Can­ti­gas de amor e de mal­di­zer do Por­to pe­los Con­jun­to Co­ro­na

Hip-hop, hu­mor e ca­lor é o que se es­pe­ra da apre­sen­ta­ção do no­vo ál­bum dos Co­ro­na na ci­da­de que os viu nas­cer

Edição Público Lisboa - - CULTURA - Mú­si­ca Vítor Be­lan­ci­a­no

Um per­cur­so as­cen­den­te. É as­sim que po­de ser ca­rac­te­ri­za­do o iti­ne­rá­rio até ago­ra do Con­jun­to Co­ro­na, projecto do Por­to que já lan­çou qu­a­tro ál­buns em cin­co anos. O úl­ti­mo, edi­ta­do há um mês, San­ta Ri­ta Li­festy­le, an­da ago­ra a ser apre­sen­ta­do ao vi­vo. No úl­ti­mo fim-de-se­ma­na es­ti­ve­ram no Mu­sicBox, em Lis­boa, e ho­je é a vez do Hard-Club no Por­to.

Nu­ma épo­ca em que tan­to se diz que as no­vas ge­ra­ções só se in­te­res­sam por can­ções avul­sas, eles fa­zem tu­do ao con­trá­rio. Lan­çam ál­buns com con­cei­to e uni­ver­so, ao mes­mo tem­po que dão mui­ta aten­ção ao ob­jec­to fí­si­co, que tem si­do di­fe­ren­te ao lon­go dos anos. Pra­ti­cam um hip-hop elás­ti­co e sen­so­ri­al, que fo­ge aos pa­drões mais nor­ma­li­za­do­res do gé­ne­ro, mar­ca­do por uma ati­tu­de iró­ni­ca pe­ran­te a re­a­li­da­de. Tu­do o que é de na­tu­re­za lo­cal, por­tu­en­se, ao ní­vel do so­ta­que, pa­la­vras ou per­so­na­gens que po­vo­am os te­mas, lhes atri­bui uma iden­ti­da­de pre­ci­sa. Os seus te­mas tan­to ex­põem al­gum es­cár­nio pe­ran­te as vi­sões fo­lei­ras do Por­to, co­mo ao mes­mo tem­po são de­cla­ra­ções de amor à ci­da­de. Tal­vez por is­so, em al­gu­mas cir­cuns­tân­ci­as, aca­bam por ge­rar mais cu­ri­o­si­da­de fo­ra da­li.

“Ain­da es­te úl­ti­mo concerto, no Mu­sicBox, foi uma ce­le­bra­ção fan­tás­ti­ca e uma fes­ta imen­sa. Já não to­cá­va­mos em Lis­boa há al­guns me­ses, es­ti­ve­mos pa­ra­dos a pre­pa­rar o ál­bum e a recepção foi mais do que ca­lo­ro­sa. No Por­to, cla­ro que tam­bém so­mos sem­pre mui­to bem re­ce­bi­dos, mas é na­tu­ral que es­te­jam fa­mi­li­a­ri­za­dos com a nos­sa lin­gua­gem, en­quan­to em Lis­boa, ou Bra­ga, por exem­plo, exis­te ou­tro ti­po de cu­ri­o­si­da­de em en­ten­der aqui­lo de que fa­la­mos nas mú­si­cas, ao ní­vel do ca­lão e ex­pres­sões do dia-a-dia que tra­ze­mos pa­ra a nos­sa mú­si­ca.”

Quem o diz é rap­per Lo­gos, me­ta­de dos Con­jun­to Co­ro­na, na com­pa­nhia do mú­si­co-pro­du­tor dB, que ao lon­go dos úl­ti­mos anos têm ar­qui­tec­ta­do vá­ri­os dis­cos à vol­ta da per­so­na­gem Co­ro­na, nas­ci­da da ima­gi­na­ção dos dois, a par­tir da sua ob­ser­va­ção de al­guns dos bair­ros mais po­pu­la­res do Por­to. Em par­ti­cu­lar, o pe­núl­ti­mo ál­bum, Ci­mo de Vi­la Vel­vet Can­ti­na, aca­bou por lhes con­fe­rir uma gran­de acei­ta­ção, que é ago­ra re­for­ça­da no no­vo re­gis­to. “Há aqui mui­to tra­ba­lho. Lan­ça­men­tos cons­tan­tes, mui­ta pre­sen­ça ao vi­vo, si­ner­gi­as com o pú­bli­co. Nós pró­pri­os sen­ti­mos que va­mos me­lho­ran­do e ex­pe­ri­men­tan­do coi­sas no­vas de ál­bum pa­ra ál­bum, man­ten­do a iden­ti­da­de, mas ten­tan­do fa­zer al­go di­fe­ren­te e me­lhor.” Lo­gos Rap­per

Um dos tra­ços mais dis­tin­ti­vos dos seus te­mas é a for­ma co­mo a iro­nia, e às ve­zes o sar­cas­mo, é uti­li­za­da. Há uns anos Da­vid Byr­ne di­zia que a iro­nia, na mú­si­ca, era uma das fi­gu­ras de es­ti­lo mais di­fí­ceis de ser apre­en­di­da pe­lo pú­bli­co. Lo­gos ri­se da alu­são. “A nós não nos in­te­res­sa mui­to is­so. Ten­ta­mos ape­nas ser co­e­ren­tes com o nos­so tra­ba­lho e su­jei­ta­mo-nos às mais di­ver­sas in­ter­pre­ta­ções, em­bo­ra sin­ta­mos que te­mos dois ti­pos de pú­bli­cos dis­tin­tos: aque­le que acre­di­ta pi­a­men­te no que es­ta­mos a di­zer e um ou­tro mais aber­to a ou­tro ti­po de in­ter­pre­ta­ções e que não é tão li­te­ral. Há uma li­nha té­nue en­tre ser­mos ape­nas pa­lha­ços ou um projecto com pés e ca­be­ça. Não a atra­ves­sa­mos. Fa­ze­mos o que que­re­mos, co­mo que­re­mos, e is­so é que in­te­res­sa.”

Por nor­ma o pro­ces­so cri­a­ti­vo sur­ge com uma ideia ou uma te­má­ti­ca. No ca­so do no­vo ál­bum de ori­gi­nais, o per­so­na­gem Co­ro­na des­co­briu a re­li­gião e tam­bém par­te à des­co­ber­ta dos ar­re­do­res do Gran­de Por­to, por cau­sa da gen­tri­fi­ca­ção. “A par­tir de uma ideia que de­sen­vol­ve­mos o Da­vid ex­plo­ra um uni­ver­so musical e pas­sa ali uma sé­rie de me­ses a fa­zer pes­qui­sas, cri­an­do ins­tru­men­tais, en­vi­an­do-me de­pois uma quan­ti­da­de con­si­de­rá­vel.” De se­gui­da, diz ele, du­ran­te me­ses vai ou­vin­do a mú­si­ca, apon­tan­do es­bo­ços e “pa­ra aí du­ran­te um mês [de­di­ca-se] à es­cri­ta”.

O hip-hop sin­gu­lar que fa­zem não se es­go­ta no som, es­ten­den­do-se ao for­ma­to dos dis­cos. De­pois da cas­se­te, VHS e pen den­tro de uma cai­xa de com­pri­mi­dos, o no­vo re­gis­to foi edi­ta­do nu­ma ras­pa­di­nha (que in­clui um có­di­go pa­ra des­car­re­gar o ál­bum) à ven­da ape­nas na Mei­fushop, lo­ja digital da edi­to­ra Mei­fu­ma­do. “Não há dú­vi­da de que as pes­so­as con­so­mem a mú­si­ca de for­ma digital”, diz, “mas a ver­da­de é que es­tes for­ma­tos ines­pe­ra­dos fa­zem com que as ven­das se­jam mais ele­va­das.”

Ain­da as­sim, é ao vi­vo que o gru­po tem vin­do a ga­nhar ca­da vez mais ad­mi­ra­do­res. Por nor­ma as su­as ac­tu­a­ções são ex­te­nu­an­tes e vi­ven­ci­a­das com entusiasmo pe­lo pú­bli­co. “Exis­te re­al­men­te uma gran­de sim­bi­o­se ho­je em dia com as pes­so­as”, de­cla­ra Lo­gos. “Em pal­co as coi­sas ga­nham ou­tro di­na­mis­mo, tal­vez pe­las mi­nhas in­fluên­ci­as punk e tam­bém do Kron Silva — que nos acom­pa­nha nos con­cer­tos. Foi um mo­men­to da his­tó­ria da mú­si­ca que se­gui­mos com aten­ção e aca­ba­mos por trans­por­tar es­sa adre­na­li­na. Pa­ra nós é fan­tás­ti­co a tro­ca de ener­gia com as pes­so­as.”

Há uma li­nha té­nue en­tre ser­mos ape­nas pa­lha­ços ou um projecto com pés e ca­be­ça. Não a atra­ves­sa­mos

vbe­lan­ci­a­[email protected]­bli­co.pt

RE­NA­TO CRUZ SAN­TOS

O mú­si­co-pro­du­tor dB e o rap­per Lo­gos têm ar­qui­tec­ta­do dis­cos à vol­ta da per­so­na­gem Co­ro­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.