Re­for­ma obri­ga­tó­ria aos 70 anos aca­ba na fun­ção pú­bli­ca e pré-re­for­mas avan­çam

Edição Público Lisboa - - ECONOMIA -

la­ri­ais da ta­be­la fo­ram ab­sor­vi­dos.

No co­mu­ni­ca­do, as Fi­nan­ças as­su­mem que a de­ci­são de co­lo­car co­mo re­fe­rên­cia um sa­lá­rio su­pe­ri­or ao mí­ni­mo tem co­mo ob­jec­ti­vo dar “um im­por­tan­te si­nal pa­ra o sec­tor pri­va­do”, re­for­çan­do que é ne­ces­sá­ria “uma ac­tu­a­ção glo­bal pa­ra com­ba­ter os in­di­ca­do­res de po­bre­za que se agra­va­ram du­ran­te a cri­se” e con­ti­nu­am mui­to ele­va­dos (23,3% da po­pu­la­ção por­tu­gue­sa en­con­tra-se em ris­co de po­bre­za).

Na dis­cus­são que te­ve tam­bém on­tem com os par­cei­ros so­ci­ais pa­ra dis­cu­tir o sa­lá­rio mí­ni­mo do país, o Go­ver­no co­lo­cou a tó­ni­ca nos pro­gres­sos que fo­ram fei­tos. A re­mu­ne­ra­ção mí­ni­ma pa­ra o sec­tor pri­va­do su­bi­rá de 580 pa­ra 600 eu­ros, em li­nha com o pre­vis­to no programa do exe­cu­ti­vo. ra­quel.mar­[email protected]­bli­co.pt O Go­ver­no quer aca­bar com re­for­ma obri­ga­tó­ria aos 70 anos na fun­ção pú­bli­ca e vai per­mi­tir que os tra­ba­lha­do­res con­ti­nu­em a tra­ba­lhar após es­ta ida­de. Es­ta foi uma das cin­co pro­pos­tas de di­plo­mas que a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Fá­ti­ma Fon­se­ca, apre­sen­tou on­tem aos sin­di­ca­tos e que os dei­xou des­con­ten­tes.

A obri­ga­to­ri­e­da­de de sair aos 70 anos foi ins­ti­tuí­da na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca nos anos 20 do sé­cu­lo pas­sa­do. Em Agos­to, o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças já tinha di­to ao PÚ­BLI­CO que es­ta­va “a ul­ti­mar o projecto de diploma” pa­ra equi­pa­rar o re­gi­me do sec­tor pú­bli­co ao do sec­tor pri­va­do e aca­bar com a re­for­ma obri­ga­tó­ria por li­mi­te de ida­de.

Ago­ra, o Go­ver­no as­su­me que vai mes­mo avan­çar com a me­di­da e num co­mu­ni­ca­do jus­ti­fi­ca que o ob­jec­ti­vo é per­mi­tir que o tra­ba­lha­dor pos­sa man­ter-se ac­ti­vo e es­ti­mu­lar “a trans­fe­rên­cia da ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal e co­nhe­ci­men­to en­tre tra­ba­lha­do­res de di­fe­ren­tes ge­ra­ções, com be­ne­fí­ci­os não só pa­ra os tra­ba­lha­do­res, mas tam­bém pa­ra o fun­ci­o­na­men­to dos ser­vi­ços”.

Nes­se mes­mo co­mu­ni­ca­do, o mi­nis­té­rio ex­pli­ca que vai al­te­rar o Ar­ti­go 292.º da Lei do Tra­ba­lho em Fun­ções Pú­bli­cas (LTFP) que ago­ra es­ti­pu­la que “o vín­cu­lo de em­pre­go pú­bli­co ca­du­ca pe­la re­for­ma ou apo­sen­ta­ção do tra­ba­lha­dor, por ve­lhi­ce ou in­va­li­dez, ou, em qual­quer ca­so, qu­an­do o tra­ba­lha­dor com­ple­te 70 anos de ida­de”.

Se­rá ain­da adi­ta­do um ar­ti­go a es­ta lei pa­ra per­mi­tir que, “em cir­cuns­tân­ci­as ex­cep­ci­o­nais e de­vi­da­men­te fun­da­men­ta­das, pos­sa ser au­to­ri­za­do, pe­lo mem­bro do Go­ver­no res­pon­sá­vel pe­las Fi­nan­ças e Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, o exer­cí­cio de fun­ções por apo­sen­ta­do ou re­for­ma­do”.

O fim da re­for­ma obri­ga­tó­ria aos 70 anos é vis­ta co­mo po­si­ti­va por al­gu­mas pes­so­as que fo­ram obri­ga­das a dei­xar a sua pro­fis­são sem o de­se­ja­rem. Mas os sin­di­ca­tos não con­cor­dam com ela. José Abraão, di­ri­gen­te da Fe­de­ra­ção de Sin­di­ca­tos de Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca (Fe­sap), con­si­de­ra “in­com­pre­en­sí­vel que, com o grau de en­ve­lhe­ci­men­to que exis­te no Es­ta­do, se pre­ten­dam man­ter os tra­ba­lha­do­res pa­ra lá dos 70 anos”. E dei­xa no ar uma ques­tão re­la­ci­o­na­da com a au­to­ri­za­ção a que a pro­pos­ta se re­fe­re: “Se é ape­nas pa­ra con­tem­plar al­guns in­subs­ti­tuí­veis, is­to não faz sen­ti­do ne­nhum, de­ve­ri­am era cri­ar as con­di­ções pa­ra que ou­tros tra­ba­lha­do­res mais jo­vens pu­des­sem en­trar.” O Go­ver­no pro­põe ain­da al­te­rar a LTFP pa­ra ga­ran­tir que os pro­ces­sos dis­ci­pli­na­res não ca­du­cam nos ca­sos em que, após a ces­sa­ção do vín­cu­lo de em­pre­go pú­bli­co, se fa­ça um no­vo con­tra­to pa­ra as mes­mas fun­ções a que o pro­ces­so dis­ci­pli­nar diz res­pei­to.

Na no­ta en­vi­a­da à co­mu­ni­ca­ção social, as Fi­nan­ças aler­tam que com a re­vo­ga­ção, em 2014, de uma nor­ma do Es­ta­tu­to Dis­ci­pli­nar dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, “a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca fi­cou im­pos­si­bi­li­ta­da de apli­car san­ção dis­ci­pli­nar a um tra­ba­lha­dor vin­cu­la­do por um con­tra­to de tra­ba­lho em fun­ções pú­bli­cas a ter­mo re­so­lu­ti­vo, a quem foi ins­tau­ra­do pro­ce­di­men­to dis­ci­pli­nar por fac­tos pra­ti­ca­dos na vi­gên­cia des­se con­tra­to e que es­tá ain­da em cur­so de ins­tru­ção ou cu­ja de­ci­são ou exe­cu­ção ocor­ra após a ex­tin­ção des­se vín­cu­lo”. Des­de 2008 que a pré-re­for­ma é per­mi­ti­da no Es­ta­do, mas nun­ca foi re­gu­la­men­ta­da. Na pro­pos­ta ago­ra apre­sen­ta­da aos sin­di­ca­tos, o Go­ver­no pro­põe-se abrir es­ta pos­si­bi­li­da­de aos tra­ba­lha­do­res com vín­cu­lo de em­pre­go pú­bli­co (abran­gi­dos pe­la LTFP) e com ida­de igual ou su­pe­ri­or a 55 anos.

Os tra­ba­lha­do­res que pre­en­cham es­tas con­di­ções po­dem as­si­nar um acor­do com a en­ti­da­de em­pre­ga­do­ra pa­ra a sus­pen­são do con­tra­to de tra­ba­lho, me­di­an­te o pa­ga­men­to de uma pres­ta­ção. O diploma, que se­rá dis­cu­ti­do com os sin­di­ca­tos nas pró­xi­mas reu­niões, de­ve­rá es­ti­pu­lar as re­gras des­ti­na­das a es­ta­be­le­cer a pres­ta­ção a atri­buir aos fun­ci­o­ná­ri­os em pré-re­for­ma.

Es­ta me­di­da ar­ti­cu­la-se com o fim da obri­ga­to­ri­e­da­de de as pes­so­as se re­for­ma­rem do Es­ta­do com 70 anos, sa­li­en­ta o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças na no­ta que di­vul­gou, ao cri­ar um dis­po­si­ti­vo le­gal que per­mi­te às pes­so­as ter uma car­rei­ra mais cur­ta ou mais lon­ga “em fun­ção das su­as cir­cuns­tân­ci­as pes­so­ais”. Tal co­mo o já PÚ­BLI­CO no­ti­ci­ou, o Go­ver­no quer tam­bém ins­ti­tuir que os con­cur­sos pa­ra a en­tra­da no Es­ta­do pas­sem a ser fei­tos de for­ma cen­tra­li­za­da, pa­ra pou­par di­nhei­ro e con­tro­lar as en­tra­das. Sem­pre que fo­rem iden­ti­fi­ca­das ne­ces­si­da­des de pes­so­al em vá­ri­os ser­vi­ços e or­ga­nis­mos pú­bli­cos, os con­cur­sos de­vem ser con­du­zi­dos pe­la Di­rec­ção-Ge­ral da Qua­li­fi­ca­ção dos Tra­ba­lha­do­res em Fun­ções Pú­bli­cas (de­no­mi­na­da INA), em vez de ha­ver con­cur­sos au­tó­no­mos em ca­da um dos ser­vi­ços. Ou­tra das pro­pos­tas apre­sen­ta­das tem que ver com a re­for­mu­la­ção do Sis­te­ma de In­for­ma­ção da Or­ga­ni­za­ção do Es­ta­do (SIOE), que vai pas­sar a dis­po­ni­bi­li­zar in­for­ma­ção so­bre o sec­tor pú­bli­co si­mi­lar à que é for­ne­ci­da pe­las em­pre­sas pri­va­das atra­vés do Re­la­tó­rio Úni­co. O ob­jec­ti­vo é sa­ber com por­me­nor quais são e quem são os re­cur­sos do Es­ta­do, in­cluin­do dos mem­bros de ga­bi­ne­tes dos mi­nis­tros e de to­dos os ór­gãos de so­be­ra­nia.

A pro­pos­ta de por­ta­ria é mui­to de­ta­lha­da no ti­po de in­for­ma­ção que pre­ten­de re­co­lher e pede que os ser­vi­ços in­si­ram no sis­te­ma to­dos os da­dos re­la­ci­o­na­dos com os seus tra­ba­lha­do­res, in­cluin­do no­me, mo­ra­da, da­ta de nas­ci­men­to, sa­lá­rio, a ava­li­a­ção de de­sem­pe­nho, a da­ta da úl­ti­ma pro­mo­ção ou pro­gres­são, a an­ti­gui­da­de. A Co­mis­são Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção de Da­dos aler­tou pa­ra al­guns ris­cos que não es­tão to­tal­men­te su­pe­ra­dos na pro­pos­ta de diploma.

R.M.

PAU­LO PI­MEN­TA

Ob­jec­ti­vo é per­mi­tir que o tra­ba­lha­dor pos­sa man­ter-se ac­ti­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.