Um mu­ni­cí­pio tem de ga­ran­tir o di­rei­to das pes­so­as ao es­pa­ço pú­bli­co

Vi­ce-pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Pon­te­ve­dra par­ti­lhou um projecto de “ci­da­de pa­ra pes­so­as” em que só cir­cu­la “o trá­fe­go ne­ces­sá­rio”

Edição Público Lisboa - - LOCAL - Pon­te­ve­dra Abel Co­en­trão

Não lhe fa­lem de smart ci­ti­es, nem lhe per­gun­tem quan­to cus­tou a po­lí­ti­ca de mo­bi­li­da­de que trans­for­mou Pon­te­ve­dra num exem­plo pa­ra mui­tas ci­da­des no Mun­do. O mais cer­to é que Cé­sar Mos­que­ra, vi­ce-pre­si­den­te da de­pu­ta­ção de Pon­te­ve­dra e res­pon­sá­vel, no go­ver­no mu­ni­ci­pal, pe­la área do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, in­sis­ta, co­mo o ou­vi­mos di­zer on­tem no Por­to, que não há, em Pon­te­ve­dra, um projecto de mo­bi­li­da­de, mais ou me­nos in­te­li­gen­te, mas uma ideia de ci­da­de em que o di­rei­to das pes­so­as ao es­pa­ço pú­bli­co passou, des­de 1999, a ser uma pri­o­ri­da­de. Com con­sequên­ci­as, cla­ro, na for­ma co­mo por ali se cir­cu­la.

Em Pon­te­ve­dra cir­cu­la-se de­va­gar. A 30 ou até a 20 qui­ló­me­tros/ho­ra, no má­xi­mo, no in­te­ri­or de to­do o cas­co ur­ba­no on­de vi­vem cerca de 63 mil pes­so­as. Lu­gar on­de o trân­si­to de pas­sa­gem, e o trân­si­to de agi­ta­ção — aque­le que an­da às vol­tas à pro­cu­ra do es­ta­ci­o­na­men­to que mui­tas ve­zes não há — foi expulso, em de­fe­sa da­que­la ideia pos­ta em prá­ti­ca des­de o fi­nal do sé­cu­lo pas­sa­do pe­la equi­pa li­de­ra­da pe­lo al­cai­de Mi­guel An­xo Lo­res. Con­vi­da­do pe­la Área Me­tro­po­li­ta­na do Por­to pa­ra dar a co­nhe­cer es­se tra­ba­lho de du­as dé­ca­das, o autarca aca­bou por fa­zer-se subs­ti­tuir pe­lo seu “vi­ce”, um pro­fes­sor de Ma­te­má­ti­ca que ge­riu o ur­ba­nis­mo da ci­da­de du­ran­te oi­to anos, e que ago­ra tem uma “pas­ta” mais con­sen­tâ­nea com a pers­pec­ti­va glo­bal que do­mi­na a po­lí­ti­ca ur­ba­na de Pon­te­ve­dra.

Em re­su­mo, po­li­ti­ca­men­te, em Pon­te­ve­dra acre­di­ta-se que a ci­da­de é pa­ra as pes­so­as, e que é “obri­ga­ção” da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca ga­ran­tir que os ci­da­dãos pos­sam usu­fruir do es­pa­ço pú­bli­co “em se­gu­ran­ça e com con­for­to”. Es­sas pre­mis­sas con­ta­mi­nam to­das as áre­as do poder lo­cal, des­de lo­go o ur­ba­nis­mo, mas tam­bém as me­di­das de mo­bi­li­da­de, con­ju­ga­dos, am­bos, pa­ra me­xer com a hi­e­rar­quia ha­bi­tu­al das ci­da­des. On­de an­tes pas­sa­vam 87 mil carros por dia, ho­je os peões são reis — e por is­so de­vem ter me­ta­de do es­pa­ço disponível em lar­gu­ra nu­ma rua, no mí­ni­mo — e os res­tan­tes mo­dos ga­nham es­pa­ço con­so­an­te o seu im­pac­to. Os carros não fo­ram ex­pul­sos, mas a sua cir­cu­la­ção foi con­di­ci­o­na­da, de mo­do a pri­o­ri­zar ape­nas “o trá­fe­go ne­ces­sá­rio”, e a uma ve­lo­ci­da­de que ron­da os 20 km/h.

“Se qui­ser­mos ava­li­ar a qua­li­da­de de um es­pa­ço pú­bli­co, per­gun­ta­mos a uma mãe se dei­xa­ria os fi­lhos brin­car ali, ou per­gun­ta­mos a uma mu­lher se pas­sa­ria por es­se lu­gar a de­ter­mi­na­das ho­ras. Se nos di­zem que não é por­que te­mos pro­ble­mas com o ex­ces­so de trá­fe­go, de ilu­mi­na­ção e fal­ta de gen­te à noi­te, por exem­plo”, ex­pli­cou o pro­fes­sor de Ma­te­má­ti­ca que, mais in­te­res­sa­do em di­vul­gar uma fi­lo­so­fia do que os nú­me­ros que a su­por­tam, dei­xou ain­da as­sim à as­sis­tên­cia — on­de ha­via poucos au­tar­cas — al­guns da­dos mar­can­tes: nu­ma ci­da­de on­de o cen­tro se li­vrou de 97% do trá­fe­go, e to­do o es­pa­ço ur­ba­no tem me­nos 53% de carros a cir­cu­lar, há mui­to que nin­guém mor­re atro­pe­la­do e só 5% das pes­so­as en­vol­vi­das em aci- den­tes ne­ces­si­tam de ir ao hos­pi­tal. Ah, e as cri­an­ças vol­ta­ram a brin­car nas ru­as.

Mos­que­ra não abo­mi­na os carros. “São im­ba­tí­veis” pa­ra de­ter­mi­na­dos usos, as­su­miu, an­te­ven­do-lhes lon­ga vi­da en­tre nós. Ape­nas jul­ga que, da mes­ma for­ma que nin­guém faz uma li­nha de metro pa­ra ir do Por­to a Va­len­ça, por­que uma li­nha de com­boio é me­lhor, en­cher uma ci­da­de de au­to­mó­veis, fa­ci­li­tan­do a vi­da dos au­to­mo­bi­lis­tas, só pi­o­ra a cir­cu­la­ção e in­fer­ni­za a vi­da dos mo­ra­do­res. O trân­si­to é co­mo o açú­car, com­pa­rou. Em ex­ces­so, no ca­so de am­bos, “te­re­mos um pro­ble­ma. E a do­en­ça das ci­da­des é o ex­ces­so de mo­bi­li­da­de me­ca­ni­za­da e de ve­lo­ci­da­de de cir­cu­la­ção”, in­sis­tiu.

Mas co­mo nas ques­tões de saú­de, na sua pers­pec­ti­va, é di­fí­cil le­var a ca­bo uma mu­dan­ça de es­ti­lo de vi­da tão drás­ti­ca sem co-res­pon­sa­bi­li­za­ção, o que passou, no ca­so de Pon­te­ve­dra, por en­vol­ver as pes­so­as, em as­sem­blei­as lo­cais. Nas quais, não es­con­de, ha­via al­gu­mas crí­ti­cas mas tam­bém mo­ra­do­res que che­ga­vam, às ve­zes, a pe­dir que se fos­se mais lon­ge nas res­tri­ções ao trân­si­to, de­pois de per­ce­be­rem que os seus mo­vi­men­tos es­sen­ci­ais eram ga­ran­ti­dos.

A ci­da­de so­bre­vi­veu a es­se — pou­co — des­con­ten­ta­men­to, e, re­con­fi­gu­ra­da, aca­bou por mol­dar a pró­pria for­ma co­mo os seus ha­bi­tan­tes se re­la­ci­o­nam com os seus carros e mes­mo com a rua, co­mo des­cre­via ao PÚ­BLI­CO uma mo­ra­do­ra, no mês pas­sa­do.

“A do­en­ça das ci­da­des é o ex­ces­so de mo­bi­li­da­de me­ca­ni­za­da e de ve­lo­ci­da­de de cir­cu­la­ção”

aco­en­[email protected]­bli­co.pt

PAU­LO PI­MEN­TA

O autarca de Pon­te­ve­dra veio ao Por­to fa­lar da sua ci­da­de sem carros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.