BE vai pro­por que Par­la­men­to apro­ve im­pac­to da po­bre­za an­tes de vo­tar

O compromisso foi as­su­mi­do por José So­ei­ro, de­pu­ta­do elei­to pe­lo cír­cu­lo do Por­to

Edição Público Lisboa - - DESTAQUE - Ana Cris­ti­na Pe­rei­ra

An­tes de vo­tar um diploma, po­de o Par­la­men­to me­dir o im­pac­to que te­rá em ma­té­ria de po­bre­za, co­mo já faz com a igual­da­de de gé­ne­ro? A ideia tem si­do de­fen­di­da pe­la EAPN, a Re­de Eu­ro­peia An­ti-Po­bre­za em Por­tu­gal, e o Blo­co de Es­quer­da vai apre­sen­tar uma pro­pos­ta an­tes das elei­ções de 6 de Ou­tu­bro.

A úl­ti­ma vez que o pre­si­den­te da­que­la or­ga­ni­za­ção, Jar­dim Mo­rei­ra, es­te­ve na sa­la do se­na­do a ten­tar con­ven­cer re­pre­sen­tan­tes dos par­ti­dos a se­guir es­se ca­mi­nho foi a 9 de Ou­tu­bro: “Ne­nhu­ma po­lí­ti­ca sec­to­ri­al de­ve­rá ser apro­va­da sem a pré­via ava­li­a­ção so­bre os seus im­pac­tos na pro­du­ção, ma­nu­ten­ção ou agra­va­men­to da po­bre­za e da ex­clu­são social.”

O compromisso foi as­su­mi­do pe­lo blo­quis­ta José So­ei­ro. “O com­ba­te à po­bre­za não é uma ques­tão de po­lí­ti­cas so­ci­ais, em­bo­ra es­tas se­jam im­por­tan­tís­si­mas”, co­me­ça por di­zer, men­ci­o­nan­do, por exem­plo, as po­lí­ti­cas de eco­no­mia, saú­de, edu­ca­ção, ha­bi­ta­ção. “Pa­re­ce-nos mais útil tor­nar a pre­o­cu­pa­ção com a po­bre­za trans­ver­sal do que cri­ar uma sub­co­mis­são ou um gru­po de tra­ba­lho per­ma­nen­te den­tro da Co­mis­são do Tra­ba­lho e da Se­gu­ran­ça Social, co­mo che­ga­ram a pro­por”, re­fe­re. Cu­ri­o­sa­men­te, Ana­co­re­ta Correia (PP), ex­pres­sa uma po­si­ção se­me­lhan­te. Não se ma­ni­fes­ta con­tra a cri­a­ção de um gru­po de tra­ba­lho ou de uma sub­co­mis­são. Du­vi­da da sua efi­cá­cia. Jul­ga “in­te­res­san­te”, sim, tor­nar obri­ga­tó­rio ava­li­ar o im­pac­to nos pro­jec­tos e pro­pos­tas de lei sub­me­ti­dos à AR.

Na­que­le dia, Mo­rei­ra vol­tou a ape­lar aos par­ti­dos que se em­pe­nhas­sem “de uma for­ma pri­o­ri­tá­ria na lu­ta con­tra a po­bre­za”. E exor­tou-os a cri­ar uma es­tra­té­gia na­ci­o­nal. Só den­tro do PS sur­giu al­gu­ma aber­tu­ra, mas não a pen­sar nes­ta le­gis­la­tu­ra. “Tem ha­vi­do da par­te do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta um de­ba­te per­ma­nen­te com a EAPNPor­tu­gal”, diz Ca­ta­ri­na Mar­ce­li­no. “Es­tan­do nós a en­trar no úl­ti­mo ano da le­gis­la­tu­ra jul­ga­mos ser opor­tu­no de­ba­ter es­te te­ma no âm­bi­to das li­nhas pro­gra­má­ti­cas de um no­vo ci­clo po­lí­ti­co, sen­do que o PS es­tá sem­pre disponível, pa­ra cons­truir po­lí­ti­cas que res­pon­dam es­tru­tu­ral­men­te à er­ra­di­ca­ção da po­bre­za em Por­tu­gal.”

Uma Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal pa­ra a Er­ra­di­ca­ção da Po­bre­za é al­go que, pa­ra So­ei­ro, de­ve par­tir do Go­ver­no. “Uma es­tra­té­gia po­de en­vol­ver o poder le­gis­la­ti­vo, mas é pos­ta no ter­re­no por quem faz a ges­tão quo­ti­di­a­na da po­lí­ti­ca or­ça­men­tal, da po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca, do em­pre­go, da edu­ca­ção, da saú­de, da Se­gu­ran­ça Social”, sa­li­en­ta. Ocor­re-lhe o exem­plo da Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de In­te­gra­ção das Pes­so­as em Si­tu­a­ção de Sem-Abri­go, que foi al­vo de dis­cus­são na Co­mis­são do Tra­ba­lho e da Se­gu­ran­ça Social, jun­tan­do po­lí­ti­cos, es­tu­di­o­sos, téc­ni­cos, ac­ti­vis­tas e pes­so­as com ex­pe­ri­ên­cia de rua.

Ana­co­re­ta Correia tam­bém con­si­de­ra que São Ben­to não é o lu­gar cer­to pa­ra con­ce­ber uma es­tra­té­gia na­ci­o­nal: “Pla­nos na­ci­o­nais há mui- tos. Há o Pla­no Na­ci­o­nal de Lei­tu­ra, o Pla­no Na­ci­o­nal de Va­ci­na­ção. Há uma lis­ta in­ter­mi­ná­vel de pla­nos na­ci­o­nais, to­dos os que co­nhe­ço são de ini­ci­a­ti­va go­ver­na­men­tal.”

No PCP, nem se vê gran­de sen­ti­do em pen­sar de­li­ne­ar uma es­tra­té­gia na­ci­o­nal. “Ter uma es­tra­té­gia no pa­pel não re­sol­ve coi­sa ne­nhu­ma”, co­men­ta An­tó­nio Fi­li­pe. “É me­lhor es­cre­ver coi­sas bem-in­ten­ci­o­na­das do que não o fa­zer, mas o que é im­por­tan­te são as me­di­das con­cre­tas que se to­mam no dia-a-dia.” E não se lhe afi­gu­ra re­a­lis­ta pen­sar que os par­ti­dos po­di­am che­gar a um acor­do so­bre com­ba­te à po­bre­za. “Não con­ta­mos com o PSD, nem com o CDS em ma­té­ria de po­lí­ti­cas de com­ba­te à po­bre­za”, afir­ma. “O que es­ses par­ti­dos têm de­fen­di­do e o que pra­ti­ca­ram qu­an­do es­ti­ve­ram no Go­ver­no foi exac­ta­men­te ao con­trá­rio dis­so.” A es­se res­pei­to, diz Ana­co­re­ta Correia: “To­dos os par­ti­dos con­cor­dam que a po­bre­za é um mal, que é qual­quer coi­sa que tem de se con­tra­ri­ar, mas o ca­mi­nho que es­co­lhem pa­ra a con­tra­ri­ar é di­a­me­tral­men­te opos­to.”

O PÚ­BLI­CO con­tac­tou o gru­po par­la­men­tar do PSD. A as­ses­so­ra re­me­teu pa­ra a di­rec­ção do par­ti­do, que aca­bou por não res­pon­der. ac­pe­rei­[email protected]­bli­co.pt

RUI GAU­DÊN­CIO

Pa­ra So­ei­ro, com­ba­te à po­bre­za não é uma ques­tão de po­lí­ti­cas so­ci­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.