Em Guadalajara, Al­ma­da Ne­grei­ros me­de-se com Oroz­co

A re­pre­sen­ta­ção por­tu­gue­sa na FIL in­cluiu três ex­po­si­ções de ar­tes vi­su­ais. En­tre elas, uma so­bre a pin­tu­ra mu­ral de Al­ma­da, em diá­lo­go com os fres­cos do mu­ra­lis­ta me­xi­ca­no

Edição Público Lisboa - - CULTURA - Ar­tes Luísa So­a­res de Oli­vei­ra, em Guadalajara

Por­tu­gal, que foi o país con­vi­da­do de hon­ra na úl­ti­ma Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal do Li­vro de Guadalajara (FIL), no Mé­xi­co, in­cluiu na sua re­pre­sen­ta­ção três ex­po­si­ções de ar­tes vi­su­ais: Va­ri­a­ci­o­nes de una Tra­di­ción: de los pañu­e­los de amor a los bor­da­dos com poesia, so­bre len­ços de na­mo­ra­dos, no Museu Re­gi­o­nal; Ana Hatherly y el Bar­ro­co: en un jar­dín he­cho de tin­ta, uma adap­ta­ção da gran­de an­to­ló­gi­ca de Ana Hatherly que es­te­ve na Gul­ben­ki­an, de Ou­tu­bro de 2017 a Ja­nei­ro de 2018, a de­cor­rer no MU­SA, o Mu­seo de las Ar­tes de la Uni­ver­si­dad de Guadalajara; e, fi­nal­men­te, Lo que Cu­en­tan las Pa­re­des: Al­ma­da Ne­grei­ros y la pin­tu­ra mu­ral, no Ins­ti­tu­to Cul­tu­ral Ca­bañas. Ter­mi­nam to­das no pró­xi­mo dia 3 de Fevereiro.

Se a pri­mei­ra é uma ex­po­si­ção de ca­riz mais et­no­grá­fi­co, co­mo o te­ma o in­di­ca, as ou­tras du­as in­ci­dem es­pe­ci­fi­ca­men­te so­bre a ar­te: ar­te bar­ro­ca, ar­te já a cru­zar o fi­nal do mo­der­nis­mo e o prin­cí­pio da con­tem­po­ra­nei­da­de, no ca­so de Ana Hatherly, e ar­te mo­der­nis­ta, no de Al­ma­da.

Es­tas du­as ex­po­si­ções fo­ram re­a­li­za­das por cu­ra­do­res que se têm afir­ma­do co­mo es­pe­ci­a­lis­tas no seu par­ti­cu­lar do­mí­nio: Pau­lo Pi­res do Va­le, que tam­bém assinou a ex­po­si­ção de Hatherly em Lis­boa, e que tem de­mons­tra­do por di­ver­sas ve­zes pos­suir a ca­pa­ci­da­de in­dis­cu­tí­vel de es­ta­be­le­cer pon­tes for­mais e con­cep­tu­ais en­tre ar­te an­ti­ga e con­tem­po­râ­nea, co­mo aqui su­ce­de. E Ma­ri­a­na Pin­to dos San­tos, que com Ana Vasconcelos assinou a cu­ra­do­ria da gran­de an­to­ló­gi­ca da obra de Al­ma­da Ne­grei­ros no Museu Gul­ben­ki­an, no mes­mo ano. Cha­ma­va-se ela Uma Ma­nei­ra de Ser Mo­der­no.

A ex­po­si­ção de Ana Hatherly, adap­ta­da ao es­pa­ço do MU­SA, não so­fre al­te­ra­ções mai­o­res de con­cei­to. Pi­res do Va­le es­co­lheu, e bem, subs­ti­tuir al­gu­mas das obras de ar­te an­ti­ga por ou­tras, se­lec­ci­o­na­das no museu de ar­te sa­cra de Guadalajara, que pos­sui um nú­cleo im­por­tan­te de pe­ças bar­ro­cas. Há um re­li­cá­rio im­pres­si­o­nan­te nu­ma das sa­las, que con­tém um crâ­nio den­tro de uma cai­xa de cris­tal, na­que­la que se­rá tal­vez a no­vi­da­de mai­or des­ta mon­ta­gem.

Es­te museu, in­te­gra­do na Uni­ver­si­da­de de Guadalajara, pos­sui tam­bém um ex­cep­ci­o­nal con­jun­to de fres­cos de Jo­sé Cle­men­te Oroz­co (1883-1949). O ar­tis­ta, que era na­tu­ral de uma ci­da­de pró­xi­ma de Guadalajara, in­te­grou o gru­po dos mu­ra­lis­tas me­xi­ca­nos que, a par­tir da dé­ca­da de 1920, pre­ten­deu equi­pa­rar a Re­vo­lu­ção Me­xi­ca­na a um es­ti­lo ar­tís­ti­co cor­res­pon­den­te, op­tan­do en­tão pe­la pin­tu­ra mu­ral. No edi­fí­cio do museu, num an­fi­te­a­tro in­ti­tu­la­do Pa­ra­nin­fo En­ri­que Di­az de Léon, Oroz­co compôs dois gran­des mu­rais: um, per­pen­di­cu­lar ao pal­co, so­bre O Po­vo e Seus Fal­sos Lí­de­res, e ou­tro, na abó­ba­da, que é uma ale­go­ria so­bre As Cin­co Fa­ses do Ho­mem. Nes­te úl­ti­mo, o pri­mei­ro que le­vou o ar­tis­ta a es­tu­dar o mo­do de cri­ar efei­tos pers­péc­ti­cos nu­ma su­per­fí­cie côn­ca­va, não fal­tam per­so­ni­fi­ca­ções das di­fe­ren­tes ci­ên­ci­as exac­tas e das prá­ti­cas ar­tís­ti­cas que a ela es­tão li­ga­das, co­mo a ar­qui­tec­tu­ra. Es­te tra­ba­lho, co­mo os ou­tros dois mu­rais que re­a­li­zou em Guadalajara, no Pa­lá­cio do Go­ver­no — um te­ma his­tó­ri­co — e no Ins­ti­tu­to Cul­tu­ral Ca­bañas, fo­ram pin­ta­dos en­tre 1936 e 1939.

Oroz­co in­te­grou o gru­po dos mu­ra­lis­tas me­xi­ca­nos que pre­ten­deu equi­pa­rar a Re­vo­lu­ção Me­xi­ca­na a um es­ti­lo ar­tís­ti­co cor­res­pon­den­te

Um mu­ra­lis­ta hu­ma­nis­ta

Jo­sé Cle­men­te Oroz­co não se­rá o mais fa­mo­so dos pin­to­res mu­ra­lis­tas me­xi­ca­nos. Es­sa pal­ma tal­vez cai­ba a Di­e­go Ri­ve­ra (1886-1957), que en­tre 1907 e 1921 vi­veu na Eu­ro­pa, no­me­a­da­men­te em Pa­ris, Ma­drid e Itália, on­de es­ta­be­le­ceu uma re­de de con­tac­tos com artistas de van­guar­da da épo­ca que se re­ve­la­ria fun­da­men­tal pa­ra a sua fa­ma (jun­ta­men­te com o tur­bu­len­to ca­sa­men­to com Fri­da Kah­lo) e pa­ra a pró­pria di­fu­são do mu­ra­lis­mo no Oci­den­te.

Co­mo Oroz­co (Da­vid Si­quei­ros, en­tre­tan­to, per­der-se-ia no ra­di­ca­lis­mo po­lí­ti­co, ten­do es­ta­do im­pli­ca­do num aten­ta­do con­tra Trotsky na al­tu­ra em que es­te vi­via no Mé­xi­co), Ri­ve­ra te­ve tam­bém uma ac­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca im­por­tan­te nos Es­ta­dos Uni­dos. Am­bos ti­ve­ram pin­tu­ras mu­rais des­truí­das nes­se país, em­bo­ra a obra de Oroz­co se dis­tin­ga por uma abor­da­gem hu­ma­nis­ta e mui­to pou­co pan­fle­tá­ria dos pro­pó­si­tos da re­vo­lu­ção que se vi­via à épo­ca no Mé­xi­co.

O his­to­ri­a­dor Ar­tu­ro Ca­ma­cho, in- ter­ve­ni­en­te nu­ma das me­sas-re­don­das que ocor­re­ram em Guadalajara por oca­sião da FIL, de­fen­de mes­mo que Oroz­co não era re­vo­lu­ci­o­ná­rio. E des­ta­ca a sua li­ga­ção ao ex­pres­si­o­nis­mo ale­mão, que o pin­tor me­xi­ca­no te­ria co­nhe­ci­do du­ran­te uma vi­a­gem à Ale­ma­nha, on­de pri­vou com Ge­or­ge Grosz (1893-1959), o gran­de pin­tor ger­mâ­ni­co do pe­río­do en­tre as du­as guer­ras mun­di­ais.

De fac­to, há na obra de Oroz­co um in­te­res­se pe­lo sím­bo­lo e pe­lo ges­to que não en­con­tra­mos no tra­ba­lho dos ou­tros mu­ra­lis­tas. Os ele­men-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.