For­ça Aé­rea pa­ga 122 mi­lhões por mei­os aé­re­os de com­ba­te a fo­gos

Go­ver­no au­to­ri­za mi­li­ta­res a gas­ta­rem 94 mi­lhões de eu­ros nos vá­ri­os con­cur­sos de lo­ca­ção de mei­os e no pa­ga­men­to dos exis­ten­tes. Ain­da não há so­lu­ção à vis­ta pa­ra os três Ka­mov na pos­se do Es­ta­do

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - In­cên­di­os Li­li­a­na Va­len­te

A For­ça Aé­rea já es­tá au­to­ri­za­da a lan­çar os con­cur­sos pa­ra lo­ca­ção de mei­os aé­re­os pa­ra com­ba­te a fo­gos e pa­ra pa­gar os que já ac­tu­a­ram no ano pas­sa­do. No bo­lo to­tal há cer­ca de 110 mi­lhões de eu­ros dis­po­ní­veis pa­ra to­dos os mei­os lo­ca­dos en­tre 2018 e 2022. Um va­lor a que acres­cem 11,8 mi­lhões pa­ra o con­cur­so de ges­tão dos três he­li­cóp­te­ros li­gei­ros do Es­ta­do, en­tre 2019 e 2022, o que per­faz um to­tal de cer­ca de 121,8 mi­lhões.

Os da­dos cons­tam de du­as re­so­lu­ções do Con­se­lho de Mi­nis­tros que fo­ram pu­bli­ca­das na úl­ti­ma se­ma­na em Diá­rio da Re­pú­bli­ca, au­to­ri­zan­do a For­ça Aé­rea a as­su­mir des­pe­sa com os vá­ri­os con­cur­sos que tem de lan­çar pa­ra ter mei­os aé­re­os pa­ra com­ba­te aos in­cên­di­os nos pró­xi­mos anos. O con­cur­so in­ter­na­ci­o­nal ain­da não foi lan­ça­do, mas de­ve­rá sê-lo em bre­ve. Fal­ta­va ul­tra­pas­sar es­ta pri­mei­ra bu­ro­cra­cia pa­ra que os mi­li­ta­res pu­des­sem ago­ra lan­çar os con­cur­sos.

Mei­os alu­ga­dos

De acor­do com o ministro da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na, Edu­ar­do Ca­bri­ta, es­te ano, a Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil (ANPC) te­rá ao dis­por 61 ae­ro­na­ves pa­ra o com­ba­te a in­cên­di­os, en­tre mei­os de com­ba­te e de co­or­de­na­ção, mas até à da­ta só tem dis­po­ní­veis os 22 aviões e he­li­cóp­te­ros que fo­ram con­tra­ta­dos atra­vés do con­cur­so plu­ri­a­nu­al lan­ça­do o ano pas­sa­do. Fal­tam os res­tan­tes.

Pa­ra pa­gar as 22 ae­ro­na­ves que es­tão já con­tra­tu­a­li­za­das — oi­to aviões mé­di­os an­fí­bi­os Fi­re­boss, dois aviões pe­sa­dos an­fí­bi­os Ca­na­dair, dois aviões de co­or­de­na­ção e dez he­li­cóp­te­ros li­gei­ros pa­ra 2018 e 2019 —, a For­ça Aé­rea es­tá au­to­ri­za­da a fa­zer des­pe­sa de 26,3 mi­lhões de eu­ros, a que acres­ce a ta­xa de IVA, de acor­do com a re­so­lu­ção do Con­se­lho de Mi­nis­tros. Is­to por­que, na sequên­cia dos in­cên­di­os de 2017, o Go­ver­no de­ci­diu que pas­sa­ria a ser a For­ça Aé­rea a ge­rir os con­tra­tos de to­dos os mei­os aé­re­os pró­pri­os do Es­ta­do e lo­ca­dos. Es­te va­lor se­rá di­vi­di­do pe­los três anos de con­tra­to, “ten­do des­pe­sa pre­vis­ta até 2020”.

Ago­ra, além des­tes, a For­ça Aé­rea po­de­rá lan­çar os con­cur­sos pa­ra o alu­guer de 35 no­vas ae­ro­na­ves pe­di­das pe­la ANPC pa­ra com­po­rem o Dis­po­si­ti­vo Es­pe­ci­al de Com­ba­te a In­cên­di­os Ru­rais (DECIR) dos pró­xi­mos anos. Pa­ra po­der lan­çar es­te con­cur­so, es­tá au­to­ri­za­da a gas­tar até um má­xi­mo de 82,5 mi­lhões de eu­ros, 51,3 dos quais já es­te ano.

Ten­do em con­ta as di­fi­cul­da­des do ano pas­sa­do, qu­an­do o con­cur­so lan­ça­do em De­zem­bro aca­bou por fa­lhar por du­as ve­zes e o Go­ver­no te­ve de re­cor­rer a ajus­tes di­rec­tos, des­ta vez a re­so­lu­ção ad­mi­te já es­sa pos­si­bi­li­da­de de con­tra­tu­a­li­za­ção, ten­do em con­ta o “re­le­van­te in­te­res­se pú­bli­co”. Diz a re­so­lu­ção que é preciso “pre­ve­nir a even­tu­al si­tu­a­ção em que o pro­ce­di­men­to, ou al­gum dos seus lo­tes, pos­sa fi­car de­ser­to ou as pro­pos­tas apre­sen­ta­das se­jam ex­cluí­das” e por is­so “fi­ca igual­men­te au­to­ri­za­do o re­cur­so ao pro­ce­di­men­to de ajus­te di­rec­to”. Ao PÚ­BLI­CO, a ANPC já dis­se que, pa­ra já, não é ne­ces­sá­rio es­se ti­po de pro­ce­di­men­to.

Na sequên­cia de uma des­tas re­so­lu­ções pu­bli­ca­das em Diá­rio da Re­pú­bli­ca fi­cou a sa­ber-se tam­bém que a For­ça Aé­rea vai uti­li­zar veí­cu­los aé­re­os não tri­pu­lá­veis — dro­nes — na pre­ven­ção e com­ba­te aos in­cên­di­os. O di­plo­ma au­to­ri­za a re­a­li­za­ção de des­pe­sa até 650 mil eu­ros mais IVA pa­ra es­te fim. li­li­a­na.va­len­[email protected]­bli­co.pt

NU­NO FER­REI­RA SAN­TOS

Na sequên­cia dos in­cên­di­os de 2017, o Go­ver­no de­ci­diu que pas­sa­ria a ser a For­ça Aé­rea a ge­rir os mei­os aé­re­os de com­ba­te aos fo­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.