Le­vam piz­zas, vi­bra­do­res, o que for. São os es­ta­fe­tas do sé­cu­lo XXI

Ace­le­ram pa­ra fa­zer mi­cro­en­tre­gas no Por­to e em Lis­boa. Um nú­me­ro cres­cen­te de lu­so-ve­ne­zu­e­la­nos en­con­tra nas pla­ta­for­mas di­gi­tais de en­tre­ga um mo­do de ga­nhar a vi­da. Não são os úni­cos

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - Ana Cris­ti­na Pe­rei­ra [email protected]­bli­co.pt

Jo­nathan Ra­mos nem sa­be quan­tas ve­zes, ao fim-de-se­ma­na, ace­le­rou pe­las ru­as do Por­to até uma far­má­cia pa­ra com­prar pre­ser­va­ti­vos ou pí­lu­las do dia se­guin­te e en­tre­gar a al­guém que nun­ca vi­ra. Uma vez, até foi a uma sex shop com­prar um vi­bra­dor. O que mais re­co­lhe e en­tre­ga, po­rém, são re­fei­ções quen­tes.

O téc­ni­co de cli­ma­ti­za­ção, na­tu­ral de Ma­tu­rín, Ve­ne­zu­e­la, ater­rou em Por­tu­gal em Maio de 2017, de­pois de du­as ten­ta­ti­vas de se­ques­tro. “Se­ques­tra­ram um ami­go, os pais pa­ga­ram o se­ques­tro e ma­ta­ram-no.” Ven­deu, a fi­a­do, a sua quo­ta da em­pre­sa ao só­cio. Fe­chou a por­ta do apar­ta­men­to. E vi­a­jou com a na­mo­ra­da pa­ra Por­tu­gal.

Ne­to de por­tu­gue­ses, Jo­nathan an­dou às vol­tas com as au­las de Por­tu­guês e ou­tros trâ­mi­tes ne­ces­sá­ri­os pa­ra ob­ter a na­ci­o­na­li­da­de. En­tre­tan­to, foi tra­ba­lhan­do nu­ma es­ta­ção de ser­vi­ço e nu­ma chur­ras­quei­ra, es­pan­ta­do com a pe­nú­ria sa­la­ri­al. O pri­mo, Johnny, fa­lou-lhe nu­ma pla­ta­for­ma di­gi­tal de en­tre­gas: “Se qui­se­res, ex­pe­ri­men­ta. Eu vou ex­pe­ri­men­tar.” E Jo­nathan, que é doi­do por mo­tos, ani­mou-se com es­sa pos­si­bi­li­da­de.

O es­ta­fe­ta de 35 anos apre­sen­ta-se co­mo “nú­me­ro um da Glo­vo”, uma apli­ca­ção pa­ra dis­po­si­ti­vos mó­veis que sur­giu em Bar­ce­lo­na em 2015 e de­pres­sa se ex­pan­diu, che­gan­do a Lis­boa em Ou­tu­bro 2017 e ao Por­to em Mar­ço de 2018. “Na chur­ras­quei­ra, ga­nha­va um sa­lá­rio de 600 eu­ros, aqui ga­nho 1800 ou 2000”, diz, nu­ma alu­são aos va­lo­res de In­ver­no.

Só no Por­to, há uns 20 lu­so-ve­ne­zu­e­la­nos a tra­ba­lhar atra­vés da­que­la pla­ta­for­ma e mui­tos mais bra­si­lei­ros e al­guns por­tu­gue­ses de Por­tu­gal. Im­pos­sí­vel pre­ci­sar quan­tos exer­cem tal ac­ti­vi­da­de no país e com que per­fil. A em­pre­sa re­cu­sa-se a re­ve­lar es­tes e ou­tros “da­dos sen­sí­veis de mer­ca­do”.

De­pois de Jo­nathan e do pri­mo, alis­ta­ram-se o so­gro, An­tó­nio, e o ir­mão, Cris­ti­an. Por vol­ta das 12h, é vê-los na Pra­ça de D. Fi­li­pa de Len­cas­tre, na Bai­xa, à es­pe­ra que lhes caia al­gum pe­di­do em sor­te. Ou­tros jun­tam-se nou­tros pon­tos-cha­ve, co­mo a fo­od cor­ner, que con­cen­tra cin­co res­tau­ran­tes, na Rua do Ate­neu Co­mer­ci­al.

“É me­lhor tra­ba­lhar de mo­to­ri­za­da do que an­dar aí a ga­nhar o sa­lá­rio mí­ni­mo nu­ma fá­bri­ca, não é?”, sol­ta o so­gro, de 60 anos, 52 dos quais pas­sa­dos na Ve­ne­zu­e­la, já em ci­ma da mo­to. “Tam­bém, na mi­nha ida­de, nin­guém me quer nu­ma fá­bri­ca”, en­co­lhe-se. “Aqui es­ta­mos bem, pe­lo me­nos me­lhor do que na Ve­ne­zu­e­la!”

Os in­te­res­sa­dos — mu­ni­dos de bi­ci­cle­ta, mo­to ou car­ro — ins­cre­vem-se no si­te da em­pre­sa. Con­tac­ta­dos por email, apre­sen­tam-se no es­cri­tó­rio, na Rua de Cos­ta Ca­bral, pa­ra uma ses­são de in­for­ma­ção e a en­tre­ga de ma­te­ri­al de tra­ba­lho — du­as mo­chi­las qua­dra­das com o lo­gó­ti­po da em­pre­sa, um ca­sa­co im­per­meá­vel, uma ba­te­ria por­tá­til e um car­tão pa­ra fa­zer al­guns pa­ga­men­tos.

Pou­cas ho­ras são atri­buí­das aos no­va­tos. Quan­to mais en­tre­gas fi­ze­rem, mais ho­ras po­de­rão tra­ba­lhar. Há um sis­te­ma de pon­tos, de­pen­den­te da sa­tis­fa­ção de par­cei­ros e cli­en­tes. Jo­nathan já fez mais de 3200 en­tre­gas. Abrem-lhe a pos­si­bi­li­da­de de ho­rá­rio má­xi­mo. Po­de tra­ba­lhar 13 ho­ras por dia, se qui­ser. Se só lhe der jei­to tra­ba­lhar dez, li­ber­ta as ou­tras três. Ou­tro es­ta­fe­ta po­de apa­nhá-las.

Quan­to mais ho­ras tra­ba­lhar, mai­or a hi­pó­te­se de lhe ca­lhar um ser­vi­ço. É por ser­vi­ço pres­ta­do que lhe pa­gam de 15 em 15 di­as.

De ca­da vez que um es­ta­fe­ta res­pon­de a um pe­di­do, ga­nha 1,50 eu­ros. Por ca­da qui­ló­me­tro per­cor­ri­do, ou­tros 0,35. Os qui­ló­me­tros são cal­cu­la­dos ten­do em con­ta a ro­ta mais cur­ta — do pon­to on­de se en­con­tra ao lo­cal de re­co­lha e do lo­cal de re­co­lha ao lo­cal de en­tre­ga. Se ti­ver de es­pe­rar mais de dez mi­nu­tos, pa­gam-lhe 0,05 eu­ros por mi­nu­to. Se es­ti­ver a cho­ver, um bó­nus de 30%. O PÚ­BLI­CO con­sul­tou vá­ri­os re­ci­bos que con­fir­mam es­tes va­lo­res.

Nos pri­mei­ros me­ses, Jo­nathan tra­ba­lha­va o mai­or nú­me­ro de ho­ras pos­sí­vel. Ago­ra, tra­ba­lha um pou­co me­nos. “O cor­po pe­de.” E a na­mo­ra­da re­cla­ma. “Há di­as que te­nho tan­to tra­ba­lho que não pos­so nem co­mer. Qu­an­do es­tá a cho­ver, to­do o mun­do pe­de co­mi­da. No Ve­rão, é fra­co.” No Es­tio, mui­tos não con­se­guem ga­ran­tir ho­ras de tra­ba­lho su­fi­ci­en­tes pa­ra fa­zer vi­da. Ou vi­vem com o que jun­ta­ram nos ou­tros me­ses ou pro­cu­ram ou­tra ac­ti­vi­da­de.

Nem to­da a gen­te es­tá tão dis­po­ní­vel. Há quem tra­ba­lhe a meio-tem­po, com­pa­ti­bi­li­zan­do o ser­vi­ço de en­tre­gas com ou­tra ac­ti­vi­da­de. Sa­mantha Tei­xei­ra, por exem­plo, con­ci­lia com o es­tu­do de En­ge­nha­ria Ci­vil na Uni­ver­si­da­de do Por­to (UP).

“Ao co­me­ço do se­mes­tre apro­vei­tei mui­to, por­que não ti­nha mui­ta coi­sa pa­ra es­tu­dar nem pa­ra fa­zer, tra­ba­lha­va qua­se to­dos os di­as”, diz a ra­pa­ri­ga, de 22 anos. Du­as a três ho­ras de se­gun­da a sex­ta, o do­bro ao fim-de-se­ma­na. “Já de­pois co­me­ça­ram os tra­ba­lhos e os mi­ni­tes­tes. É mais com­pli­ca­do, mas te­nho de ti­rar tem­po na mes­ma pa­ra tra­ba­lhar.” Um mês an­tes dos exa­mes, tra­ba­lha­va qua­se só ao fim-de-se­ma­na. “A mi­nha pri­o­ri­da­de des­de sem­pre são os es­tu­dos.”

Fre­quen­ta o 4.º ano. Co­me­çou por fa­zer o cur­so na Uni­ver­si­da­de Cen­tral da Ve­ne­zu­e­la, em Ca­ra­cas. As gre­ves tor­na­ram-se de­ma­si­a­do fre­quen­tes. Pe­diu trans­fe­rên­cia pa­ra a Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca An­drés Bel­lo. “Aqui­lo es­ta­va ca­da vez pi­or.”

Sen­tia que ti­nha de sair do país. Não só pe­la in­se­gu­ran­ça, a in­ter­mi­tên­cia do en­si­no, a fal­ta de pers­pec­ti­vas. “Eu que­ria

Tu­do de­pen­de das ho­ras que fa­ze­mos, dos pe­di­dos que nos ca­em. Co­mo é uma apli­ca­ção ale­a­tó­ria, po­de­mos ter boa sor­te ou má sor­te Sa­mantha Tei­xei­ra Es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­ria e es­ta­fe­ta

in­de­pen­dên­cia. Eu que­ria fa­zer o meu di­nhei­ro, com­prar as mi­nhas coi­sas. Já es­ta­va far­ta de pe­dir di­nhei­ro aos meus pais pa­ra ir ao ci­ne­ma ou pa­ra ir não sei on­de. Se fos­se com eles per­to, mui­to me­lhor. Mas são as si­tu­a­ções da vi­da que nos obri­gam.”

Veio com o ir­mão, Jo­sé, dois anos mais ve­lho, que tam­bém es­tá a es­tu­dar En­ge­nha­ria Ci­vil. Não po­di­am, sim­ples­men­te, pe­dir uma trans­fe­rên­cia pa­ra uma uni­ver­si­da­de por­tu­gue­sa. Ti­nham pri­mei­ro de pas­sar os exa­mes na­ci­o­nais. Só de­pois po­di­am pe­dir equi­va­lên­ci­as às ca­dei­ras já fei­tas. En­quan­to se pre­pa­ra­vam, iam tra­ba­lhan­do. “Eu nun­ca ti­nha tra­ba­lha­do na vi­da. Ga­nhar o meu sa­lá­rio foi... mui­to sa­tis­fa­tó­rio.”

Era em­pre­ga­da de me­sa num res­tau­ran­te da Ri­bei­ra. Qu­an­do en­trou na UP, em 2017, tra­tou de con­ci­li­ar os es­tu­dos com es­sa ac­ti­vi­da­de, que exer­cia à sex­ta-fei­ra à noi­te e du­ran­te to­do o dia de sá­ba­do e do­min­go. “Foi mui­to can­sa­ti­vo”, sus­pi­ra. “É uma das ra­zões pe­las quais es­co­lho a Glo­vo. Pos­so fa­zer o meu ho­rá­rio. Se es­tou es­go­ta­da ou exaus­ta dos es­tu­dos, consigo pa­rar. Há uma fle­xi­bi­li­da­de.”

Sa­mantha não se ar­re­pen­deu. “Se so­mos jo­vens, es­tu­dan­tes e que­re­mos fa­zer al­gum di­nhei­ri­nho, a Glo­vo ou a Uber Eats ou ou­tra em­pre­sa do gé­ne­ro va­le a pe­na. Con­se­gui­mos fa­zer o nos­so pró­prio ho­rá­rio, or­ga­ni­zar a nos­sa se­ma­na, o nos­so dia.”

Ela e o ir­mão par­ti­lham um apar­ta­men­to com ou­tros três lu­so-ve­ne­zu­e­la­nos: a na­mo­ra­da do ir­mão, a ir­mã gé­mea e o ir­mão de­las. À en­tra­da do apar­ta­men­to, ali­nham-se três gran­des mo­chi­las da Glo­vo — a de Sa­mantha, a do ir­mão e a do “cu­nha­do”.

Não dei­xam de sair à noi­te, se lhes ape­te­cer. “Se que­re­mos sair à noi­te, é de­pois da Glo­vo. Tra­ba­lha­mos até às dez, pas­sa­mos por ca­sa e saí­mos. Na re­a­li­da­de, não saio mui­to à noi­te, pre­fi­ro es­tar nu­ma ca­sa, re­la­xa­da, a to­mar um vi­nho e a fa­lar.”

“Tu­do de­pen­de das ho­ras”

Qu­an­do a agen­da es­ta­va mais ali­vi­a­da, ti­ra­va uns 300 eu­ros por mês. Ago­ra, cer­ca de me­ta­de dis­so. “Tu­do de­pen­de das ho­ras que fa­ze­mos, dos pe­di­dos que nos ca­em. Co­mo é uma apli­ca­ção ale­a­tó­ria, po­de­mos ter boa sor­te ou má sor­te.” Or­ga­ni­za a vi­da com is­so e com a bol­sa de es­tu­do. “Tam­bém não te­nho lu­xos.”

Quem lhe fa­lou nis­to foi uma ami­ga de lon­ga da­ta, Ma­ria Ale­jan­dra Pi­ta, es­tu­dan­te de Ar­qui­tec­tu­ra na UP. Es­sa lu­so­ve­ne­zu­e­la­na, de 24 anos, tam­bém fi­ze­ra vá­ri­os tra­ba­lhos an­tes de se de­ci­dir pe­lo ser­vi­ço de en­tre­gas. Es­tá a fa­zer ca­dei­ras do 3.º e do 4.º ano. “Tra­ba­lhar nu­ma pla­ta­for­ma em que pos­so es­co­lher o ho­rá­rio é mais fá­cil”, afi­an­ça. “Às ve­zes mar­co a ho­ra, mas não consigo, por­que te­nho de en­tre­gar um tra­ba­lho, fa­lo e ti­ram a ho­ra, não me pe­na­li­zam.”

A re­sis­tên­cia fí­si­ca tam­bém man­da. Cir­cu­la de bi­ci­cle­ta. “Sem­pre gos­tei de fa­zer exer­cí­cio. Ado­ro! Co­me­cei com uma bi­ci­cle­ta nor­mal. Ago­ra, te­nho uma eléc­tri­ca. Aju­da a an­dar nos ‘pa­ra­le­los’ e a fa­zer as su­bi­das. An­tes, fi­ca­va um bo­ca­do mor­ta.”

Tra­ba­lhan­do umas 20 ho­ras por se­ma­na, con­se­gue “pa­gar os gas­tos”. Tra­ba­lhan­do me­nos, fi­ca “meio cur­ta”. “Fa­ço um es­for­ço e consigo. Dá pa­ra vi­ver.” Se não ti­ves­se bol­sa de es­tu­do e não par­ti­lhas­se quar­to com o pri­mo, não da­va.

A pla­ta­for­ma abre um ho­rá­rio pa­ra ca­da es­ta­fe­ta. E é den­tro dis­so que ca­da um po­de es­co­lher as ho­ras que quer tra­ba­lhar. Qu­an­do a Glo­vo não lhe abre ho­ras su­fi­ci­en­tes, Ale­jan­dra liga-se à Uber Eats, ou­tra pla­ta­for­ma di­gi­tal de dis­tri­bui­ção a ope­rar na ci­da­de, sem aque­las res­tri­ções de ho­rá­rio. “Na Glo­vo, ga­nha­mos tu­do o que fa­ze­mos. Na Uber Eats, fi­cam com 25% pa­ra eles. Na Glo­vo pa­gam o que ga­nhas­te mais 23% de IVA. Na Uber Eats, o que ga­nha­mos já in­clui o IVA.”

O pi­or que lhe acon­te­ceu foi pe­di­rem-lhe que trans­por­tas­se 20 sa­cos de ge­lo. “Não con­se­guia nem an­dar. Era tan­to pe­so que ti­ve­ram de aju­dar-me a mon­tar a mo­chi­la. Qu­an­do fa­lei com os meus co­le­gas, to­dos dis­se­ram: ‘Ti­nhas de can­ce­lar es­se pe­di­do, o má­xi­mo que po­des car­re­gar são oi­to qui­los’.”

Pa­ra Jo­nathan, a si­tu­a­ção mais des­con­cer­tan­te foi a en­tre­ga de uma piz­za a três ra­pa­ri­gas que es­ta­vam com os co­pos e o con­vi­da­ram a juntar-se a elas. Maus mes­mo são os pe­di­dos pa­ra com­prar ci­gar­ros ou be­bi­das al­coó­li­cas que têm do ou­tro la­do me­no­res de ida­de. “Li­go pa­ra a Glo­vo: ‘Es­ta pes­soa é me­nor, não vou en­tre­gar’. E can­ce­lo o pe­di­do.”

Ca­da um tem a sua his­tó­ria. A Ti­a­go Fer­rei­ra Mar­ques, por­tu­guês oriun­do de Lis­boa, já lhe acon­te­ceu ir a um su­per­mer­ca­do com­prar uma li­ma pa­ra en­tre­gar. Te­ve ou­tros pe­di­dos se­me­lhan­tes de­pois des­se. Ain­da há pou­co, um pa­co­te de es­par­gue­te. “A Glo­vo é is­to. Um cli­en­te po­de pe­dir qual­quer coi­sa.”

Na chur­ras­quei­ra ga­nha­va um sa­lá­rio de 600 eu­ros, aqui ga­nho 1800 ou 2000 Jo­nathan Ra­mos Es­ta­fe­ta

FO­TOS: NEL­SON GARRIDO

Sa­mantha Tei­xei­ra veio da Ve­ne­zu­e­la pa­ra Por­tu­gal

Ti­a­go Fer­rei­ra Mar­ques é de Lis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.