Oei­ras vai ter Aca­de­mia Aga Khan, a pri­mei­ra num país eu­ro­peu

Re­de li­ga­da à co­mu­ni­da­de mu­çul­ma­na is­ma­e­li­ta te­rá a sua pri­mei­ra es­co­la de eli­te na Eu­ro­pa. Aco­lhe­rá alunos dos 5 aos 17 anos

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Edu­ca­ção Na­tá­lia Fa­ria

Oei­ras foi a ci­da­de es­co­lhi­da pa­ra a cri­a­ção de uma Aca­de­mia Aga Khan, vo­ca­ci­o­na­da pa­ra cri­an­ças en­tre os 5 e os 17 anos, num projecto de en­si­no ti­do co­mo de excelência, com tur­mas pe­que­nas e pro­fes­so­res de vá­ri­as na­ci­o­na­li­da­des.

O in­ves­ti­men­to é su­pe­ri­or a 80 mi­lhões de eu­ros e, ao que o PÚ­BLI­CO apu­rou, a aca­de­mia se­rá cons­truí­da num ter­re­no de 49 hec­ta­res jun­to ao Ta­gus Park. Os ter­re­nos fo­ram ad­qui­ri­dos por qu­a­tro mi­lhões de eu­ros, mas a es­cri­tu­ra ain­da não foi fei­ta por­que de­cor­re o pe­río­do em que, à luz da lei, as en­ti­da­des mu­ni­ci­pais, bem co­mo os vi­zi­nhos, po­dem exer­cer di­rei­tos de pre­fe­rên­cia re­la­ti­va­men­te a par­ce­las da pro­pri­e­da­de.

Ha­via vá­ri­os anos que a Re­de Aga Khan pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (AKDN) pro­cu­ra­va ter­re­nos pa­ra es­te projecto em Por­tu­gal. A aca­de­mia che­gou a es­tar pre­vis­ta pa­ra um ter­re­no de 30 hec­ta­res em Cas­cais, que, po­rém, não avan­çou, mui­to por cau­sa de um abai­xo-as­si­na­do que de­nun­ci­a­va o ex­ces­so de ur­ba­ni­za­ção da zo­na do Guin­cho.

Com a es­co­lha de Oei­ras, e se tu­do cor­rer bem, Por­tu­gal tor­nar-se-á o pri­mei­ro país eu­ro­peu a aco­lher uma Aca­de­mia Aga Khan, cu­ja aber­tu­ra de por­tas es­tá pre­vis­ta pa­ra da­qui a dois ou três anos. Já exis­tem três des­tas aca­de­mi­as a fun­ci­o­nar: na Ín­dia, no Qué­nia e em Mo­çam­bi­que, sen­do que a co­mu­ni­da­de mu­çul­ma­na is­ma­e­li­ta diz que­rer cri­ar um to­tal de 18 aca­de­mi­as em di­fe­ren­tes paí­ses.

O ob­jec­ti­vo é que os alunos pos­sam cir­cu­lar en­tre as di­fe­ren­tes es­co­las pa­ra ga­nha­rem uma pers­pec­ti­va in­ter­na­ci­o­nal, sen­do que to­das adop­ta­rão o International Bac­ca­lau­re­a­te (IB) des­de o en­si­no pri­má­rio ao se­cun­dá­rio. Tra­ta-se de uma es­pé­cie de “se­lo de qua­li­da­de” cri­a­do por uma fun­da­ção edu­ca­ci­o­nal sem fins lu­cra­ti­vos com se­de em Ge­ne­bra, na Suí­ça, que pro­mo­ve a excelência no en­si­no.

O cam­pus por­tu­guês, de res­to, se­rá to­tal­men­te pen­sa­do pa­ra fa­ci­li­tar o en­si­no em equi­pa, se­gun­do um projecto gi­za­do pe­lo ar­qui­tec­to José Ma­teus.

Bol­sas pa­ra os mais po­bres

O PÚ­BLI­CO ques­ti­o­nou a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Oei­ras so­bre a im­por­tân­cia que a cri­a­ção des­ta aca­de­mia te­rá pa­ra o con­ce­lho. “Não te­mos co­nhe­ci­men­to dos ter­mos des­se ne­gó­cio nem dos li­mi­tes do ter­re­no em cau­sa”, dis­se fonte da au­tar­quia.

Ape­sar de o projecto ser li­de­ra­do por uma co­mu­ni­da­de re­li­gi­o­sa, to­das as cri­an­ças po­de­rão can­di­da­tar-se a fre­quen­tar a Aca­de­mia Aga Khan, pre­ven­do-se que as que pro­ve­nham de mei­os eco­no­mi­ca­men­te vul­ne­rá­veis pos­sam be­ne­fi­ci­ar de uma bol­sa, bem co­mo de alo­ja­men­to gra­tui­to, em re­gi­me de in­ter­na­to, se for ne­ces­sá­rio. Aos res­tan­tes se­rá co­bra­da uma pro­pi­na, de va­lor ain­da não quan­ti­fi­ca­do.

Por­tu­gal con­gre­ga, jun­ta­men­te com a Grã-Bre­ta­nha e Fran­ça, uma das mai­o­res co­mu­ni­da­des mu­çul­ma­nas is­ma­e­li­tas na Eu­ro­pa: são cerca de se­te mil os por­tu­gue­ses que se­guem es­te ra­mo mi­no­ri­tá­rio da co­mu­ni­da­de mu­çul­ma­na xi­i­ta.

Mas os 15 mi­lhões de is­ma­e­li­tas, li­de­ra­dos por Aga Khan IK, es­pa­lham­se por cerca de 30 paí­ses, se­gun­do a pró­pria re­de que tem pre­sen­ça nas eli­tes em­pre­sa­ri­ais e aca­dé­mi­cas dos sí­ti­os on­de es­tá im­plan­ta­da.

A co­mu­ni­da­de is­ma­e­li­ta fun­ci­o­na co­mo um Es­ta­do sem ter­ri­tó­rio e com di­rei­to a Cons­ti­tui­ção pró­pria. E a AKDN, di­na­mi­za­da por es­ta co­mu­ni­da­de de na­tu­re­za re­li­gi­o­sa, de­di­ca um or­ça­men­to anu­al de cerca de 600 mi­lhões de eu­ros e os seus 80 mil fun­ci­o­ná­ri­os a va­ri­a­dos pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to co­mo hos­pi­tais, mes­qui­tas e uni­ver­si­da­des, a par de cen­te­nas de es­co­las, sob o que pro­cla­ma ser “uma éti­ca da com­pai­xão pa­ra com os mais vul­ne­rá­veis da so­ci­e­da­de”.

Em ca­da ano, a AKDN diz apoi­ar dois mi­lhões de alunos. Às cri­an­ças ví­ti­mas dos in­cên­di­os de Pe­dró­gão, o prín­ci­pe Aga Khan, lí­der es­pi­ri­tu­al dos is­ma­e­li­tas, do­ou 500 mil eu­ros. Em Ju­lho, o prín­ci­pe Aga Khan passou por Por­tu­gal e vi­si­tou o Pa­la­ce­te Hen­ri­que de Men­don­ça, on­de in­ves­tiu cerca de 12 mi­lhões de eu­ros. Uma vez inau­gu­ra­do, fun­ci­o­na­rá co­mo se­de mun­di­al do Ima­ma­to, se­gun­do as re­gras de uma de­le­ga­ção diplomática es­tran­gei­ra. A se­de tem inau­gu­ra­ção ofi­ci­al pre­vis­ta pa­ra me­a­dos de 2019.

Ha­via vá­ri­os anos que a Re­de Aga Khan pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to pro­cu­ra­va ter­re­nos pa­ra es­te projecto em Por­tu­gal

Ana Maia

nfa­[email protected]­bli­co.pt

com

DR

Cen­tro In­fan­til dos Oli­vais é um es­pa­ço ge­ri­do pe­la fun­da­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.