A Ca­sa Efi­ci­en­te e o Pi­nhal de Leiria: o mes­mo mal

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Ma­nu­el Car­va­lho Editorial

Em Abril de 2018, o Go­ver­no anun­ci­ou com pom­pa e cir­cuns­tân­cia o pro­gra­ma Ca­sa Efi­ci­en­te 2020 e meio ano mais tar­de a ini­ci­a­ti­va es­ta­va afun­da­da nas su­as pró­pri­as de­bi­li­da­des. Em Ja­nei­ro de 2018, o pri­mei­ro-mi­nis­tro des­lo­cou-se com ain­da mais pom­pa e mais cir­cuns­tân­cia ao país rural pa­ra plan­tar so­brei­ros no Pi­nhal de Leiria e, um ano mais tar­de, os so­brei­ros es­ta­vam pra­ti­ca­men­te to­dos mor­tos. A di­fe­ren­ça abis­mal en­tre o que os go­ver­nos pro­me­tem e fa­zem na prá­ti­ca é co­nhe­ci­da e es­tá lon­ge de ser uma mar­ca dis­tin­ti­va da equi­pa de António Cos­ta. É mais fá­cil fa­zer anún­ci­os so­nan­tes do que exe­cu­tar e acom­pa­nhar po­lí­ti­cas, e Portugal é pró­di­go em pro­du­zir bo­as idei­as que aca­bam por ser des­truí­das por er­ros de con­cep­ção, pe­lo vo­lun­ta­ris­mo ou, pi­or ain­da, pe­lo des­lei­xo e ine­fi­ci­ên­cia dos ser­vi­ços do Es­ta­do.

Nin­guém du­vi­da que a in­ten­ção de pro­mo­ver a me­lho­ria da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca nas ha­bi­ta­ções é uma ex­ce­len­te pro­pos­ta. O con­su­mo ener­gé­ti­co do­més­ti­co re­pre­sen­ta, se­gun­do a Por­da­ta, um quar­to do gas­to anu­al de ener­gia e a sua re­du­ção te­ria três mé­ri­tos in­dis­cu­tí­veis: re­du­zi­ria a pe­ga­da de car­bo­no, fa­ria bai­xar as im­por­ta­ções de pro­du­tos pe­tro­lí­fe­ros e tor­na­ria as ca­sas dos por­tu­gue­ses mais con­for­tá­veis e com me­no­res gas­tos de ener­gia. Pa­ra que es­sas fi­na­li­da­des fos­sem atin­gi­das, se­ria im­por­tan­te que o Go­ver­no se em­pe­nhas­se a fun­do na sua exe­cu­ção. Não foi is­so que acon­te­ceu. Dis­pen­san­do a bo­ni­fi­ca­ção de ta­xas de ju­ro ou in­cen­ti­vos fis­cais, o Go­ver­no dei­xou a so­lu­ção do pro­ble­ma na ban­ca. Acon­te­ceu o que es­tá a acon­te­cer: en­tre ju­ros ab­sur­dos e exigências bu­ro­crá­ti­cas des­mo­ti­va­do­ras, o pro­gra­ma afun­dou-se.

Mais exem­plar e, de al­gu­ma for­ma, mais per­tur­ba­dor foi o la­xis­mo dos ser­vi­ços pú­bli­cos que com­pro­me­te­ram a ga­la com que António Cos­ta pre­ten­deu lan­çar uma no­va era na re­flo­res­ta­ção do país e na re­cu­pe­ra­ção do icó­ni­co Pi­nhal de Leiria. Co­mo sem­pre acon­te­ceu na flo­res­ta na­ci­o­nal, o Go­ver­no e o Es­ta­do mos­tra­ram-se ex­pe­di­tos em mos­trar idei­as e in­com­pe­ten­tes em ga­ran­tir o seu su­ces­so. Po­de­mos di­zer que plan­tar so­brei­ros em so­los are­no­sos e po­bres é um dis­pa­ra­te sil­ví­co­la, mas ir por aí era anu­lar a boa in­ten­ção de pro­mo­ver uma mai­or apos­ta nu­ma flo­res­ta sus­ten­tá­vel. O que va­le en­tão a pe­na ex­pli­car e cen­su­rar é a ne­gli­gên­cia dos ser­vi­ços flo­res­tais que dei­xa­ram mor­rer os so­brei­ros. Pa­ra sal­var a fa­ce e evi­tar o aná­te­ma da pro­pa­gan­da, o pri­mei­ro-mi­nis­tro tem uma so­lu­ção: um inqué­ri­to aos res­pon­sá­veis do pi­nhal. Vai ser in­te­res­san­te sa­ber qu­an­tas ve­zes adu­ba­ram, re­ga­ram e lim­pa­ram o sou­to ide­a­li­za­do no pi­nhal. ma­nu­el.car­va­[email protected]­bli­co.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.