Le­gí­ti­mo e in­to­le­rá­vel na res­ti­tui­ção “à ori­gem” de co­lec­ções dos mu­seus

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE - Opi­nião Luís Ra­po­so

Um re­cen­te re­la­tó­rio fei­to a pedido do Pre­si­den­te francês, ver­san­do so­bre “A res­ti­tui­ção do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Afri­ca­no, em di­rec­ção a uma no­va éti­ca re­la­ci­o­nal” (ver por exem­plo www. icom-mu­se­es.fr), tem re­lan­ça­do nas úl­ti­mas se­ma­nas o te­ma, já an­ti­go, da de­vo­lu­ção “à ori­gem” de pe­ças e co­lec­ções des­de há mui­to in­cor­po­ra­das em mu­seus, um pou­co por to­do o mun­do, mas es­pe­ci­al­men­te na Europa e nos EUA. O âm­bi­to te­má­ti­co, cro­no­ló­gi­co, ju­rí­di­co e con­cep­tu­al é ago­ra mui­to mais vas­to. Não se fa­la so­men­te de co­lec­ções pi­lha­das em tem­pos re­cen­tes, qu­an­do exis­ti­am or­de­na­men­tos ju­rí­di­cos in­ter­na­ci­o­nais que o de­ve­ri­am im­pe­dir; e não se fa­la ape­nas de ob­jec­tos ar­que­o­ló­gi­cos ou et­no­grá­fi­cos, por is­so com es­pe­ci­ais la­ços de re­la­ção em­pá­ti­ca com co­mu­ni­da­des que, bem ou mal, se di­gam des­cen­den­tes ou re­pre­sen­tan­tes de cul­tu­ras in­dí­ge­nas an­ti­gas, mes­mo que de­sa­pa­re­ci­das há sé­cu­los. Fa­la-se de tu­do. E fa­la-se so­bre­tu­do de paí­ses, mais do que de po­vos. O Chi­le, por exem­plo, re­cla­mou no mês pas­sa­do do Mu­seu Bri­tâ­ni­co os res­tos fós­seis de um ma­mí­fe­ro da Pa­ta­gó­nia ex­tin­to há dez mil anos, re­co­lhi­dos no sé­cu­lo XIX. Não tar­da­rá mui­to que as tar­ta­ru­gas­das-ga­lá­pa­gos, re­co­lhi­das por Darwin, se­jam tam­bém re­cla­ma­das. E de­pois os seus ca­der­nos de apon­ta­men­tos, que se di­rá, e bem, cons­ti­tuí­rem ele­men­tos con­tex­tu­ais in­dis­pen­sá­veis à ple­na valorização das mes­mas.

A con­sig­na é a de cla­mar con­tra re­la­ções de opres­são e es­po­li­a­ção co­lo­ni­al, in­de­pen­den­te­men­te de qu­an­do te­nham ocor­ri­do, e exi­gir re­pa­rá-las, fa­zen­do a his­tó­ria re­cu­ar até on­de for pre­ci­so. To­me­mos o exem­plo dos 25 obe­lis­cos do Egip­to Fa­raó­ni­co co­nhe­ci­dos até ho­je: so­men­te quatro es­tão no Egip­to; os res­tan­tes an­dam por aí, prin­ci­pal­men­te na Europa, mas tam­bém fo­ra de­la. Que re­gres­sem, pois. Co­me­çan­do tal­vez pe­lo que a co­lo­ni­za­da e opri­mi­da Cleó­pa­tra “ofe­re­ceu” ao co­lo­ni­za­dor e opres­sor Jú­lio Cé­sar e, de­pois de pe­ri­pé­ci­as vá­ri­as, aca­bou no sé­cu­lo XVI por as­sen­tar ar­rai­ais na Pra­ça do Po­vo, em Ro­ma. Ah, mas al­to lá: re­tor­nan­do ao Egip­to, que vão pa­ra os exac­tos lo­cais de ori­gem, já que dos quatro que lá fi­ca­ram ape­nas um es­tá on­de re­al­men­te foi er­gui­do e os res­tan­tes en­con­tram-se a ador­nar pra­ças.

Pos­tas as coi­sas nes­te pé, tu­do es­tá cla­ro e to­dos os es­pí­ri­tos não ca­ver­ní­co­las de­ve­ri­am es­tar de acor­do. Mas en­tão por que in­sis­tem em com­pli­car? Por que in­sis­tem em pôr pe­dras no ca­mi­nho? Nuns ca­sos, cha­mam a atenção pa­ra a am­bi­gui­da­de “das ori­gens”. Por que não po­de­rão paí­ses de­se­nha­dos pe­las me­tró­po­les co­lo­ni­ais e, eles mes­mos, pro­fun­da­men­te co­lo­ni­ais na re­la­ção in­ter­na en­tre eli­tes de des­cen­dên­cia eu­ro­peia e po­vos in­dí­ge­nas, re­cla­mar es­se es­ta­tu­to? Nou­tros ca­sos, du­vi­dam das re­cla­ma­ções de per­ten­ça. Por que não po­de­rão ac­ti­vis­tas ac­tu­ais dos Uma­til­la re­cla­mar-se des­cen­den­tes de um es­que­le­to de há oi­to ou no­ve mil anos, de­sen­ter­ra­do pe­los ar­queó­lo­gos em Ken­newick. Nou­tros ca­sos ain­da atre­vem­se os mais mes­qui­nhos a di­zer que não exis­tem con­di­ções de con­ser­va­ção e ex­po­si­ção “na ori­gem”. Por que se in­qui­e­tam com al­go que lhes não res­pei­ta? Se exis­te ou não mu­seu de aco­lhi­men­to, e quais as su­as con­di­ções, é de so­me­nos. De res­to, uma boa par­te do que se re­cla­ma nem se­quer é pa­ra guar­dar em mu­seu, mas pa­ra cum­prir o que fi­cou in­ter­rom­pi­do de­vi­do à ir­rup­ção vi­o­len­ta co­lo­ni­al: res­tos hu­ma­nos e mo­bi­liá­rio fu­ne­rá­rio, se for pa­ra en­ter­rar de no­vo, que seja; se for pa­ra cre­mar, que seja. Se­ria, aliás, es­se o des­ti­no do es­que­le­to de Ken­newick, aci­ma ci­ta­do, re­pre­sen­tan­te das ini­ci­ais pre­sen­ças hu­ma­nas na Amé­ri­ca do Nor­te, não fo­ra ter-se in­ter­pos­to o tribunal, em con­luio com os ci­en­tis­tas. Con­luio pu­ro e sim­ples, cla­ro: es­ta coi­sa da ciência e das Lu­zes é in­ven­ção oci­den­tal, des­ti­na­da a re­for­çar a opres­são co­lo­ni­al.

É tu­do tão sim­ples no mun­do do pre­to e bran­co. No mun­do das igre­jas, se­jam elas re­li­gi­o­sas ou ide­o­ló­gi­cas. Pa­ra quem, to­da­via, se le­van­ta aqui ce­do sa­ben­do que já é tar­de aco­lá (ou vi­ce-ver­sa, não se vá acu­sar a me­tá­fo­ra de co­lo­ni­al); pa­ra quem en­tre noi­te e dia sa­be que exis­tem a au­ro­ra e o cre­pús­cu­lo, com to­dos os seus cam­bi­an­tes; pa­ra quem, sen­do na ciência po­si­ti­vo, se ha­bi­tou a du­vi­dar, tu­do é mais com­ple­xo. E di­rão tal­vez que os mu­seus das me­tró­po­les co­lo­ni­ais de­ve­rão, an­tes de tu­do, ga­ran­tir a to­tal le­ga­li­da­de das su­as co­lec­ções. De­ve­rão de­pois re­ver os tra­ta­men­tos que lhes dão, mas sem ren­di­ção a ir­man­da­des (mu­çul­ma­nas ou ou­tras) que exi­gem, por exem­plo, a re­ti­ra­da de to­das as mú­mi­as, quais­quer que se­jam os tem­pos e os lu­ga­res. E de­ve­rão, sim, con­si­de­rar o seu re­tor­no “às ori­gens” em ca­sos-li­mi­te, bem de­li­mi­ta­dos. An­tes de to­dos, os da dig­ni­da­de da pes­soa humana. Prá­ti­cas ou­tro­ra to­le­ra­das de uti­li­za­ção de de­fi­ci­ên­ci­as ou de me­ras va­ri­a­ções (tan­to den­tro das po­pu­la­ções de per­ten­ça co­mo nou­tras, di­tas exó­ti­cas), pa­ra gáu­dio em feiras e tam­bém pa­ra ob­ser­va­ção em mu­seus, con­ver­ti­dos em zo­os, são in­to­le­rá­veis ho­je. Fez bem por is­so o Mu­seu do Ho­mem em de­vol­ver à Áfri­ca do Sul os res­tos de Sa­rah Ba­art­man, a tris­te­men­te cha­ma­da “Vé­nus Ho­ten­to­te”.

Vêm de­pois to­dos os ca­sos de re­cla­ma­ção de ligação afec­ti­va de paí­ses e, so­bre­tu­do, po­vos a pe­ças e co­lec­ções des­lo­ca­das pa­ra mu­seus, tan­to in­ter­na­men­te co­mo pa­ra o es­tran­gei­ro. Mas aqui os cri­té­ri­os de ava­li­a­ção de­vem ser mui­to se­ve­ros e não exis­te ra­zão pa­ra tra­tar di­fe­ren­te­men­te as re­la­ções co­lo­ni­ais das da guer­ra, da do­mi­na­ção im­pe­ri­al em ge­ral ou até do me­ro co­mér­cio de an­ti­gui­da­des, fei­to à luz da le­ga­li­da­de de ca­da épo­ca. O exem­plo mais clás­si­co é o dos Fri­sos do Pár­te­non: ain­da que le­gal­men­te ob­ti­dos, de­ve­rão ser de­vol­vi­dos à Gré­cia, por­que cons­ti­tu­em em­ble­ma na­ci­o­nal e exis­tem con­di­ções ade­qua­das, ide­ais mes­mo, pa­ra a sua ex­po­si­ção pró­xi­mo do lo­cal de ori­gem. O mes­mo se di­ria da Cus­tó­dia de Be­lém, se não ti­ves­se si­do re­com­pra­da à viúva do ge­ne­ral francês que a sa­que­ou. Mas já a Xor­ca de Sintra, ho­je no Mu­seu Bri­tâ­ni­co, por mui­to que os ar­queó­lo­gos a con­si­de­rem icó­ni­ca, na­da diz aos por­tu­gue­ses em ge­ral e se­ria por is­so oci­o­so re­cla­má-la (ain­da por ci­ma sa­ben­do que só pa­ra lá foi, no prin­cí­pio do sé­cu­lo pas­sa­do, por­que as au­to­ri­da­des não ga­ran­ti­ram a Lei­te de Vas­con­ce­los os mei­os pa­ra a ad­qui­rir).

De­vol­ver ou não de­vol­ver, eis a ques­tão. Nuns ca­sos sim, nou­tros não. E qua­se sem­pre não cer­ta­men­te qu­an­do a de­vo­lu­ção seja fei­ta pa­ra con­su­mar a des­trui­ção fi­nal de bens que a ciência mo­der­na te­nha trans­fi­gu­ra­do em ob­jec­tos de es­tu­do, por­que nes­te ca­so se tra­ta de com­ba­te ci­vi­li­za­ci­o­nal en­tre o mun­do da ra­ci­o­na­li­da­de, ou das Lu­zes, co­mo foi cha­ma­do, e um mun­do da ir­ra­ci­o­na­li­da­de, pre­ten­sa­men­te no­vo, mas que po­de bem ser cha­ma­do das Tre­vas, co­mo ou­tros no pas­sa­do. Ar­queó­lo­go; pre­si­den­te do ICOM Europa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.