Apren­der com a cri­se da Fun­da­ção Má­rio So­a­res

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - José Pa­che­co Pe­rei­ra

Es­te ar­ti­go po­de ser en­ten­di­do co­mo ma­ni­fes­tan­do um con­fli­to de in­te­res­ses. Fi­ca já is­to di­to à ca­be­ça, em­bo­ra pen­se que na ver­da­de não o se­ja, vis­to que o que me mo­ve é uma ques­tão de in­te­res­se pú­bli­co que es­tá mui­to pa­ra além de tam­bém eu “an­dar aos pa­péis” pa­ra o Ar­qui­vo Ephe­me­ra. O as­sun­to é, co­mo é ób­vio, a cri­se da Fun­da­ção Má­rio So­a­res (FMS), uma ins­ti­tui­ção com enor­me mérito, que mui­to es­ti­mo e que acom­pa­nho pra­ti­ca­men­te des­de a sua cri­a­ção. Apro­vei­to, aliás, pa­ra di­zer que o que se diz pe­las re­des so­ci­ais e nos co­men­tá­ri­os, mes­mo de lei­to­res do PÚ­BLI­CO, so­bre es­sa cri­se me me­re­ce a mai­or re­pul­sa e um sen­ti­men­to de vergonha pe­los meus se­me­lhan­tes ca­pa­zes de se re­go­zi­ja­rem com o que se es­tá a pas­sar em no­me do ódio a Má­rio So­a­res. Es­se ódio jus­ti­fi­ca pa­ra eles uma po­lí­ti­ca de ter­ra quei­ma­da, o equi­va­len­te a quei­mar li­vros nu­ma pi­ra co­mo se fa­zia nos tem­pos do na­ci­o­nal-so­ci­a­lis­mo. A cri­se da FMS em­po­bre­ce-nos a to­dos e tor­na Por­tu­gal pi­or.

Mas há que re­flec­tir, até por­que a cri­se da FMS tem efei­tos per­ver­sos pa­ra além do seu pró­prio des­ti­no. Um de­les é acen­tu­ar a con­cen­tra­ção de ar­qui­vos em ins­ti­tui­ções que não têm os re­cur­sos, nem mui­tas ve­zes a sen­si­bi­li­da­de pa­ra va­lo­ri­zar de­ter­mi­na­dos es­pó­li­os que exi­gem uma es­pe­ci­a­li­za­ção de “olhar”, co­mo é o ca­so de al­guns es­pó­li­os que pa­ra um gran­de ar­qui­vo pa­re­cem me­no­res e pou­co in­te­res­san­tes. Ve­jo por is­so com pre­o­cu­pa­ção a ideia de que tu­do pos­sa ir pa­rar à Tor­re do Tom­bo, ou a ou­tros gran­des ar­qui­vos es­ta­tais, in­de­pen­den­te­men­te da qua­li­da­de da sua ges­tão. A Tor­re do Tom­bo é ex­ce­len­te­men­te ge­ri­da e, no ca­so ac­tu­al, até por al­guém que per­ce­be a im­por­tân­cia do ti­po de es­pó­li­os con­tem­po­râ­ne­os do gé­ne­ro da­que­les que se en­con­tram na FMS. Mas não foi as­sim num pas­sa­do re­cen­te e na­da nos ga­ran­te que se­ja as­sim no fu­tu­ro.

Os ar­qui­vos es­ta­tais e bi­bli­o­te­cas es­tão chei­os de es­pó­li­os mor­tos que fo­ram ofe­re­ci­dos com gran­de es­pe­ran­ças por in­di­vi­du­a­li­da­des ou fa­mí­li­as ou ins­ti­tui­ções e es­tão lá a um can­to fe­cha­dos no mes­mo es­ta­do em que en­tra­ram. E não é bom que se en­fra­que­ça a exis­tên­cia de ar­qui­vos va­ri­a­dos no seu con­teú­do e es­pe­ci­a­li­za­ção, per­ten­cen­tes a uni­ver­si­da­des (co­mo é o ca­so do Cen­tro 25 de Abril), a ins­ti­tui­ções lo­cais, co­lec­ti­vi­da­des, au­tar­qui­as, par­ti­dos po­lí­ti­cos, clu­bes, etc. O fac­to de um ar­qui­vo e um con­jun­to de es­pó­li­os per­ten­ce­rem a uma co­lec­ti­vi­da­de es­pe­cí­fi­ca tor­na o seu uso e divulgação mais di­fe­ren­ci­a­do e en­ri­que­ce­dor não só pe­lo tra­ba­lho de me­mó­ria que é im­por­tan­te pa­ra quem o de­tém, co­mo pa­ra di­ver­si­fi­car a ofer­ta a in­ves­ti­ga­do­res e ao pú­bli­co em ge­ral. Sou fir­me de­fen­sor da mul­ti­pli­ci­da­de de ar­qui­vos pe­lo país fo­ra e da sua au­to­no­mia fa­ce ao poder po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co.

A cri­se na FMS tem ou­tro efei­to per­ver­so que é a des­con­fi­an­ça de que a en­tre­ga de es­pó­li­os e acer­vos a ins­ti­tui­ções que pa­re­ci­am só­li­das se re­ve­le ins­tá­vel com o tem­po. Co­nhe­ço bem es­se pro­ble­ma que, mes­mo que as pes­so­as não te­nham mui­tas ve­zes por de­li­ca­de­za a co­ra­gem de o le­van­tar, se tra­duz na per­gun­ta: “E o que é acon­te­ce de­pois de mor­rer?” O fac­to de a cri­se da FMS ocor­rer de­pois da mor­te de Má­rio So­a­res fa­vo­re­ce es­ta per­ple­xi­da­de e le­va tam­bém à con­cen­tra­ção de ofer­tas em ins­ti­tui­ções con­si­de­ra­das mais fiá­veis. Mas aqui en­con­tra­mos um ou­tro pro­ble­ma que é mui­to das ins­ti­tui­ções eu­ro­pei­as (com ex­cep­ção das an­glo­sa­xó­ni­cas) e, no ca­so por­tu­guês, agra­va­do pe­las mu­dan­ças na le­gis­la­ção so­bre as fun­da­ções no tem­po do “ajus­ta­men­to”.

O pro­ble­ma é que a FMS tinha um fun­ci­o­na­men­to mui­to pe­sa­do, de­ma­si­a­do de­pen­den­te de sub­sí­di­os e apoi­os fi­nan­cei­ros, um nú­me­ro ele­va­do de pes­so­as as­sa­la­ri­a­das e is­so tor­nou-a mui­to vul­ne­rá­vel. A is­to so­ma-se o fac­to de a ac­tu­al le­gis­la­ção, fei­ta por gen­te das fi­nan­ças, ser boa pa­ra as gran­des fun­da­ções e não im­pe­dir as frau­du­len­tas que já exis­ti­am e con­ti­nu­am a exis­tir, mas ser hos­til pa­ra as pe­que­nas e mé­di­as fun­da­ções. O re­sul­ta­do foi não só a de­mo­ni­za­ção das fun­da­ções, que re­pre­sen­tam, no seu me­lhor sen­ti­do, uma do­a­ção de bens pri­va­dos ao pú­bli­co, co­mo a cri­se na cri­a­ção de no­vas fun­da­ções que, en­tre ou­tras coi­sas, po­dem di­mi­nuir o pe­so so­bre o Es­ta­do de cum­prir de­ter­mi­na­das fun­ções cul­tu­rais, so­ci­ais, etc. E são, in­sis­to, um ac­to de al­truís­mo social. A al­ter­na­ti­va é mui­tas ve­zes a ven­da e dis­per­são de es­pó­li­os va­li­o­sos ou a sua des­trui­ção.

De há mui­to que de­fen­do a ne­ces­si­da­de de re­ver a lei, no sen­ti­do de fa­ci­li­tar um no­vo mo­de­lo de pe­que­nas e mé­di­as fun­da­ções que unam a fle­xi­bi­li­da­de do fun­ci­o­na­men­to das as­so­ci­a­ções cul­tu­rais sem fins lu­cra­ti­vos à so­li­dez pa­tri­mo­ni­al das fun­da­ções. Nos paí­ses an­glo-sa­xó­ni­cos, no Rei­no Uni­do e nos EUA exis­te o mo­de­lo das cha­ri­ti­es, que pres­tam re­le­van­tes ser­vi­ços pú­bli­cos, em par­ti­cu­lar usan­do os re­cur­sos do vo­lun­ta­ri­a­do, que tor­nam pos­sí­vel fa­zer mui­to mais do que ins­ti­tui­ções e fun­da­ções gran­des e pe­sa­das, sem os cus­tos ele­va­dos do seu fun­ci­o­na­men­to. É uma ex­pe­ri­ên­cia que co­nhe­ço bem, dada a enor­me de­di­ca­ção de mui­tas pes­so­as que ofe­re­cem o bem mais pre­ci­o­so do seu tra­ba­lho, e que per­mi­te fa­zer mui­to com poucos re­cur­sos. E, fa­zen­do mui­to, os re­cur­sos tam­bém au­men­tam pe­lo exem­plo, as­sim co­mo a ca­pa­ci­da­de de sal­va­ção de mui­to que se­ria per­di­do, se não exis­tis­sem. Aliás, nos tem­pos de ho­je, de des­trui­ção quo­ti­di­a­na e ma­ci­ça de bi­bli­o­te­cas, es­pó­li­os e acer­vos, a pró­pria pos­si­bi­li­da­de de sal­va­ção de mui­to do que é dei­ta­do ao li­xo ou des­truí­do já jus­ti­fi­ca que se fa­ci­li­te a ac­ti­vi­da­de de ins­ti­tui­ções que re­co­lhem es­sa par­te pre­ci­o­sa da nos­sa me­mó­ria. A re­de de “pes­ca” po­de ser as­sim mais fi­na a ní­vel na­ci­o­nal. O que acon­te­ce de­pois po­de não ser per­fei­to, po­de ser mo­ro­so, mas o que se sal­vou tem mais pro­ba­bi­li­da­des de con­ti­nu­ar sal­vo.

É por is­so que ins­ti­tui­ções mais le­ves, me­nos de­pen­den­tes de gran­des or­ça­men­to e cus­tos de sa­lá­ri­os, as­sen­tes no tra­ba­lho vo­lun­tá­rio e em re­cur­sos pro bo­no, ge­ri­das por gen­te dedicada que na­da tem a ga­nhar a não ser o gos­to do que es­tão a fa­zer, so­bre­vi­vem me­lhor aos seus fun­da­do­res e à ins­ta­bi­li­da­de do seu fi­nan­ci­a­men­to. E são por is­so con­fiá­veis pa­ra os seus pa­péis, fo­to­gra­fi­as, ob­jec­tos, me­mó­ri­as. His­to­ri­a­dor. Es­cre­ve ao sá­ba­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.