CAR­TAS AO DI­REC­TOR

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO -

Sophia e o Bra­sil

No PÚ­BLI­CO de sá­ba­do lê-se, em pa­la­vras que o jor­na­lis­ta Luís Mi­guel Qu­ei­rós atri­bui à pro­fes­so­ra bra­si­lei­ra So­fia Sil­va, que o “mar­co” da aten­ção bra­si­lei­ra a Sophia An­dre­sen é “o po­e­ma que João Ca­bral de Me­lo Ne­to lhe en­de­re­ça no li­vro A Edu­ca­ção pe­la Pe­dra”. E em pa­la­vras as­su­mi­das pe­lo mes­mo jor­na­lis­ta lê-se que “só em 2004 sai uma pri­mei­ra es­co­lha da sua po­e­sia”. Ora, o có­lo­fon de A Edu­ca­ção pe­la Pe­dra ga­ran­te que es­te li­vro foi com­pos­to em “Ju­lho de 1966”. An­tes des­sa da­ta, em 2 de Ju­nho de 1966, es­cre­veu Car­los Drummond de An­dra­de um po­e­ma ins­pi­ra­do pe­la fo­to­gra­fia que Sophia lhe mos­trou da fi­lha Ma­ria e que, em­bo­ra me­nos co­nhe­ci­do, tam­bém po­de­ria va­ler sim­bo­li­ca­men­te co­mo “mar­co”; mas, o que é bem mais re­le­van­te, a “pri­mei­ra es­co­lha” da po­e­sia de Sophia no Bra­sil tam­bém apa­re­ceu an­tes do po­e­ma de João Ca­bral — e bem an­tes de 2004: exac­ta­men­te em 9 de Ju­nho de 1966.

O edi­tor por­tu­guês da En­con­tro, Vic­tor Ale­gria, sa­ben­do à úl­ti­ma ho­ra da che­ga­da de Sophia ao Rio de Ja­nei­ro, pe­diu-me pa­ra or­ga­ni­zar uma pe­que­na an­to­lo­gia da sua po­e­sia, e eu não me fiz ro­ga­do: com uma bi­o­gra­fia, uma bi­bli­o­gra­fia, um pre­fá­cio e uma vin­te­na de po­e­mas, es­sa an­to­lo­gia, é ver­da­de que só edi­ta­da em es­tên­cil, te­ve uma ti­ra­gem de mais de 300 exem­pla­res, e foi dis­tri­buí­da por po­e­tas e crí­ti­cos bra­si­lei­ros mas tam­bém por par­ti­ci­pan­tes em ses­sões pú­bli­cas de­di­ca­das a Sophia, com a sua pre­sen­ça. Ar­nal­do Saraiva, po­e­ta e en­saís­ta

PSD: cri­se de iden­ti­da­de

(...) Em Portugal, aliás co­mo na mai­o­ria dos paí­ses, as elei­ções ga­nham-se ao cen­tro e o cen­tro po­lí­ti­co é lu­gar que se pres­ta a to­das as con­fu­sões. Se­rá o PSD um par­ti­do de es­quer­da, co­mo afir­ma a Dra. Ma­nu­e­la Fer­rei­ra Leite? Ou se­rá um par­ti­do de di­rei­ta li­be­ral? (...) O PSD, se quer so­bre­vi­ver co­mo par­ti­do fun­da­men­tal da de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa, de­ve­rá pro­mo­ver uns Es­ta­dos Ge­rais cla­ri­fi­ca­do­res da sua ide­o­lo­gia e apre­sen­tar aos por­tu­gue­ses pro­pos­tas con­cre­tas de go­ver­na­ção dis­tin­tas do PS, por­que, e is­so se­rá fatal pa­ra o PSD, os elei­to­res pre­fe­rem sem­pre vo­tar no ori­gi­nal — a có­pia es­tá con­de­na­da ao fra­cas­so! Eze­qui­el Ne­ves, Lis­boa

“Lou­cu­ras” da po­lí­ti­ca

Mar­ce­lo acha “uma lou­cu­ra” es­ta cri­se do PSD em ci­ma das elei­ções. Con­cor­do ple­na­men­te com o Pre­si­den­te, mas o te­le­fo­ne­ma a Cris­ti­na Fer­rei­ra é, quan­to a mim, ou­tra “lou­cu­ra”. Pe­la bo­ca mor­re o pei­xe, co­mo diz o nos­so po­vo. De tal for­ma que Vas­co Pu­li­do Va­len­te afir­ma já, em tom iró­ni­co, que o des­ti­no mais pro­vá­vel des­te Pre­si­den­te, quan­do sair de Be­lém, é um pro­gra­ma da ma­nhã! Mais uma “lou­cu­ra” (...) pa­re­ce-me ser a su­pos­ta in­di­ca­ção de Pe­dro Mar­ques pa­ra ca­be­ça de lis­ta do PS às elei­ções eu­ro­pei­as de Maio pró­xi­mo. Pro­fun­da­men­te as­so­ci­a­do à polémica so­bre o ae­ro­por­to do Montijo, Pe­dro Mar­ques po­de­rá fi­car mui­to “cha­mus­ca­do” se o des­fe­cho des­te dos­si­er não for fa­vo­rá­vel às pre­ten­sões do Go­ver­no. (...) Não ve­jo ne­le, lon­ge dis­so, o can­di­da­to ide­al do PS. O fac­to de as elei­ções se­rem fa­vas con­ta­das pa­ra os so­ci­a­lis­tas não au­to­ri­za que se me­nos­pre­ze a es­co­lha do ca­be­ça de lis­ta. (...) Si­mões Ilhar­co, Lis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.