Iso­la­men­to de Ma­du­ro per­mi­te à opo­si­ção anun­ci­ar “tran­si­ção”

O pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal ci­tou a Cons­ti­tui­ção pa­ra se di­zer dis­po­ní­vel pa­ra as­su­mir a Pre­si­dên­cia in­te­ri­na. Ma­du­ro des­va­lo­ri­za. Dia 23 a opo­si­ção tes­ta a sua for­ça nas ru­as

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Ve­ne­zu­e­la João Ru­e­la Ri­bei­ro

Am­pa­ra­da por um apoio in­ter­na­ci­o­nal sem pre­ce­den­tes, a opo­si­ção ve­ne­zu­e­la­na su­biu o tom no seu con­fli­to aber­to com o re­gi­me de Ni­co­lás Ma­du­ro. O pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ju­an Gai­dó, in­vo­cou a Cons­ti­tui­ção pa­ra se di­zer pre­pa­ra­do pa­ra as­su­mir as fun­ções da che­fia de Es­ta­do, que diz te­rem si­do “usur­pa­das” por Ma­du­ro.

Um dia de­pois da to­ma­da de pos­se de Ma­du­ro (na quin­ta-fei­ra), a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, on­de a opo­si­ção tem mai­o­ria, con­vo­cou uma reu­nião aber­ta em Ca­ra­cas, a que acor­re­ram mi­lha­res de pes­so­as, di­ri­gen­tes sin­di­cais, lí­de­res es­tu­dan­tis e an­ti­gos “cha­vis­tas”. A uni-los es­ta­va uni­ca­men­te o de­se­jo de uma “tran­si­ção” da­qui­lo que di­zem ser uma di­ta­du­ra ins­tau­ra­da por Ni­co­lás Ma­du­ro pa­ra um re­gi­me de­mo­crá­ti­co.

De­pois de anos de ten­ta­ti­vas go­ra­das pa­ra der­ru­bar Ma­du­ro, a opo­si­ção — com­pos­ta por pe­que­nos par­ti­dos co­li­ga­dos na Me­sa de Uni­da­de De­mo­crá­ti­ca (MUD) — deu um dos pas­sos mais ra­di­cais e ar­ris­ca­dos à sua dis­po­si­ção, abrin­do ca­mi­nho pa­ra que o pre­si­den­te do Par­la­men­to as­su­ma a pre­si­dên­cia do país.

“In­vo­can­do os ar­ti­gos 333.º, 350.º e 233.º da Cons­ti­tui­ção, o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, de­pu­ta­do Ju­an Gu­ai­dó, as­su­miu as com­pe­tên­ci­as da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca pa­ra, jun­to do po­vo ve­ne­zu­e­la­no e das For­ças Ar­ma­das, con­vo­car um pro­ces­so de elei­ções li­vres e trans­pa­ren­tes que fa­ci­li­tem uma tran­si­ção pa­cí­fi­ca e de­mo­crá­ti­ca no país”, diz o co­mu­ni­ca­do emi­ti­do pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal após a reu­nião aber­ta.

Gu­ai­dó dis­se aos mi­lha­res que se con­cen­tra­ram na Ave­ni­da Francisco de Mi­ran­da, no cen­tro de Ca­ra­cas, que o país as­sis­tiu a uma “usur­pa­ção por par­te de Ni­co­lás Ma­du­ro por­que as elei­ções pre­si­den­ci­ais de 20 de Maio fo­ram pe­ja­das de ir­re­gu­la­ri­da- des e o seu re­sul­ta­do foi re­jei­ta­do pe­la Ve­ne­zu­e­la e pe­lo mun­do”.

A de­cla­ra­ção da As­sem­bleia ge­rou di­fe­ren­tes in­ter­pre­ta­ções e al­gu­ma con­fu­são. Não fi­cou de ime­di­a­to cla­ro se Gu­ai­dó se ti­nha pro­cla­ma­do Pre­si­den­te in­te­ri­no ou se se tra­tou da ma­ni­fes­ta­ção de uma in­ten­ção. A pro­cla­ma­ção de uma pre­si­dên­cia in­te­ri­na re­quer que se­ja con­vo­ca­da uma ses­são for­mal do par­la­men­to, ex­pli­ca­va o El Mun­do, ci­tan­do cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas.

No seu dis­cur­so, Gu­ai­dó dis­se es­tar dis­pos­to “a exer­cer o man­da­to do país”, mas apon­tou al­gu­mas con­di­ções: “De­ve ser o po­vo da Ve­ne­zu­e­la, as For­ças Ar­ma­das e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal a dar-nos um man­da­to cla­ro.”

A opo­si­ção marcou pa­ra 23 de Ja­nei­ro uma ma­ni­fes­ta­ção pa­ra mos­trar nas ru­as o apoio à “tran­si­ção”.

Fo­ra da Ve­ne­zu­e­la pa­re­ce ser ca­da vez mai­or o con­sen­so de que Ma­du­ro é um Pre­si­den­te ile­gí­ti­mo. O pre­si­den­te da Or­ga­ni­za­ção de Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos (OEA), Luis Al­ma­gro, sau­dou a “pro­cla­ma­ção de Gu­ai­dó co­mo Pre­si­den­te in­te­ri­no da Ve­ne­zu­e­la”, dan­do des­de lo­go co­mo ad­qui­ri­da a no­me­a­ção. No dia da to­ma­da de pos­se, a OEA vo­tou a fa­vor de uma de­cla­ra­ção a “não re­co­nhe­cer a le­gi­ti­mi­da­de do pe­río­do de re­gi­me de Ni­co­lás Ma­du­ro a par­tir de 10 de Ja­nei­ro de 2019” e ma­ni­fes­tou apoio ao “po­vo ve­ne­zu­e­la­no que não es­tá so­zi­nho pa­ra re­cu­pe­rar a de­mo­cra­cia, os di­rei­tos hu­ma­nos e a liberdade de to­dos”.

No mes­mo sen­ti­do vai o po­si­ci­o­na­men­to do Gru­po de Li­ma, que jun­ta 13 paí­ses da Amé­ri­ca — mas cri­ti­ca­do por Ma­du­ro co­mo uma “ma­ri­o­ne­ta dos EUA” —, que des­de 2017 se reú­nem re­gu­lar­men­te pa­ra de­ba­ter a cri­se ve­ne­zu­e­la­na. O Pa­ra­guai cor­tou as re­la­ções di­plo­má­ti­cas com Ca­ra­cas e o Pe­ru es­tá a pon­de­rar se­guir-lhe o exem­plo, ape­li­dan­do o re­gi­me ve­ne­zu­e­la­no de “di­ta­du­ra”. A Ad­mi­nis­tra­ção nor­te-ame­ri­ca­na tam­bém tem su­bi­do o tom das crí­ti­cas a Ma­du­ro e aplau­diu a de­ci­são de Gu­ai­dó. O con­se­lhei­ro de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal da Ca­sa Bran­ca, John Bol­ton, emi­tiu uma de­cla­ra­ção a di­zer que os EUA “apoi­am fir­me­men­te” a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, que de­fi­niu co­mo “o úni­co ra­mo le­gí­ti­mo e de­vi­da­men­te elei­to da Ve­ne­zu­e­la”. “Apoi­a­mos de for­ma par­ti­cu­lar a de­ci­são co­ra­jo­sa do pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ju­an Gu­ai­dó, de in­vo­car a Cons­ti­tui­ção e de de­cla­rar ile­gí­ti­ma a pre­si­dên­cia de Ma­du- ro”, dis­se Bol­ton. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do, Mi­ke Pom­peo, cha­mou ao Go­ver­no de Ma­du­ro “ile­gí­ti­mo” e ga­ran­tiu que Washing­ton irá tra­ba­lhar “di­li­gen­te­men­te pa­ra res­tau­rar a de­mo­cra­cia no país”.

O Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros bra­si­lei­ro emi­tiu um co­mu­ni­ca­do em que “saú­da” a dis­po­si­ção de Gu­ai­dó em as­su­mir a pre­si­dên­cia ve­ne­zu­e­la­na, “di­an­te da ile­gi­ti­mi­da­de da pos­se de Ni­co­lás Ma­du­ro”.

Ame­a­ça de pri­são

Mas se o apoio in­ter­na­ci­o­nal é uma boa no­tí­cia pa­ra uma opo­si­ção que sem­pre foi di­vi­di­da e de­sor­ga­ni­za­da, a ní­vel in­ter­no fal­ta-lhe o res­pal­do cru­ci­al dos mi­li­ta­res. An­tes da to­ma­da de pos­se, a MUD fez um der­ra­dei­ro ape­lo às che­fi­as das For­ças Ar­ma­das pa­ra que re­cu­sas­sem ju­rar le­al­da­de a Ma­du­ro. Po­rém, o sec­tor mi­li­tar (on­de par­te da cú­pu­la foi for­ma­da em Cu­ba, ao abri­go de acor­dos de co­o­pe­ra­ção) con­ti­nua a ser um dos es­tei­os do re­gi­me.

Ma­du­ro mi­ni­mi­zou a jo­ga­da da opo­si­ção, ri­di­cu­la­ri­zan­do o pre­si­den­te da As­sem­bleia. “Quem é es­se Gu­ai­re ou Gu­ai­do? Eles põem-no com o apoio de quem, que vai ele fa­zer ama­nhã, que vai ele fa­zer com o po­vo, com os mi­lhões de ‘cha­vis­tas’, re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os e pa­tri­o­tas?”, ques­ti­o­nou o Pre­si­den­te.

A ministra das Pri­sões, Iris Varela, ame­a­çou pren­der o pre­si­den­te do par­la­men­to. “Gu­ai­dó, já te­nho uma ce­la pron­ta pa­ra ti, com um uni­for­me”, es­cre­veu no Twit­ter.

Des­de as elei­ções legislativas de 2015 que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal é con­tro­la­da por uma mai­o­ria de deputados da MUD. Po­rém, o ór­gão le­gis­la­ti­vo viu os seus po­de­res es­va­zia-

As­sem­bleia Na­ci­o­nal re­a­li­zou uma ses­são aber­ta na sex­ta-fei­ra nas ru­as de Ca­ra­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.