Re­for­ma ig­no­rou “li­ções dos in­cên­di­os”

Ob­ser­va­tó­rio Téc­ni­co con­si­de­ra que os Pla­nos Re­gi­o­nais de Or­de­na­men­to Flo­res­tal não tra­du­zem os pro­ble­mas iden­ti­fi­ca­dos

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - Flo­res­ta Li­li­a­na Valente

O Ob­ser­va­tó­rio Téc­ni­co In­de­pen­den­te (OTI) que fun­ci­o­na jun­to à As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca faz vá­ri­as crí­ti­cas aos Pla­nos Re­gi­o­nais de Or­de­na­men­to Flo­res­tais (PROF) apre­sen­ta­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, so­bre­tu­do por­que con­si­de­ra que foi fei­to um bom diagnóstico da si­tu­a­ção, mas que as me­di­das não res­pon­dem aos pro­ble­mas iden­ti­fi­ca­dos. Es­te no­vo ob­ser­va­tó­rio, cri­a­do pa­ra ava­li­ar as me­di­das e pro­du­zir re­la­tó­ri­os so­bre a ges­tão de in­cên­di­os, de­fen­de que os pla­nos são in­su­fi­ci­en­tes e que “pa­re­cem ig­no­rar as li­ções dos in­cên­di­os flo­res­tais ocor­ri­dos em 2017”.

O Con­se­lho de Mi­nis­tros apro­vou on­tem o “di­plo­ma que al­te­ra o re­gi­me ju­rí­di­co dos pla­nos de or­de­na­men­to, de ges­tão e de in­ter­ven­ção de âm­bi­to flo­res­tal, pro­cu­ran­do cla­ri­fi­car o re­gi­me de vin­cu­la­ção dos pro­gra­mas re­gi­o­nais de or­de­na­men­to flo­res­tal”, que se­gui­rá pa­ra apro­va­ção pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

No mes­mo dia, o OTI fez sair as su­as re­co­men­da­ções on­de diz que os pla­nos “pa­re­cem ig­no­rar as li­ções dos in­cên­di­os flo­res­tais ocor­ri­dos em 2017 bem co­mo as re­co­men­da­ções ex­pres­sas nos re­la­tó­ri­os das co­mis­sões téc­ni­cas in­de­pen­den­tes”, que ava­li­a­ram os in­cên­di­os do ano pas­sa­do. A in­cor­po­ra­ção des­tas re­co­men­da­ções, acres­cen­ta, “de­ve­ria ser pri­o­ri­tá­ria no sen­ti­do de au­men­tar a re­si­li­ên­cia e re­sis­tên­cia do ter­ri­tó­rio a in­cên­di­os flo­res­tais a mé­dio pra­zo”.

No do­cu­men­to, os téc­ni­cos aler­tam que “as me­tas es­ta­be­le­ci­das pa­ra 2030 e 2050, por exem­plo, não re­flec­tem a ex­pec­tá­vel re­du­ção da ap­ti­dão dos ter­ri­tó­ri­os pa­ra es­pé­ci­es com o pi­nhei­ro bra­vo e o eu­ca­lip­to e o au­men­to da ap­ti­dão pa­ra al­gu­mas quer­cí­ne­as”. E ob­ser­vam que “as ori­en­ta­ções de sil­vi­cul­tu­ra pre­ven­ti­va” são tra­ta­das de for­ma ge­ne­ra­lis­ta”. li­li­a­[email protected]­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.