Pla­no pa­ra tor­nar ca­sas mais efi­ci­en­tes fa­lhou em to­da a li­nha

Pro­gra­ma Ca­sa Efi­ci­en­te ti­nha 200 mi­lhões pa­ra fi­nan­ci­ar obras, mas só em­pres­tou 300 mil • Go­ver­no cul­pa ban­ca pe­lo fra­cas­so • Com­prar car­ro a cré­di­to é mais ba­ra­to do que fa­zer obras em ca­sa

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Re­a­bi­li­ta­ção Luísa Pin­to e Ro­sa So­a­res

Foi lan­ça­do com pom­pa e cir­cuns­tân­cia em Abril do ano pas­sa­do, na pre­sen­ça de dois mi­nis­tros (Pla­ne­a­men­to e Am­bi­en­te) e de re­pre­sen­tan­tes do Ban­co Eu­ro­peu pa­ra o In­ves­ti­men­to (BEI): o Go­ver­no apre­sen­ta­va en­tão o Ca­sa Efi­ci­en­te 2020, um pro­gra­ma com uma do­ta­ção de 200 mi­lhões de eu­ros pa­ra fi­nan­ci­ar, em con­di­ções fa­vo­rá­veis, a re­a­li­za­ção de in­ter­ven­ções que pro­mo­vam a me­lho­ria do de­sem­pe­nho am­bi­en­tal dos edi­fí­ci­os de ha­bi­ta­ção par­ti­cu­lar, com es­pe­ci­al en­fo­que na efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e hí­dri­ca, bem co­mo na ges­tão dos re­sí­du­os ur­ba­nos. O pro­gra­ma ar­ran­cou em Ju­nho, mas, seis me­ses de­pois, só fo­ram emi­ti­das 400 de­cla­ra­ções e o mon­tan­te de em­prés­ti­mos fi­ca-se pe­los 300 mil eu­ros.

De acor­do com da­dos do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te e da Tran­si­ção Ener­gé­ti­ca (MA­TE), e ten­do em con­ta que os dois ban­cos que es­tão efec­ti­va­men­te a as­se­gu­rar es­te ti­po de cré­di­to fi­xa­ram em 2500 eu­ros o mon­tan­te mí­ni­mo pa­ra con­ce­der em­prés­ti­mos, na me­lhor das hi­pó­te­ses, fo­ram fei­tos 120 con­tra­tos.

O Ca­sa Efi­ci­en­te 2020 vi­sa com­ple­men­tar a ofer­ta de pro­gra­mas pú­bli­cos que apoi­am a re­a­bi­li­ta­ção e a me­lho­ria da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, co­mo o IFRRU2020, o Pro­gra­ma Re­a­bi­li­tar pa­ra Ar­ren­dar e o Fun­do Na­ci­o­nal de Re­a­bi­li­ta­ção do Edi­fi­ca­do. O ob­jec­ti­vo é fa­ci­li­tar a re­a­li­za­ção de obras ou aqui­si­ção de equi­pa­men­tos, com re­cur­so a cré­di­to, em pré­di­os ur­ba­nos ou su­as frac­ções au­tó­no­mas, em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, tan­to no con­ti­nen­te co­mo na Ma­dei­ra e Açores.

O va­lor pre­vis­to do pro­gra­ma é de 200 mi­lhões de eu­ros, fi­nan­ci­a­do em 100 mi­lhões pe­lo BEI, em con­di­ções mais van­ta­jo­sas, e o res­tan­te pe­la ban­ca na­ci­o­nal, a quem com­pe­te de­fi­nir as con­di­ções fi­nais dos em­prés­ti­mos a con­ce­der aos par­ti­cu­la­res. O BEI ain­da só em­pres­tou 70 mi­lhões de eu­ros e aler­ta pa­ra o ris­co da de­vo­lu­ção de par­te dos em­prés­ti­mos se o pro­gra­ma não for con­cre­ti­za­do en­tre 2018 a 2021.

O Ca­sa Efi­ci­en­te pre­ten­de “fa­ci­li­tar” a vi­da aos par­ti­cu­la­res, mas, ain­da as­sim, im­pli­ca al­gu­ma bu­ro­cra­cia, já que es­tá con­di­ci­o­na­do ao re­cur­so às em­pre­sas que es­tão re­gis­ta­das, que ade­ri­ram em gran­de nú­me­ro — são ac­tu­al­men­te 669 —, e ain­da à uti­li­za­ção ex­clu­si­va do por­tal mon­ta­do pa­ra o efei­to pe­la Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio (CPCI) pa­ra re­a­li­zar si­mu­la­ções e pe­dir or­ça­men­tos a três em­pre­sas, es­co­lhen­do­as en­tre as que es­tão re­gis­ta­das. No se­gui­men­to des­te pas­so, os in­te­res­sa­dos pe­dem a emis­são de um cer­ti­fi­ca­do que lhes per­mi­ti­rá, pos­te­ri­or­men­te, con­tac­tar um dos ban­cos ade­ren­tes e for­ma­li­zar o pe­di­do de em­prés­ti­mo.

Ao con­trá­rio da for­te ade­são das em­pre­sas li­ga­das ao sec­tor da cons­tru­ção, o nú­me­ro de ban­cos par­ti­ci­pan­tes foi re­du­zi­do. Dos três ban­cos que ade­ri­ram, ape­nas a Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos e o Mil­len­nium BCP avan­ça­ram com pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos. O No­vo Ban­co con­ti­nua a não dis­po­ni­bi­li­zar as su­as so­lu­ções.

De acor­do com as in­for­ma­ções en­vi­a­das a pe­di­do do PÚ­BLI­CO pe­lo MA­TE, ocor­re­ram mais de 66.500 aces­sos ao Por­tal Ca­sa Efi­ci­en­te até ao fi­nal de No­vem­bro de 2018, o que, pa­ra o Go­ver­no, “evi­den­cia o in­te­res­se que es­te pro­gra­ma sus­ci­ta”. Nes­se pe­río­do, fo­ram re­a­li­za­das cer­ca de 22.800 si­mu­la­ções, emi­ti­dos mais de 10.000 mo­de­los de or­ça­men­to e qua­se 400 de­cla­ra­ções. Mas, até No­vem­bro, a ver­ba con­tra­ta­da ron­da­va ape­nas os 300 mil eu­ros.

Ques­ti­o­na­do pe­lo PÚ­BLI­CO so­bre as ra­zões que le­vam a es­te tão pe­que­no nú­me­ro de con­cre­ti­za­ções, fon­te ofi­ci­al do MA­TE des­car­ta res­pon­sa­bi­li­da­des do Go­ver­no. “O su­ces­so do Ca­sa Efi­ci­en­te não de­pen­de do Go­ver­no, que te­ve a fun­ção de cri­ar os ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros, mas sim da ban­ca e dos que se so­cor­rem des­te pro­gra­ma. O Ca­sa Efi­ci­en­te cum­pre a

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.