Spor­ting tra­va marcha im­pa­rá­vel do FC Por­to na Liga

Clássico em Alvalade aca­bou a ze­ros num jo­go qua­se sem opor­tu­ni­da­des. Lu­ta pe­lo título es­tá em aber­to

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Cró­ni­ca de Jo­go Pau­lo Cu­ra­do pcu­ra­[email protected]­bli­co.pt

Não era o re­sul­ta­do que se an­te­ve­ria pa­ra o clássico en­tre o Spor­ting e o FC Por­to, mas o em­pa­te a ze­ro em Alvalade aca­bou por não de­sa­gra­dar às qua­tro equi­pas que ain­da dis­pu­tam o título na­ci­o­nal. Em ter­mos ob­jec­ti­vos, os “leões” fo­ram quem mais per­deu, mantendo os oi­to pon­tos de atra­so pa­ra o lí­der, mas mos­tra­ram uma so­li­dez de­fen­si­va ra­ra des­de que o trei­na­dor Mar­cel Keizer che­gou ao clu­be.

Uma coi­sa é cer­ta: o cam­pe­o­na­to vai con­ti­nu­ar vi­vo à en­tra­da pa­ra a se­gun­da vol­ta. É ver­da­de que os “dragões” são os cam­peões in­dis­cu­tí­veis de In­ver­no, do­bran­do a pro­va com cin­co pon­tos de van­ta­gem pa­ra o se­gun­do clas­si­fi­ca­do, Ben­fi­ca, mas um triun­fo em Alvalade dei­xa­ria o título qua­se en­tre­gue aos cam­peões na­ci­o­nais.

Pe­lo meio, tam­bém o Sp. Bra­ga se man­te­ve li­ga­do à cor­ren­te, ape­sar do em­pa­te com o Por­ti­mo­nen­se nes­ta ron­da. Os mi­nho­tos se­guem no ter­cei­ro lu­gar com seis pon­tos, atrás dos por­tis­tas, e com dois de van­ta­gem so­bre os “leões”.

A pi­or no­tí­cia pa­ra o FC Por­to aca­bou por ser mes­mo estatística. Fi­cou em bran­co pe­la pri­mei­ra vez nas úl­ti­mas 19 par­ti­das, em to­das as com­pe­ti­ções, per­den­do a opor­tu­ni­da­de de fa­zer his­tó­ria em Por­tu­gal. Com um triun­fo em Alvalade ul­tra­pas­sa­ria o re­cor­de de Jor­ge Je­sus no Ben­fi­ca de 18 vi­tó­ri­as con­se­cu­ti­vas.

Mas não era es­te o ob­jec­ti­vo de Sér­gio Con­cei­ção. Mais do que re­cor­des efé­me­ros, o téc­ni­co não quis ar­ris­car qual­quer per­cal­ço em Lis­boa, co­mo ocor­reu na des­lo­ca­ção ao Es­tá­dio da Luz, na sé­ti­ma jor­na­da, on­de per­deu por 1-0 com o Ben­fi­ca. O úl­ti­mo de­sai­re an­tes da lon­ga sé­rie vi­tó­ri­as en­cer­ra­da on­tem.

O car­taz do clássico de Alvalade su­ge­ria golos, mas não foi uma ver­ti­gem de fu­te­bol ofen­si­vo a que se as­sis­tiu na par­ti­da, par­ti­cu­lar­men­te na me­ta­de. Até por­que Mar­cel Keizer, ao con­trá­rio do pro­me­ti­do, fez ce­dên­ci­as à sua fi­lo­so­fia ha­bi­tu­al de jo­go ata­can­te.

Clássico mui­to fal­to­so

Os “leões” en­tra­ram em campo par­ti­cu­lar­men­te só­bri­os, apos­tan­do na con­sis­tên­cia de­fen­si­va e ata­can­do pe­la cer­ta, pro­cu­ran­do não abrir mui­tos es­pa­ços na re­ta­guar­da. Um blo­co mais bai­xo do que tem si­do re­gra, mas jus­ti­fi­cá­vel no con­tex­to des­ta par­ti­da. Em ca­so de der­ro­ta, os lis­bo­e­tas fi­ca­ri­am a dis­tan­tes 11 pon­tos e di­ri­am um adeus de­fi­ni­ti­vo ao título, dei­xan­do tam­bém mais dis­tan­tes os res­tan­tes lu­ga­res do pó­dio.

Na ex­pec­ta­ti­va, o FC Por­to tam­bém não ar­ris­cou em de­ma­sia, op­tan­do por aguar­dar pe­las saí­das do ad­ver­sá­rio pa­ra ex­plo­rar as tran­si­ções ofen­si­vas, uma das su­as ar­mas pre­fe­ren­ci­ais. O Spor­ting ti­nha bem es­tu­da­da a li­ção, nun­ca se des­lum­brou com os es­pa­ços con­ce­di­dos pe­lo ad­ver­sá­rio, pri­vi­le­gi­an­do sem­pre a or­ga­ni­za­ção de­fen­si­va e a con­sis­tên­cia no meio-campo.

Sem sur­pre­sas nos “on­ze” ini­ci­ais, as­sis­tiu-se a 45 mi­nu­tos dis­pu­ta­dos, com mui­tas fal­tas e pa­ra­gens, mas pra­ti­ca­men­te sem ba­li­zas. O úni­co lan­ce de pe­ri­go as­si­na­lá­vel sur­giu já em ci­ma do in­ter­va­lo, com Bas Dost a re­ma­tar fra­co pa­ra a fi­gu­ra de Ca­sil­las.

Sér­gio Con­cei­ção não gos­ta­va do que via e aca­bou por apro­vei­tar uma in­fe­li­ci­da­de de Ma­xi Pe­rei­ra, que se le­si­o­nou aos 42’, pa­ra ope­rar uma mu­dan­ça tác­ti­ca que fa­ria to­da a di­pri­mei­ra fe­ren­ça na se­gun­da me­ta­de. O trei­na­dor re­cu­ou Co­ro­na na la­te­ral di­rei­ta e cha­mou Óli­ver pa­ra re­for­çar o meio-campo e trans­for­man­do o 4-4-2 ini­ci­al num 4-3-3.

Os vi­si­tan­tes co­me­ça­ram a ga­nhar os du­e­los no cor­re­dor cen­tral e em qua­tro mi­nu­tos (56’ e 60’) cri­a­ram du­as cla­ras opor­tu­ni­da­des de go­lo. As úni­cas que ti­ve­ram no en­con­tro. Na pri­mei­ra, So­a­res re­ma­tou com a ca­ne­la pa­ra de­fe­sa com­pli­ca­da de Re­nan; na se­gun­da foi Ma­re­ga a fa­lhar o al­vo e a ati­rar por ci­ma.

Os “leões” sen­ti­ram o to­que, mas a res­pos­ta veio das su­as in­di­vi­du­a­li­da­des e não da or­ga­ni­za­ção ofen­si­va. Bruno Fer­nan­des e Gu­delj tes­ta­ram os re­fle­xos de Ca­sil­las de fo­ra da área, com no­ta má­xi­ma pa­ra o guarda-re­des por­tis­ta.

A fa­di­ga foi-se, en­tre­tan­to, apo­de­ran­do dos jo­ga­do­res, com re­fle­xos na qua­li­da­de e ob­jec­ti­vi­da­de do fu­te­bol

“Não é o [re­sul­ta­do] que es­tá­va­mos à pro­cu­ra, mas é jus­to. Sa­bía­mos que ía­mos jo­gar com o FC Por­to, com 18 vi­tó­ri­as con­se­cu­ti­vas. Pre­ci­sá­va­mos de ga­nhar, mas con­tro­lá­mos. Es­ti­ve­mos bem com a bo­la na pri­mei­ra par­te, não tão bem na se­gun­da. Per­de­mos o con­tro­lo na se­gun­da par­te e não gos­tei tan­to. Va­mos lu­tar até ao fim. Ago­ra te­mos as ta­ças pe­lo meio. Es­ta­mos lon­ge do FC Por­to, mas va­mos lu­tar” Mar­cel Keizer Spor­ting

“Es­te em­pa­te tem um sa­bor amar­go, que­ría­mos mui­to ga­nhar, sen­tía­mos que éra­mos mais for­tes e que­ría­mos mui­to os três pon­tos. Foi um jo­go não mui­to bem jo­ga­do, com mui­tas fal­tas. Uma pri­mei­ra par­te equ­li­bra­da, pra­ti­ca­men­te sem oca­siões de go­lo. Uma se­gun­da par­te di­fe­ren­te, es­ti­ve­mos por ci­ma do jo­go, com du­as oca­siões de go­lo cla­ras. A ha­ver um ven­ce­dor, se­ría­mos nós” Sér­gio Con­cei­ção FC Por­to

pra­ti­ca­do, mas não na in­ten­si­da­de. Nos ins­tan­tes fi­nais, as­sis­tiu-se a uma es­pé­cie de anar­quia tác­ti­ca, com a bo­la a ron­dar as du­as ba­li­zas e com os téc­ni­cos a ro­er as unhas nos ban­cos.

O apito fi­nal, con­tu­do, não dei­xou nin­guém in­sa­tis­fei­to. Mar­cel Keizer não se com­pro­me­teu nes­te seu pri­mei­ro gran­de tes­te à fren­te do Spor­ting e man­te­ve os “leões” im­ba­tí­veis em ca­sa pa­ra o cam­pe­o­na­to. Um fei­to que já du­ra há 27 jo­gos. Es­te foi tam­bém o se­gun­do em­pa­te dos “leões” es­ta épo­ca na pro­va, após o 1-1 no Es­tá­dio da Luz. Ago­ra, res­ta ao Spor­ting aguar­dar que o FC Por­to vá per­den­do gás pa­ra re­cu­pe­rar al­gu­ma da des­van­ta­gem. A his­tó­ria não aju­da: nun­ca um can­di­da­to ao título foi cam­peão de­pois de do­brar a pri­mei­ra vol­ta com oi­to pon­tos de atra­so.

Ma­re­ga, vi­gi­a­do por Je­fer­son e Bruno Fer­nan­des, ten­ta ul­tra­pas­sar o de­fe­sa e o mé­dio do Spor­ting e cri­ar pe­ri­go jun­to da ba­li­za “le­o­ni­na”

MA­NU­EL DE AL­MEI­DA/LUSA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.