Só pa­ra aque­cer

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Mi­guel Esteves Cardoso Ain­da on­tem

No Gen­te In­de­pen­den­te, de Hall­dór Lax­ness, con­ta-se que é pre­ci­so sa­ber quan­tas ve­zes se de­ve le­van­tar uma ro­cha pe­sa­da pa­ra não mor­rer de frio. O es­for­ço fí­si­co aque­ce e, qu­an­do não há ou­tro aque­ci­men­to, co­mo nas vi­a­gens a pé du­ran­te uma tem­pes­ta­de de ne­ve, é can­san­do o cor­po que se con­se­gue aque­cê-lo, con­tra­ri­an­do a ten­dên­cia na­tu­ral pa­ra con­ser­var ener­gia de ma­nei­ra a fi­car mais pa­ra a ca­mi­nha­da. Qual quê.

Gen­te In­de­pen­den­te es­tá cheio de por­me­no­res ines­que­cí­veis co­mo es­te. Apren­de-se, por exem­plo após exem­plo, que so­bre­vi­ver não é ape­nas re­sis­tir a um pe­ri­go de mor­te e poder con­ti­nu­ar a vi­ver. So­bre­vi­ver na Is­lân­dia des­cri­ta e ima­gi­na­da por Lax­ness é o es­for­ço cons­tan­te pa­ra per­ma­ne­cer vi­vo qu­an­do se­ria mui­to mais fá­cil mor­rer.

Te­nho por is­so al­gum pudor em trans­plan­tar a his­tó­ria da ro­cha pa­ra os 15 pa­tus­cos graus de um Ou­to­no por­tu­guês. O frio, co­mo tan­tas ou­tras coi­sas dis­cu­tí­veis, po­de ser re­la­ti­vo, mas quem o sen­te mor­der, por mui­to mi­ma­do ou não que se­ja, é mor­di­do ab­so­lu­ta­men­te.

É por is­so que pos­so fa­lar so­bre o frio com um is­lan­dês: es­ta­mos os dois a fa­lar da mes­ma coi­sa, ape­sar das gros­sas di­ver­gên­ci­as dos nos­sos dois ter­mó­me­tros.

Bas­ta-me su­bir as es­ca­das com um cai­xo­te pe­sa­do pa­ra fi­car me­nos ge­la­do. É pe­na que se use a ex­pres­são “tra­ba­lhar pa­ra es­que­cer” de ma­nei­ra ne­ga­ti­va, por não se ser re­mu­ne­ra­do.

Na ver­da­de, tra­ba­lhar pa­ra aque­cer é uma ex­ce­len­te e eco­ló­gi­ca ideia: “Ó mãe, es­tou com frio.” “Ai é? Des­pe a ca­mi­so­la e vai com a tua ir­mã mu­dar o pi­a­no pa­ra o só­tão.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.