Cri­se dos rohingya: Suu Kyi sob pres­são na ci­mei­ra do Su­des­te Asiá­ti­co

Vá­ri­os lí­de­res asiá­ti­cos per­de­ram a con­fi­an­ça no Go­ver­no li­de­ra­do pe­la pré­mio No­bel da Paz na Bir­mâ­nia. Reu­nião em Sin­ga­pu­ra ex­põe ten­sões no blo­co re­gi­o­nal, que po­de di­vi­dir-se em ter­mos re­li­gi­o­sos

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Ásia John Ged­die e Thu Thu Aung

Esta semana, em Sin­ga­pu­ra, a ha­bi­tu­al cor­di­a­li­da­de sen­ti­da nas ci­mei­ras do Su­des­te Asiá­ti­co po­de es­tar com­pro­me­ti­da quan­do os lí­de­res re­gi­o­nais se en­con­tra­rem, re­la­ti­va­men­te às in­com­pa­ti­bi­li­da­des so­bre a Bir­mâ­nia, on­de os mi­li­ta­res fo­ram acu­sa­dos de ge­no­cí­dio con­tra a mi­no­ria mu­çul­ma­na rohingya.

A lí­der bir­ma­ne­sa, Aung San Suu Kyi, de­ve com­pa­re­cer na ci­mei­ra de Sin­ga­pu­ra, re­a­li­za­da en­tre 11 e 15 de No­vem­bro, e o pri­mei­ro-mi­nis­tro da Ma­lá­sia, Mahathir Moha­mad, um cé­le­bre mem­bro do gru­po, já dei­xou o avi­so de que per­deu a con­fi­an­ça na No­bel da Paz, de­vi­do à cri­se dos rohingya. “Dei­xá­mos bem cla­ro que não a apoi­a­mos mais”, dis­se Mahathir, nu­ma en­tre­vis­ta ao ca­nal de no­tí­ci­as tur­co, TRT World, há pou­co mais de um mês. “A po­lí­ti­ca que pra­ti­ca­mos na ASEAN (As­so­ci­a­ção de Na­ções do Su­des­te Asiá­ti­co) é de não in­ter­fe­rên­cia nos as­sun­tos in­ter­nos dos paí­ses, mas is­to é to­tal­men­te in­jus­to”, dis­se Mahathir.

A cri­se dos rohingya é um dos mai­o­res de­sas­tres a en­vol­ver um dos mem­bros do blo­co re­gi­o­nal des­de que a ASEAN foi fun­da­da, em 1967, e é um dos as­sun­tos mais de­li­ca­dos en­fren­ta­dos por um gru­po que, tra­di­ci­o­nal­men­te, tra­ba­lha por con­sen­so. Mui­tos di­plo­ma­tas e ac­ti­vis­tas dos di­rei­tos hu­ma­nos di­zem que a cre­di­bi­li­da­de da ASEAN po­de ser pos­ta em cau­sa, ca­so não con­si­gam en­con­trar uma so­lu­ção. Em Agos­to, um re­la­tó­rio da ONU aler­tou pa­ra os as­sas­sí­ni­os em mas­sa e vi­o­la­ções co­lec­ti­vas, com in­ten­ção ge­no­ci­da du­ran­te uma ofen­si­va mi­li­tar que co­me­çou em 2017 e le­vou cen­te­nas de mi­lha­res de rohingya a fu­gi­rem pa­ra o Ban­gla­desh.

A in­dig­na­ção fa­ce ao que as Na­ções Uni­das de­fi­ni­ram co­mo “lim­pe­za ét­ni­ca” le­vou a que vá­ri­os paí­ses exi­gis­sem que os res­pon­sá­veis fos­sem acu­sa­dos ju­di­ci­al­men­te e san­ci­o­na­dos. “A cre­di­bi­li­da­de da ASEAN e a sua re­pu­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal serão for­te­men­te pre­ju­di­ca­das ca­so a as­so­ci­a­ção per­ma­ne­ça in­di­fe­ren­te à cri­se que se faz sen­tir em Rakhi­ne”, dis­se Ka­vi Chong­kit­ta­vorn, ex-as­ses­sor do se­cre­tá­ri­o­ge­ral da ASEAN e ve­te­ra­no jor­na­lis­ta tai­lan­dês que tra­ba­lhou na Bir­mâ­nia.

A cri­se dos rohingya sur­ge nu­ma con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca de­li­ca­da nu­ma re­gião que tem lu­ta­do por uma mai­or in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca fa­ce ao cres­ci­men­to do pro­tec­ci­o­nis­mo e à dis­pu­ta co­mer­ci­al en­tre os EUA e a Chi­na. Os Es­ta­dos-mem­bros mai­o­ri­ta­ri­a­men­te mu­çul­ma­nos da ASEAN, Ma­lá­sia, In­do­né­sia e Bru­nei, ten­dem a as­su­mir a po­si­ção mais du­ra fa­ce à tra­gé­dia dos rohingya, mas a Bir­mâ­nia con­ta com o Cam­bo­ja, La­os e Vi­et­na­me co­mo ali­a­dos. Sob o controlo mi­li­tar nos úl­ti­mos anos, o Go­ver­no da Tai­lân­dia tam­bém tem da­do pro­tec­ção à Bir­mâ­nia.

Du­ran­te um en­con­tro em Ha­nói, em Se­tem­bro, o pri­mei­ro-mi­nis­tro do Cam­bo­ja, Hun Sen, dis­se que os paí­ses fo­ra da In­do­chi­na são de­ma­si­a­do crí­ti­cos com a po­lí­ti­ca re­gi­o­nal e não com­pre­en­dem ver­da­dei­ra­men­te o que se pas­sa na Bir­mâ­nia.

Es­cru­tí­nio des­con­for­tá­vel

Ri­chard Hor­sey, um ex-di­plo­ma­ta da ONU na Bir­mâ­nia e ana­lis­ta po­lí­ti­co em Ran­gum, dis­se que os lí­de­res es­tran­gei­ros pre­sen­tes na ci­mei­ra de Sin­ga­pu­ra vão fa­zer al­gu­mas ques­tões difíceis so­bre a Bir­mâ­nia. Ao lon­go da semana, es­pe­ra-se que o vi­ce­pre­si­den­te dos EUA, Mi­ke Pen­ce, o Pre­si­den­te rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, o pri­mei­ro-mi­nis­tro chi­nês, Li Keqi­ang, o pri­mei­ro-mi­nis­tro in­di­a­no, Na­ren­dra Mo­di, e o pri­mei­ro-mi­nis­tro ja­po­nês, Shin­zo Abe, mar­quem pre­sen­ça na reu­nião com os mem­bros da ASEAN. “Pa­ra além des­te es­cru­tí­nio des­con­for­tá­vel, e uma pos­sí­vel dis­trac­ção de outras pri­o­ri­da­des da ASEAN, al­guns lí­de­res tam­bém se pre­o­cu­pam com o ris­co de o gru­po se di­vi­dir em ter­mos re­li­gi­o­sos”, dis­se Hor­sey.

Sin­ga­pu­ra irá pre­si­dir à reu­nião e o seu pa­pel qu­an­to ao tom da ci­mei­ra se­rá cru­ci­al. Uma fon­te anó­ni­ma pró­xi­ma das dis­cus­sões pré-ci­mei­ra afir­mou que Sin­ga­pu­ra vai as­su­mir um pa­pel de des­ta­que, sen­do que é o mem­bro com mais re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais da ASEAN e es­tá pre­o­cu­pa­do em man­ter a sua cre­di­bi­li­da­de.

O Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran- gei­ros de Sin­ga­pu­ra dis­se es­pe­rar que os lí­de­res da ASEAN dis­cu­tam a crítica si­tu­a­ção no es­ta­do de Rakhi­ne.

“No en­tan­to, a res­pon­sa­bi­li­da­de de al­can­çar uma so­lu­ção po­lí­ti­ca abran­gen­te, viá­vel e du­ra­dou­ra pa­ra a cri­se dos rohingya é do Go­ver­no da Bir­mâ­nia e das par­tes in­te­res­sa­das”, dis­se uma por­ta-voz, nu­ma res­pos­ta en­vi­a­da por email à Reu­ters.

No iní­cio do ano, o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros Vi­vi­an Ba­la­krish­nan dis­se que o gru­po so­li­ci­tou à Bir­mâ­nia que au­to­ri­zas­se uma co­mis­são de inquérito pa­ra res­pon­sa­bi­li­zar os cau­sa­do­res da cri­se no es­ta­do de Rakhi­ne. Foi um re­cru­des­ci­men­to da lin­gua­gem que an­te­ri­or­men­te es­ta­va fo­ca­da no re­pa­tri­a­men­to de pes­so­as de­sa­lo­ja­das e na re­con­ci­li­a­ção en­tre co­mu­ni­da­des.

“A mu­dan­ça na lin­gua­gem, es­pe­ci­al­men­te os re­cen­tes ape­los por mais res­pon­sa­bi­li­da­de, re­flec­tem que a ASEAN vê a si­tu­a­ção da Bir­mâ­nia co­mo um in­di­ca­dor da sua pró­pria res­pon­sa­bi­li­da­de ao li­dar com um mem­bro de­so­be­di­en­te”, dis­se Moe Thu­zar, in­ves­ti­ga­dor es­pe­ci­a­lis­ta em as­sun­tos da ASEAN e da Bir­mâ­nia, do Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos do Su­des­te Asiá­ti­co de Sin­ga­pu­ra.

Uma fon­te do Go­ver­no na Tai­lân­dia, que as­su­me o se­cre­ta­ri­a­do da ASEAN no pró­xi­mo ano, tam­bém afir­mou que a cre­di­bi­li­da­de do gru­po es­ta­va em ris­co, es­pe­ci­al­men­te de­pois da de­nún­cia da cri­se de Rakhi­ne fei­ta pe­la ONU. Uma ter­cei­ra fon­te pró­xi­ma das dis­cus­sões con­cor­dou que este as­sun­to “é um pro­ble­ma, e há ple­na cons­ci­ên­cia de que é um pro­ble­ma”.

Myo Nyunt, por­ta-voz da Li­ga Na­ci­o­nal pe­la De­mo­cra­cia de Suu Kyi, ga­ran­tiu que a Bir­mâ­nia não dei­xa­ria de abor­dar o as­sun­to na ci­mei­ra. “Acei­ta­mos que exis­tam pon­tos de vis­ta di­fe­ren­tes, mas te­mos de to­mar de­ci­sões pa­ra o fu­tu­ro com ba­se na si­tu­a­ção re­al do nos­so país. Qu­e­ro que en­ten­dam que exis­tem al­gu­mas ques­tões que não con­se­gui­mos re­sol­ver.”

Suu Kyi dis­se­ra an­tes que o seu go­ver­no ci­vil não de­via as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de to­tal pe­la cri­se fa­ce ao pa­pel po­lí­ti­co in­flu­en­te que os mi­li­ta­res man­têm ao abri­go da Cons­ti­tui­ção.

HEIN HTET/EPA

Suu Kyi in­sis­te que res­pon­sa­bi­li­da­de da cri­se é dos mi­li­ta­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.