Os fac­tos e as con­tra­di­ções do ca­so de An­tó­nio Pe­ças

De­cla­ra­ções de tes­te­mu­nhas le­va­ram ao ar­qui­va­men­to do pro­ces­so in­ter­no do INEM. O PÚ­BLI­CO ana­li­sou à lu­pa o que se sa­be so­bre o ca­so do mé­di­co do he­li­cóp­te­ro de emer­gên­cia mé­di­ca em Évora

Edição Público Lisboa - - SOCIEDADE - INEM Li­li­a­na Va­len­te

An­tó­nio Pe­ças es­tá ago­ra em si­lên­cio. Des­de que saí­ram as no­tí­ci­as que con­ta­ram que, en­quan­to mé­di­co ao ser­vi­ço do he­li­cóp­te­ro do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Emer­gên­cia Mé­di­ca (INEM), ti­nha re­cu­sa­do o trans­por­te de do­en­tes, fe­chou-se com os seus ad­vo­ga­dos a de­li­ne­ar uma es­tra­té­gia pa­ra li­dar com o ca­so. O PÚ­BLI­CO ana­li­sa ao por­me­nor os do­cu­men­tos do Cen­tro de Ori­en­ta­ção de Do­en­tes Ur­gen­tes (CODU) do INEM, as es­ca­las de ser­vi­ço, o inqué­ri­to in­ter­no, as quei­xas. Con­clu­são: há da­dos e tes­te­mu­nhos con­tra­di­tó­ri­os e tes­te­mu­nhas que nun­ca che­ga­ram a ser ou­vi­das.

O inqué­ri­to in­ter­no do INEM é, aliás, par­co em au­di­ções de tes­te­mu­nhas. E qua­se sem­pre as de­cla­ra­ções ca­bem nu­ma fo­lha A4. De res­to, só fo­ram ou­vi­das pes­so­as so­bre um dos ca­sos em in­ves­ti­ga­ção — o de 29 de Ou­tu­bro de 2017, em que An­tó­nio Pe­ças es­te­ve nu­ma tou­ra­da em Évora e ale­gou es­tar com uma gas­tro­en­te­ri­te qu­an­do foi con­tac­ta­do pa­ra um ser­vi­ço de he­li­trans­por­te. A Inspecção-Ge­ral das Ac­ti­vi­da­des em Saú­de e a Or­dem dos Mé­di­cos es­tão a in­ves­ti­gar. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co tam­bém.

Jo­a­na Luís era a en­fer­mei­ra que fa­zia equi­pa com An­tó­nio Pe­ças a 29 de Ou­tu­bro, en­tre as 8h até às 20h. Foi ou­vi­da por du­as ve­zes pe­los ins­tru­to­res do INEM. Con­tou que na pas­sa­gem de tur­no lhe te­ria si­do di­to que o he­li­cóp­te­ro es­ta­va da­do co­mo ino­pe­ra­ci­o­nal, uma vez que aguar­da­va a che­ga­da do mé­di­co de ser­vi­ço — os he­li­cóp­te­ros só es­tão ope­ra­ci­o­nais se ti­ve­rem pi­lo­to, co-pi­lo­to, en­fer­mei­ro e mé­di­co. Mas não deu a cer­te­za de que o dia dos fac­tos que re­la­ta­va ser o de 29 de Ou­tu­bro. Nem se re­cor­da­va se o mé­di­co es­ca­la­do era Pe­ças.

Jo­sé Ri­bei­ro Cunha era o téc­ni­co de ser­vi­ço na tou­ra­da de Évora e foi ques­ti­o­na­do so­bre a per­ma­nên­cia de Pe­ças no re­cin­to. Con­ta que sim, que o viu na en­fer­ma­ria (sem pre­ci­sar ho­ra) com a far­da do INEM, mas que de­pois saiu do lo­cal. É des­men­ti­do pe­las fo­tos da cor­ri­da, pu­bli­ca­das pe­lo jor­nal tou­reio.pt e re­cu­pe­ra­das pe­lo Ob­ser­va­dor. Ne­las, Pe­ças não apa­re­ce far­da­do e Cunha es­tá a seu la­do.

Ou­tra das tes­te­mu­nhas foi Ti­a­go Ro­dri­gues de Al­mei­da, o mé­di­co que era, de­ve­ria ser ou te­ria si­do o mé­di­co da cor­ri­da de tou­ros. A con­fu­são de ver­bos é pro­po­si­ta­da, por­que há vá­ri­as versões. Pri­mei­ro, dis­se que Pe­ças lhe pe­diu pa­ra es­tar de ser­vi­ço a uma tou­ra­da e que acei­tou, mas que qu­an­do ve­ri­fi­cou que es­ta­va de es­ca­la na Vi­a­tu­ra Mé­di­ca de Emer­gên­cia de Évora ar­ran­jou quem o subs­ti­tuís­se, a dra. Isa­bel Li­ma, que acei­tou a ta­re­fa. Es­sa in­for­ma­ção de que Isa­bel Li­ma “foi a mé­di­ca da cor­ri­da” che­gou a ser da­da por Pe­ças ao PÚ­BLI­CO.

Ora, es­ta ver­são cho­ca com o que dis­se Pe­ças no inqué­ri­to, qu­an­do afir­mou que es­ta­va na sua ho­ra de al­mo­ço, que pas­sou pe­la cor­ri­da e que se “re­ti­rou com a che­ga­da do dr. Ti­a­go”. Mas Ti­a­go Al­mei­da nun­ca re­fe­re ter es­ta­do na pra­ça. O ins­tru­tor tam­bém não faz mais per­gun­tas. Isa­bel Li­ma nun­ca foi ou­vi­da. E quem apa­re­ce nas fotografias é sem­pre Pe­ças. Fotografias que o inqué­ri­to não ana­li­sou. A con­clu­são do inqué­ri­to é: “Os fac­tos apu­ra­dos não per­mi­tem con­cluir se no pe­río­do de tem­po em que o Dr. Pe­ças se en­con­tra­va na are­na de Évora (pre­su­mi­vel­men­te por vol­ta das 16h) — o que te­rá ocor­ri­do na sua ho­ra de re­fei­ção — coin­ci­de com o pe­río­do em que se ve­ri­fi­cou o epi­só­dio de pe­di­do de trans­por­te do CODU, efec­tu­a­do pe­las 17h30, sen­do que se­quer se mos­tra cla­ra­men­te evi­den­ci­a­do que o pe­di­do efec­tu­a­do pe­lo CODU ti­ves­se si­do pa­ra um he­li­trans­por­te.”

Francisco Mar­cão era o mé­di­co de ser­vi­ço no CODU na­que­la tar­de e, ou­vi­do em se­de de inqué­ri­to, dis­se du­as coi­sas fa­vo­rá­veis a Pe­ças: que o te­le­fo­ne­ma que lhe fez não ser­viu pa­ra ac­ci­o­nar o he­li­cóp­te­ro, mas pa­ra “tro­car opi­niões” so­bre a for­ma de trans­por­te do do­en­te; e que Pe­ças “in­for­mou que se en­con­tra­va in­dis­pos­to, não ten­do, con­tu­do, ma­ni­fes­ta­do in­dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra efec­tu­ar o he­li­trans­por­te”. Ter­mi­nou de­cla­ran­do que “o ser­vi­ço de he­li­trans­por­te nun­ca che­gou a ser ac­ti­va­do”.

Con­tu­do, os da­dos do CODU con­sul­ta­dos pe­lo PÚ­BLI­CO con­tra­di­zem es­ta afirmação. O pi­lo­to do he­li­cóp­te­ro foi con­sul­ta­do às 17h37, o que in­di­cia por par­te do mé­di­co que es­te foi ac­ti­va­do. Es­tá es­cri­to na li­nha do tem­po: “Pi­lo­to c/con­di­ções: OK.” O te­le­fo­ne­ma de Mar­cão pa­ra Pe­ças dá-se de se­gui­da. Pe­ças dis­se que es­ta­va com uma gas­tro­en­te­ri­te; ques­ti­o­na se o do­en­te não po­de ser trans­fe­ri­do de am­bu­lân­cia, mas que se ti­ver de ser, que pas­sa pe­lo hos­pi­tal pa­ra to­mar me­di­ca­ção. Na li­nha do tem­po do INEM apa­re­ce a in­di­ca­ção às 17h44: “Me­di­co he­li dte. Vai hosp ver se faz me­di­ca­ção. Aguar­da­se de­ci­são.” A in­di­ca­ção se­guin­te es­cri­ta pe­lo mé­di­co re­gu­la­dor é a sua de­ci­são de en­vi­ar uma am­bu­lân­cia. A Bab­cock, a em­pre­sa que faz o ser­vi­ço

de he­li­trans­por­te, tem fi­chas in­ter­nas de re­gis­to das mis­sões não-efec­tu­a­das. O PÚ­BLI­CO te­ve aces­so à des­se dia, em que o comandante do he­li­cóp­te­ro re­gis­tou a se­guin­te in­for­ma­ção: “Pe­di­do de eva­cu­a­ção he­li­trans­por­ta­da do Hos­pi­tal de Évora pa­ra São Jo­sé (Lis­boa). Ac­ti­va­dos às 17h36, de­sac­ti­va­dos às 18h28 pe­lo CODU.” O inqué­ri­to do INEM nun­ca ava­lia a li­nha do tem­po, nem a fi­cha da Bab­cock. E o ins­tru­tor não ques­ti­o­na Mar­cão so­bre es­ta dis­cre­pân­cia.

Nas de­cla­ra­ções que tem fei­to so­bre o ca­so, Pe­ças diz que pas­sou na are­na pa­ra que a cor­ri­da se pu­des­se re­a­li­zar e que en­quan­to lá es­te­ve tra­tou o di­rec­tor da cor­ri­da que se ti­nha quei­ma­do com a água do du­che. Re­fe­riu ain­da que ape­nas co­lo­cou a vi­nhe­ta e assinou o re­la­tó­rio mé­di­co. Con­tu­do, o re­la­tó­rio mé­di­co da cor­ri­da con­tra­diz es­ta ver­são. Pe­ças as­sis­tiu não uma, mas cin­co pes­so­as na­que­la tar­de. Ou pe­lo me­nos são cin­co os fe­ri­dos que cons­tam no re­gis­to de ocor­rên­ci­as, as­si­na­do por si. Além do di­rec­tor, há in­di­ca­ção de tra­ta­men­to do por­tei­ro, que te­ve náu­se­as, e de três for­ca­dos. No inqué­ri­to, nun­ca foi per­gun­ta­do a Pe­ças co­mo con­se­guiu tra­tar cin­co fe­ri­dos, um de­les gra­ve (com quei­ma­du­ras de 1.º grau no ros­to), na ho­ra de al­mo­ço.

Acres­ce ain­da a dú­vi­da: os for­ca­dos en­tram em ac­ção no fi­nal da pe­ga a um toi­ro, lo­go os fe­ri­dos re­sul­ta­ri­am des­sa ac­ti­vi­da­de, o que sig­ni­fi­ca que se fo­ram tra­ta­dos por Pe­ças es­te te­ve uma ho­ra de al­mo­ço que se pro­lon­gou, pe­lo me­nos, des­de as 16h até uma par­te da cor­ri­da, que só co­me­çou às 17h.

No inqué­ri­to in­ter­no do INEM os ins­tru­to­res têm de­nún­ci­as so­bre mais dois ca­sos: um, da noi­te de 13 de Abril de 2017, em que Pe­ças co­lo­cou en­tra­ves ao trans­por­te de Faro pa­ra Lis­boa de uma mu­lher de 37 anos com um dis­sec­ção da aor­ta, que vi­ria a fa­le­cer sem ser trans­por­ta­da. De­mo­rou uma ho­ra a ar­ran­car no he­li­cóp­te­ro. E ou­tro da ma­dru­ga­da de 16 de Maio do mes­mo ano. Pe­ças re­cu­sou o trans­por­te de um do­en­te de 82 anos com um AVC, de Évora pa­ra São Jo­sé.

O ins­tru­tor do INEM ques­ti­o­na o ci­rur­gião so­bre o ca­so da do­en­te de Faro e es­te res­pon­de que “não se re­cor­da da si­tu­a­ção em con­cre­to, re­fe­rin­do que na even­tu­a­li­da­de de ter re­cu­sa­do o he­li­trans­por­te, es­ta de­ci­são se ba­se­ou, ga­ran­ti­da­men­te, em cri­té­ri­os clí­ni­cos e/ou cri­té­ri­os de con­tra-in­di­ca­ção ab­so­lu­ta ou re­la­ti­va ema­na­dos pe­lo pró­prio INEM.” Es­ta úl­ti­ma re­fe­rên­cia é des­men­ti­da pe­lo fi­chei­ro do CODU. Na li­nha do tem­po con­sul­ta­da pe­lo PÚ­BLI­CO, foi es­cri­to, pe­las 23h13: “Con­di­ções de voo fa­vo­rá­veis/Sem con­tra-in­di­ca­ções ab­so­lu­tas.” Nes­sa mes­ma li­nha do tem­po, es­tá ins­cri­to “tem­po to­tal = igual ou in­fe­ri­or ao trans­por­te ter­res­tre”, o que con­tra­ria a ar­gu­men­ta­ção do mé­di­co de que se­ria mais rá­pi­do o trans­por­te por am­bu­lân­cia.

So­bre es­tes dois ca­sos, o inqué­ri­to do INEM não che­ga a qual­quer con­clu­são. Mas as in­di­ca­ções nos re­gis­tos do CODU são se­me­lhan­tes. À 1h34: “Tem­po to­tal é igual ou in­fe­ri­or ao trans­por­te ter­res­tre”; “He­li­cóp­te­ro dis­po­ní­vel”; “con­di­ções de voo fa­vo­rá­veis”. Pe­las 2h13 a mé­di­ca re­gu­la­do­ra ins­cre­ve na fi­cha: “Mé­di­co do he­li re­cu­sa trans­por­te”.

O inqué­ri­to não ana­li­sa se hou­ve re­la­ção en­tre as ac­ções de Pe­ças e o que vi­ria a acon­te­cer aos do­en­tes. So­bre es­tes ca­sos nin­guém foi ou­vi­do. Nem en­fer­mei­ros nem mé­di­cos. li­li­a­na.va­len­[email protected]­bli­co.pt

O mé­di­co do Hos­pi­tal do Es­pí­ri­to de San­to de Évora, An­tó­nio Pe­ças, es­tá ago­ra a ser in­ves­ti­ga­do pe­la Or­dem dos Mé­di­cos e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.