No­vo acor­do per­mi­te ao fis­co por­tu­guês in­ves­ti­gar com An­go­la

Téc­ni­cos an­go­la­nos es­tão em Lis­boa a ter for­ma­ção no fis­co, pa­ra im­ple­men­tar o IVA. As du­as au­to­ri­da­des fis­cais po­dem co­la­bo­rar em in­ves­ti­ga­ções. Acor­do per­mi­te ao fis­co por­tu­guês fa­zer ac­ções em Luanda

Edição Público Lisboa - - ECONOMIA - Co­o­pe­ra­ção Pedro Cri­sós­to­mo

As au­to­ri­da­des tri­bu­tá­ri­as de Por­tu­gal e de An­go­la já têm nas mãos as fer­ra­men­tas ne­ces­sá­ri­as pa­ra co­la­bo­ra­rem nas in­ves­ti­ga­ções fis­cais dos dois paí­ses. Es­se pas­so, ini­ci­a­do em Se­tem­bro en­tre os go­ver­nos e ago­ra à es­pe­ra de que os Par­la­men­tos dos dois paí­ses o apro­vem, po­de ser cru­ci­al pa­ra a “ca­ça” às for­tu­nas que o Pre­si­den­te de An­go­la, João Lourenço, de­fi­niu co­mo pri­o­ri­da­de.

As du­as au­to­ri­da­des tri­bu­tá­ri­as vão poder fa­zer ins­pec­ções si­mul­tâ­ne­as a con­tri­buin­tes se um dos paí­ses pe­dir aju­da, par­ti­lhar in­for­ma­ção e aco­lher ins­pec­to­res pa­ra es­tes fa­ze­rem con­tro­los fis­cais.

Era um pas­so im­pen­sá­vel há poucos anos, mas é ago­ra pos­sí­vel à luz do acor­do de as­sis­tên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va na área fis­cal as­si­na­do en­tre Por­tu­gal e An­go­la du­ran­te a vi­si­ta de An­tó­nio Cos­ta a Luanda em Se­tem­bro. Só fal­ta os par­la­men­tos apro­va­rem o do­cu­men­to pa­ra en­trar em vi­gor.

O PÚ­BLI­CO não con­se­guiu con­fir­mar se An­go­la já fez di­li­gên­ci­as in­for­mais iguais às que o acor­do pre­vê. Mas há si­nais de apro­xi­ma­ção nou­tras fren­tes. Há du­as áre­as em que a má­qui­na fis­cal an­go­la­na já tem a co­o­pe­ra­ção por­tu­gue­sa: na im­ple­men­ta­ção do IVA e na for­ma­ção de qua­dros do fis­co.

O to­po da hi­e­rar­quia das du­as au­to­ri­da­des, sa­be o PÚ­BLI­CO, es­tá em con­tac­to e den­tro de di­as re­pre­sen­tan­tes ao mais al­to ní­vel da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria an­go­la­na (AGT) de­ve­rão reu­nir-se em Lis­boa com a di­rec­to­ra-ge­ral da Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria e Adu­a­nei­ra (AT), He­le­na Bor­ges.

Nes­te mo­men­to, a AT es­tá a aco­lher um gru­po de fun­ci­o­ná­ri­os do fis­co an­go­la­no que vão fi­car em Lis­boa du­ran­te al­gu­mas se­ma­nas pa­ra re­ce­be­rem for­ma­ção. Os téc­ni­cos fo­ram dis­tri­buí­dos pe­la Di­rec­ção de Fi­nan­ças de Lis­boa e por ser­vi­ços cen­trais, pa­ra re­ce­be­rem for­ma­ção prá­ti­ca e acom­pa­nhar o tra­ba­lho dos téc­ni­cos por­tu­gue­ses.

Na­da in­di­ca que a pre­sen­ça es­te­ja li­ga­da à co­o­pe­ra­ção que se­rá pos­sí­vel fa­zer com o no­vo acor­do de as­sis­tên­cia mú­tua. Mas, quan­to a is­so, o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças por­tu­guês afir­ma que tan­to as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas co­mo as an­go­la­nas es­tão com­pro­me­ti­das com os ob­jec­ti­vos do acor­do de 18 de Se­tem­bro.

Co­o­pe­ra­ção ju­di­ciá­ria

Em tra­ços ge­rais, o do­cu­men­to se­gue as li­nhas que a Or­ga­ni­za­ção de Co­o­pe­ra­ção e de De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­ca (OCDE) de­fi­niu pa­ra as má­qui­nas fis­cais po­de­rem co­la­bo­rar en­tre si. É um ca­mi­nho que o ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to fis­cal Nu­no Sam­payo Ri­bei­ro an­te­ci­pa­va há anos, mas que, re­cor­da, “era ti­do co­mo im­pen­sá­vel pa­ra a maioria” dos agen­tes eco­nó­mi­cos no pas­sa­do re­cen­te. “Mais do que abrir a por­ta, o acor­do [ao se­guir as ori­en­ta­ções da OCDE e da União Eu­ro­peia] es­ten­deu a pas­sa­dei­ra à co­la­bo­ra­ção fis­cal re­cí­pro­ca en­tre Por­tu­gal e An­go­la ao ins­ti­tuir e re­gu­lar os con­tro­los fis­cais si­mul­tâ­ne­os, os con­tro­los fis­cais no es­tran­gei­ro, além de ou­tras for­mas, co­mo a as­sis­tên­cia na co­bran­ça de cré­di­tos tri­bu­tá­ri­os”, afir­ma.

O tex­to pre­vê que a co­o­pe­ra­ção fis­cal tam­bém aconteça nas di­li­gên­ci­as de­ter­mi­na­das por ór­gãos ju­di­ci­ais. Is­so sig­ni­fi­ca que o fis­co por­tu­guês po­de­rá fa­zer con­tro­los pa­ra An­go­la qu­an­do for cha­ma­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Tam­bém por cau­sa des­te de­ta­lhe, o acor­do ga­nha im­por­tân­cia nes­ta al­tu­ra, em que An­go­la po­de pe­dir a co­o­pe­ra­ção ju­di­ciá­ria pa­ra in­ves­ti­gar quem co­lo­cou ca­pi­tais fo­ra do país de for­ma ilí­ci­ta.

Ain­da há du­as se­ma­nas, num mo­men­to de ten­são com o an­te­ces­sor José Edu­ar­do dos San­tos, João Lourenço ga­ran­tia em Por­tu­gal que não irá re­cu­ar no com­ba­te à cor­rup­ção; e há dois di­as, Luanda apre­sen­ta­va o Pla­no Es­tra­té­gi­co de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Cor­rup­ção.

Com o no­vo acor­do, a AGT an­go­la­na po­de pe­dir que o fis­co por­tu­guês fa­ça um con­tro­lo à “si­tu­a­ção tri­bu­tá­ria de uma ou mais pes­so­as” nas quais os dois paí­ses “te­nham um in­te­res­se co­mum ou com­ple­men­tar”. A AT de­ci­de se faz sen­ti­do co­la­bo­rar, avan­ça com a in­ves­ti­ga­ção em si­mul­tâ­neo e pas­sa a in­for­ma­ção. E o mes­mo acon­te­ce em An­go­la se a AT pe­dir a co­la­bo­ra­ção da AGT.

Ques­ti­o­na­do, o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças por­tu­guês não es­pe­ci­fi­cou se já há tra­ba­lho de cam­po fei­to com a AGT pa­ra de­fi­nir os ca­sos em que ha­ve­rá ac­ções de con­tro­lo con­jun­to, nem se as du­as au­to­ri­da­des já têm co­la­bo­ra­do a es­se ní­vel ao lon­go do úl­ti­mo ano, em que o “ir­ri­tan­te” aca­bou su­a­vi­za­do. O ga­bi­ne­te do mi­nis­tro Má­rio Cen­te­no li­mi­tou-se a uma declaração de compromisso: “Os ins­tru­men­tos de co­o­pe­ra­ção em ma­té­ria fis­cal as­si­na­dos en­tre o Es­ta­do Por­tu­guês e o Es­ta­do An­go­la­no en­con­tram-se em pro­ces­so de ra­ti­fi­ca­ção, es­tan­do as au­to­ri­da­des dos dois paí­ses com­pro­me­ti­das com a re­a­li­za­ção das ac­ções e dos ob­jec­ti­vos aí de­fi­ni­dos.”

É uma declaração na li­nha do que o pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, dis­se no Por­to du­ran­te a vi­si­ta de João Lourenço, a quem pro­me­teu “to­da a co­la­bo­ra­ção e co­o­pe­ra­ção ju­di­ciá­ria, po­li­ci­al e fis­cal” pa­ra o país avan­çar no com­ba­te à cor­rup­ção.

Um gru­po de ins­pec­to­res da au­to­ri­da­de tri­bu­tá­ria an­go­la­na es­tá em Lis­boa pa­ra uma for­ma­ção de ba­se du­ran­te al­gu­mas se­ma­nas e pa­ra acom­pa­nhar o tra­ba­lho dos fun­ci­o­ná­ri­os do fis­co por­tu­guês

pedro.cri­sos­to­[email protected]­bli­co.pt

RUI GAU­DÊN­CIO

João Lourenço pro­me­te não re­cu­ar no com­ba­te à cor­rup­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.