PS tem có­di­go de éti­ca que prevê ex­pul­são de de­pu­ta­dos

Car­los Cé­sar de­sa­fia PSD a ex­pul­sar de­pu­ta­dos in­frac­to­res e pro­me­te fa­zer o mes­mo na sua ban­ca­da

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Par­la­men­to Ma­ria Lo­pes ma­ria.lo­[email protected]­bli­co.pt

No Ve­rão de 2015, to­dos os can­di­da­tos a de­pu­ta­dos pe­lo PS as­si­na­ram um Có­di­go de Éti­ca que os obri­ga­va, en­tre ou­tras im­po­si­ções, a as­su­mir a com­ple­ta dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra re­nun­ci­a­rem à can­di­da­tu­ra ou ao man­da­to de de­pu­ta­do se, “por fac­tor re­le­van­te, se con­si­de­rar com­pro­me­ti­da a sua ido­nei­da­de éti­ca ou po­lí­ti­ca”.

No PSD não há um có­di­go de éti­ca co­mo o do PS pa­ra de­pu­ta­dos. Pe­dro Pas­sos Coelho ape­nas impôs a subs­cri­ção de al­go se­me­lhan­te aos can­di­da­tos a au­tar­cas, nas eleições de 2017, mas sem fa­lar em san­ções. A Car­ta 7.17 in­cluía se­te com­pro­mis­sos, um de­les com a trans­pa­rên­cia co­mo “ga­ran­tia do bom go­ver­no” e em que os au­tar­cas ga­ran­ti­am agir “no res­pei­to pe­la lei, pe­la éti­ca e pe­la mo­ral nos as­sun­tos pú­bli­cos”.

O do­cu­men­to so­ci­a­lis­ta foi ela­bo­ra­do pe­la di­rec­ção de António Cos­ta e a equi­pa que o fez es­tá ago­ra to­da na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca (AR) co­mo de­pu­ta­dos: Jor­ge La­cão, Pe­dro Del­ga­do Al­ves, Vi­ta­li­no Ca­nas e Jo­sé Ma­ga­lhães. Te­rá si­do sob o res­pal­do des­te com­pro­mis­so que Car­los Cé­sar, ape­sar de ter o seu no­me li­ga­do à polémica com os re­em­bol­sos de vi­a­gens en­tre Lisboa e os Aço­res pa­ra as quais já re­ce­be, co­mo os res­tan­tes de­pu­ta­dos in­su­la­res, 500 euros por se­ma­na, se aba­lan­çou a de­sa­fi­ar Fer­nan­do Ne­grão a pu­nir os de­pu­ta­dos do PSD en­vol­vi­dos na mar­ca­ção de fal­sas pre­sen­ças no ple­ná­rio.

As du­as fra­ses de Cé­sar fo­ram cor­tan­tes: “Nos ca­sos em que os de­pu­ta­dos têm com­por­ta­men­tos frau­du­len­tos, que fe­liz­men­te são pou­cos, eu acho que não po­de dei­xar de ha­ver al­gu­ma ati­tu­de san­ci­o­na­tó­ria. Se se co­lo­cas­se no nos­so ca­so al­gu­ma das si­tu­a­ções de que eu te­nho ou­vi­do fa­lar, acho que es­sas pes­so­as não ti­nham o di­rei­to de per­ma­ne­cer no âm­bi­to do gru­po par­la­men­tar do PS.” E di­zen­do is­to, vol­tou cos­tas aos jor­na­lis­tas.

An­tes ti­nha sen­ti­do ne­ces­si­da­de de se­pa­rar o tri­go do joio, ou seja, o ca­so dos sub­sí­di­os das vi­a­gens (em cu­jo uso não fo­ram apu­ra­das “ile­ga­li­da­des” pe­los ser­vi­ços do Par­la­men­to) do das pre­sen­ças-fan­tas­ma de de­pu­ta­dos. Ora, foi nes­se fio sol­to que Fer­nan­do Ne­grão pe­gou pa­ra des­fa­zer um no­ve­lo de crí­ti­cas du­as ho­ras de­pois. “O que o PSD tem a di­zer ao de­pu­ta­do Car­los Cé­sar é que ele não tem qual­quer le­gi­ti­mi­da­de pa­ra se pro­nun­ci­ar so­bre es­tes ca­sos.” E porquê? “To­dos sa­be­mos que o lí­der par­la­men­tar do PS tem um pro­ble­ma ain­da não es­cla­re­ci­do no que diz res­pei­to ao re­em­bol­so das [su­as] vi­a­gens” pa­ra os Aço­res.

O ataque es­ta­va fei­to e Cé­sar ha­ve­ria de re­pli­car que a de­cla­ra­ção foi “in­de­li­ca­da” e “gra­ve”. Mas Cé­sar, que es­ta­va no Pa­lá­cio de Be­lém, dei­xou um avi­so pa­ra o seu par­ti­do, ou mais exac­ta­men­te pa­ra a deputada El­za Pais — elei­ta pe­lo dis­tri­to de Lisboa, vi­ve a 500 me­tros do Par­la­men­to, mas in­di­cou co­mo re­si­dên­cia a ca­sa da mãe, em Man­gual­de, re­ce­ben­do, por is­so, aju­das de des­lo­ca­ção. A antiga

se­cre­tá­ria de Es­ta­do es­ta­rá en­tre os ca­sos em in­ves­ti­ga­ção pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Cé­sar não va­ci­lou, con­si­de­ran­do a “gra­vi­da­de dos com­por­ta­men­tos de de­pu­ta­dos que de­cla­rem in­de­vi­da­men­te mo­ra­das pa­ra a ob­ten­ção de be­ne­fí­ci­os” e que de­vem ser san­ci­o­na­dos: “Em to­dos os ca­sos on­de es­sas ma­té­ri­as se­jam da­das co­mo pro­va­das, nós não dei­xa­re­mos de to­mar uma posição de fir­me­za que foi a que eu anun­ci­ei es­ta ma­nhã.” E in­sis­tiu: “Es­sas pes­so­as não te­ri­am lu­gar na ban­ca­da do PS.”

Fer­nan­do Ne­grão tem-se afir­ma­do des­de o iní­cio das po­lé­mi­cas de mãos ata­das, ar­gu­men­tan­do que a di­rec­ção da ban­ca­da não tem po­der san­ci­o­na­tó­rio, mas on­tem já ad­mi­tia co­mo cer­to o re­cur­so ao con­se­lho de ju­ris­di­ção na­ci­o­nal do PSD, di­zen­do mes­mo que is­so es­ta­ria de­pen­den­te da in­ves­ti­ga­ção em cur­so, pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, ao ca­so da mar­ca­ção da pre­sen­ça de Jo­sé Sil­va­no.

A go­ta de água, de­pois do ca­so de Jo­sé Sil­va­no mas tam­bém de Jo­sé Ma­tos Rosa e Du­ar­te Mar­ques, po­de ter si­do o da deputada Ma­ria das Mer­cês Bor­ges ter ad­mi­ti­do que po­de ter vo­ta­do no Or­ça­men­to do Es­ta­do na ge­ne­ra­li­da­de por Feliciano Bar­rei­ras Du­ar­te e até afir­mar que is­so é co­mum en­tre os de­pu­ta­dos — do PSD e de ou­tros par­ti­dos. On­tem a deputada re­nun­ci­ou aos car­gos de co­or­de­na­do­ra e até à pre­si­dên­cia da co­mis­são de inqué­ri­to às ren­das da ener­gia. Ne­grão con­si­de­rou que a deputada te­ve um “com­por­ta­men­to me­nos ade­qua­do” mas não quis pro­nun­ci­ar-se so­bre se de­via dei­xar o lu­gar na AR. Ques­ti­o­na­do pe­lo PÚ­BLI­CO, Ne­grão dis­se con­fi­ar que não ha­ve­rá mais ca­sos des­tes por­que son­dou os de­pu­ta­dos, mas re­al­çou não po­der “dar ga­ran­ti­as a 100%”.

Por seu la­do, As­sun­ção Cris­tas e Ca­ta­ri­na Mar­tins não qui­se­ram pro­nun­ci­ar-se so­bre os ca­sos po­lé­mi­cos. A pri­mei­ra ga­ran­tiu que o CDS “cui­da” pa­ra que não exis­tam na sua ban­ca­da e a se­gun­da de­fen­deu a ne­ces­si­da­de da cri­a­ção de uma en­ti­da­de pa­ra a trans­pa­rên­cia, co­mo o Blo­co propôs — mas es­ta não in­clui a fis­ca­li­za­ção do Es­ta­tu­to dos De­pu­ta­dos. com Le­o­ne­te Bo­te­lho

DA­NI­EL RO­CHA

Cé­sar foi um dos de­pu­ta­dos que pe­di­ram re­em­bol­so dos vo­os pa­ra as ilhas, ape­sar de a AR já lhos pa­gar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.