Portugal e Chi­na as­si­na­ram um “me­mo­ran­do” mui­to eu­ro­peu

A lin­gua­gem do “me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to” pa­ra a cooperação com a no­va Ro­ta da Se­da, a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so, su­bli­nha de for­ma sis­te­má­ti­ca o qua­dro eu­ro­peu em que deve re­a­li­zar-se

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - Di­plo­ma­cia Te­re­sa de Sou­sa

Há uma me­tá­fo­ra uti­li­za­da por es­tes di­as no Pa­lá­cio das Necessidades que pre­ten­de re­su­mir as li­nhas ver­me­lhas de Portugal na sua re­la­ção com a Chi­na: “Tu­do me­nos a Ter­cei­ra.” Xi Jin­ping es­te­ve dois di­as em Lisboa pa­ra uma vi­si­ta de Es­ta­do cur­ta mas cheia de sim­bo­lis­mo. Foi vi­sí­vel o cui­da­do com que a vi­si­ta foi pre­pa­ra­da por par­te do Go­ver­no por­tu­guês, no­me­a­da­men­te na per­fei­ta sin­to­nia das men­sa­gens do pri­mei­ro-mi­nis­tro e do Pre­si­den­te, ve­ri­fi­cá­vel em ca­da de­cla­ra­ção pú­bli­ca de Mar­ce­lo ou de Cos­ta qu­an­do es­ti­ve­ram na com­pa­nhia de Xi. O Pre­si­den­te men­ci­o­nou os di­rei­tos hu­ma­nos qu­an­do sau­dou o seu ho­mó­lo­go chi­nês em Be­lém. A “de­cla­ra­ção con­jun­ta”, o re­tra­to po­lí­ti­co da re­la­ção bi­la­te­ral en­tre os dois paí­ses, tam­bém lhes dá o lu­gar de­vi­do, de par com a de­fe­sa do mul­ti­la­te­ra­lis­mo, da li­ber­da­de de co­mér­cio e do com­ba­te às al­te­ra­ções climáticas, que são pon­tos da agen­da in­ter­na­ci­o­nal em que os dois paí­ses se podem apro­xi­mar.

Na di­plo­ma­cia, so­bre­tu­do qu­an­do se tra­ta de um país co­mo a Chi­na, ca­da pa­la­vra pe­sa, não es­tá lá por aca­so e re­sul­ta, mui­tas vezes, de uma lon­ga e du­ra ne­go­ci­a­ção de bastidores. O “me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to” não fu­giu à re­gra. O ob­jec­ti­vo do Go­ver­no por­tu­guês era re­for­çar de for­ma prag­má­ti­ca uma re­la­ção que con­si­de­ra im­por­tan­te pa­ra o fu­tu­ro do país e que se ins­cre­ve nos ob­jec­ti­vos da sua po­lí­ti­ca ex­ter­na, sem dei­xar de su­bli­nhar o seu es­ta­tu­to de país eu­ro­peu e oci­den­tal, com com­pro­mis­sos no qua­dro das du­as prin­ci­pais ali­an­ças de que faz par­te, a União Eu­ro­peia (UE) e a NA­TO, bem co­mo da sua for­te re­la­ção com os EUA.

Foi es­se o es­pí­ri­to que ani­mou as ne­go­ci­a­ções “du­ras” do do­cu­men­to, por­ven­tu­ra, mais re­le­van­te da vi­si­ta de Xi a Lisboa: o “me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to” en­tre os dois go­ver­nos “so­bre a cooperação no âm­bi­to da ini­ci­a­ti­va da Fai­xa Eco­nó­mi­ca da Ro­ta da Se­da e da Ro­ta Ma­rí­ti­ma da Se­da do sé­cu­lo XXI”. Por ou­tras pa­la­vras, a gi­gan­tes­ca e am­bi­ci­o­sa ini­ci­a­ti­va lan­ça­da pe­la Chi­na em 2013, cu­jo ob­jec­ti­vo é per­mi­tir-lhe mol­dar a glo­ba­li­za­ção eco­nó­mi­ca de acor­do com a sua vi­são do mun­do. Ain­da por ou­tras pa­la­vras, cons­truir pro­gres­si­va­men­te uma or­dem mundial que não seja a Pax Ame­ri­ca­na, dis­pu­tan­do a he­ge­mo­nia dos EUA.

“É uma es­tra­té­gia chi­ne­sa”, en­ten­de-se no Pa­lá­cio das Necessidades. Co­mo tal, o Go­ver­no op­tou por es­ta­be­le­cer com ela uma cooperação, mas não ade­rir a ela. Te­rá sig­ni­fi­ca­do es­ta es­co­lha? Ela es­tá re­flec­ti­da no “me­mo­ran­do” e re­sul­ta do fac­to de Portugal ser mem­bro da UE.

O qua­dro eu­ro­peu

O de­ta­lhe es­tá nos pormenores do texto de no­ve pá­gi­nas. A pre­o­cu­pa­ção com o en­qua­dra­men­to ju­rí­di­co e po­lí­ti­co eu­ro­peu es­tá pre­sen­te em qua­se to­dos os ca­pí­tu­los. A cooperação com a no­va Ro­ta da Se­da é co­lo­ca­da no âm­bi­to das du­as gran­des es­tra­té­gi­as eu­ro­pei­as de co­nec­ti­vi­da­de com a Chi­na e com a Ásia.

As nor­mas so­ci­ais e am­bi­en­tais, pre­sen­tes nas par­ce­ri­as en­tre a Europa e ou­tras re­giões ou paí­ses do mun­do, são igual­men­te su­bli­nha­das. No preâm­bu­lo, o me­mo­ran­do re­co­nhe­ce “a ne­ces­si­da­de de as­se­gu­rar re­des de in­fra-es­tru­tu­ras sus­ten­tá­veis e in­te­ro­pe­rá­veis, atra­vés da co­e­rên­cia e con­sis­tên­cia es­tra­té­gi­cas de co­nec­ti­vi­da­de exis­ten­tes, de­sig­na­da­men­te da Pla­ta­for­ma de Co­nec­ti­vi­da­de UE-Chi­na, que é o prin­ci­pal fórum pa­ra pro­mo­ver si­ner­gi­as no de­sen­vol­vi­men­to de in­fra-es­tru­tu­ras en­tre a UE e a Chi­na”.

A ideia vol­ta a ser su­bli­nha­da no Pa­rá­gra­fo I — Ob­jec­ti­vos e Prin­cí­pi­os Ori­en­ta­do­res da Cooperação: “Am­bos os la­dos apoi­am si­ner­gi­as en­tre a ‘Ini­ci­a­ti­va uma Fai­xa, Uma Ro­ta’ e as pri­o­ri­da­des iden­ti­fi­ca­das no Pla­no de Investimento pa­ra a Europa e na Es­tra­té­gia da UE pa­ra a Co­nec­ti­vi­da­de en­tre a Europa e a Ásia, in­cluin­do as Re­des Tran­seu­ro­pei­as” (...), num qua­dro de cooperação eco­nó­mi­co “aber­to, in­clu­si­vo, equi­li­bra­do, jus­to e trans­pa­ren­te”.

A ques­tão da trans­pa­rên­cia é um dos prin­cí­pi­os bá­si­cos das du­as ini­ci­a­ti­vas eu­ro­pei­as. Do mes­mo mo­do, a cooperação bi­la­te­ral deve de­sen­vol­ver-se “de acor­do com as su­as obri­ga­ções in­ter­na­ci­o­nais”: “O Go­ver­no da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa pro­mo­ve­rá es­ta cooperação bi­la­te­ral nos ter­mos das re­gras e pa­drões in­ter­na­ci­o­nais e das obri­ga­ções re­sul­tan­tes do seu es­ta­tu­to de mem­bro da UE, das su­as re­gras e prin­cí­pi­os.” Há ain­da o com­pro­mis­so de am­bos os la­dos me­lho­ra­rem a ava­li­a­ção “dos im­pac­tos so­ci­ais e am­bi­en­tais dos pro­jec­tos a se­rem fi­nan­ci­a­dos”, com uma re­fe­rên­cia es­pe­ci­al a um dos as­pec­tos mais ne­ga­ti­vos dos gran­des in­ves­ti­men­tos chi­ne­ses nos paí­ses da Ro­ta da Se­da, que é o en­di­vi­da­men­to ex­ces­si­vo: “Ao mo­bi­li­zar fun­dos, a sus­ten­ta­bi­li­da­de das dí­vi­das se­rá con­si­de­ra­da.”

Se, nas pa­la­vras das au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas, a Europa es­te­ve sem­pre pre­sen­te, nas de Xi Jin­ping a tó­ni­ca foi qua­se sem­pre pos­ta no reforço da “Pa­re­ce­ria Es­tra­té­gi­ca Glo­bal” as­si­na­da com Portugal em 2005 e na im­por­tân­cia dos pro­jec­tos co­muns em paí­ses ter­cei­ros.

Pe­quim não tem ape­nas em vis­ta a Áfri­ca e a Amé­ri­ca La­ti­na, on­de se fa­la por­tu­guês, mas igual­men­te a Europa. Pre­ci­sa de know-how e tec­no­lo­gia dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos pa­ra o seu pró­prio de­sen­vol­vi­men­to in­ter­no. Da mes­ma ma­nei­ra que pre­ci­sa de ro­tas al­ter­na­ti­vas pa­ra atin­gir es­ses mer­ca­dos de for­ma a es­co­ar os seus pro­du­tos, man­ten­do o controlo so­bre elas. É es­sa a ló­gi­ca da com­po­nen­te ter­res­tre da Ro­ta da Se­da, que deverá atra­ves­sar a Ásia Central e de­sem­bo­car na Europa, com des­ti­no ao gran­de porto de Ro­ter­dão, mas tam­bém che­gar por via ter­res­tre até ao Porto do Pi­reu, de for­ma a ter aces­so ao Mé­dio Ori­en­te e a Áfri­ca. Do pon­to de vis­ta es­tra­té­gi­co, é uma for­ma de con­tor­nar as prin­ci­pais ro­tas ma­rí­ti­mas sob po­der na­val nor­te-ame­ri­ca­no.

O in­te­res­se por­tu­guês, além do co­mér­cio e do investimento pro­du­ti­vo, é a valorização da sua fa­cha­da atlân­ti­ca, no­me­a­da­men­te atra­vés de Sines, tam­bém co­mo pon­to de de­sem­bar­que dos gran­des na­vi­os con­ten­to­res de mer­ca­do­ri­as que podem che­gar à Europa por via do ca­nal do Pa­na­má, co­mo che­ga ho­je um ter­ço do gás li­que­fei­to ex­por­ta­do pe­los EUA pa­ra a Europa. Xi vi­si­tou es­te país re­cen­te­men­te e a pre­sen­ça chi­ne­sa é ca­da vez mais vi­sí­vel, cri­an­do uma cres­cen­te fric­ção com a pre­sen­ça nor­te-ame­ri­ca­na. É nes­te qua­dro de competição in­ter­na­ci­o­nal que a Europa se si­tua, que Portugal deve si­tu­ar-se e que justifica a re­fe­rên­cia sim­bó­li­ca à Ter­cei­ra (a ba­se das La­jes) e o cui­da­do pos­to na re­dac­ção do me­mo­ran­do pa­ra não re­ti­rar as re­la­ções bi­la­te­rais do qua­dro da cooperação da Europa com o co­los­so asiá­ti­co.

O “me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to” foi o do­cu­men­to, por­ven­tu­ra, mais re­le­van­te da vi­si­ta de Xi a Lisboa

te­re­sa.de.sou­[email protected]­bli­co.pt

RUI GAUDÊNCIO

António Cos­ta e Xi Jin­ping as­si­na­ram um me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to que só ago­ra é re­ve­la­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.