MP acu­sa mais dois agen­tes da PSP da Ama­do­ra de agres­são

Po­lí­ci­as di­zem que jo­vem foi abor­da­do por­que era des­co­nhe­ci­do e es­ta­va num lo­cal co­no­ta­do com trá­fi­co de dro­ga

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Jus­ti­ça Jo­a­na Gor­jão Hen­ri­ques

Dois agen­tes da PSP da Ven­da No­va fo­ram acu­sa­dos pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) de agres­são a um jo­vem da Ama­do­ra. Os fac­tos acon­te­ce­ram a 17 de Ju­lho de 2015 qu­an­do o jo­vem, en­tão com 21 anos, ia a sair de um au­to­car­ro jun­to ao Bair­ro 6 de Maio.

Os po­lí­ci­as são acu­sa­dos de se­ques­tro agra­va­do e de ofen­sa à in­te­gri­da­de fí­si­ca qua­li­fi­ca­da e um de­les de fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­to e de­nún­cia ca­lu­ni­o­sa. Se­gun­do o des­pa­cho de acu­sa­ção a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so, os agen­tes agre­di­ram o jo­vem com co­to­ve­la­das no pes­co­ço, mur­ros nas cos­tas e no ab­dó­men, pan­ca­das na ca­be­ça com as al­ge­mas, ar­ras­ta­ram­no e em­pur­ra­ram-no, “ten­do fi­ca­do tem­po­ra­ri­a­men­te ina­ni­ma­do”.

Na es­qua­dra, al­ge­ma­ram-no nu­ma sa­la e em­pur­ram-no con­tra as pa­re­des. “Pu­xa­vam [o jo­vem] em­ba­ten­do nu­ma me­sa e em du­as ca­dei­ras, ras­gan­do-lhe a rou­pa”, des­cre­ve ain­da o MP. O ra­paz fi­cou com vá­ri­as le­sões — ede­mas, cer­vi­cal­gia, lom­bal­gia, es­co­ri­a­ções em vá­ri­as zo­nas do cor­po — e im­pe­di­do de tra­ba­lhar du­ran­te pe­lo me­nos qu­a­tro di­as.

“Ape­sar de não ter si­do vis­to a pra­ti­car qual­quer cri­me”, se­gun­do o MP, os agen­tes abor­da­ram o jo­vem. Per­gun­ta­ram-lhe o que tinha ido fa­zer ao bair­ro “e se tinha na sua pos­se pro­du­tos es­tu­pe­fa­ci­en­tes”, re­vis­ta­ram-no e na­da en­con­tra­ram. Exi­gi­ram que se iden­ti­fi­cas­se, “o que o ofen­di­do fez ver­bal­men­te for­ne­cen­do no­me, da­ta de nas­ci­men­to e mo­ra­da”.

Os agen­tes qui­se­ram ver o do­cu­men­to de iden­ti­fi­ca­ção mas o jo­vem dis­se que es­ta­va per­to de ca­sa e que po­dia ir bus­cá-lo ou que a sua com­pa­nhei­ra po­dia tra­zê-lo. “Ape­sar de ini­ci­al­men­te te­rem con­cor­da­do”, qu­an­do ele se ia di­ri­gir a ca­sa dis­se­ram: “Es­tás a ar­mar-te em es­per­ti­nho e não es­tás a que­rer co­o­pe­rar com a gen­te, ago­ra vais pa­ra a es­qua­dra pa­ra se­res iden­ti­fi­ca­do.”

O au­to de no­tí­cia foi re­di­gi­do por um dos agen­tes que di­zem que o jo­vem foi abor­da­do por­que “era des- co­nhe­ci­do des­ta po­lí­cia e pe­lo fac­to de o mes­mo se en­con­trar num lo­cal ha­bi­tu­al on­de se de­di­cam à ven­da e trá­fi­co de pro­du­to es­tu­pe­fa­ci­en­te”. E acres­cen­ta: “Ques­ti­o­na­do acer­ca da na­tu­re­za da sua vi­si­ta a uma zo­na ur­ba­na sen­sí­vel, co­no­ta­da co­mo dedicada a vá­ri­os ilí­ci­tos cri­mi­nais”, ele “de­cla­rou que se en­con­tra­va a pas­se­ar e que era li­vre de an­dar na via pú­bli­ca”. Ar­gu­men­ta ain­da que o ra­paz não con­se­guiu iden­ti­fi­car-se “por ne­nhum dos mei­os plas­ma­dos no ar­ti­go 250.º do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal”, por is­so iria ser trans­por­ta­do pa­ra a es­qua­dra — mas que re­cu­sou de ime­di­a­to. Ale­ga que re­sis­tiu e foi usa­da a “for­ça es­tri­ta­men­te ne­ces­sá­ria” pa­ra não fu­gir. Acu­sa-o de ter mor­di­do a per­na de um dos agen­tes.

A acu­sa­ção re­sul­ta de uma cer­ti­dão ex­traí­da do pro­ces­so em que o jo­vem era ar­gui­do. O Tri­bu­nal de Sin­tra não o pro­nun­ci­ou e o Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lis­boa con­fir­mou aque­la de­ci­são, re­di­gin­do um acór­dão em Abril de 2017: “A de­ten­ção de uma pes­soa pa­ra iden­ti­fi­ca­ção fo­ra do con­tex­to do ar­ti­go 250.º do CPP, con­fe­re à mes­ma o di­rei­to de re­sis­tên­cia.” Di­zem ain­da: “Pa­ra se pro­ce­der à iden­ti­fi­ca­ção de uma pes­soa não bas­ta que o lo­cal pú­bli­co em que a mes­ma se en­con­tra se­ja um ‘lo­cal sen­sí­vel’.”

O MP pe­diu a sus­pen­são de fun­ções dos agen­tes, re­fe­rin­do que a Ins­pec­ção-Ge­ral da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na os acu­sou de vi­o­la­ção dos de­ve­res. Foi in­de­fe­ri­da pe­lo Tri­bu­nal de Sin­tra. [email protected]­bli­co.pt

Tri­bu­nal in­de­fe­riu pe­di­do do MP pa­ra sus­pen­der os agen­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.