Montenegro ou Rio? Mar­ques Men­des diz que ga­nham os dois

Co­men­ta­dor lem­bra que ne­nhum lí­der per­deu vo­ta­ção no con­se­lho na­ci­o­nal

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - PSD Mar­ga­ri­da Go­mes mar­ga­ri­da.go­[email protected]­bli­co.pt

Mar­ques Men­des acre­di­ta que Rui Rio vai ver a sua mo­ção de con­fi­an­ça apro­va­da pe­lo con­se­lho na­ci­o­nal do PSD, que de­ve­rá re­a­li­zar-se dia 21, mas ao mes­mo tem­po diz que Luís Montenegro tam­bém vai aca­bar por sair a ga­nhar des­ta cri­se in­ter­na por­que te­ve a “co­ra­gem” de de­sa­fi­ar o lí­der, pe­din­do uma cla­ri­fi­ca­ção e as­su­min­do-se co­mo can­di­da­to.

“Aca­bam por sair am­bos ven­ce­do­res. Se Rui Rio ga­nhar a mo­ção de con­fi­an­ça no con­se­lho na­ci­o­nal sai re­for­ça­do e sig­ni­fi­ca que vai a vo­tos com António Cos­ta, em Ou­tu­bro, in­de­pen­den­te­men­te do que acon­te­cer nas eu­ro­pei­as”, afir­mou o an­ti­go lí­der do PSD e co­men­ta­dor da SIC, no seu ha­bi­tu­al es­pa­ço de co­men­tá­rio ao do­min­go à noi­te.

“Con­cor­de-se ou dis­cor­de-se”, Montenegro “foi co­ra­jo­so, as­su­miu e deu a ca­ra, pe­din­do uma cla­ri­fi­ca­ção”; e Rio tam­bém fez bem, já que “não fin­giu nem fez de con­ta” e “fez bem em que­rer cla­ri­fi­car”. De res­to, pa­ra Mar­ques Men­des, a lu­ta pe­la li­de­ran­ça do PSD é vis­ta co­mo um acon­te­ci­men­to nor­mal, que com­pa­ra ao de­sa­fio que António Cos­ta fez a António Jo­sé Se­gu­ro, em 2014.

Con­si­de­ran­do em­bo­ra que se­ria “me­lhor” ir pa­ra elei­ções di­rec­tas, Mar­ques Men­des declara que se Rio as dis­pu­tas­se “fi­ca­va mui­to mais re­for­ça­do, di­ria re­for­ça­dís­si­mo, por­que re­for­ça­va a sua le­gi­ti­mi­da­de, a sua au­to­ri­da­de in­ter­na e os crí­ti­cos ti­nham que me­ter a vi­o­la ao sa­co, fi­ca­vam nu­ma si­tu­a­ção mui­to di­fí­cil”. Já se per­des­se, su­bli­nha, abria-se um no­vo ci­clo e, nos par­ti­dos, um no­vo ci­clo cor­res­pon­de sem­pre a um “no­vo élan, a uma no­va es­pe­ran­ça”, o que aju­da­ria à mobilização do PSD, que, no seu en­ten­der, es­tá bas­tan­te des­mo­bi­li­za­do. “É nes­tes mo­men­tos de cla­ri­fi­ca­ção que o par­ti­do aca­ba por sair mais re­for­ça­do e com mais di­nâ­mi­ca”, re­a­fir­mou o an­ti­go lí­der so­ci­al-de­mo­cra­ta.

Mar­ques Men­des ex­pli­ca que o “gran­de pro­ble­ma de Rui Rio” não tem a ver com o de­sa­fio de Luís Montenegro pa­ra di­rec­tas, o “gran­de pro- ble­ma re­si­de nas son­da­gens que re­ve­lam que o par­ti­do es­tá a per­der nas in­ten­ções de vo­to e que es­ta­rá com o pi­or re­sul­ta­do des­de 1976”. As mais re­cen­tes son­da­gens co­lo­cam o PSD na ca­sa dos 24%.

O con­se­lhei­ro na­ci­o­nal e pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Famalicão, Pau­lo Cu­nha, tam­bém con­si­de­ra que tan­to Rio co­mo Montenegro es­ti­ve­ram bem na so­lu­ção que pre­co­ni­za­ram pa­ra re­sol­ver a tensão que se vi­ve no par­ti­do. Ao PÚ­BLI­CO, Pau­lo Cu­nha diz que não es­tá con­tra a con­vo­ca­ção de di­rec­tas, mas mos­tra-se a fa­vor da apro­va­ção em con­se­lho na­ci­o­nal da mo­ção de con­fi­an­ça que Rio vai apre­sen­tar. Afir­man­do que o que es­tá em cau­sa é um pro­ces­so de cla­ri­fi­ca­ção, Pau­lo Cu­nha as­su­me uma po­si­ção ins­ti­tu­ci­o­na­lis­ta, fri­san­do que os “man­da­tos de­vem ser cum­pri­dos até ao fim” e que “quem foi elei­to de­ve ir a vo­tos pri­mei­ro com os por­tu­gue­ses e de­pois com os mi­li­tan­tes”.

“Es­te não é o mo­men­to pa­ra ha­ver elei­ções, mas é bom per­ce­ber que há mi­li­tan­tes dis­tin­tos no par­ti­do co­mo Luís Montenegro, dis­po­ní­veis pa­ra liderar [uma can­di­da­tu­ra]. O que es­tá em cur­so é bom a to­dos os ní­veis, mas o meu de­se­jo é que es­sa for­ça re­sul­te na apro­va­ção da mo­ção de con­fi­an­ça pe­lo con­se­lho na­ci­o­nal”, acres­cen­tou o con­se­lhei­ro na­ci­o­nal.

À es­pe­ra de Montenegro

A de­pu­ta­da e ex-mi­nis­tra das Fi­nan­ças, Ma­ria Luís Al­bu­quer­que, foi das pou­cas vo­zes que on­tem saiu em de­fe­sa do an­ti­go lí­der da ban­ca­da do PSD. Os apoi­an­tes de Montenegro con­ti­nu­am em si­lên­cio, re­cu­san­do re­a­gir às de­cla­ra­ções de Rio. A ex­vi­ce-pre­si­den­te do par­ti­do la­men­ta que Rio te­nha re­cu­sa­do di­rec­tas por­que is­so, diz, “per­mi­ti­ria par­tir, de ime­di­a­to, pa­ra uma ver­da­dei­ra cla­ri­fi­ca­ção”.

“A me­lhor for­ma de cla­ri­fi­car se­ria de­vol­ver a pa­la­vra aos mi­li­tan­tes e quem saís­se ven­ce­dor des­sa dis­pu­ta se­ria um lí­der re­for­ça­do, com uma di­nâ­mi­ca adi­ci­o­nal pa­ra en­fren­tar os pró­xi­mos ac­tos elei­to­rais”, dis­se a ex-mi­nis­tra de Pe­dro Pas­sos Co­e­lho, ci­ta­da pe­la agên­cia Lu­sa.

Num registo bem di­fe­ren­te, Sil­va Pe­ne­da, an­ti­go pre­si­den­te do Con­se­lho Eco­nó­mi­co e So­ci­al, veio tam­bém on­tem cri­ti­car o mo­men­to es­co­lhi­do por Montenegro pa­ra abrir uma cri­se in­ter­na no PSD e fa­lou mes­mo de “in­sen­sa­tez”. “Al­gu­mas se­nho­ras e al­guns se­nho­res não que­rem que Rui Rio es­co­lha os de­pu­ta­dos pa­ra a pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra e vão fa­zer tu­do pa­ra o con­di­ci­o­nar e se­rem ou­tros a es­co­lher os de­pu­ta­dos”, ati­rou, em de­cla­ra­ções à TSF, acres­cen­tan­do que “quan­do as ins­ti­tui­ções se vi­ram pa­ra pro­ble­mas in­ter­nos e dei­xam de de­fen­der o que de­vem de­fen­der, que é o país, nor­mal­men­te de­fi­nham ou aca­bam por mor­rer. Jul­go que o PSD cor­re es­se ris­co com es­ta au­to­fla­ge­la­ção in­ter­na que não faz sen­ti­do ne­nhum”. O an­ti­go mi­nis­tro com­pa­ra Rui Rio a Sá Car­nei­ro e aplau­de a for­ma co­mo o lí­der do PSD re­a­giu ao de­sa­fio do ex-de­pu­ta­do, enal­te­cen­do a sua “co­ra­gem e de­ter­mi­na­ção” ao abrir as por­tas à cla­ri­fi­ca­ção.

Nu­ma en­tre­vis­ta ao Jor­nal de No­tí­ci­as pu­bli­ca­da on­tem, mas fei­ta ter­ça-fei­ra, an­tes de Montenegro ter de­fen­di­do di­rec­tas, Rio diz acre­di­tar que o PSD po­de ga­nhar as pró­xi­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas por con­si­de­rar que o PS já es­tá em con­di­ções de as per­der. Na en­tre­vis­ta, Rio dá gran­de des­ta­que à eco­no­mia fa­mi­li­ar, afir­man­do tam­bém que quer bai­xar os im­pos­tos às em­pre­sas pa­ra au­men­tar o in­ves­ti­men­to e com is­so me­lho­rar a com­pe­ti­ti­vi­da­de da eco­no­mia e de­pois os sa­lá­ri­os.

MA­NU­EL RO­BER­TO

O con­se­lho na­ci­o­nal on­de se­rá vo­ta­da a mo­ção de con­fi­an­ça à di­rec­ção de Rui Rio de­ve­rá re­a­li­zar-se no pró­xi­mo dia 21

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.