“Ilus­tre Ca­sa de Ra­mi­res” à ven­da e in­clui ca­sa­rio e tor­re me­di­e­val

Pro­pri­e­da­de que ser­viu de ins­pi­ra­ção à obra A Ilus­tre Ca­sa de Ra­mi­res, de Eça de Queiroz, va­le me­nos de um mi­lhão de eu­ros. Fa­mí­lia pro­pri­e­tá­ria há qua­tro sé­cu­los es­pe­ra que fu­tu­ros do­nos dig­ni­fi­quem pa­tri­mó­nio

Edição Público Lisboa - - LOCAL - Re­sen­de San­dra Ro­dri­gues

A “Ilus­tre Ca­sa de Ra­mi­res” es­tá à ven­da. A Ca­sa da Tor­re da La­ga­ri­ça, em Re­sen­de, e que ser­viu de ins­pi­ra­ção ao ro­man­ce de Eça de Queiroz, cus­ta 990 mil eu­ros. Os ac­tu­ais pro­pri­e­tá­ri­os, pa­ra quem a de­ci­são de co­lo­car o imó­vel à ven­da “não foi fá­cil”, de­se­jam ver a ca­sa com uma fun­ção que dig­ni­fi­que a sua he­ran­ça his­tó­ri­ca. “Gos­ta­va que ela ti­ves­se o es­plen­dor que te­ve. O es­ta­do em que es­tá ma­goa-me imen­so”, con­fes­sou ao PÚ­BLI­CO Mi­guel Co­cho­fel, da fa­mí­lia à qual a Ca­sa da Tor­re per­ten­ce há mais de qua­tro sé­cu­los.

De­pois de vá­ri­as ten­ta­ti­vas pa­ra ten­tar re­cu­pe­rar o imó­vel que es­tá em ele­va­do es­ta­do de de­gra­da­ção, o pro­pri­e­tá­rio ad­mi­tiu que a ven­da foi o “úni­co” ca­mi­nho pos­sí­vel” pa­ra a fa­mí­lia cons­ti­tuí­da por mais her­dei­ros. “Não é fá­cil. É um sen­ti­men­to de per­da mui­to gran­de. As­sim foi qu­an­do foi to­ma­da a de­ci­são, mais é ago­ra qu­an­do a ve­mos anun­ci­a­da”, con­tou.

A ca­sa, lo­ca­li­za­da na fre­gue­sia de S. Ci­pri­a­no, jun­ta­men­te com a quin­ta, es­tá pu­bli­ci­ta­da on­li­ne nu­ma imo­bi­liá­ria. Além das fotografias, o anún­cio con­ta a his­tó­ria do imó­vel, cu­ja tor­re co­me­çou a ser cons­truí­da no sé­cu­lo XII e que ser­viu de pos­to de vi­gia e pri­são. Mais tar­de, já no sé­cu­lo XVI, foi cons­truí­do o ca­sa­rio à vol­ta. Os jardins e a ma­ta tam­bém es­tão in­cluí­dos na ven­da.

A fa­mí­lia ten­tou man­ter o pa­tri­mó­nio na sua pos­se, mas, ape­sar das ten­ta­ti­vas, no­me­a­da­men­te com pro­pos­tas apre­sen­ta­das à au­tar­quia de Re­sen­de, a úni­ca op­ção foi a ven­da. “Is­to tem um gran­de po­ten­ci­al tu­rís­ti­co. Tan­to ser­ve pa­ra uma uni­da­de de alo­ja­men­to co­mo pa­ra um museu ou uma fun­da­ção. O que eu gos­ta­va é que a sua he­ran­ça his­tó­ri­ca e ar­qui­tec­tó­ni­ca fos­sem sal­va­guar­da­das”, pe­diu Mi­guel Co­cho­fel.

O imó­vel es­tá clas­si­fi­ca­do co­mo de in­te­res­se pú­bli­co des­de 1977, pe­lo que qual­quer in­ter­ven­ção te­rá de ser fei­ta com acom­pa­nha­men­to por par­te da au­to­ri­da­de com­pe­ten­te na ges­tão pa­tri­mo­ni­al.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Re-

Clas­si­fi­ca­do em 1977 de in­te­res­se pú­bli­co, tem 20 as­so­a­lha­das, uma tor­re me­di­e­val, jardins, vis­ta pa­ra a ser­ra e a “he­ran­ça” do “Fi­dal­go da Tor­re” que um dia foi elei­to de­pu­ta­do mas aca­bou por fu­gir da “hi­po­cri­sia”

sen­de, Gar­cez Trin­da­de, tam­bém con­cor­da que a his­tó­ria da “Ilus­tre Ca­sa” de­ve ser dig­ni­fi­ca­da, mas te­rá de ser com a “aju­da de pri­va­dos” por­que a au­tar­quia não tem di­nhei­ro. “Mes­mo até com re­cur­so a al­gu­ma can­di­da­tu­ra aos fun­dos co­mu­ni­tá­ri­os não ve­jo co­mo fos­se pos­sí­vel”, dis­se. O au­tar­ca fri­sou ain­da que o pa­tri­mó­nio não vai sair do con­ce­lho e es­pe­ra que os no­vos pro­pri­e­tá­ri­os quei­ram in­ves­tir e va­lo­ri­zar a ca­sa do pon­to de vis­ta cul­tu­ral. “A au­tar­quia po­de vir a ser par­cei­ra”, dis­po­ni­bi­li­zou-se.

Se pa­ra o her­dei­ro Mi­guel Co­cho­fel os bons mo­men­tos que pas­sou nos can­tos e re­can­tos da pro­pri­e­da­de vão dei­xar sau­da­des, quem vê a ca­sa a cair tam­bém quer que ela volte a ser gran­di­o­sa e sir­va de ins­pi­ra­ção co­mo ser­viu a Eça de Queiroz.

Ape­sar de no li­vro A Ilus­tre Ca­sa de Ra­mi­res não exis­ti­rem re­fe­rên­ci­as di­rec­tas à Ca­sa da Tor­re da La­ga­ri­ça, in­ves­ti­ga­do­res e his­to­ri­a­do­res não têm dú­vi­das em apon­tar as coin­ci­dên­ci­as ge­o­grá­fi­cas e to­po­ní­mi­cas da obra e dos lu­ga­res em Re­sen­de. O pa­dre Jo­a­quim Cor­reia Du­ar­te, mem­bro da Academia de His­tó­ria, nas su­as vá­ri­as mo­no­gra­fi­as so­bre a his­tó­ria do con­ce­lho, de­fen­de mes­mo que “Re­sen­de aca­ba por ser ce­ná­rio prin­ci­pal ou secundário de qua­tro das obras mais im­por­tan­tes” do es­cri­tor.

No ca­so es­pe­cí­fi­co da Ilus­tre Ca­sa de Ra­mi­res”, o his­to­ri­a­dor apon­ta que à vol­ta da Ca­sa da La­ga­ri­ça exis­te o lu­gar e a fre­gue­sia de Ra­mi­res; a “Igre­ji­nha e Mos­tei­ro de Cra­que­de” com os tú­mu­los gra­ní­ti­cos re­fe­ren­ci­a­dos na obra são, na ver­da­de, o Mos­tei­ro de Cár­que­re, que tem qua- tro tú­mu­los; e que o pró­prio Gonçalo Men­des Ra­mi­res foi in­ti­tu­la­do “Fi­dal­go da Tor­re” por cau­sa da edi­fi­ca­ção me­di­e­val da La­ga­ri­ça. O Cri­me do Pa­dre Amaro, Os Mai­as e A Ci­da­de e as Ser­ras são ou­tros li­vros de Eça de Queiroz cu­jo uni­ver­so es­tá li­ga­do a es­ta re­gião do Douro, de­fen­dem os in­ves­ti­ga­do­res.

A ver­da­de é que quem com­prar a “Ilus­tre Ca­sa” fi­ca com uma pro­pri­e­da­de bra­so­na­da que foi atri­buí­da à fa­mí­lia Pin­tos, uma das mais an­ti­gas de Por­tu­gal, à qual, mais tar­de, por ca­sa­men­to, se jun­tou a fa­mí­lia Co­cho­fel. Fi­ca com um imó­vel que foi clas­si­fi­ca­do em 1977 de in­te­res­se pú­bli­co, tem 20 as­so­a­lha­das, uma tor­re me­di­e­val, jardins, vis­ta pa­ra a ser­ra e a “he­ran­ça” do “Fi­dal­go da Tor­re” que um dia foi elei­to de­pu­ta­do mas aca­bou por fu­gir da “hi­po­cri­sia”.

ADRI­A­NO MI­RAN­DA

Quem vê a ca­sa a cair quer que ela volte a ser gran­di­o­sa e sir­va de ins­pi­ra­ção co­mo ser­viu a Eça de Queiroz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.