Pra­xe proi­bi­da em mais de um ter­ço do en­si­no su­pe­ri­or

O nú­me­ro de ins­ti­tui­ções que pre­fe­rem as pra­xes fo­ra de por­tas é ca­da vez mai­or. BE pre­pa­ra ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va pa­ra con­tro­lar pra­xe

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - En­si­no su­pe­ri­or Sa­mu­el Silva sa­mu­[email protected]­bli­co.pt

Mais de um ter­ço das ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or (38%) proí­be a re­a­li­za­ção de ac­ti­vi­da­des de pra­xe nas su­as ins­ta­la­ções. Seis em ca­da dez (62%) au­to­ri­zam-nas. Se ape­nas fo­rem con­si­de­ra­das as uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos pú­bli­cos, es­tas ac­ti­vi­da­des são per­mi­ti­das em 56% dos cam­pus.

Es­tes da­dos fo­ram com­pi­la­dos pe­lo PÚ­BLI­CO a par­tir das res­pos­tas en­vi­a­das pe­las ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or a ques­tões co­lo­ca­das no fi­nal do mês de Ou­tu­bro pe­lo Blo­co de Es­quer­da (BE), atra­vés do Par­la­men­to. Res­pon­de­ram 61 uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos, num uni­ver­so de cerca de 100. A maioria, ins­ti­tui­ções pri­va­das. O pra­zo que ti­nham pa­ra o fa­zer ter­mi­nou a 30 de No­vem­bro.

Ape­nas no­ve ins­ti­tui­ções pú­bli­cas dis­po­ni­bi­li­za­ram a in­for­ma­ção pe­di­da pe­los blo­quis­tas. Vá­ri­os res­pon­sá­veis de uni­ver­si­da­des es­ta­tais, ques­ti­o­na­dos pe­lo PÚ­BLI­CO, atri­bu­em a au­sên­cia de res­pos­ta ao ele­va­do nú­me­ro de so­li­ci­ta­ções re­ce­bi­das nos úl­ti­mos me­ses, da par­te do Go­ver­no e da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, pa­ra res­pon­der a pe­di­dos de in­for­ma­ção.

O de­pu­ta­do do Blo­co de Es­quer­da Luís Mon­tei­ro, que li­de­rou es­ta ini­ci­a­ti­va no Par­la­men­to, “es­tra­nha”, po­rém, que a maioria dos po­li­téc­ni­cos e uni­ver­si­da­des pú­bli­cas te­nha ig­no­ra­do o re­que­ri­men­to, so­bre­tu­do al­gu­mas que “his­to­ri­ca­men­te têm ca­sos re­la­ci­o­na­dos com a pra­xe” e que de­vi­am “ter uma pre­o­cu­pa­ção par­ti­cu­lar” com o te­ma.

Em Ou­tu­bro, o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or, li­de­ra­do por Ma­nu­el Hei­tor, vol­tou a pro­nun­ci­ar-se so­bre as ac­ti­vi­da­des de pra­xe, de­pois de te­rem si­do de­nun­ci­a­dos dois ca­sos de ale­ga­dos abu­sos. Um en­vol­veu um es­tu­dan­te re­cém-en­tra­do na Uni­ver­si­da­de de Évora que foi obri­ga­do a ajo­e­lhar-se so­bre as pró­pri­as mãos e a co­lo­car a ca­be­ça no chão so­bre um mon­te de fa­ri­nha. Ou­tro passou-se com um es­tu­dan­te do pri­mei­ro ano do cur­so de Ci­ên­ci­as Bi­o­mé­di­cas que apre­sen­tou quei­xa à Uni­ver­si­da­de da Bei­ra In­te­ri­or. Con­tou que foi le­va­do de noi­te pa­ra a ser­ra da Es­tre­la, on­de foi obri­ga­do a des­pir-se, aca­ban­do por ser agre­di­do. O mi­nis­té­rio, que en­ca­mi­nhou as quei­xas pa­ra a Ins­pec­ção-Ge­ral da Edu­ca­ção e Ci­ên­cia, re­a­fir­mou o seu “to­tal apoio ao com­ba­te a ma­ni­fes­ta­ções de abu­so, hu­mi­lha­ção e sub­ser­vi­ên­cia re­a­li­za­das en­tre gru­pos de es­tu­dan­tes, se­jam no es­pa­ço pú­bli­co ou den­tro das ins­ti­tui­ções”.

Não foi a pri­mei­ra vez que Hei­tor cri­ti­cou es­te ti­po de ac­ti­vi­da­des. Há dois anos dis­se no Par­la­men­to que “não há pra­xes bo­as e pra­xes más”, que elas são uma “prá­ti­ca fas­ci­zan­te”. E nu­ma car­ta aber­ta em Se­tem­bro de 2016 de­fen­deu ain­da que as ins­ti­tui­ções de en­si­no não de­vi­am re­co­nhe­cer as cha­ma­das “co­mis­sões de pra­xe”.

Proi­bir re­sul­ta?

O BE per­gun­tou às ins­ti­tui­ções se es­tas pon­de­ram vir a proi­bir a pra­xe no in­te­ri­or das ins­ta­la­ções num fu­tu­ro pró­xi­mo. A Uni­ver­si­da­de Atlân­ti­ca (Oei­ras) e a Es­co­la Su­pe­ri­or de Saú­de Atlân­ti­ca, am­bas per­ten­cen­tes ao mes­mo gru­po, que re­cen­te­men­te mu­dou de pro­pri­e­tá­rio, já de­ci­di­ri­am fa­zê-lo a par­tir do pró­xi­mo ano.

O mais an­ti­go ca­so de proi­bi­ção no in­te­ri­or do cam­pus re­mon­ta a 2008 e acon­te­ceu nas ins­ti­tui­ções da re­de do Ins­ti­tu­to Pi­a­get. Na mes­ma al­tu­ra, es­ta ins­ti­tui­ção pri­va­da foi con­de­na­da pe­lo Tri­bu­nal da Re­la­ção do Por­to a pa­gar uma in­dem­ni­za­ção de cerca de 40 mil eu­ros a uma alu­na ví­ti­ma de ac­tos “de­gra­dan­tes e hu­mi­lhan­tes” du­ran­te uma pra­xe, num ca­so que re­mon­ta­va a 2002, em Macedo de Ca­va­lei­ros.

As po­si­ções das res­tan­tes ins­ti­tui­ções so­bre a pos­si­bi­li­da­de de proi­bi­ção

A proi­bi­ção das pra­xes di­vi­de opi­niões. Há rei­to­res que con­si­de­ram pre­fe­rí­vel au­to­ri­zar a pra­xe, den­tro de de­ter­mi­na­das re­gras, a dei­xá-la ocor­rer fo­ra do cam­pus

são re­par­ti­das. Um pou­co mais de me­ta­de (52%) não ad­mi­te fa­zê-lo. Es­ta “não é uma so­lu­ção”, jus­ti­fi­ca a Uni­ver­si­da­de Por­tu­ca­len­se (Por­to) na sua res­pos­ta, as­se­gu­ran­do que es­sa op­ção te­ria “efei­tos ain­da mais per­ver­sos, co­nhe­ci­da que é a ir­re­ve­rên­cia es­tu­dan­til”.

Na mes­ma mis­si­va, a di­rec­ção da ins­ti­tui­ção con­si­de­ra que a pra­xe de­ve ser “ad­mi­ti­da co­mo uma vi­são po­si­ti­va” que tra­du­za aqui­lo que “efec­ti­va­men­te de­ve ser a pra­xe aca­dé­mi­ca e não com a de­tur­pa­ção que, ao lon­go dos úl­ti­mos anos, e es­sen­ci­al­men­te pós-25 de Abril, se foi as­sis­tin­do”.

Tam­bém a Es­co­la Su­pe­ri­or de Edu­ca­ção João de Deus, com se­de em Lis­boa, con­si­de­ra a pra­xe “um mo­men­to im­por­tan­te e in­con­tor­ná­vel no iní­cio de ca­da ano lec­ti­vo”, afir­ma o seu di­rec­tor, An­tó­nio Pon­ces de Car­va­lho, na res­pos­ta en­vi­a­da ao Par­la­men­to, clas­si­fi­can­do es­tas prá­ti­cas co­mo “um pa­tri­mó­nio”.

A proi­bi­ção da pra­xe no in­te­ri­or das ins­ta­la­ções das uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos tam­bém di­vi­de os res­pon­sá­veis do sec­tor pú­bli­co. Há rei­to­res que con­si­de­ram que é pre­fe­rí­vel au­to­ri­zá-la, den­tro de de­ter­mi­na­das re­gras e li­mi­ta­ções, em vez de a con­fi­nar a ter­re­nos ex­te­ri­o­res aos cam­pus, on­de o con­tro­lo so­bre o que lá se pas­sa é me­nor.

É nes­se sen­ti­do que apon­ta a so­lu­ção se­gui­da na Uni­ver­si­da­de de Trás-os-Mon­tes e Al­to Dou­ro (UTAD) — que não res­pon­deu às ques­tões do BE —, on­de a pra­xe é per­mi­ti­da até às 20h00 e des­de que não ha­ja “ba­ru­lho ou ac­tos de­gra­dan­tes”, ex­pli­ca o rei­tor, An­tó­nio Fon­tai­nhas Fer­nan­des.

Aque­le res­pon­sá­vel, que é tam­bém pre­si­den­te do Con­se­lho de Rei­to­res das Uni­ver­si­da­des Por­tu­gue­sas, lem­bra que a proi­bi­ção da pra­xe “não tem os mes­mos efei­tos” nu­ma ins­ti­tui­ção co­mo a UTAD, que tem um cam­pus úni­co e fe­cha­do, que em uni­ver­si­da­des co­mo as do Por­to e Lis­boa, com ins­ta­la­ções es­pa­lha­das por to­da a ci­da­de.

Os da­dos re­co­lhi­dos a par­tir das res­pos­tas das ins­ti­tui­ções mos­tram tam­bém que, en­tre aque­las que au­to­ri­zam a pra­xe no in­te­ri­or das su­as ins­ta­la­ções (38 das 61 que res­pon­de­ram), ape­nas três im­põem con­di­ci­o­na­men­tos, quer se­ja nos ho­rá­ri­os, nas da­tas em que a pra­xe po­de ocor­rer, quer se­ja nos lo­cais.

Na Co­o­pe­ra­ti­va de En­si­no Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co e Uni­ver­si­tá­ri­oCESPU, em Pa­re­des, e no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ad­mi­nis­tra­ção e Ges­tão, no Por­to, du­as ins­ti­tui­ções pri­va­das, a pra­xe po­de ocor­rer den­tro do cam­pus, mas ape­nas nos es­pa­ços ao ar li­vre. Num ou­tro ca­so, o do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Pa­ços de Bran­dão, a pra­xe só é per­mi­ti­da “em ca­sos pon­tu­ais” e com au­to­ri­za­ção da di­rec­ção.

As res­pos­tas per­mi­tem per­ce­ber que 23% das uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos re­co­nhe­cem as es­tru­tu­ras de or­ga­ni­za­ção da pra­xe, ou se­ja, os rei­to­res reú­nem-se com elas, co­mo se fos­sem uma or­ga­ni­za­ção for­mal den­tro da ins­ti­tui­ção.

Em nú­me­ro me­nor, cerca de 10% das ins­ti­tui­ções (to­das pri­va­das) con­vi­dam as es­tru­tu­ras li­ga­das à pra­xe pa­ra ce­ri­mó­ni­as ofi­ci­ais, des­de lo­go pa­ra as ses­sões de inau­gu­ra­ção do ano lec­ti­vo, bem co­mo pa­ra ou­tros ac­tos for­mais.

Ape­nas num dos ca­sos é a pró­pria as­so­ci­a­ção de es­tu­dan­tes a or­ga­ni­zar a pra­xe. Acon­te­ce no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Ma­nu­el Tei­xei­ra Go­mes, de Por­ti­mão. Es­te é tam­bém o úni­co ca­so, nas res­pos­tas re­ce­bi­das pe­lo Blo­co, em que a ins­ti­tui­ção de en­si­no su­pe­ri­or apoia fi­nan­cei­ra­men­te or­ga­ni­za­ções li­ga­das à pra­xe, ou se­ja, a as­so­ci­a­ção de es­tu­dan­tes. As res­tan­tes uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos ga­ran­tem não co­lo­car di­nhei­ro na or­ga­ni­za­ção des­tas ac­ti­vi­da­des.

Ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va

O BE sub­me­teu, en­tre­tan­to, um re­que­ri­men­to pa­ra que o mi­nis­tro Ma­nu­el Hei­tor vá ao Par­la­men­to ana­li­sar o re­tra­to que es­tas res­pos­tas per­mi­tem fa­zer. Na au­di­ção vão tam­bém par­ti­ci­par os ele­men­tos do ga­bi­ne­te do Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e En­si­no Su­pe­ri­or envolvidos na or­ga­ni­za­ção do programa al­ter­na­ti­vo à pra­xe, o Exarp, lan­ça­do no ano pas­sa­do. A in­ten­ção é “fa­zer um ba­lan­ço sé­rio” des­sa ini­ci­a­ti­va, an­te­ci­pa o de­pu­ta­do Luís Mon­tei­ro.

Fa­ce ao ca­len­dá­rio par­la­men­tar, a au­di­ção só de­ve­rá ocor­rer no pró­xi­mo mês. Nes­sa oca­sião, o BE vai apre­sen­tar tam­bém uma ini­ci­a­ti­va le­gis­la­ti­va que per­mi­ta dar às ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or “ins­tru­men­tos pa­ra con­tro­lar a pra­xe” e, as­sim, “res­pon­sa­bi­li­zá-las so­bre es­ta ma­té­ria”, ex­pli­ca Mon­tei­ro.

A pro­pos­ta es­tá ain­da a ser cons­truí­da, pe­lo que o de­pu­ta­do blo­quis­ta não an­te­ci­pa o ti­po de fer­ra­men­tas que pas­sa­rão a es­tar à dis­po­si­ção de uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos.

Co­mo tra­tam a pra­xe as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or

PAU­LO PI­MEN­TA

Fo­ram 61 as uni­ver­si­da­des e po­li­téc­ni­cos a res­pon­der ao BE. Mui­tas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas não o fi­ze­ram

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.