren­zo de Al­ma­gro, e Ma­nu Gi­no­bi­li, que se­rá um dos pou­cos ar­gen­ti­nos que não gos­ta de fu­te­bol. Ne­nhum de­les es­ta­rá, en­tão, par­ti­cu­lar­men­te in­te­res­sa­do no que irá acon­te­cer ho­je, no La Bom­bo­ne­ra, em Bu­e­nos Ai­res, on­de Bo­ca Ju­ni­ors e Ri­ver Pla­te se irão de­fron­tar pa­ra a pri­mei­ra mão da fi­nal da Co­pa Li­ber­ta­do­res (20h, SPTV3), a pri­mei­ra vez que du­as equi­pas ar­gen­ti­nas se de­fron­tam na de­ci­são da mai­or com­pe­ti­ção de clu­bes da Amé­ri­ca do Sul. São 70% dos ar­gen­ti­nos com um in­ves­ti­men­to emo­ci­o­nal gi­gan­te e que atra­ves­sa o país in­tei­ro nes­ta ri­va­li­da­de apai­xo­na­da e fe­roz com mais de um sé­cu­lo de exis­tên­cia e que já te­ve 210 su­per­clá­si­cos. Os nú­me­ros são equi­li­bra­dos: 77 vi­tó­ri­as pa­ra o Bo­ca, 69 pa­ra o Ri­ver e 65 em­pa­tes.

O bar­co su­e­co e o cai­xo­te

Com a di­fe­ren­ça de qua­tro anos, Ri­ver Pla­te (1901) e Bo­ca Ju­ni­ors (1905) nas­ce­ram no mes­mo bair­ro do su­des­te de Bu­e­nos Ai­res, o La Bo­ca, per­to do por­to. O Bo­ca fi­cou em La Bo­ca, o Ri­ver mu­dou-se pa­ra um bair­ro no­bre da ca­pi­tal e ga­nhou a fa­ma de clu­be dos ri­cos — cha­mam-lhe os “mil­lo­ná­ri­os”. Pe­la fi­de­li­da­de às ori­gens, o Bo­ca fi­cou sem­pre co­mo o clu­be das clas­ses mais bai­xas, sen­do que am­bos os clu­bes são trans­ver­sais ao país — an­tes de ser Pre­si­den­te da Ar­gen­ti­na, Mau­rí­cio Ma­cri foi pre­si­den­te do Bo­ca.

Con­ta a lenda que em 1906, o Bo­ca e o Not­tingham de Al­ma­gro, du­as equi­pas com equi­pa­men­tos iguais (ris­cas bran­cas e pre­tas ver­ti­cais) fi­ze­ram um jo­go pa­ra de­ci­dir quem te­ria o di­rei­to de man­ter as co­res. O Bo­ca per­deu e de­ci­diu mu­dar usan­do as co­res do pri­mei­ro na­vio que apor­tas­se em Bu­e­nos Ai­res. Foi um bar­co com ban­dei­ra su­e­ca e as­sim o Bo­ca ga­nhou o ama­re­lo e o azul que man­tém até ho­je. Já o Ri­ver, que nas­ceu da fu­são de dois clu­bes, ga­nhou o seu no­me de uma ins­cri­ção num cai­xo­te que um dos seus fun­da­do­res viu en­quan­to tra­ba­lha­va no Por­to. O cai­xo­te vi­nha de In­gla­ter­ra e ti­nha es­cri­to “Ri­ver Pla­te”, o no­me que os in­gle­ses da­vam ao Rio de la Pla­ta.

La pu­er­ta 12

Meio sé­cu­lo de­pois, é uma tra­gé­dia que con­ti­nua sem cul­pa. A 23 de Ju­nho de 1968, 71 adep­tos do Bo­ca Ju­ni­ors mor­re­ram es­ma­ga­dos con­tra a por­ta 12 do Es­tá­dio Mo­nu­men­tal nos mi­nu­tos fi­nais de um Ri­ver-Bo­ca. Nun­ca se per­ce­beu por que ra­zão é que es­sa por­ta des­ti­na­da aos adep­tos vi­si­tan­tes es­ta­va fe­cha­da quan­do mui­tos “hin­chas” do Bo­ca re­sol­ve­ram sair. Os adep­tos que fo­ram sain­do en­con­tram a gra­de de se­gu­ran­ça da por­ta tran­ca­da, fi­ca­ram sem hi­pó­te­ses de sair ou vol­tar a su­bir as es­ca­das, por­que a ava­lan­che de pes­so­as em di­rec­ção à por­ta con­ti­nu­a­va. O pâ­ni­co ins­ta­lou-se e a tra­gé­dia acon­te­ceu: 71 mor­tos e 113 fe­ri­dos, com mui­tas cri­an­ças en­tre as ví­ti­mas. Cul­pa­ram-se as au­to­ri­da­des, cul­pou-se o Ri­ver, mas nun­ca se con­se­guiu es­cla­re­cer por que ra­zão a por­ta 12 es­ta­va fe­cha­da na­que­le dia.

A es­treia do “dez”

Aos 21 anos, Di­e­go Ar­man­do Ma­ra­do­na já era uma “es­tre­la” na Ar­gen­ti­na e de­se­ja­do pe­los dois “gran­des” de Bueno Ai­res. Os “mil­lo­ná­ri­os” fi­ze­ram jus­ti­ça ao no­me e ofe­re­ce­ram a Di­e­go uma pro­pos­ta ir­re­cu­sá­vel, en­quan­to o Bo­ca es­ta­va na fa­lên­cia. Mas o Ri­ver não ti­nha di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra co­brir a pai­xão de Di­e­go e do pai pe­lo Bo­ca. Co­mo o clu­be do co­ra­ção não ti­nha di­nhei­ro pa­ra ele, Ma­ra­do­na me­teu a cir­cu­lar que es­ta­va per­to do Bo­ca pa­ra for­çar a mão do clu­be a “in­ven­tar” 13 mi­lhões de dó­la­res pa­ra o res­ga­tar ao Ar­gen­ti­nos Ju­ni­ors. Não ha­via qual­quer pro­pos­ta, mas pas­sou a ha­ver e, se­gun­do con­ta Ma­ra­do­na, o Bar­ce­lo­na de Es­pa­nha tam­bém con­tri­buiu, re­ser­van­do o “dez” pa­ra a épo­ca se­guin­te.

O Bo­ca pa­ga­ria qua­tro mi­lhões e seis jo­ga­do­res por Ma­ra­do­na e, dois me­ses de­pois, iria de­fron­tar o Ri­ver na Bom­bo­ne­ra. A 10 de Abril, nu­ma noi­te de chu­va, Mi­guel Brin­di­si fez o pri­mei­ro dos seus dois go­los no jo­go após uma jo­ga­da es­pec­ta­cu­lar de Ma­ra­do­na. A ver­da­dei­ra ex­plo­são de “El Pi­be” acon­te­ceu de­pois, nu­ma jo­ga­da de Cór­do­ba pe­lo flan­co, cru­za­men­to pa­ra Di­e­go, do­mí­nio im­pos­sí­vel da bo­la e re­ma­te, fe­chan­do o su­per­clá­si­co com um 3-0 pa­ra o Bo­ca. De­zas­seis anos de­pois des­se jo­go, com to­da uma vi­da de al­tos e bai­xos pe­lo meio, foi num su­per­clá­si­co de 1997 no Mo­nu­men­tal que Ma­ra­do­na dei­xou de jo­gar. mva­za@pu­bli­co.pt Pla­nis­fé­ri­co é uma ru­bri­ca se­ma­nal so­bre his­tó­ri­as e cam­pe­o­na­tos de fu­te­bol pe­ri­fé­ri­cos www.pu­bli­co.pt/pla­nis­fe­ri­co

DR

Ma­ra­do­na quan­do re­pre­sen­ta­va o Bo­ca, no clás­si­co com o Ri­ver

Ver mais em

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.