Ca­sa Ha­va­ne­za clas­si­fi­ca­da co­mo mo­nu­men­to de in­te­res­se na­ci­o­nal

A Ca­sa Ha­va­ne­za foi on­de se ins­ta­lou o pri­mei­ro te­le­fo­ne/te­lé­gra­fo pú­bli­co da ci­da­de

Edição Público Lisboa - - LOCAL - Pa­tri­mó­nio

A Ca­sa Ha­va­ne­za, no Lar­go do Chi­a­do, em Lis­boa, que co­me­çou a sua ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al em 1855 co­mo de­pó­si­to de ta­ba­cos, foi clas­si­fi­ca­da co­mo mo­nu­men­to de in­te­res­se pú­bli­co na­ci­o­nal, se­gun­do por­ta­ria pu­bli­ca­da on­tem em Diário da Re­pú­bli­ca.

A por­ta­ria, as­si­na­da a 13 de No­vem­bro, pe­la se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Cul­tu­ra, Ân­ge­la Car­va­lho Fer­rei­ra, re­al­ça a his­tó­ria da Ca­sa Ha­va­ne­za, ini­ci­al­men­te ins­ta­la­da nos nú­me­ros 24 e 25 do Lar­go do Chi­a­do, lo­cal à épo­ca “mais pro­cu­ra­do pe­la so­ci­e­da­de en­di­nhei­ra­da e cos­mo­po­li­ta” da ci­da­de.

O gran­de de­pó­si­to de ta­ba­cos es­tran­gei­ros foi ge­ri­do no iní­cio por Char­les Van­de­rin e Fran­çois Ca­en, ne­go­ci­an­tes de ta­ba­co bel­gas, re­si­den­tes em An­tuér­pia. Hen­ri­que Bur­nay, tam­bém des­cen­den­te de bel­gas, foi o res­pon­sá­vel pe­la di­na­mi­za­ção do ne­gó­cio, par­ti­cu­lar­men­te a par­tir de 1875, de­pois da cons­ti­tui­ção da fir­ma Henry Bur­nay & C.ª.

Já em 1960, a área do es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al foi re­du­zi­da de­vi­do à ins­ta­la­ção de uma agência ban­cá­ria no nú­me­ro 24, o que ori­gi­nou al­te­ra­ções pro­fun­das na ar­qui­tec­tu- ra e, tam­bém, no pro­ta­go­nis­mo que es­te es­pa­ço co­mer­ci­al de­ti­ve­ra no meio fi­nan­cei­ro, po­lí­ti­co e cul­tu­ral do fi­nal do sé­cu­lo XIX.

De acor­do com a ex­pli­ca­ção cons­tan­te no Diário da Re­pú­bli­ca, a clas­si­fi­ca­ção da Ca­sa Ha­va­ne­za, in­cluin­do o pa­tri­mó­nio mó­vel in­te­gra­do, re­flec­te “os cri­té­ri­os re­la­ti­vos ao ca­rác­ter ma­tri­ci­al do bem, ao gé­nio do res­pec­ti­vo cri­a­dor, o in­te­res­se do bem co­mo tes­te­mu­nho no­tá­vel de vi­vên­ci­as ou fac­tos his­tó­ri­cos, o va­lor es­té­ti­co, téc­ni­co ou ma­te­ri­al in­trín­se­co do bem, a con­cep­ção his­tó­ri­ca e ur­ba­nís­ti­ca”.

O projecto foi con­ce­bi­do pe­los ar­qui­tec­tos An­tó­nio Aze­ve­do Go­mes e Fran­cis Ju­les Léon. A Ca­sa Ha­va­ne­za foi on­de se ins­ta­lou o pri­mei­ro te­le­fo­ne/te­lé­gra­fo pú­bli­co da ci­da­de — ad­qui­rin­do no sé­cu­lo XX “uma fei­ção mo­der­na, ele­gan­te e mais ver­sá­til, ape­sar da di­men­são mais mo­des­ta do es­ta­be­le­ci­men­to”.

No in­te­ri­or da Ca­sa Ha­va­ne­za há ain­da o mo­bi­liá­rio dos anos 70, exe­cu­ta­do sob ori­en­ta­ção do ar­qui­tec­to Nu­no Cor­te Re­al, no­me­a­da­men­te os ex­po­si­to­res, de for­mas on­du­la­das e es­qui­nas bo­le­a­das, com as vi­tri­nas com can­tos ar­re­don­da­dos. Con­ser­vam-se tam­bém na lo­ja as gra­vu­ras em már­mo­re po­li­cro­ma­do, cri­a­das nos anos 60 por Bar­to­lo­meu Cid.

“A uma esquina, va­di­os em far­ra­pos fu­ma­vam; e na esquina de­fron­te, na Ha­va­ne­sa, fu­ma­vam tam­bém ou­tros va­di­os, de so­bre­ca­sa­ca, po­li­ti­can­do”, es­cre­via Eça n’Os Mai­as, re­lem­bra o programa Lo­jas com His­tó­ria.

Lusa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.