Tem 50 mil eu­ros no ban­co? Um guia pa­ra o que o fisco vai fi­car a sa­ber

Ao co­nhe­cer as con­tas aci­ma de 50 mil eu­ros, a ad­mi­nis­tra­ção fis­cal ga­nha mais um ele­men­to pa­ra jun­tar às aná­li­ses de ris­co dos con­tri­buin­tes. Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas dei­xam aler­tas

Edição Público Lisboa - - FRONT PAGE - Pe­dro Cri­sós­to­mo e Le­o­ne­te Bo­te­lho pe­dro.cri­sos­to­[email protected]­bli­co.pt

Ano­va lei que per­mi­ti­rá à Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria e Adu­a­nei­ra (AT) co­nhe­cer os sal­dos das con­tas ban­cá­ri­as aci­ma de 50 mil eu­ros con­ti­nua a di­vi­dir opi­niões. Mas ago­ra que foi apro­va­da e tem pro­mul­ga­ção qua­se ga­ran­ti­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, os aler­tas de quem olha de fo­ra vão so­bre­tu­do pa­ra as cau­te­las em re­la­ção à pro­tec­ção dos da­dos den­tro do fisco. Es­ta­rá o no­vo ma­nan­ci­al de in­for­ma­ção se­gu­ro den­tro da AT? E o que vai a má­qui­na fis­cal fa­zer com ele?

Ao pas­sar a co­nhe­cer o sal­do ban­cá­rio, a AT te­rá mais um ele­men­to a jun­tar aos que ho­je lhe são co­mu­ni­ca­dos, das de­cla­ra­ções de ren­di­men­to aos ju­ros, di­vi­den­dos e ren­di­men­tos fi­nan­cei­ros. É mais um da­do que po­de­rá ser usa­do pa­ra olhar de for­ma trans­ver­sal pa­ra o pa­tri­mó­nio dos ci­da­dãos e aju­dar a de­tec­tar ca­sos de ocul­ta­ção de pa­tri­mó­nio ou sub­de­cla­ra­ção de ren­di­men­tos.

Fer­nan­do Ro­cha An­dra­de, pro­fes­sor de Di­rei­to, de­pu­ta­do do PS e ex-se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos As­sun­tos Fis­cais (quan­do o di­plo­ma ago­ra re­pes­ca­do pe­lo Go­ver­no foi apre­sen­ta­do pe­la pri­mei­ra vez em 2016), rejeita a te­se de que há uma sus­pei­ta pré­via em re­la­ção aos con­tri­buin­tes. O que es­te me­ca­nis­mo per­mi­te, diz, “é de­tec­tar [as] si­tu­a­ções que po­dem ser sus­pei­tas: gran­des va­ri­a­ções pa­tri­mo­ni­ais que não te­nham cor­res­pon­dên­cia nas de­cla­ra­ções de ren­di­men­to en­tre­gues pe­las pes­so­as”.

Da mes­ma for­ma que “ne­nhum me­ca­nis­mo por si só le­va a uma sus­pei­ta, ne­nhum me­ca­nis­mo por si só” re­sol­ve os pro­ble­mas, afir­ma, su­bli­nhan­do que a AT po­de­rá fa­zer com a in­for­ma­ção o que ho­je faz com aque­la que tem ao seu dis­por: iden­ti­fi­car in­di­ca­do­res de ris­co atra­vés de me­ca­nis­mos in­for­má­ti­cos.

O pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Tra­ba­lha­do­res dos Im­pos­tos, Pau­lo Ra­lha, pa­ra quem só uma vi­são in­te­gra­da do pa­tri­mó­nio dos con­tri­buin­tes per­mi­te ler a re­a­li­da­de to­da, con­cor­da. Com es­te da­do no­vo, se­rá pos­sí­vel jun­tá-lo ao “qua­dro de aná­li­se de ris­co” e, com is­so, “fa­zer uma se­ri­a­ção dos con­tri­buin­tes que têm um ris­co mais ele­va­do”.

No fisco, os da­dos não es­ta­rão à vis­ta de to­dos, an­tes se­rão de aces­so res­tri­to e su­jei­to a au­to­ri­za­ção. Is­so já acon­te­ce com os da­dos que o fisco re­ce­be so­bre o sal­do dos não-re­si­den­tes, a quem se apli­cam as re­gras es­pe­ci­ais de se­gu­ran­ça da Lei da Pro­tec­ção de Da­dos Pes­so­ais. Por exem­plo, a nor­ma pre­vê que os da­dos não se­jam “li­dos, co­pi­a­dos, al­te­ra­dos ou re­ti­ra­dos por pes­soa não au­to­ri­za­da”.

Não se co­nhe­cem, po­rém, os pro­ce­di­men­tos in­ter­nos do fisco, nem o Go­ver­no de­sen­vol­veu o as­sun­to pa­ra além de di­zer, nas ex­pli­ca­ções que acom­pa­nham o ar­ti­cu­la­do da lei, que “a con­fi­den­ci­a­li­da­de dos da­dos ob­ti­dos é ga­ran­ti­da”. O pre­si­den­te da Trans­pa­rên­cia e In­te­gri­da­de – As­so­ci­a­ção Cí­vi­ca (TIAC), João Pau­lo Ba­ta­lha, con­si­de­ra que não se de­via “alar­gar ce­ga­men­te os po­de­res da au­to­ri­da­de tri­bu­tá­ria sem pri­mei­ro ter a cer­te­za de que is­so é mes­mo ne­ces­sá­rio, de que há ga­nhos de efi­cá­cia ob­jec­ti­vos que com­pen­sem os ris­cos, que exis­tem e são mui­tos”.

João Pau­lo Ba­ta­lha te­me que os da­dos pos­sam ser ace­di­dos fa­cil­men­te por qual­quer fun­ci­o­ná­rio do fisco e, no li­mi­te, aca­bar por ser ‘co­mer­ci­a­li­za­dos’. Mas, vin­ca Fer­nan­do Ro­cha An­dra­de, os da­dos pas­sam de uma es­fe­ra de si­gi­lo (no ban­co) pa­ra ou­tra es­fe­ra de si­gi­lo (no fisco). O pre­si­den­re­la­ção te do sin­di­ca­to con­cor­da: “Os da­dos fi­cam si­gi­lo­sa­men­te guar­da­dos por quem tem aces­so a eles.”

Ní­veis de pri­va­ci­da­de

O cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta Jor­ge Mi­ran­da tem o mes­mo ti­po de re­ceio de João Pau­lo Ba­ta­lha, mas jun­ta-lhe dú­vi­das de cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de so­bre a medida em si. “É uma vi­o­la­ção da pri­va­ci­da­de das pes­so­as, ain­da por ci­ma quan­do os con­tro­los de ga­ran­tia dos da­dos pes­so­ais não são ex­tre­ma­men­te se­gu­ros”, dis­se ao PÚ­BLI­CO, res­sal­van­do não co­nhe­cer o ar­ti­cu­la­do apro­va­do. O pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to de Lis­boa, con­si­de­ra­do um dos “pais” da Cons­ti­tui­ção, lem­bra a ju­ris­pru­dên­cia do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ale­mão que dis­tin­gue três ní­veis de pri­va­ci­da­de em fun­ção da di­men­são pú­bli­ca da pes­soa: “Se em ao ho­mem pú­bli­co, com car­gos po­lí­ti­cos, a pu­bli­ci­da­de de­ve ser pra­ti­ca­men­te to­tal, sal­vo os as­pec­tos da vi­da pu­ra­men­te ín­ti­ma, pes­so­al, já em re­la­ção ao ci­da­dão co­mum, a in­ti­mi­da­de de­ve ser to­tal.” Pe­lo meio fi­cam per­so­na­li­da­des pú­bli­cas, que es­ta­ri­am no meio-ter­mo.

O seu co­le­ga de cá­te­dra e de fa­cul­da­de Jor­ge Reis No­vais tem uma po­si­ção to­tal­men­te con­trá­ria. “Não me pa­re­ce que a afec­ta­ção da re­ser­va da vi­da pri­va­da se­ja sig­ni­fi­ca­ti­va, por­que aqui­lo que es­tá em cau­sa é o de­ver de to­da a gen­te pa­gar im­pos­tos de acor­do com os seus ren­di­men­tos”, con­tra­põe, con­si­de­ran­do “na­tu­ral num Es­ta­do de di­rei­to” o fisco sa­ber quais são os ren­di­men­tos e a ri­que­za de ca­da pes­soa. Pa­ra Reis No­vais, a im­por­tân­cia que se tem da­do ao “di­to si­gi­lo ban­cá­rio” pa­re­ce-lhe ex­ces­si­va. “É mes­mo in­com­pre­en­sí­vel co­mo é que, nes­ta al­tu­ra, ain­da se fa­la em si­gi­lo ban­cá­rio co­mo sen­do um di­rei­to fun­da­men­tal — que não é —, nem em Portugal nem em pra­ti­ca­men­te país ne­nhum”, afir­ma.

Na Di­na­mar­ca, Fran­ça, Ho­lan­da ou Es­pa­nha, as au­to­ri­da­des tri­bu­tá­ri­as têm in­for­ma­ção so­bre con­tas ban­cá­ri­as. E, na Aus­trá­lia, o fisco tem aces­so a uma ba­se de da­dos cen­tra­li­za­da

que per­mi­te iden­ti­fi­car os nú­me­ros das con­tas e as ins­ti­tui­ções on­de os ci­da­dãos têm o di­nhei­ro. Jor­ge Reis No­vais não dei­xa, po­rém, de aler­tar pa­ra a ne­ces­si­da­de de a medida ser ro­de­a­da de es­pe­ci­ais cau­te­las. “To­das as res­tri­ções que exis­tem pa­ra to­dos os da­dos pes­so­ais tam­bém se apli­cam nes­te ca­so. Po­de ha­ver vi­o­la­ções a es­sas ga­ran­ti­as, mas is­so já é ou­tro pro­ble­ma.”

O e-Fac­tu­ra

Um dos de­ba­tes in­ten­sos de 2016 ti­nha no cen­tro uma per­gun­ta: a medida aba­la a re­ser­va da vi­da pri­va­da? João Pau­lo Ba­ta­lha con­si­de­ra que a qu­es­tão da de­vas­sa exis­te mais no la­do da des­pe­sa do que na re­cei­ta. Tam­bém Ro­cha An­dra­de con­si­de­ra que o e-Fac­tu­ra é “um pou­co mais in­va­si­vo” do que a medida ago­ra em jo­go. “A fal­ta de dis­cus­são em tor­no do e-Fac­tu­ra sem­pre me sur­pre­en­deu um pou­co, de­vo di­zer, por­que ela co­lo­ca um ónus no su­jei­to pas­si­vo. A AT não co­nhe­ce o con­teú­do das fac­tu­ras, mas co­nhe­ce o va­lor co­bra­do por cer­tos for­ne­ce­do­res”, diz.

O fisco não vai trans­mi­tir a in­for­ma­ção a ter­cei­ros, ao con­trá­rio do que tem de fa­zer com o sal­do ban­cá­rio dos não-re­si­den­tes (da­dos idên- ti­cos aos que re­ce­be em re­la­ção aos por­tu­gue­ses com con­tas no es­tran­gei­ro). A di­rec­ti­va eu­ro­peia so­bre a tro­ca de in­for­ma­ção lem­bra a ne­ces­si­da­de de as ad­mi­nis­tra­ções fis­cais co­nhe­ce­rem não ape­nas ren­di­men­tos re­le­van­tes co­mo os ju­ros, os di­vi­den­dos e ou­tros ga­nhos si­mi­la­res, mas tam­bém os sal­dos das con­tas, pa­ra que as au­to­ri­da­des pos­sam “ter em con­ta si­tu­a­ções em que um con­tri­buin­te ten­te ocul­tar pa­tri­mó­nio re­pre­sen­ta­ti­vo de ren­di­men­tos ou ac­ti­vos que te­nham si­do ob­jec­to de eva­são”.

Quan­do, em 2016, Mar­ce­lo ve­tou a pri­mei­ra ini­ci­a­ti­va do Go­ver­no, ape­nas tra­vou a par­te que di­zia res­pei­to aos re­si­den­tes em Portugal (não a obri­ga­ção de os ban­cos co­mu­ni­ca­rem o sal­do so­bre os não-re­si­den­tes, que re­sul­ta­va de obri­ga­ções in­ter­na­ci­o­nais). Se é cer­to que lem­brou que a Co­mis­são Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção de Da­dos aler­ta­ra pa­ra o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da pro­por­ci­o­na­li­da­de, as ra­zões de fun­do do ve­to ti­nham a ver com a ne­ces­si­da­de de con­so­li­da­ção do sis­te­ma ban­cá­rio na­que­le mo­men­to e, pa­ra is­so, da con­fi­an­ça dos de­po­si­tan­tes e in­ves­ti­do­res.

[As­sim co­mo] ne­nhum me­ca­nis­mo por si só le­va a uma sus­pei­ta, ne­nhum me­ca­nis­mo por si só [re­sol­ve os pro­ble­mas] Fer­nan­do Ro­cha An­dra­de Ex-se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos As­sun­tos Fis­cais

PAU­LO PI­MEN­TA

Ho­je não é pos­sí­vel sa­ber quan­tos por­tu­gue­ses têm 50 mil eu­ros no ban­co o, mas is­so po­de mu­dar ca­so a no­va lei avan­ce mes­mo

LEONHARD FOEGER/REU­TERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.