Seis anos e oi­to me­ses de ca­deia pa­ra pro­cu­ra­dor

Tri­bu­nal con­cluiu que Or­lan­do Fi­guei­ra se dei­xou cor­rom­per por ex-vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - abhen­ri­[email protected]­bli­co.pt Ope­ra­ção Fizz Ana Hen­ri­ques

O Tri­bu­nal Cen­tral Cri­mi­nal de Lis­boa con­de­nou on­tem o pro­cu­ra­dor Or­lan­do Fi­guei­ra a seis anos e oi­to me­ses de ca­deia, por con­si­de­rar que o ma­gis­tra­do se ven­deu ao ex-vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la Ma­nu­el Vi­cen­te, de quem re­ce­beu 760 mil eu­ros. Em tro­ca des­ta so­ma, con­cluiu o co­lec­ti­vo de juí­zes li­de­ra­do por Al­fre­do Cos­ta, o ma­gis­tra­do do De­par­ta­men­to Cen­tral de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal ar­qui­vou as sus­pei­tas que im­pen­di­am so­bre o go­ver­nan­te an­go­la­no, e que se re­la­ci­o­na­vam com a aqui­si­ção por es­te de um apar­ta­men­to de lu­xo no Es­to­ril por 3,8 mi­lhões de eu­ros.

Se­gun­do o acór­dão de 537 pá­gi­nas li­do on­tem, Or­lan­do Fi­guei­ra abs­te­ve-se de in­ves­ti­gar co­mo de­via a pro­ve­ni­ên­cia do di­nhei­ro usa­do por Ma­nu­el Vi­cen­te pa­ra pa­gar o imó­vel, pa­ra apu­rar se es­ta­ria em cau­sa um even­tu­al bran­que­a­men­to de ca­pi­tais. “Op­tou de­li­be­ra­da­men­te por não in­ves­ti­gar” as li­ga­ções dos be­ne­fi­ciá­ri­os das fir­mas atra­vés das quais foi fei­to o ne­gó­cio da com­pra des­ta e de ou­tras frac­ções si­tu­a­das no edi­fí­cio Es­to­ril Sol Re­si­den­ce, “be­ne­fi­ci­an­do Ma­nu­el Vi­cen­te”, di­zem os juí­zes, nu­ma de­ci­são que se­gue de per­to a acu­sa­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co — que ape­nas tinha pe­di­do pe­nas sus­pen­sas pa­ra os arguidos.

O tri­bu­nal su­bli­nhou que “du­ran­te to­do o jul­ga­men­to [Or­lan­do Fi­guei­ra] ten­tou jus­ti­fi­car-se com a inu­ti­li­da­de das di­li­gên­ci­as que im­por­ta­va re­a­li­zar, mas es­con­dia, efec­ti­va­men­te, o ver­da­dei­ro mo­ti­vo, que era fa­vo­re­cer Ma­nu­el Vi­cen­te”. O fac­to de o inqué­ri­to à com­pra do apar­ta­men­to ter si­do re­a­ber­to pa­ra ser in­ves­ti­ga­do por ou­tro ma­gis­tra­do, que aca­bou tam­bém por ar­qui­var as sus­pei­tas so­bre o go­ver­nan­te an­go­la­no, não foi con­si­de­ra­do re­le­van­te.

A coin­ci­dên­cia en­tre as da­tas em que Or­lan­do Fi­guei­ra pro­ce­deu ao ar­qui­va­men­to, du­ran­te o ano de 2012, e aque­las em que re­ce­beu os pri­mei­ros pa­ga­men­tos de uma so­ci­e­da­de an­go­la­na pa­ra a qual era su­pos­to ir tra­ba­lhar qu­an­do dei­xas­se o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co cons­ti­tuiu, pa­ra o co­lec­ti­vo de juí­zes, mais um in­dí­cio da sua ac­ti­vi­da­de cri­mi­no­sa. Mas tam­bém pe­sa­ram na con­de­na­ção as inú­me­ras men­sa­gens de cor­reio elec­tró­ni­co tro­ca­das en­tre Or­lan­do Fi­guei­ra e ou­tros arguidos con­si­de­ra­dos in­ter­me­diá­ri­os des­te es­que­ma, o ad­vo­ga­do Pau­lo Blan­co, sen­ten­ci­a­do a uma pe­na sus­pen­sa de qu­a­tro anos e qu­a­tro me­ses, e o em­pre­sá­rio Ar­min­do Pi­res, que aca­bou por ser ili­ba­do. Em­bo­ra Ma­nu­el Vi­cen­te não te­nha en­tra­do nes­ta tro­ca de mails, o ho­je de­pu­ta­do an­go­la­no é men­ci­o­na­do ne­les vá­ri­as ve­zes.

Al­gu­mas des­sas men­sa­gens de cor­reio elec­tró­ni­co ti­nham co­mo des­ti­na­tá­rio o en­tão pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca de An­go­la, José Ma­ria de Sousa, cu­jo de­poi­men­to, pres­ta­do por es­cri­to ao tri­bu­nal no âm­bi­to des- te jul­ga­men­to, foi con­si­de­ra­do pou­co cre­dí­vel, uma vez que “se­guia de per­to os pro­ces­sos re­la­ci­o­na­dos com Ma­nu­el Vi­cen­te”, cu­jos in­te­res­ses ge­ria. A ten­ta­ti­va de José Ma­ria de Sousa de de­mons­trar a ino­cên­cia do pro­cu­ra­dor por­tu­guês não te­ve su­ces­so.

Par­te dos 760 mil eu­ros re­ce­bi­dos por Or­lan­do Fi­guei­ra di­zem res­pei­to a um em­prés­ti­mo que lhe foi con­ce­di­do pe­lo Ban­co Pri­va­do Atlân­ti­co, de ca­pi­tais an­go­la­nos, ale­ga­da­men­te pa­ra con­se­guir fa­zer fren­te às par­ti­lhas que ocor­re­ram na sequên­cia do seu di­vór­cio. Po­rém, o fac­to de o di­nhei­ro lhe ter si­do en­tre­gue sem ga­ran­ti­as, até por­que so­bre a ca­sa on­de tinha mo­ra­do com a mu­lher já im­pen­di­am du­as hi­po­te­cas, fez os juí­zes acre­di­ta­rem que tu­do não pas­sa­va de um em­prés­ti­mo fic­tí­cio, que nun­ca te­ria de pa­gar. Co­mo fic­tí­cio era tam­bém, concluíram, o em­pre­go co­mo con­sul­tor ju­rí­di­co que lhe foi ar­ran­ja­do no seio de uma em­pre­sa an­go­la­na, à qual aca­bou por nun­ca pres­tar ne­nhum ser­vi­ço, mas que, mes­mo as­sim, lhe foi pa­gan­do ao lon­go de mais de cerca de dois anos, à ra­zão de 15 mil dó­la­res men­sais.

“Cons­ci­en­tes des­ta au­sên­cia de ac­ti­vi­da­de pro­fis­si­o­nal e por­que se mos­tra­va ne­ces­sá­rio jus­ti­fi­car no­vos fun­dos re­ce­bi­dos por Or­lan­do Fi­guei­ra com ori­gem em Ma­nu­el Vi­cen­te”, ex­pli­ca o acór­dão, foi for­ja­do um con­tra­to de tra­ba­lho sem cor­res­pon­dên­cia com a re­a­li­da­de. Daí que a con­de­na­ção a seis anos e oi­to me­ses se­ja não ape­nas por cor­rup­ção pas­si­va mas tam­bém por fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­to, e ain­da por bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e vi­o­la­ção do se­gre­do de jus­ti­ça. Tam­bém foi proi­bi­do de exer­cer fun­ções pú­bli­cas du­ran­te cin­co anos. Os juí­zes de­cla­ra­ram per­di­do a fa­vor do Es­ta­do mais de meio mi­lhão de eu­ros ar­res­ta­dos nes­te pro­ces­so.

Ma­nu­el Vi­cen­te é que não foi con­de­na­do, uma vez que o Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lis­boa re­me­teu as sus­pei­tas de pa­ga­men­to de lu­vas que so­bre ele im­pen­dem pa­ra An­go­la, país em que o an­ti­go go­ver­nan­te go­za de imu­ni­da­de até 2022, por ter si­do vi­ce­pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

MI­CHA­EL REYNOLDS/EPA

Sus­pei­tas re­la­ti­vas a Ma­nu­el Vi­cen­te en­vi­a­das pa­ra An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.