O meu quin­tal, ca­ro Pau­lo

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Pau­lo Gui­no­te

Pau­lo Tri­go Pe­rei­ra (P.T.P.) re­pli­ca ao meu tex­to so­bre o seu (ab)uso do ter­mo “re­tro­ac­ti­vos” de um mo­do que se li­mi­ta a re­pro­du­zir ar­gu­men­ta­ção usa­da e gas­ta, apro­vei­tan­do pa­ra ex­por tu­do aqui­lo que lhe cri­ti­co e, no fun­do, pro­du­zin­do uma fun­da­men­ta­ção des­cui­da­da e in­co­e­ren­te nos seus pró­pri­os ter­mos. A par­te ini­ci­al do seu tex­to é de­sin­te­res­san­te pa­ra a ques­tão. Se P.T.P. é “de­sa­li­nha­do” ou não e se aju­dou a re­for­çar uma ima­gem am­pli­a­da por um jornal digital, é um epi­fe­nó­me­no. Não me in­te­res­sa se pen­sa de for­ma di­fe­ren­te do PS so­bre a ta­xa­ção dos re­fri­ge­ran­tes. Re­fe­ri o fac­to ape­nas por­que foi o pró­prio a fa­zê-lo sa­ber nas su­as de­cla­ra­ções pú­bli­cas.

A par­te se­guin­te cen­tra-se na ques­tão do tal (ab)uso do ter­mo “re­tro­ac­ti­vos”, que P.T.P. apre­sen­ta, usan­do a de­fi­ni­ção de um di­ci­o­ná­rio, co­mo al­go “que tem efei­tos so­bre fac­tos pas­sa­dos, que mo­di­fi­ca o que já foi fei­to”. E é aqui que se cen­tra to­do o pro­ble­ma, até por­que P.T.P. afir­ma que eu sei, mas omi­to, “que o sen­ti­do em que uti­li­zo o ad­je­ti­vo é o que vem em to­dos os di­ci­o­ná­ri­os”. Só que no quar­to pa­rá­gra­fo do meu tex­to po­de ler-se que “nu­ma se­gun­da acep­ção, co­mo ad­jec­ti­vo, o ter­mo ‘re­tro­ac­ti­vo’ re­fe­re-se, de acor­do com a mes­ma fonte, a al­go “que tem efei­to so­bre fac­tos pas­sa­dos; que mo­di­fi­ca o que já foi fei­to”. Não con­si­go com­pre­en­der que P.T.P. me acu­se de omi­tir al­go que es­tá ex­plí­ci­to no que es­cre­vi. A úni­ca pos­si­bi­li­da­de que con­ce­bo é que nem se deu ao tra­ba­lho de ler o meu ar­ti­go e apro­vei­tou pa­ra des­car­re­gar o que já tinha es­cri­to pa­ra to­das as oca­siões. É com­pli­ca­do ar­gu­men­tar com quem tem es­ta ati­tu­de, por­que se per­ce­be que não pre­ten­de de­ba­ter, ape­nas re­pe­tir um guião pré­for­ma­ta­do. Uma car­ti­lha de com­ba­te po­lí­ti­co.

Mas va­mos acre­di­tar que va­le a pe­na con­tra­di­tar P.T.P. nos seus ter­mos. Afir­ma ele na sua declaração de vo­to que “im­por­ta su­bli­nhar que os sin­di­ca­tos rei­vin­di­cam re­tro­ac­ti­vos re­la­ti­va­men­te a to­dos os anos que as car­rei­ras es­ti­ve­ram con­ge­la­das”. É is­to que es­tá es­cri­to. Po­de P.T.P. di­zer que usa o ter­mo co­mo ad­jec­ti­vo e não no sen­ti­do que to­dos co­nhe­ce­mos e usa­mos, mas en­tão te­ri­am os tais “re­tro­ac­ti­vos” de es­tar a qu­a­li­fi­car al­go. Mas não es­tão. A fra­se es­tá es­cri­ta as­sim e as­sim te­rá si­do pen­sa­da por­que coin­ci­de com de­cla­ra­ções re­cen­tes de ou­tros di­ri­gen­tes do PS, com a fi­na­li­da­de de cri­ar con­fu­são na opi­nião pú­bli­ca.

Mas, com uma for­te do­se de ca­ri­da­de, acre­di­te­mos que P.T.P. te­ve um pro­ble­ma de ex­pres­são e que­ria es­cre­ver o que não escreveu e só ago­ra te­ve opor­tu­ni­da­de de es­pe­ci­fi­car. Mes­mo as­sim, es­tá er­ra­do por­que os pro­fes­so­res do meu quin­tal (bá­si­co e se­cun­dá­rio) não pre­ten­dem al­te­rar o pas­sa­do. Não pedem pa­ra pro­gre­dir com efei­tos a 2013 ou 2015. Um pas­sa­do que P.T.P. acha que se de­ve al­te­rar a gos­to, por­que aceita que se­ja con­ta­do pa­ra uns efei­tos, mas não pa­ra ou­tros. Mais es­tra­nho, acha que se po­de mo­di­fi­car uma par­te do pas­sa­do (dois anos, no­ve me­ses e 18 di­as), mas não ou­tra. E eu fi­co con­fu­so. Por­que as leis do Or­ça­men­to que de­ter­mi­na­ram o “con­ge­la­men­to” ex­pli­ci­tam que nes­ses anos não exis­ti­rão pro­gres­sões, mas na­da con­têm pa­ra o fu­tu­ro, pois ape­nas têm va­li­da­de pa­ra o ano ci­vil a que se re­por­tam. Aten­te­mos na Lei 55-A/2010 de 31 de De­zem­bro. Na­da no seu ar­ti­cu­la­do vai além do que não po­de ser fei­to nes­se ano e, nes­se ca­so, sim, que te­nha efei­tos re­tro­ac­ti­vos. Ve­ja­mos o n.º 5 do ar­ti­go 24.º: “5 - As al­te­ra­ções do po­si­ci­o­na­men­to re­mu­ne­ra­tó­rio, pro­gres­sões e pro­mo­ções que ve­nham a ocor­rer após a vi­gên­cia do presente Ar­ti­go não po­dem pro­du­zir efei­tos em da­ta an­te­ri­or.” Ao con­trá­rio do que afir­ma P.T.P., as leis do Or­ça­men­to im­pe­dem ac­tos com efei­tos re­tro­ac­ti­vos, mas na­da de­ter­mi­nam (nem po­de­ri­am, dada a sua na­tu­re­za “anu­al”) so­bre o que o le­gis­la­dor pos­sa vir a de­ci­dir no fu­tu­ro. E co­mo nin­guém exi­ge que exis­tam pro­gres­sões re­tro­ac­ti­vas, com re­mu­ne­ra­ções cor­res­pon­den­tes a uma da­ta do pas­sa­do, P.T.P. não tem qual­quer ra­zão no que afir­ma.

To­do o pon­to dois do tex­to de P.T.P. é uma di­gres­são so­bre o seu quin­tal uni­ver­si­tá­rio e ou­tras car­rei­ras não re­gu­la­das pe­lo Es­ta­tu­to da Car­rei­ra Do­cen­te em vi­gor, apro­va­do em 2007, com for­te opo­si­ção dos pro­fes­so­res. Por um go­ver­no mai­o­ri­tá­rio do PS que tinha ain­da co­mo mem­bro o ac­tu­al pri­mei­ro-mi­nis­tro. Es­ta­tu­to que de­ter­mi­na uma es­tru­tu­ra de car­rei­ra es­pe­cí­fi­ca e não uma ou­tra qual­quer. Por fim, um pe­que­no re­pa­ro: qu­an­do uma “obra” (o meu an­te­ri­or blo­gue, en­cer­ra­do há qua­se qu­a­tro anos) acom­pa­nha o au­tor tan­to tem­po, sen­te-se um li­gei­ro aro­ma de pos­te­ri­da­de. Obri­ga­do, P.T.P., pe­la evo­ca­ção do Um­bi­go. Pro­fes­sor do 2.º ci­clo do En­si­no Bá­si­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.