Em Lis­boa há uma Afri­can Tour pa­ra lem­brar que a es­cra­va­tu­ra exis­tiu

Do To­go pa­ra Portugal, Naky veio en­si­nar aos de fo­ra co­mo fo­ram os tem­pos da es­cra­va­tu­ra que pa­re­cem dis­tan­tes aos olhos dos de cá. Por is­so cri­ou a Afri­can Lis­bon Tour

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Sebastião Al­mei­da

Sob um sol quen­te de In­ver­no que aquece as per­nas, a Pra­ça do Co­mér­cio pulsa ao rit­mo do bu­lí­cio lis­bo­e­ta. O pon­to de en­con­tro é jun­to à es­tá­tua de D. Jo­sé I. É lá que co­me­ça uma vi­a­gem por uma Lis­boa de ou­tro tem­po, pau­ta­da pe­la es­cra­va­tu­ra e de­si­gual­da­de ra­ci­al. Naky Ga­glo, de 40 anos, cri­ou o per­cur­so há três anos e meio. Nas pró­xi­mas cin­co ho­ras de ca­mi­nha­da pe­la ci­da­de, vai dis­cu­tir-se o pas­sa­do his­tó­ri­co afri­ca­no, cru­zan­do-o com cul­tu­ra, arte e mú­si­ca.

Ca­rin e Jo­nathan Wray, de 54 e 56 anos, são dois nor­te-ame­ri­ca­nos ten­ta­dos a tro­car a Big Ap­ple por Lis­boa. A cu­ri­o­si­da­de de que­rer des­co­brir “o la­do me­nos ape­la­ti­vo” da ca­pi­tal por­tu­gue­sa jun­tou-os a Naky e aos res­tan­tes, no dia de ani­ver­sá­rio de Jo­nathan. Ex­pan­dir o co­nhe­ci­men­to de um pris­ma di­fe­ren­te é um dos ob­jec­ti­vos do ca­sal. “Ou­vi­mos sem­pre a pers­pec­ti­va do co­lo­ni­za­dor e te­mos de ou­vir a ou­tra par­te”, apon­tam.

Naky nas­ceu no To­go, país afri­ca­no que já foi co­ló­nia de ale­mães, fran­ce­ses e in­gle­ses. Vi­veu com a mu­lher na Ale­ma­nha an­tes de se mu­da­rem pa­ra Es­pa­nha. Só en­tão sur­giu o de­se­jo de as­sen­tar em Portugal. “Na al­tu­ra, es­ta­va à es­pe­ra dos meus documentos pa­ra po­der tra­ba­lhar e que­ria fa­zer al­go de que re­al­men­te gos­tas­se”, con­ta, pa­ra de­pois ex­pli­car co­mo ma­te­ri­a­li­zou o seu gos­to por his­tó­ria na cri­a­ção da Afri­can Lis­bon Tour . “Sou apai­xo­na­do por his­tó­ria e ten­tei fa­zer al­gu­ma pes­qui­sa e cri­ar uma coi­sa di­fe­ren­te do que já exis­tia na ci­da­de. Co­mo afri­ca­no, di­ri­gi-me pa­ra a his­tó­ria afri­ca­na.”

O to­go­lês, que tra­ba­lha nu­ma agên­cia imo­bi­liá­ria, cri­ou o pas­seio pa­ra “fa­lar de es­cra­va­tu­ra, de co­mo era fei­ta em Portugal e cru­zá-la com o pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção do sé­cu­lo XX”. Pa­ra tal, re­cor­reu às in­ves­ti­ga­ções de al­guns his­to­ri­a­do­res, mas o tra­ba­lho de Isa­bel Cas­tro Hen- ri­ques e Pe­dro Pe­rei­ra Leite, Lis­boa, Ci­da­de Afri­ca­na, foi um dos prin­ci­pais su­por­tes. O per­cur­so di­vi­de-se em três mo­men­tos mar­can­tes pa­ra a co­mu­ni­da­de afri­ca­na: de 1444 a 1620, pe­río­do em que Portugal de­ti­nha o mo­no­pó­lio das tro­cas, de 1620 até à úl­ti­ma dé­ca­da do sé­cu­lo XVIII e daí até à abo­li­ção to­tal da es­cra­va­tu­ra no im­pé­rio, no sé­cu­lo XIX.

“Va­mos for­mar uma fa­mí­lia du­ran­te as pró­xi­mas ho­ras”, anun­cia o guia, en­quan­to ao lon­ge ecoa o ru­far de tam­bo­res de mú­si­cos de rua e o ne­vo­ei­ro so­be Te­jo aci­ma, en­co­brin­do a Lis­na­ve. São, na mai­o­ria, es­tran­gei­ros, os que che­gam a Naky. O pas­sa-pa­la­vra faz-se de bo­ca em bo­ca e atra­vés das re­des so­ci­ais, mas tam­bém é pos­sí­vel en­con­trá-lo atra­vés de anún­ci­os de ex­pe­ri­ên­ci­as num co­nhe­ci­do si­te de alo­ja­men­to.

Não se fa­la da es­cra­va­tu­ra

A ca­mi­nho do Lar­go de São Domingos, no Ros­sio, Ca­ri­na Guz­mán, de 25 anos, não es­con­de o en­tu­si­as­mo que a in­va­de ao per­cor­rer a Rua Au­gus­ta na com­pa­nhia do na­mo­ra­do. A jo­vem de as­cen­dên­cia co­lom­bi­a­na cres­ceu nos Es­ta­dos Uni­dos, mas des­de sem­pre te­ve pre­sen­te as su­as ori­gens. Só a “apren­der, re­co­nhe­cer e olhar pa­ra on­de vi­ve”, diz, po­de­rá en­ten­der a so­ci­e­da­de co­lo­ni­za­do­ra on­de es­tá in­se­ri­da. “É im­por­tan­te olhar pa­ra o país on­de es­tás e pa­ra o teu país de ori­gem e co­nhe­cer aqui­lo que se pas­sou”, afi­an­ça.

Ao do­brar o Lar­go de São Domingos, en­tra-se na Cal­ça­da do Gar­cia. No nú­me­ro três da rua que ser­pen­teia Lis­boa aci­ma, uma pe­que­na lo­ja de pro­du­tos afri­ca­nos abas­te­ce a co­mu­ni­da­de lo­cal. Lá den­tro, o chei­ro das es­pe­ci­a­ri­as con­fun­de o ol­fac­to, mas Naky já tem tu­do tra­ta­do com o do­no. Vai ha­ver uma pro­va de pe­que­nos fru­tos e es­pe­ci­a­ri­as tí­pi­cas, des­co­nhe­ci­das da mai­or par­te do gru­po.

“Po­nham na bo­ca e ten­tem adi­vi­nhar o que é”, diz o to­go­lês. “Al­gum pal­pi­te?”. O fru­to, pão-de-ma­ca­co, ti­pi­ca­men­te afri­ca­no, tem um sa­bor áci­do e cí­tri­co que pro­vo­ca al­gu­ma ad­mi­ra­ção no pa­la­to de quem pro­va. Daí até ex­pe­ri­men­ta­rem um re­bu­ça­do an­go­la­no de gen­gi­bre não fal­ta mui­to, e as línguas vão a tre­me­le­ar até ao pró­xi­mo pon­to de pa­ra­gem da vi­si­ta.

No Lar­go do Du­que do Ca­da­val,

Quem qui­ser ser gui­a­do por Naky pe­las ru­as de Lis­boa de­ve en­trar em con­tac­to com ele atra­vés do si­te. As vi­si­tas cus­tam 35 eu­ros por pes­soa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.