Deus, li­vra-me de deus

Ver cres­cer mo­vi­men­tos re­li­gi­o­sos, com no­me cris­tão, a pro­po­rem “co­mo evan­ge­lis­tas” um an­ti-Evan­ge­lho exi­ge que re­ze­mos co­mo Mes­tre Eckhart

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Frei Ben­to Do­min­gues O.P.

1.Se­ja em que cam­po for, nin­guém tem bo­as ra­zões pa­ra ser ar­ro­gan­te ou re­sig­na­do. Não vi­mos de nós mes­mos e pre­ci­sa­re­mos sempre dos ou­tros pa­ra exis­tir co­mo hu­ma­nos. A re­li­gião sau­dá­vel nas­ce do aco­lhi­men­to e da ou­sa­dia de ima­gi­nar e pen­sar. O do­mi­ni­ca­no José Augusto Mou­rão, pro­fes­sor de se­mió­ti­ca, di­zia que a fórmula Eu en­con­trei Deus era obs­ce­na. Mas não é me­nos obs­ce­na a de­cla­ra­ção do ci­en­tis­ta ao de­cre­tar que Deus não exis­te por nun­ca se ter cru­za­do com ele na sua in­ves­ti­ga­ção.

O tex­to re­li­gi­o­so nas­ce no seio da in­ter­pre­ta­ção da re­a­li­da­de do mun­do em que vi­ve­mos e da con­vic­ção de que a sua di­men­são em­pí­ri­ca não es­go­ta a com­ple­xi­da­de do re­al. Há lin­gua­gens que sempre tei­ma­ram em su­ge­rir o que é in­di­zí­vel e in­vi­sí­vel nas prá­ti­cas ci­en­tí­fi­cas.

Co­mo diz E. Schil­le­be­eckx, a au­to­re­ve­la­ção de Deus é da­da em ex­pe­ri­ên­ci­as hu­ma­nas in­ter­pre­ta­das. Nun­ca te­mos aces­so à Pa­la­vra de Deus de mo­do ime­di­a­to. Es­tri­ta­men­te fa­lan­do, a Bí­blia não é a Pa­la­vra de Deus, mas um con­jun­to de tes­te­mu­nhos de fé de cren­tes que se si­tu­am nu­ma tra­di­ção par­ti­cu­lar da ex­pe­ri­ên­cia re­li­gi­o­sa.

Pa­ra S. To­más de Aqui­no, é mui­to ra­zoá­vel afir­mar que Deus exis­te, mas sa­ber co­mo Deus é ex­ce­de a ca­pa­ci­da­de hu­ma­na. A pre­o­cu­pa­ção da boa prá­ti­ca te­o­ló­gi­ca con­sis­te, so­bre­tu­do, em mos­trar co­mo Deus não é e co­mo é ri­dí­cu­lo trans­por pa­ra Ele os nos­sos ví­ci­os e aber­ra­ções.

A li­tur­gia é uma ce­le­bra­ção e a ho­mi­lia não é uma au­la de te­o­lo­gia. Mas de­ve haver mui­to cui­da­do na lei­tu­ra e in­ter­pre­ta­ção dos seus tex­tos bí­bli­cos. O Li­vro do Apo­ca­lip­se é a obra poé­ti­ca mais sub­ver­si­va que co­nhe­ço e, co­mo ob­ser­va Fre­de­ri­co Lou­ren­ço, uma das ver­da­dei­ras obras-pri­mas li­te­rá­ri­as da Bí­blia. No fim da mis­sa de To­dos-os-San­tos, veio ter co­mi­go uma pes­soa a la­men­tar o des­ta­que que eu ti­nha da­do a uma pas­sa­gem des­se gran­de po­e­ma. Ela já o ti­nha ten­ta­do ler e de­sis­tiu por­que da­que­le de­lí­rio não se po­dia ti­rar na­da de prá­ti­co pa­ra o quo­ti­di­a­no da vi­da cris­tã.

Só lhe con­se­gui di­zer que ela es­ta­va a pri­var-se do en­con­tro com o al­fa e o óme­ga da ter­ra e dos céus, com o mai­or de­sas­sos­se­go e a mais al­ta con­so­la­ção. Da­que­le que nos ama e li­ber­ta dos nos­sos er­ros e pe­ca­dos. A for­ça sim­bó­li­ca do Apo­ca­lip­se é imen­sa­men­te mais re­a­lis­ta do que a es­cri­ta di­rec­ta ou ado­ci­ca­da dos li­vros de es­pi­ri­tu­a­li­da­de mais di­vul­ga­dos ou das te­o­lo­gi­as de pa­co­ti­lha. Gran­des mú­si­cos e pin­to­res — Ba­ch, Mes­si­a­en, Miguel Ân­ge­lo, en­tre ou­tros — ou­vi­ram e vi­ram os sons e as co­res da ju­bi­lo­sa es­pe­ran­ça da in­con­tá­vel mul­ti­dão vin­da de to­das as na­ções, tri­bos, po­vos e lín­guas, a quem Deus lim­pa­rá to­das as lá­gri­mas!

O Apo­ca­lip­se é a li­tur­gia dos que des­co­bri­ram em Je­sus Cris­to o po­e­ta can­tor da vi­tó­ria so­bre a mor­te. Quem não aco­lher este li­vro, co­mo sub­ver­são poé­ti­ca do con­ven­ci­o­na­lis­mo dou­tri­ná­rio e dos lu­ga­res-co­muns da di­dác­ti­ca ca­tequé­ti­ca, que o lar­gue!

O au­tor do Apo­ca­lip­se é um an­ti­der­ro­tis­ta: “Eu, João, vos­so ir­mão e com­pa­nhei­ro na tri­bu­la­ção, na re­a­le­za e na per­se­ve­ran­ça em Je­sus, en­con­tra­va-me na ilha de Pat­mos por cau­sa da Pa­la­vra de Deus e do tes­te­mu­nho de Je­sus. No dia do Se­nhor, fui mo­vi­do pe­lo Es­pí­ri­to e ou­vi, atrás de mim, uma voz for­te (...): ‘Não te­nhas me­do! Eu sou o Pri­mei­ro e o Último; Aque­le que vi­ve. Es­ti­ve mor­to; mas, co­mo vês, es­tou vivo pe­los sé­cu­los dos sé­cu­los e te­nho as cha­ves da Mor­te e do Ha­des! Es­cre­ve, pois, as coisas que vês, as que es­tão a acon­te­cer e as que vão acon­te­cer, de­pois des­tas’” [1].

Este João não es­cre­veu só o que es­ta­va a acon­te­cer nas so­ci­e­da­des e nas igre­jas do seu tem­po. Foi mais lon­ge: “vi um céu no­vo e uma no­va ter­ra. (...) Vi des­cer do céu, de jun­to de Deus, a ci­da­de san­ta, a no­va Je­ru­sa­lém, já pre­pa­ra­da, qual noi­va ador­na­da pa­ra o seu es­po­so. E ou­vi uma voz po­ten­te que vi­nha do tro­no e di­zia: Esta é a mo­ra­da de Deus en­tre os ho­mens. Ele ha­bi­ta­rá com eles; eles serão o seu po­vo e o pró­prio Deus es­ta­rá com eles e se­rá o seu Deus. Ele en­xu­ga­rá to­das as lá­gri­mas dos seus olhos; e não ha­ve­rá mais mor­te, nem lu­to, nem pran­to, nem dor. Por­que as pri­mei­ras coisas pas­sa­ram. O que es­ta­va sen­ta­do no tro­no afir­mou: Eu re­no­vo to­das as coisas. E acres­cen­tou: Es­cre­ve, por­que es­tas pa­la­vras

2. De­pois da lei­tu­ra do Apo­ca­lip­se e do can­to do Sal­mo 23, a fes­ta de To­dos-os-San­tos ti­nha ain­da, pa­ra nos ofe­re­cer, um dos tex­tos mais be­los de to­da a Bí­blia: a 1.ª Car­ta de João. É, pe­lo me­nos, a opi­nião de Fre­de­ri­co Lou­ren­ço e a mi­nha.

O seu au­tor de­cla­ra, lo­go no co­me­ço, o mo­ti­vo des­ta car­ta e do seu con­teú­do: es­cre­ve­mos es­tas coisas pa­ra que a vos­sa ale­gria se­ja com­ple­ta. Fa­la de­zoi­to ve­zes de amor, agá­pê, amor da pu­ra ge­ne­ro­si­da­de, por­que é es­sa a pró­pria re­a­li­da­de de Deus: “Ama­dos, ame­mo-nos uns aos ou­tros, por­que o amor é de Deus; e to­do aque­le que ama nas­ceu de Deus e co­nhe­ce Deus. Quem não ama, não co­nhe­ceu Deus, por­que Deus é amor. Nis­to se ma­ni­fes­tou o amor de Deus em nós: no fac­to de Deus ter en­vi­a­do ao mun­do o seu Fi­lho Uni­gé­ni­to, pa­ra que vi­va­mos n’Ele. Nis­to es­tá o amor: não por­que nós ama­mos a Deus, mas por­que Ele nos amou e en­vi­ou o seu Fi­lho co­mo pro­pi­ci­a­ção pe­los nos­sos pe­ca­dos. Ama­dos, se Deus nos amou as­sim, tam­bém nós nos de­ve­mos amar uns aos ou­tros” [3].

Que bom sa­ber e sen­tir: “O ad­mi­rá­vel amor que o Pai nos con­sa­grou em nos cha­mar fi­lhos de Deus e so­mo-lo de fac­to” [4].

3.

Esta fes­ta de To­dos os San­tos é co­ro­a­da pe­la nar­ra­ti­va das Bem-Aven­tu­ran­ças, se­gun­do S. Ma­teus. É a sú­mu­la de to­da a pre­ga­ção de Je­sus. Pro­cla­ma que não estamos con­de­na­dos a so­frer um mun­do co­mo ele es­tá. Bem-aven­tu­ra­do quem co­me­çar já, a par­tir da si­tu­a­ção em que se en­con­tra, a tra­ba­lhar pa­ra um mun­do outro. Não so­mos os eternos con­de­na­dos ao exí­lio da infelicidade. Este po­e­ma é, por is­so, uma con­vo­ca­tó­ria a não nos ren­der­mos à mal­di­ção pre­sen­te do uso des­pu­do­ra­do do no­me de Deus. Um deus que man­da odi­ar e ma­tar, ao mo­do das pi­o­res pas­sa­gens do An­ti­go Tes­ta­men­to, de al­guns ter­rí­veis mo­men­tos da his­tó­ria da Igre­ja e de cer­tas cor­ren­tes e prá­ti­cas do is­la­mis­mo ac­tu­al, es­se deus que se ma­te. Mas não é tu­do. Ver cres­cer mo­vi­men­tos re­li­gi­o­sos, com no­me cris­tão, a pro­po­rem “co­mo evan­ge­lis­tas” um an­ti-Evan­ge­lho, e o ab­so­lu­to con­trá­rio das Bem-Aven­tu­ran­ças, exi­ge que re­ze­mos co­mo Mes­tre Eckhart: Deus, li­vra-me des­se deus. [1] Cf. Ap 1, 9-20 [2] Cf. Ap, 21 [3] 1Jo 4, 7-11 [4] 1 Jo 3, 1-3 Es­cre­ve ao domingo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.