Mu­seu Na­ci­o­nal de Et­no­lo­gia, um ca­so à par­te

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE - Ca­ne­las Lu­cin­da

Q uan­do se tenta trans­por pa­ra Portugal a ques­tão da res­ti­tui­ção de pa­tri­mó­nio às ex-co­ló­ni­as e se faz o exer­cí­cio de criar uma lista de mu­seus e ar­qui­vos que po­de­rão ter bens a de­vol­ver, o Mu­seu Na­ci­o­nal de Et­no­lo­gia (MNE) apa­re­ce nos lu­ga­res ci­mei­ros. Afi­nal, um pou­co por to­da a Europa, mu­seus co­mo es­te es­tão en­tre os pri­mei­ros es­cru­ti­na­dos. Paulo Cos­ta, o seu di­rec­tor, res­sal­va, no en­tan­to, que no que to­ca a es­ta “ma­té­ria de­li­ca­da” o MNE é um lu­gar “es­pe­ci­al”.

“O ca­so do nos­so mu­seu é par­ti­cu­lar por­que ele é mui­to tar­dio [nas­ceu em 1965] e foi cri­a­do nu­ma ló­gi­ca ci­en­tí­fi­ca. O seu acer­vo es­tá, no es­sen­ci­al, apoi­a­do em mis­sões de in­ves­ti­ga­ção”, ex­pli­ca Paulo Cos­ta, lem­bran­do que a pri­mei­ra equi­pa do MNE — um nú­cleo di­ri­gi­do pe­lo an­tro­pó­lo­go Jor­ge Di­as e com­pos­to por Mar­got Di­as, Er­nes­to Vei­ga de Oliveira, Fer­nan­do Ga­lha­no e Ben­ja­mim Pereira, en­tre ou­tros — co­me­çou a fa­zer tra­ba­lho de cam­po anos an­tes e fez des­te “um mu­seu das cul­tu­ras do mun­do” e não do Ul­tra­mar, co­mo pre­ten­dia o Es­ta­do No­vo.

A pri­mei­ra co­lec­ção in­ven­ta­ri­a­da do MNE foi pre­ci­sa­men­te a que Mar­got e Jor­ge Di­as com­pra­ram aos ma­con­des de Moçambique en­tre 1958 e 1961, pe­río­do em que es­tu­da­ram es­te po­vo (a pe­ça n.º 1 do mu­seu é um po­te ma­con­de). “A mai­or par­te das nos­sas co­lec­ções é com­pra­da às co­mu­ni­da­des en­quan­to as equipas es­tão no ter­re­no. E is­so é ver­da­de pa­ra as ex-co­ló­ni­as afri­ca­nas, pa­ra o Brasil, pa­ra Portugal e até pa­ra Ti­mor, já que te­mos pe­ças que per­ten­ce­ram ao Ruy Ci­nat­ti. Ca­da pe­ça tra­zi­da tem uma ori­gem re­co­nhe­ci­da, es­tá de­vi­da­men­te in­ven­ta­ri­a­da. Por is­so di­go que o nos­so mu­seu não te­rá os mes­mos pro­ble­mas de ou­tros. A sua ba­se ci­en­tí­fi­ca rompe com o pa­ra­dig­ma de gran­de par­te dos mu­seus de et­no­lo­gia do res­to da Europa.”

O MNE tem 42 mil bens in­ven­ta­ri­a­dos. Des­ses, pre­ci­sa Paulo Cos­ta, 2800 são de­se­nhos de Ga­lha­no e os res­tan­tes ob­jec­tos et­no­grá­fi­cos pro­ve­ni­en­tes de 80 paí­ses, in­cluin­do as ex-co­ló­ni­as. “O tra­ba­lho de in­ven­ta­ri­a­ção não es­tá ter­mi­na­do por­que es­tão ain­da mui­tas fi­chas por di­gi­ta­li­zar [no­ve mil es­tão on­li­ne no Ma­trizNet, o ca­tá­lo­go co­lec­ti­vo da Re­de Por­tu­gue­sa de Mu­seus]. Não pos­so di­zer ho­je com pre­ci­são quan­tos des­tes bens vêm das ex-co­ló­ni­as, mas é pos­sí­vel apu­rar, por­que ca­da pe­ça do mu­seu tem uma ficha.”

Se em re­la­ção aos ob­jec­tos que re­sul­ta­ram de mis­sões de in­ves­ti­ga­ção a pro­ve­ni­ên­cia é de­ta­lha­da, o mes­mo não acontece com al­guns dos que de­cor­rem de do­a­ções e com os cer­ca de dois mil que pa­ra ali fo­ram trans­fe­ri­dos pe­la Agên­cia Ge­ral do Ul­tra­mar: “Fo­ram pe­ças reu­ni­das sem cri­té­rio por ele­men­tos da ad­mi­nis­tra­ção por­tu­gue­sa nos ter­ri­tó­ri­os, que che­ga­ram até nós sem in­for­ma­ção, sem con­tex­to. Não sa­be­mos co­mo fo­ram ob­ti­das e daí eu di­zer que al­gu­mas podem ter ori­gens pro­ble­má­ti­cas. Mas são pe­ças bas­tan­te de­sin­te­res­san­tes, na sua mai­o­ria, es­tão nas re­ser­vas. Eu di­ria que não há en­tre elas na­da de sin­gu­lar que me­re­ça um pedido de res­ti­tui­ção. É cla­ro que se re­pre­sen­tan­tes dos paí­ses afri­ca­nos as qui­se­rem ver, te­re­mos to­do o gos­to em re­ce­bê-los.”

Paulo Cos­ta não co­nhe­ce ain­da o con­teú­do do re­la­tó­rio Ma­cron, mas es­tá “ex­pec­tan­te”. Co­mo a mai­o­ria dos seus co­le­gas, su­bli­nha, no en­tan­to, que as coi­sas têm de ser ana­li­sa­das mu­seu a mu­seu: “Es­ta é uma ques­tão po­lí­ti­ca com im­pli­ca­ções se­riís­si­mas, com­ple­xas, a co­me­çar pe­la le­gis­la­ção. É um pro­ble­ma glo­bal, mas is­so não quer di­zer que a sua solução seja glo­bal. Há que ava­li­ar cui­da­do­sa­men­te ca­da con­tex­to na­ci­o­nal.”

O ca­so do nos­so mu­seu é par­ti­cu­lar por­que ele é mui­to tar­dio [1965] e foi cri­a­do nu­ma ló­gi­ca ci­en­tí­fi­ca Paulo Cos­ta Di­rec­tor do Mu­seu Na­ci­o­nal de Et­no­lo­gia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.