Cen­te­no aper­ta controlo à en­tra­da de no­vos fun­ci­o­ná­ri­os no Es­ta­do

Go­ver­no avan­ça com ad­mis­são cen­tra­li­za­da de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos pa­ra pou­par di­nhei­ro e con­tro­lar en­tra­das. Fi­nan­ças pedem in­for­ma­ção de­ta­lha­da so­bre mem­bros dos ga­bi­ne­tes dos mi­nis­tros

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca Raquel Mar­tins

O Go­ver­no quer que os con­cur­sos pa­ra a en­tra­da no Es­ta­do pas­sem a ser fei­tos de for­ma cen­tra­li­za­da, com o ob­jec­ti­vo de pou­par di­nhei­ro, con­tro­lar as en­tra­das e agi­li­zar o pro­ces­so de re­cru­ta­men­to. A me­di­da es­tá pre­vis­ta na no­va por­ta­ria que re­gu­la­men­ta os con­cur­sos na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca e que se­rá ho­je dis­cu­ti­da em reu­niões com os sin­di­ca­tos.

Po­rém, os re­pre­sen­tan­tes dos tra­ba­lha­do­res es­tão mais pre­o­cu­pa­dos com o que vai acon­te­cer aos salários dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos em 2019. O Go­ver­no tem 50 milhões de euros pa­ra au­men­tos, mas con­ti­nua sem di­zer co­mo irá dis­tri­buí-los e o as­sun­to tam­bém não es­tá pre­vis­to na agen­da da reu­nião que irá con­cen­trar-se na no­va po­lí­ti­ca de re­cru­ta­men­to.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Má­rio Cen­te­no, já em Maio ti­nha adi­an­ta­do que pre­ten­dia avan­çar com o re­cru­ta­men­to cen­tra­li­za­do de tra­ba­lha­do­res. Ago­ra, no di­plo­ma en­vi­a­do aos sin­di­ca­tos, o Go­ver­no as­su­me que, sem­pre que fo­rem iden­ti­fi­ca­das necessidades de pes­so­al em vá­ri­os ser­vi­ços e or­ga­nis­mos pú­bli­cos, os con­cur­sos de­vem ser con­du­zi­dos pe­la Di­rec­ção-Ge­ral da Qua­li­fi­ca­ção dos Tra­ba­lha­do­res em Fun­ções Pú­bli­cas (de­no­mi­na­da INA).

O di­plo­ma en­vi­a­do aos sin­di­ca­tos prevê três ti­pos de con­cur­sos. Os con­cur­sos co­muns (des­ti­na­dos a ocu­par no ime­di­a­to os pos­tos de tra­ba­lho vagos em de­ter­mi­na­do ser­vi­ço); os con­cur­sos pa­ra cons­ti­tuir re­ser­vas de re­cru­ta­men­to num da­do em­pre­ga­dor pú­bli­co; e o re­cru­ta­men­to cen­tra­li­za­do, des­ti­na­do a sa­tis­fa­zer as necessidades de um con­jun­to de em­pre­ga­do­res pú­bli­cos, que se­rá mais ágil e com ape­nas dois mé­to­dos de se­lec­ção (o mo­de­lo em vi­gor po­di­am es­ten­der-se por mais tem­po e eram ana­li­sa­das de dois em dois me­ses pe­lo jú­ri).

A lei de 2011 que es­tá em vi­gor já per­mi­te que, por de­ci­são do mi­nis­tro das Fi­nan­ças, o INA cen­tra­li­ze os con­cur­sos pa­ra cons­ti­tuir re­ser­vas de pes­so­al pa­ra mais do que um ser­vi­ço, mas es­sa com­pe­tên­cia nun­ca foi exer­ci­da. Por ou­tro la­do, a cen­tra­li­za­ção não es­ta­va as­su­mi­da co­mo uma mo­da­li­da­de de re­cru­ta­men­to au­tó­no­ma e a se­lec­ção dos tra­ba­lha­do­res se­guia as re­gras dos con­cur­sos nor­mais e es­ten­dia-se no tem­po.

A no­va por­ta­ria prevê que o mi­nis­tro das Fi­nan­ças po­de, por des­pa­cho, de­ter­mi­nar o re­cru­ta­men­to cen­tra­li­za­do de tra­ba­lha­do­res pa­ra fa­zer fa­ce às necessidades iden­ti­fi­ca­das no Ma­pa Anu­al de Re­cru­ta­men­tos Au­to­ri­za­dos (MA­RA) nos vá­ri­os ser­vi­ços do Es­ta­do — que ain­da não é co­nhe­ci­do.

Ima­gi­ne­mos que o MA­RA iden­ti­fi­ca fal­ta de ju­ris­tas e de au­xi­li­a­res em vá­ri­os ser­vi­ços e que Má­rio Cen­te­no de­ci­de que é pri­o­ri­tá­rio ad­mi­tir es­tes tra­ba­lha­do­res atra­vés do con­cur­so cen­tra­li­za­do. A par­tir des­se mo­men­to, o INA pede aos ser­vi­ços pa­ra ca­rac­te­ri­za­rem os pos­tos de tra­ba­lho, pu­bli­ci­ta o pro­ce­di­men­to e cons­ti­tui o jú­ri, num pro­ces­so mui­to mais rá­pi­do do que num con­cur­so nor­mal.

Con­cur­sos mais ágeis

Além de avan­çar com a ad­mis­são cen­tra­li­za­da, a proposta de di­plo­ma prevê vá­ri­as al­te­ra­ções com o ob­jec­ti­vo de tor­nar to­dos os con­cur­sos mais ágeis. Des­de lo­go, a apre­sen­ta­ção da can­di­da­tu­ra pas­sa­rá a ser fei­ta “pre­fe­ren­ci­al­men­te em su­por­te elec­tró­ni­co”, sen­do a can­di­da­tu­ra em papel uma ex­cep­ção. Prevê-se tam­bém a pos­si­bi­li­da­de de as ale­ga­ções a apre­sen­tar pe­los can­di­da­tos e a de­li­be­ra­ção do jú­ri te­rem um for­mu­lá­rio ti­po.

Nos ca­sos em que o nú­me­ro de can­di­da­tos ao con­cur­so é ele­va­do, pas­sa­rá a ser per­mi­ti­do des­do­brar o jú­ri em vá­ri­as sec­ções, al­go que ago­ra tam­bém era im­pos­sí­vel.

Ou­tra no­vi­da­de tem ver com a obri­ga­ção de os con­cur­sos in­di­ca­rem o nú­me­ro de lu­ga­res a pre­en­cher por pes­soa com de­fi­ci­ên­cia. O De­cre­to-lei 29/2001 prevê que nos con­cur­sos em que o nú­me­ro de lu­ga­res seja igual ou su­pe­ri­or a dez, seja fi­xa­da uma quota de 5% a pre­en­cher por pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia e, nos con­cur­sos com três a no­ve va­gas, um lu­gar dos lu­ga­res tem de ser pa­ra es­tas pes­so­as. raquel.mar­[email protected]­bli­co.pt

RUI GAUDÊNCIO

Má­rio Cen­te­no já em Maio ti­nha adi­an­ta­do que pre­ten­dia avan­çar com o re­cru­ta­men­to cen­tra­li­za­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.