Vi­la Fran­ca de Xi­ra in­sis­te na pis­ta de Al­ver­ca pa­ra com­ple­men­tar Por­te­la

Au­tar­cas e em­pre­sas do con­ce­lho de Vi­la Fran­ca de Xi­ra in­sis­tem que a pis­ta de Al­ver­ca é uma “ex­ce­len­te” so­lu­ção pa­ra “vo­os exe­cu­ti­vos”. Su­ges­tão já foi fei­ta ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e ao pri­mei­ro-mi­nis­tro

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - In­fra-es­tru­tu­ras Jor­ge Ta­li­xa

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Vi­la Fran­ca e o pre­si­den­te da Og­ma-In­dús­tria Ae­ro­náu­ti­ca de Por­tu­gal de­fen­dem que a pis­ta de Al­ver­ca tem to­das as con­di­ções pa­ra passar a re­ce­ber os chamados “vo­os exe­cu­ti­vos” que ho­je em dia se di­ri­gem à Por­te­la. Con­si­de­ram que esta pers­pec­ti­va não con­fli­tua com os pro­jec­tos do Go­ver­no pa­ra a pis­ta do Mon­ti­jo e o au­tar­ca de Vi­la Fran­ca de Xi­ra de­fen­de mesmo que Al­ver­ca po­de aco­lher, igual­men­te, o trá­fe­go mi­li­tar fei­to ac­tu­al­men­te pa­ra o Ae­ro­por­to de Fi­go Ma­du­ro e a área de ma­nu­ten­ção da TAP (tam­bém ins­ta­la­dos na Por­te­la), li­ber­tan­do as­sim es­pa­ços pa­ra o fun­ci­o­na­men­to do Ae­ro­por­to Hum­ber­to Del­ga­do.

Al­ber­to Mes­qui­ta, pre­si­den­te da câ­ma­ra vi­la-fran­quen­se, dis­se ao PÚ­BLI­CO que tem sen­si­bi­li­za­do o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e o pri­mei­ro-mi­nis­tro pa­ra esta pos­si­bi­li­da­de, por­que a pis­ta de Al­ver­ca tem “ex­ce­len­tes con­di­ções” — dis­ta me­nos de 20 qui­ló­me­tros de Lis­boa e tem bo­as aces­si­bi­li­da­des ro­do­viá­ri­as e fer­ro­viá­ri­as à ca­pi­tal — e “me­re­ce” ser mais bem apro­vei­ta­da. Até à dé­ca­da de 1940, a pis­ta de avi­a­ção cons­truí­da en­tre Al­ver­ca e o Te­jo fun­ci­o­nou mesmo co­mo o pri­mei­ro ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal de Lis­boa. Na dé­ca­da de 50 foi subs­ti­tuí­da pe­lo ae­ro­por­to da Por­te­la e pro­gres­si­va­men­te viu a sua ac­ti­vi­da­de re­du­zi­da ao mo­vi­men­to da Og­ma e do vi­zi­nho De­pó­si­toGe­ral de Ma­te­ri­al da For­ça Aé­rea.

“Va­mos con­ti­nu­ar a in­sis­tir e não va­mos de­sis­tir de re­a­pro­vei­tar o po­ten­ci­al que aque­la pis­ta tem pa­ra a área dos vo­os exe­cu­ti­vos e de ul­tra­le­ves. Pa­ra is­so é preciso, de uma vez por to­das, que o Es­ta­do per­mi­ta que te­nha­mos ali, em Al­ver­ca, aqui­lo que cha­ma­mos um ae­ro­por­to ge­ral”, ex­pli­ca Al­ber­to Mes­qui­ta, pre­co­ni­zan­do um mo­de­lo de fun­ci­o­na­men­to em que a pis­ta (ac­tu­al­men­te ge­ri­da pe­la For­ça Aé­rea Por­tu­gue­sa) pu­des­se con­ti­nu­ar a re­ce­ber vo­os mi­li­ta­res e vo­os de ae­ro­na­ves pa­ra a Og­ma, mas alar­gas­se a sua ac­ti­vi­da­de aos chamados “exe­cu­ti­vos” — vo­os par­ti­cu­la­res que em­pre­sá­ri­os e ou­tros pro­cu­ram a re­gião de Lis­boa pa­ra vi­a­gens de cur­ta du­ra­ção.

O au­tar­ca vi­la-fran­quen­se con­si­de­ra que esta so­lu­ção se­ria be­né­fi­ca pa­ra os uten­tes e pa­ra a pró­pria ANA, em­pre­sa que ge­re o Ae­ro­por­to Hum­ber­to Del­ga­do. “Interessa à ANA por­que o pro­ble­ma da ANA é a fal­ta de es­pa­ço no Hum­ber­to Del­ga­do. A ANA quer ter mais mo­vi­men­tos, pa­ra haver mais mo­vi­men­tos é preciso cri­ar es­pa­ço pa­ra aco­lher e pa­ra es­ta­ci­o­nar mais aviões. Co­mo é que é pos­sí­vel al­guém que ve­nha aqui fa­zer os seus ne­gó­ci­os, que ve­nha num voo exe­cu­ti­vo, che­gue a Lis­boa ao Ae­ro­por­to Hum­ber­to Del­ga­do e, de­pois, de­mo­re uma hora ou mais pa­ra sair do ae­ro­por­to? Is­so não é pos­sí­vel”, sustenta Al­ber­to Mes­qui­ta, que sa­be que a ad­mi­nis­tra­ção da Og­ma tam­bém tem de­sen­vol­vi­do di­li­gên­ci­as jun­to do Es­ta­do por­tu­guês a este res­pei­to.

Marco Tú­lio Pel­le­gri­ni, pre­si­den- te da co­mis­são exe­cu­ti­va da Og­ma, con­fir­ma is­so mesmo, fri­san­do que um dos seg­men­tos de mer­ca­do que a In­dús­tria Ae­ro­náu­ti­ca de Por­tu­gal (mai­or em­pre­sa por­tu­gue­sa do ra­mo) pre­ten­de de­sen­vol­ver é o da ma­nu­ten­ção da avi­a­ção exe­cu­ti­va. “A Og­ma já faz ma­nu­ten­ção de jac­tos exe­cu­ti­vos, mas faz a uma es­ca­la pe­que­na e po­de fa­zer mui­to mais”, su­bli­nha o ges­tor, fri­san­do que outras das con­di­ções fun­da­men­tais é for­mar mais mão-de-obra qua­li­fi­ca­da. Se o es­sen­ci­al dos vo­os exe­cu­ti­vos que pro­cu­ram Lis­boa fos­se des­lo­ca­do pa­ra a pis­ta de Al­ver­ca, a Og­ma ga­nha­ria mais con­di­ções pa­ra de­sen­vol­ver esta área. E Pel­le­gri­ni de­fen­de que Por­tu­gal até po­de apro­vei­tar mais o seg­men­to da re­mo­de­la­ção/re­no­va­ção des­tas ae­ro­na­ves.

“Mui­ta com­pe­tên­cia”

“Ho­je fa­ze­mos pou­co em Por­tu­gal, mas te­mos mui­ta com­pe­tên­cia ne­sem tes elementos que com­põem o in­te­ri­or de um jac­to exe­cu­ti­vo. Po­de­rá ser um no­vo ne­gó­cio a ser ex­plo­ra­do em Por­tu­gal, por­que na avi­a­ção exe­cu­ti­va o cli­en­te aca­ba por tro­car o in­te­ri­or do avião a ca­da cin­co a oi­to anos. Mantém o avião, mas quer fa­zer uma ac­tu­a­li­za­ção do mo­bi­liá­rio, do in­te­ri­or, da pin­tu­ra e es­se é um ne­gó­cio que po­de ser bem ex­plo­ra­do em Por­tu­gal. Po­de ser fei­to em Por­tu­gal e en­vol­ve valores mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vos”, sa­li­en­ta Marco Tú­lio Pel­le­gri­ni, vin­can­do que a Og­ma tem ins­ta­la­ções e pes­so­al téc­ni­co pa­ra avan­çar tam­bém nes­te mer­ca­do.

“Não po­de­mos pro­cu­rar este mer­ca­do in­di­vi­du­al­men­te, mas po­de­mos fa­zer a ma­nu­ten­ção ou o re­fres­ca­men­to, a re­ac­tu­a­li­za­ção dos in­te­ri­o­res. É um bom de­sa­fio e uma boa opor­tu­ni­da­de pa­ra o fu­tu­ro. Cer­ta­men­te exis­tem bons de­sig­ners em Por­tu­gal pa­ra este ti­po de tra­ba­lho, mo­bi­liá­rio tam­bém, os vi­nhos por­tu- gue­ses são mui­to bons, a par­te das lou­ças tam­bém. É to­do um ne­gó­cio que não tem si­do ex­plo­ra­do em Por­tu­gal e que po­de aju­dar mui­to a de­sen­vol­ver a in­dús­tria por­tu­gue­sa”, su­ge­re o pre­si­den­te da Og­ma, fri­san­do que os jac­tos exe­cu­ti­vos “não são um bem de lu­xo” mas “um ele­men­to de ace­le­ra­ção de ri­que­za”, por­que quem os uti­li­za “pre­ten­de ga­nhar tem­po pa­ra fa­zer mais ne­gó­ci­os”.

Mui­tas des­tas in­ter­ven­ções de re­no­va­ção de aviões exe­cu­ti­vos po­dem atin­gir valores de cin­co a seis mi­lhões de eu­ros. “Mui­tos cli­en­tes vi­ri­am pa­ra cá, dei­xa­ri­am aqui o seu avião a ser ac­tu­a­li­za­do e usa­ri­am os be­ne­fí­ci­os de es­tar em Lis­boa. Os pi­lo­tos, o cor­po téc­ni­co, os pró­pri­os em­pre­sá­ri­os não te­ri­am dú­vi­das em passar al­guns di­as em Por­tu­gal. Es­sa é to­da uma in­dús­tria que tra­ria mui­tos be­ne­fí­ci­os pa­ra a co­mu­ni­da­de por­tu­gue­sa, não te­nho dú­vi­das disso”, con­clui Pel­le­gri­ni.

CARLOS LO­PES/AR­QUI­VO

Au­tar­ca de Vi­la Fran­ca de Xi­ra vin­ca que a pis­ta de Al­ver­ca tem “ex­ce­len­tes con­di­ções”, co­mo a pro­xi­mi­da­de de Lis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.