Mais de 600 mil fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos sem au­men­tos

Ape­nas sa­lá­ri­os mais bai­xos so­bem, no má­xi­mo, 55 eu­ros. Or­de­na­do mí­ni­mo no sec­tor pú­bli­co se­rá de 635 eu­ros

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca Ra­quel Mar­tins

No pró­xi­mo ano ape­nas os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos com sa­lá­ri­os mais bai­xos se­rão au­men­ta­dos e a re­mu­ne­ra­ção mí­ni­ma na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca pas­sa­rá a ser de 635 eu­ros, aci­ma do que es­tá fi­xa­do pa­ra o sec­tor pri­va­do. A pro­pos­ta foi apre­sen­ta­da on­tem pe­lo Go­ver­no e con­fir­mou o pi­or dos ce­ná­ri­os, ge­ran­do o des­con­ten­ta­men­to dos sin­di­ca­tos: os au­men­tos ape­nas abran­gem quem re­ce­be en­tre 580 e 634 eu­ros (en­tre 50 mil a 70 mil pes­so­as), dei­xan­do de fo­ra mais de 600 mil tra­ba­lha­do­res do Es­ta­do.

Na prá­ti­ca, os fun­ci­o­ná­ri­os que ago­ra têm sa­lá­ri­os en­tre 580 e 634 eu­ros pas­sa­rão a re­ce­ber 635 eu­ros a 1 de Ja­nei­ro de 2019. Tra­ta-se de um au­men­to de 55 eu­ros pa­ra os que ago­ra re­ce­bem 580 eu­ros e po­de ser de ape­nas um eu­ro ou de cên­ti­mos no ca­so dos tra­ba­lha­do­res com re­mu­ne­ra­ções mais pró­xi­mas dos 635 eu­ros.

Co­mo o sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal (SMN) já ia su­bir pa­ra os 600 eu­ros e a fun­ção pú­bli­ca é obri­ga­da a apli­cá­lo, os tra­ba­lha­do­res já po­di­am con­tar com um au­men­to de 20 eu­ros, pe­lo que a so­lu­ção en­con­tra­da pe­lo Go­ver­no tra­duz-se, no má­xi­mo, em mais 35 eu­ros. Com es­ta me­di­da, o sa­lá­rio mais bai­xo da fun­ção pú­bli­ca pas­sa a ser su­pe­ri­or aos 600 eu­ros pre­vis­tos pa­ra o SMN.

De­pois de vá­ri­os me­ses de im­pas­se, o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças re­ve­lou fi­nal­men­te on­tem co­mo vai apli­car os 50 mi­lhões de eu­ros que re­ser­vou pa­ra au­men­tos no pró­xi­mo ano.

“O Go­ver­no propôs ho­je uma me­di­da que con­ci­lia a di­men­são fi­nan­cei­ra, ju­rí­di­ca e po­lí­ti­ca: o au­men­to da ba­se re­mu­ne­ra­tó­ria da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, ele­van­do-o pa­ra o mon­tan­te cor­res­pon­den­te ao ac­tu­al 4.º ní­vel re­mu­ne­ra­tó­rio da Ta­be­la Re­mu­ne­ra­tó­ria Úni­ca, ou se­ja, ele­var a re­mu­ne­ra­ção mais bai­xa dos ac­tu­ais 580 eu­ros pa­ra 635 eu­ros”, re­fe­re o co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do pe­lo mi­nis­té­rio ao iní­cio da tar­de. A pro­pos­ta não agrada aos sin­di­ca­tos, que de­fen­dem au­men­tos sa­la­ri­ais trans­ver­sais pa­ra to­dos os tra­ba­lha­do­res e pro­me­tem re­cor­rer a to­dos os mei­os pos­sí­veis, in­cluin­do gre­ves, pa­ra obri­gar o Go­ver­no a ir mais lon­ge.

Sin­di­ca­tos pro­me­tem gre­ves

“O que se passou é o que es­tá­va­mos à es­pe­ra: a inexistência de uma pro­pos­ta de au­men­tos sa­la­ri­ais. É ina­cei­tá­vel. O sa­lá­rio mí­ni­mo foi ho­je apro­va­do na Con­cer­ta­ção Social pa­ra 600 eu­ros, a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca tem de os apli­car a cerca de 70 mil tra­ba­lha­do­res e dá um au­men­to de 55 eu­ros a es­ses, [en­quan­to] os ou­tros 600 mil fi­cam sem au­men­tos de sa­lá­ri­os”, dis­se Ana Avoi­la, co­or­de­na­do­ra da Fren­te Co­mum, à saí­da da reu­nião com os se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca e do Or­ça­men­to.

“O que não faz sen­ti­do é não ha­ver di­nhei­ro pa­ra fa­zer au­men­tos sa­la­ri­ais a quem não é au­men­ta­do há dez anos, com tan­to di­nhei­ro que há lá no Or­ça­men­to”, vin­cou, em de­cla­ra­ções re­pro­du­zi­das pe­la Lusa, prometendo re­ac­ção. Os tra­ba­lha­do­res “vão re­a­gir, vão mo­bi­li­zar-se e vão lu­tar”, não afas­tan­do uma no­va gre­ve, as­se­gu­rou.

Tam­bém José Abraão, di­ri­gen­te da Fe­de­ra­ção de Sin­di­ca­tos de Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca (Fe­sap), saiu da reu­nião sem que­rer acre­di­tar que o pi­or dos ce­ná­ri­os se con­fir­mou. “O Go­ver­no vai con­cen­trar a dis­po­ni­bi­li­da­de que diz ter no Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra me­lho­rar a quar­ta po­si­ção re­mu­ne­ra­tó­ria”, adi­an­tou.

“La­men­to que não ha­ja au­men­tos pa­ra to­da a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, em­bo­ra va­lo­ri­ze que a pri­mei­ra po­si­ção re­mu­ne­ra­tó­ria pas­se a ser os 635 eu­ros. Não va­mos de­sis­tir dos au­men­tos sa­la­ri­ais pa­ra to­dos”, ga­ran­tiu, sem afas­tar gre­ves e ou­tras for­mas de lu­ta.

“O Go­ver­no, se qui­ser, con­se­gui­rá reu­nir as con­di­ções pa­ra cum­prir o compromisso que as­su­miu com os tra­ba­lha­do­res de que ha­ve­ria au­men­tos no ano de 2019”, de­sa­fi­ou. Abraão dei­xou ain­da uma no­ta de “gran­de pre­o­cu­pa­ção” em re­la­ção aos as­sis­ten­tes téc­ni­cos que ago­ra re­ce­bem 683 eu­ros e que no pró­xi­mo ano, em ter­mos lí­qui­dos, vão fi­car a ga­nhar o mes­mo que os tra­ba­lha­do­res que pas­sam pa­ra os 635 eu­ros (por via dos im­pos­tos). Ele­var a re­mu­ne­ra­ção mais bai­xa ac­tu­ais pa­ra 635 eu­ros é au­men­tar em 55 eu­ros os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos que ago­ra re­ce­bem 580 eu­ros

Pa­ra o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, a de­ci­são ago­ra anun­ci­a­da “não im­pe­de a fu­tu­ra re­vi­são glo­bal das ta­be­las re­mu­ne­ra­tó­ri­as da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca”.

E até “pre­pa­ra o ca­mi­nho pa­ra que, num no­vo ci­clo po­lí­ti­co, e na con­ti­nui­da­de do ac­tu­al ci­clo de sus­ten­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra, com es­pa­ço de pon­de­ra­ção e ne­go­ci­a­ção, as re­gras do sis­te­ma re­mu­ne­ra­tó­rio pos­sam ser re­vis­tas, ga­ran­tin­do a atrac­ti­vi­da­de da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca pa­ra tra­ba­lha­do­res qua­li­fi­ca­dos”.

No co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do on­tem, o ga­bi­ne­te de Má­rio Cen­te­no diz que es­ta é uma pro­pos­ta “res­pon­sá­vel e so­ci­al­men­te jus­ta” e que “res­pei­ta as pre­mis­sas pe­las quais [o Go­ver­no] tem pau­ta­do a sua ac­tu­a­ção: não as­su­me com­pro­mis­sos que não po­de cum­prir, nem com­pro­mis­sos que for­cem ou­tros a re­ver­ter o ca­mi­nho só­li­do que tem si­do cons­truí­do”.

As ne­go­ci­a­ções com os sin­di­ca­tos con­ti­nu­am na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, 11 de De­zem­bro, e vão pro­lon­gar-se até à se­ma­na an­tes do Na­tal.

Aci­ma do pri­va­do

Com a de­ci­são ago­ra to­ma­da, o sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal que tam­bém on­tem foi fi­xa­do em 600 eu­ros, dei­xa­rá de ser a re­fe­rên­cia na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, uma vez que o sa­lá­rio mais bai­xo do Es­ta­do pas­sa­rá a ser de 635 eu­ros.

Des­de 2008, a ge­ne­ra­li­da­de dos tra­ba­lha­do­res do Es­ta­do es­tá in­te­gra­da nu­ma ta­be­la re­mu­ne­ra­tó­ria úni­ca com 115 ní­veis, em que o pri­mei­ro cor­res­pon­dia ao sa­lá­rio mí­ni­mo. A ques­tão é que com os au­men­tos dos úl­ti­mos anos (o sa­lá­rio mí­ni­mo su­biu de 505 eu­ros em 2015 pa­ra os 580 eu­ros em 2018) os três pri­mei­ros ní­veis sa-

Se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca (Fá­ti­ma Fon­se­ca) e do Or­ça­men­to (João Leão) li­de­ra­ram as re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.