Sán­chez lan­ça-se na bus­ca fi­nal de apoi­os pa­ra o Or­ça­men­to

É na Ca­ta­lu­nha que se de­ci­de com que con­di­ções po­de o Go­ver­no con­ti­nu­ar no po­der. Há di­vi­sões en­tre os in­de­pen­den­tis­tas e tam­bém há quem su­gi­ra que o pri­mei­ro-ministro pre­fe­re ir a vo­tos

Edição Público Lisboa - - MUNDO - Es­pa­nha So­fia Lo­re­na, em Bar­ce­lo­na

O so­ci­a­lis­ta Pe­dro Sán­chez co­me­çou a de­fe­sa do seu Or­ça­men­to pa­ra 2019 nu­ma ses­são trans­for­ma­da em co­mí­cio. Afi­nal, 26 de Maio es­tá ao vi­rar da es­qui­na e em Bar­ce­lo­na há elei­ções mu­ni­ci­pais no mes­mo dia das eu­ro­pei­as. O mo­men­to ser­viu ao che­fe do Go­ver­no es­pa­nhol pa­ra lan­çar o seu can­di­da­to à câ­ma­ra da ci­da­de, Jau­me Coll­bo­ni, mas um Go­ver­no em mi­no­ria es­tá sem­pre em cam­pa­nha, e mui­to do que po­de in­flu­en­ci­ar o fu­tu­ro des­te executivo pas­sa pe­la Ca­ta­lu­nha. “Te­mos de es­tar uni­dos pa­ra avan­çar os nos­sos va­lo­res co­lec­ti­vos. Pe­ço a to­das as for­ças par­la­men­ta­res que acei­tem o Or­ça­men­to pa­ra que Ca­ta­lu­nha e Es­pa­nha avan­cem”, afir­mou on­tem Sán­chez, no Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal de Con­ven­ções de Bar­ce­lo­na.

Pa­re­cia ter ca­bi­do a Coll­bo­ni o ata­que mais du­ro aos so­be­ra­nis­tas — “Não há na­da de pro­gres­sis­ta no in­de­pen­den­tis­mo, só pi­o­rou tu­do” —, mas qua­se a ter­mi­nar, o pri­mei­ro-ministro dis­se o que mais lhes cus­ta ou­vir: “La­men­to, se­nho­res in­de­pen­den­tis­tas, mas vo­cês não têm a mai­o­ria so­ci­al na Ca­ta­lu­nha” (são mai­o­ria em nú­me­ro de deputados, não de vo­tos).

Sán­chez fa­lou em Bar­ce­lo­na ao iní­cio da tar­de, um dia de­pois de apro­var em Con­se­lho de Mi­nis­tros o do­cu­men­to que pre­vê um in­ves­ti­men­to de 18% pa­ra a Ca­ta­lu­nha, o va­lor que a eco­no­mia ca­ta­lã re­pre­sen­ta no PIB es­pa­nhol. Uma me­di­da pre­vis­ta no es­ta­tu­to au­to­nó­mi­co e “um com­pro­mis­so his­tó­ri­co que os go­ver­nos do PP nun­ca cum­pri­ram”. Se­gun­da-fei­ra, o tex­to che­ga ao Con­gres­so e aí co­me­ça­rão as dis­cus­sões di­fí­ceis.

Sán­chez che­gou ao po­der há se­te me­ses com o apoio do Po­de­mos (à sua es­quer­da) e dos deputados na­ci­o­na­lis­tas ca­ta­lães e bas­cos. Pre­ci­sou de to­dos os seus vo­tos (180) pa­ra der­ru­bar Ma­ri­a­no Ra­joy (PP) e o seu Go­ver­no con­ser­va­dor; pre­ci­sa de qua­se to­dos (pe­lo me­nos 176 num Con­gres­so de 350) pa­ra apro­var o Or­ça­men­to ou qual­quer po­lí­ti­ca que não pos­sa de­ci­dir por de­cre­to.

Os so­be­ra­nis­tas ca­ta­lães es­tão in­de­ci­sos. Por um la­do, não ob­ti­ve­ram o que exi­gi­ram pa­ra apoi­ar as contas (“si­nais cla­ros na di­rec­ção de um re­fe­ren­do de au­to­de­ter­mi­na­ção e uma me­lho­ria da si­tu­a­ção dos pre­sos po­lí­ti­cos”), por ou­tro, até da ca­deia (Do­lors Bas­sa, ex-con­se­lhei­ra do Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al da Ge­ne­ra­li­tat) che­gam ape­los pa­ra que vo­tem com o PSOE e evi­tem um ce­ná­rio de elei­ções an­te­ci­pa­das e a re­e­di­ção do pac­to da di­rei­ta do PP e do Ci­da­dãos com o Vox (ex­tre­ma-di­rei­ta), que aca­ba de ser acor­da­do na An­da­lu­zia.

Car­les Puig­de­mont (au­to-exi­la­do em Bru­xe­las) ain­da é o pre­si­den­te da Ge­ne­ra­li­tat e não é o fac­to de Quim Tor­ra não usar o seu ga­bi­ne­te que o pro­va: quin­ta-fei­ra, Tor­ra ame­a­çou pro­vo­car “uma cri­se de go­ver­no” se os gru­pos par­la­men­ta­res in­de­pen- den­tis­tas em Ma­drid vo­tas­sem o Or­ça­men­to sem o seu aval; na sex­ta ou­viu em si­lên­cio o seu an­te­ces­sor afir­mar que “a de­ci­são per­ten­ce ao gru­po de Ma­drid” e “nem o go­vern nem os gru­pos do par­la­men­to [au­to­nó­mi­co] têm qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de no te­ma”.

Acon­te­ceu em Wa­ter­loo, lo­cal dos en­con­tros en­tre o pre­si­dent ofi­ci­al e aque­le que os in­de­pen­den­tis­tas di­zem con­ti­nu­ar a re­co­nhe­cer.

A Ge­ne­ra­li­tat aguenta

No mes­mo dia, o es­ta­do-mai­or pos­sí­vel dos que go­ver­nam em co­li­ga­ção com Tor­ra, a ERC (Es­quer­da Re­pu­bli­ca­na da Ca­ta­lu­nha) en­con­tra­va-se em Ge­ne­bra, on­de vi­ve a se­cre­tá­ri­a­ge­ral, Mar­ta Ro­vi­ra (o lí­der, Ori­ol Jun­que­ras, es­tá pre­so há mais de um ano). “Se es­te Or­ça­men­to é, co­mo diz Sán­chez, uma se­gun­da vol­ta da mo- ção de cen­su­ra, fal­ta um mo­ti­vo pa­ra que a es­quer­da in­de­pen­den­tis­ta e re­pu­bli­ca­na lhe dê o seu apoio”, dis­se o “vi­ce” de Tor­ra, Pe­re Ara­gonès.

A ERC já su­ge­ri­ra que po­de­rá apoi­ar o do­cu­men­to mes­mo sem as exi­gên­ci­as ini­ci­ais. No­vo epi­só­dio no per­ma­nen­te im­pas­se e apa­ren­te cri­se em que o Go­ver­no saí­do das elei­ções de De­zem­bro de 2017 pa­re­ce vi­ver.

“Na­da é fá­cil, mas, se an­dar­mos na rua, ve­mos nor­ma­li­da­de, os ser­vi­ços pú­bli­cos fun­ci­o­nam. Os lí­de­res não po­dem fa­lar um com o ou­tro, um es­tá no exí­lio [Puig­de­mont] e ou­tro na pri­são [ Jun­que­ras]. Ain­da as­sim, com pres­sões e re­pres­são, go­ver­na­mos co­li­ga­dos por ra­zões de Es­ta­do”, dis­se ao PÚ­BLI­CO Al­fred Bos­ch, con­se­lhei­ro [equi­va­len­te a ministro] da Ac­ção Ex­ter­na e Re­la­ções Ins­ti­tu­ci­o­nais da Ge­ne­ra­li­tat. Bos­ch, no car­go des­de No­vem­bro, ga­ran­te que não se­rá o Or­ça­men­to a fa­zer cair a Ge­ne­ra­li­tat.

Ro­ger Tor­rent (ERC), pre­si­den­te do par­la­men­to au­to­nó­mi­co, co­men­tou a vin­da a Bar­ce­lo­na do pri­mei­ro-ministro com a su­ges­tão de que “Sán­chez não quer apro­var o Or­ça­men­to”, rei­te­ran­do a ne­ces­si­da­de de “mo­vi­men­tos” por par­te de Ma­drid fa­ce à Ca­ta­lu­nha. Se qui­ser, de fac­to, apro­var as su­as contas, o mais lon­ge que Sán­chez irá é na in­sis­tên­cia de que es­tas “be­ne­fi­ci­am os ca­ta­lães”.

Há mais te­o­ri­as. Um jor­na­lis­ta ca­ta­lão, que pre­fe­re per­ma­ne­cer anó­ni­mo “de­vi­do ao pa­pel obs­cu­ro que os me­dia têm ti­do no pro­ces­so in­de­pen­den­tis­ta”, de­fen­de que “os so­ci­a­lis­tas não que­rem mes­mo apro­var o seu Or­ça­men­to”. Num país em que o na­ci­o­na­lis­mo ca­ta­lão sem­pre foi usa­do co­mo ar­ma de arremesso, “é me­lhor pa­ra eles irem a elei­ções em com­ba­te com os ca­ta­lães do que de­pois de se­rem vis­tos a acei­tar o apoio dos in­de­pen­den­tis­tas”.

Ofi­ci­al­men­te, a von­ta­de é a opos­ta, co­mo ex­pres­sou Sán­chez no seu re­ca­do ao PP e ao Ci­da­dãos: ‘Po­dem es­pe­rar sen­ta­dos, va­mos go­ver­nar até 2020’”.

Ro­ger Tor­rent, pre­si­den­te do par­la­men­to au­to­nó­mi­co, co­men­tou a vin­da a Bar­ce­lo­na do pri­mei­ro-ministro com a su­ges­tão de que “Sán­chez não quer apro­var o Or­ça­men­to”

slo­re­[email protected]­bli­co.pt O PÚ­BLI­CO vi­a­jou a con­vi­te da ONG Òm­nium Cul­tu­ral

AL­BER­TO ESTEVEZ/EPA

Sán­chez pe­diu apoio à Ca­ta­lu­nha com avi­sos aos so­be­ra­nis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.