Ma­cron me­nos pró­xi­mo de Trump e mais de Mer­kel nas co­me­mo­ra­ções do Ar­mis­tí­cio

Chan­ce­ler pro­ta­go­ni­za pri­mei­ra vi­si­ta de um lí­der ale­mão des­de a II Guer­ra ao lo­cal on­de foi as­si­na­do o fim da Gran­de Guer­ra

Edição Público Lisboa - - MUNDO - I Guer­ra Mun­di­al Ma­ria João Gui­ma­rães

Pri­mei­ro, o Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no, Do­nald Trump, e um “ma­len­ten­di­do” so­bre de­fe­sa, e de­pois a chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, num en­con­tro al­ta­men­te sim­bó­li­co: o Pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, pros­se­guiu ontem com as co­me­mo­ra­ções do cen­te­ná­rio do Ar­mis­tí­cio de 11 de No­vem­bro, que pôs fim à I Guer­ra Mun­di­al.

O en­con­tro com Trump foi do­mi­na­do por um mal-en­ten­di­do: nu­ma en­tre­vis­ta, Ma­cron dis­se, ao fa­lar de ame­a­ças no ci­be­res­pa­ço, e da ne­ces­si­da­de de um exér­ci­to eu­ro­peu, que a Europa de­ve “pro­te­ger-se da Chi­na, Rús­sia, e até dos EUA”.

E se­gue dan­do um exem­plo, o anún­cio de Trump de que os EUA vão re­ti­rar-se do Tra­ta­do de For­ças Nu­cle­a­res de Al­can­ce In­ter­mé­dio as­si­na­do no fi­nal dos anos 1980 com a Rús­sia. “Quem se­rá a mai­or ví­ti­ma” des­ta re­ti­ra­da?, per­gun­ta Ma­cron, res­pon­den­do: “A Europa e a sua se­gu­ran­ça.” “Fa­ce à Rús­sia, que es­tá nas nos­sas fron­tei­ras e que mos­trou que po­de ser uma ameaça, pre­ci­sa­mos de ter uma Europa que se de­fen­da me­lhor a si pró­pria so­zi­nha, sem de­pen­der ape­nas dos EUA”, dis­se ain­da.

Trump não gos­tou e mal ater­rou em Pa­ris já es­ta­va a twe­e­tar crí­ti­cas so­bre a afir­ma­ção de Ma­cron, vol­tan­do a uma das su­as quei­xas em re­la­ção à Europa, as con­tri­bui­ções dos paí­ses eu­ro­peus pa­ra o or­ça­men­to da NATO, que ale­ga es­ta­rem abai­xo do que de­ve­ri­am.

Quan­do os dois pre­si­den­tes se reu­ni­ram no Eli­seu, a dis­po­si­ção já es­ta­va um pou­co di­fe­ren­te, pe­lo me­nos nas de­cla­ra­ções: “Pen­so que estamos mui­to mais pró­xi­mos do que pa­re­ce”, dis­se Trump. Ma­cron con­cor­dou que os eu­ro­peus de­ve­ri­am “par­ti­lhar mais o pe­so” das con­tri­bui­ções pa­ra a NATO. Mas nas ima­gens, a pro­xi­mi­da­de não foi tão no­tó­ria.

Já com a chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, Ma­cron es­te­ve lado a lado nu­ma fo­to car­re­ga­da de sim­bo­lis­mo. Pu­bli­cou-a no Twit­ter, com uma úni­ca pa­la­vra: “Uni­dos.” A chan­ce­ler ale­mã e o Pre­si­den­te fran­cês des­cer­ra­ram uma pla­ca co­me­mo­ra­ti­va no lo­cal perto de Com­pièg­ne on­de os ale­mães se ren­de­ram há cem anos, e se­gun­do a agên­cia fran­ce­sa AFP foi a pri­mei­ra vez des­de a II Guer­ra Mun­di­al que um lí­der ale­mão vi­si­tou o lo­cal. Na pla­ca, os dois “re­a­fir­mam o va­lor da re­con­ci­li­a­ção fran­co-ale­mã ao ser­vi­ço da Europa e da paz”.

Ao lado des­ta, es­ta­va uma outra pla­ca, da­ta­da da I Guer­ra: “O or­gu­lho cri­mi­no­so do im­pé­rio ale­mão mor­reu aqui a 11 de No­vem­bro de 1918, ven­ci­do pe­lo po­vo li­vre que ten­tou es­cra­vi­zar.” O lo­cal é du­pla­men­te sim­bó­li­co, já que o di­ta­dor ale­mão Adolf Hi­tler es­co­lheu es­se mesmo sí­tio pa­ra os fran­ce­ses as­si­na­rem a sua ren­di­ção a 22 de Ju­nho de 1940, no iní­cio da II Guer­ra Mun­di­al.

Ma­cron e Mer­kel sen­ta­ram-se num va­gão re­cons­truí­do, uma ré­pli­ca do ori­gi­nal em que foi as­si­na­do o ar­mis­tí­cio na ma­dru­ga­da de dia 11, as­si­nan­do um li­vro co­me­mo­ra­ti­vo. Saí­ram e de­ram as mãos, pe­la se­gun­da vez no dia. Uma mos­tra co­mo­ven­te de uni­da­de, di­zi­am os jor­na­lis­tas.

“A Europa es­tá em paz há 73 anos. Por­que que­re­mos, por­que a Ale­ma­nha e a França que­rem paz”, dis­se Ma­cron, ci­ta­do pe­la Reu­ters. “A men­sa­gem é, se qui­ser­mos hon­rar o sa­cri­fí­cio dos sol­da­dos que dis­se­ram ‘nun­ca mais’ é nun­ca ce­der­mos aos nos­sos ins­tin­tos mais fra­cos, nem aos es­for­ços pa­ra nos di­vi­di­rem.” mj­gui­ma­ra­es@pu­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.