Pou­cas uni­ver­si­da­des di­zem ter co­nhe­ci­men­to de abu­sos

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Sa­mu­el Silva

Ape­nas se­te ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or ad­mi­tem ter co­nhe­ci­men­to de ca­sos de abu­sos nas pra­xes, en­vol­ven­do os seus alunos. Há quem ins­tau­re pro­ces­so dis­ci­pli­na­res e quem par­ti­ci­pe às en­ti­da­des po­li­ci­ais ou ju­di­ci­ais.

Es­tas se­te ins­ti­tui­ções cor­res­pon­dem a 11,5% das 61 que res­pon­de­ram às per­gun­tas fei­tas pe­lo BE so­bre pra­xe. Um es­tu­do en­co­men­da­do pe­lo Go­ver­no, di­vul­ga­do no ano pas­sa­do, fei­to por in­ves­ti­ga­do­res da Uni­ver­si­da­de do Por­to e do ISCTE — Ins­ti­tu­to Uni­ver­si­tá­rio de Lis­boa, mos­tra­va um va­lor não mui­to di­fe­ren­te: 14% das ins­ti­tui­ções ou­vi­das re­la­ta­vam que já lhes ti­nham si­do co­mu­ni­ca­dos ca­sos de vi­o­lên­cia em ac­ti­vi­da­des de recepção aos no­vos alunos.

A re­ac­ção das ins­ti­tui­ções aos ca­sos de abu­so va­ria en­tre a aber­tu­ra de pro­ces­sos dis­ci­pli­na­res, co­mo re­ve­lam ter fei­to o Po­li­téc­ni­co de Por­ta­le­gre — em epi­só­di­os que re­mon­tam há dez anos — ou o Po­li­téc­ni­co de Lei­ria. Mas há tam­bém quem pe­ran­te fac­tos “po­ten­ci­al­men­te ge­ra­do­res de res­pon­sa­bi­li­da­de dis­ci­pli­nar, ci­vil ou cri­mi­nal” te­nha op­ta­do por par­ti­ci­par às en­ti­da­des ju­di­ci­ais, co­mo acon­te­ceu com a Uni­ver­si­da­de do Al­gar­ve.

En­tre os se­te ca­sos que se iden­ti­fi- cam nas res­pos­tas das ins­ti­tui­ções ao BE, há fac­tos bas­tan­te dis­tin­tos. No ISPA, por exem­plo, uma ins­ti­tui­ção pri­va­da que proí­be as pra­xes den­tro das su­as ins­ta­la­ções, fo­ram “si­na­li­za­das ac­ti­vi­da­des re­a­li­za­das à re­ve­lia” da rei­to­ria. Na Uni­ver­si­da­de dos Aço­res es­tão em cau­sa quei­xas re­la­ti­vas a ins­ta­la­ções da­ni­fi­ca­das no dia do des­fi­le de carros ale­gó­ri­cos du­ran­te a úl­ti­ma se­ma­na aca­dé­mi­ca. Em re­sul­ta­do des­sa si­tu­a­ção, a rei­to­ria impôs à as­so­ci­a­ção aca­dé­mi­ca a con­tra­ta­ção de se­gu­ran­ça pa­ra fu­tu­ras ac­ti­vi­da­des des­te gé­ne­ro.

Em me­nos de três me­ses que le­va es­te ano lec­ti­vo, a Di­rec­ção-Ge­ral do En­si­no Su­pe­ri­or (DGES) re­ce­beu cin­co de­nún­ci­as de pra­xes abu­si­vas. A maioria che­gou atra­vés de um en­de­re­ço de email, cri­a­do pa­ra o efei­to (pra­xe­sa­bu­si­[email protected]). Nos dois úl­ti­mos anos lec­ti­vos, fo­ram 28: 18 em 2016/17 e as res­tan­tes no ano se­guin­te. A DGES “mo­ni­to­ri­za to­das de­nún­ci­as re­la­ti­vas a pra­xes con­si­de­ra­das abu­si­vas e vi­o­len­tas”, as­se­gu­ra o mi­nis­tro do En­si­no Su­pe­ri­or, Ma­nu­el Hei­tor. Em de­cla­ra­ções ao PÚ­BLI­CO, Hei­tor re­for­ça o seu re­pú­dio pe­ran­te as “imagens de­gra­dan­tes que as pra­xes aca­dé­mi­cas trans­mi­tem à so­ci­e­da­de”, con­si­de­ran­do que a in­te­gra­ção dos no­vos es­tu­dan­tes de­ve ocor­rer “de for­ma po­si­ti­va” e de for­ma a apre­sen­tar-lhes “as van­ta­gens da for­ma­ção su­pe­ri­or”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.