Co­mo Bol­so­na­ro se tor­nou “jus­ti­fi­cá­vel”

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Vi­cen­te Jor­ge Silva ex­pli­car jus­ti­fi­car le­gi­ti­mar

Na sua cró­ni­ca de ontem, Um es­cla­re­ci­men­to pa­ra Fran­cis­co As­sis,a pro­pó­si­to da vi­tó­ria de Bol­so­na­ro, João Miguel Tavares ( J.M.T.) con­tes­ta uma fra­se que aqui es­cre­vi no domingo pas­sa­do: “Se nu­ma semana se diz que ‘um fas­cis­ta é um fas­cis­ta’, não é pos­sí­vel passar as se­ma­nas se­guin­tes a jus­ti­fi­car — e le­gi­ti­mar — a sua exis­tên­cia.” Pa­ra J.M.T., “esta fra­se, pro­fe­ri­da co­mo se fos­se uma evi­dên­cia, con­tém du­as fa­lá­ci­as. A pri­mei­ra é que é per­fei­ta­men­te pos­sí­vel di­zer que um fas­cis­ta é um fas­cis­ta e, ain­da as­sim, jus­ti­fi­car a sua exis­tên­cia — é es­se o tra­ba­lho de quem es­cre­ve num jor­nal. A se­gun­da fa­lá­cia é esta: ‘jus­ti­fi­car’ na­da tem que ver com ‘le­gi­ti­mar’.”

A pro­pó­si­to de fa­lá­ci­as — ou, já ago­ra, li­gei­re­zas de me­mó­ria — co­me­ço por re­cor­dar a fra­se fi­nal da cró­ni­ca de J.M.T. de 6/10/2018, de­pois de ter enu­me­ra­do as ra­zões que o fa­zi­am re­jei­tar Bol­so­na­ro, por­que, re­cor­do, “pa­re­ce fas­cis­ta, chei­ra a fas­cis­ta e fa­la co­mo um fas­cis­ta”: “Olhar pa­ra is­to e di­zer, com os de­dos cru­za­dos, ‘é só uma po­se’, pa­re­ce­me uma jo­ga­da es­tu­pi­da­men­te ar­ris­ca­da. En­tre um fas­cis­ta impoluto e um de­mo­cra­ta cor­rup­to, eu es­co­lho o de­mo­cra­ta cor­rup­to.”

Ora, de­pois de ter con­fes­sa­do esta op­ção apa­ren­te­men­te de­fi­ni­ti­va, J.M.T. en­sai­ou uma ma­no­bra de re­cuo ao lon­go das se­ma­nas que se se­gui­ram até à pre­vi­sí­vel eleição de Bol­so­na­ro, jus­ti­fi­can­do o triun­fo da ex­tre­ma­di­rei­ta no Bra­sil co­mo uma con­sequên­cia da cor­rup­ção do “lu­lis­mo” e da ce­guei­ra da es­quer­da bra­si­lei­ra, pro­te­gi­das pe­la com­pla­cên­cia acrí­ti­ca da es­quer­da in­ter­na­ci­o­nal (e por­tu­gue­sa). Ou se­ja, ten­do de­cla­ra­do que pre­fe­ria um “de­mo­cra­ta cor­rup­to” a um “fas­cis­ta impoluto” (de­cla­ra­ção cla­ra­men­te ex­ces­si­va, até por­que na­da pro­va­va, ou prova, que Had­dad fos­se “cor­rup­to” e Bol­so­na­ro “impoluto”), J.M.T. pas­sou a de­fen­der uma po­si­ção bem di­ver­sa, re­cu­san­do-se “a co­lo­car o ca­rim­bo de cúm­pli­ces do fas­cis­mo em to­dos aque­les que não acei­ta­ram es­co­lher en­tre um e outro”.

Per­mi­to-me acres­cen­tar: eu tam­bém não o fa­ria, em­bo­ra me te­nha cho­ca­do a li­gei­re­za com que fi­gu­ras tão res­pei­tá­veis co­mo Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so se es­cu­sa­ram a to­mar po­si­ção so­bre uma dis­pu­ta elei­to­ral on­de es­ta­va em jogo o fu­tu­ro da de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra. Is­so ex­pli­ca, aliás, qu­an­to a mim, o qua­se de­sa­pa­re­ci­men­to da di­rei­ta de­mo­crá­ti­ca e do cen­tro po­lí­ti­co do Bra­sil nes­sas elei­ções.

Qu­an­to às du­as fa­lá­ci­as de que me acu­sa J.M.T., es­cla­re­ço: uma coi­sa é ( jor­na­lis­ti­ca­men­te) os mo­ti­vos que le­va­ram o elei­to­ra­do brasileiro a es­co­lher Bol­so­na­ro e re­jei­tar o PT — em­bo­ra este se­ja a úni­ca for­ça po­lí­ti­ca re­le­van­te fa­ce à ex­tre­ma-di­rei­ta —, co­mo jul­go ter fei­to nos tex­tos que es­cre­vi; outra é —e — es­ses mo­ti­vos, co­mo faz J.M.T., fac­to tan­to mais sur­pre­en­den­te qu­an­to foi ele a as­su­mir de iní­cio a es­co­lha ra­di­cal, pre­fe­rin­do o “de­mo­cra­ta cor­rup­to” ao “fas­cis­ta impoluto”. Que é que o te­rá le­va­do a mu­dar ou pe­lo me­nos a in­flec­tir a sua opi­nião — o que na­da te­ria de ile­gí­ti­mo—, sem se dis­por a as­su­mi-lo?

Nu­ma ex­pli­ca­ção com­ple­men­tar a es­tas con­tra­di­ções que ul­tra­pas­sam, de lon­ge, o ca­so de J.M.T., é im­pos­sí­vel ig­no­rar não só a cris­pa­ção e po­la­ri­za­ção dos de­ba­tes po­lí­ti­cos e ide­o­ló­gi­cos a que as­sis­ti­mos co­mo tam­bém a cres­cen­te in­fluên­cia das re­des so­ci­ais na tri­ba­li­za­ção e his­te­ri­za­ção des­ses de­ba­tes, con­di­ci­o­nan­do as opi­niões dos que ne­las par­ti­ci­pam ou cul­ti­vam o ve­de­tis­mo atra­vés de cons­tan­tes in­ter­ven­ções polémicas. Com efei­to, o re­cur­so à agi­ta­ção fe­bril das con­tro­vér­si­as a pre­tex­to dos mais va­ri­a­dos as­sun­tos é um dos tra­ços mar­can­tes do cha­ma­do de­ba­te pú­bli­co ac­tu­al, on­de a efer­ves­cên­cia das opi­niões e o seu ca­rác­ter pro­vo­ca­tó­rio aca­bam por im­por-se à subs­tân­cia dos te­mas em dis­cus­são. É des­se cli­ma que se ali­men­tam o ruí­do me­diá­ti­co e as fa­ke news ho­je tão em vo­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.