A di­fí­cil equa­ção de ser fa­mí­lia em Portugal

Edição Público Lisboa - - ESPAÇO PÚBLICO - Ma­ria Jo­sé da Sil­vei­ra Nún­cio

As po­lí­ti­cas de apoio e pro­mo­ção da fa­mí­lia têm si­do uma es­pé­cie de pa­ren­tes po­bres das po­lí­ti­cas so­ci­ais em Portugal, su­jei­tas a ex­pe­ri­men­ta­lis­mos, avan­ços e re­cu­os su­ces­si­vos, de­ter­mi­na­dos mui­to mais pe­los in­te­res­ses de agen­da po­lí­ti­ca e ide­o­ló­gi­ca do que pe­la von­ta­de de me­lho­rar a qu­a­li­da­de de vi­da e a per­cep­ção de re­a­li­za­ção e fe­li­ci­da­de da po­pu­la­ção, nu­ma área que é, com­pro­va­da­men­te, uma das mais va­lo­ri­za­das pe­los in­di­ví­du­os.

As po­lí­ti­cas de fa­mí­lia pa­re­cem in­te­res­sar ape­nas em anos elei­to­rais, quan­do as­sis­ti­mos a uma su­ces­são de apre­sen­ta­ções de “pa­co­tes de me­di­das”, di­ri­gi­das às fa­mí­li­as, que são, de­pois, ra­pi­da­men­te es­que­ci­dos ou, pe­lo me­nos, nun­ca con­cre­ti­za­dos em ple­no.

Jul­go exis­ti­rem, pa­ra es­te fac­to, al­gu­mas ra­zões fun­da­men­tais:

Os efei­tos das po­lí­ti­cas de apoio à fa­mí­lia (as­sim co­mo das de edu­ca­ção) pro­du­zem-se a pra­zo: no lon­go pra­zo de uma ge­ra­ção, em que a na­ta­li­da­de au­men­ta­rá e em que te­re­mos in­di­ví­du­os mais in­te­gra­dos, fe­li­zes e re­a­li­za­dos. Ora, es­se pra­zo é de­ma­si­a­do, se ti­ver­mos em con­ta a pre­va­lên­cia de uma ló­gi­ca ime­di­a­tis­ta do in­te­res­se elei­to­ral a qua­tro anos.

O te­ma da fa­mí­lia tem as­su­mi­do, em Portugal, co­no­ta­ções ide­o­ló­gi­cas des­ti­tuí­das de qual­quer sen­ti­do. Ora por­que é acu­sa­do de re­pre­sen­tar uma vi­são de­ma­si­a­do “res­tri­ta”, que ten­ta im­por uma es­pé­cie de di­ta­du­ra da fa­mí­lia-mo­de­lo, ora por­que é acu­sa­do de ser frac­tu­ran­te ou dis­rup­ti­vo, por igua­li­zar di­fe­ren­tes mo­dos, for­mas e re­a­li­da­des fa­mi­li­a­res.

Nes­ta ba­ta­lha ide­o­ló­gi­ca em tor­no da fa­mí­lia, es­que­ce-se que es­ta, en­quan­to ins­ti­tui­ção so­ci­al plás­ti­ca e mol­dá­vel, evo­lui, adap­tan­do-se àque­la que é a mu­dan­ça do con­tex­to so­ci­al en­vol­ven­te. Es­que­cê-lo é, in­fe­liz­men­te, es­que­cer tam­bém a ne­ces­si­da­de de a pro­te­ger e apoi­ar e de, com is­so, pro­mo­ver a qu­a­li­da­de de vi­da dos ci­da­dãos.

As vi­sões “ro­mân­ti­cas” e to­tal­men­te ana­cró­ni­cas acer­ca da for­ça da so­li­da­ri­e­da­de das re­des fa­mi­li­a­res, e da en­tre­a­ju­da ne­las pro­mo­vi­das, con­tri­buiu pa­ra uma efec­ti­va des­res­pon­sa­bi­li­za­ção de um Es­ta­do so­ci­al, por na­tu­re­za dé­bil, que pre­fe­riu dei­xar, ao abri­go do ar­gu­men­to da pri­va­ci­da­de, a car­go das fa­mí­li­as to­do um con­jun­to de fun­ções que es­se mes­mo Es­ta­do nun­ca con­se­guiu cum­prir, li­mi­tan­do-se a ac­tu­ar, nes­ta área, de for­ma to­tal­men­te sub­si­diá­ria e ma­ni­fes­ta­men­te ine­fi­caz.

As ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as são de na­tu­re­za es­tru­tu­ral e im­pli­cam

1. 2. 3. 4.

um com­pro­mis­so na­ci­o­nal e de vas­ta con­cer­ta­ção so­ci­al, em ma­té­ri­as tão dis­tin­tas quan­to a le­gis­la­ção la­bo­ral, os apoi­os fi­nan­cei­ros, a fis­ca­li­da­de, os equi­pa­men­tos de cui­da­dos ou o pró­prio or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio. Is­to pa­ra não fa­lar da ne­ces­sá­ria ar­ti­cu­la­ção com as po­lí­ti­cas de edu­ca­ção, de saú­de e de ha­bi­ta­ção.

Ve­ri­fi­ca-se, ain­da, que aque­la que é a qu­es­tão cen­tral das po­lí­ti­cas de fa­mí­lia, a sa­ber, a con­ci­li­a­ção en­tre tra­ba­lho e vi­da fa­mi­li­ar, tem si­do sem­pre tra­ta­da nu­ma ló­gi­ca de fa­ci­li­ta­ção de acom­pa­nha­men­to aos fi­lhos, es­tra­té­gia que, su­pos­ta­men­te, po­de­ria aju­dar a pro­mo­ver a na­ta­li­da­de, es­que­cen­do que a re­a­li­da­de de­mo­grá­fi­ca se tor­nou mui­to mais com­ple­xa e nos obri­ga a co­lo­car uma no­va va­riá­vel nes­ta já de si di­fí­cil equa­ção: o en­ve­lhe­ci­men­to.

Ho­je, e por efei­to com­bi­na­do do adi­a­men­to da ida­de em que se tem o pri­mei­ro fi­lho e do au­men­to da lon­ge­vi­da­de, a po­pu­la­ção adul­ta vi­ve, de fac­to, a re­a­li­da­de da “ge­ra­ção-san­duí­che”, di­vi­di­da e pres­si­o­na­da en­tre a ne­ces­si­da­de de pres­tar apoio aos fi­lhos (ain­da cri­an­ças ou ado­les­cen­tes) e aos pais (ca­da vez mais ve­lhos e com pro­gres­si­va per­da de au­to­no­mia). Es­ta é, as­sim, uma ver­da­dei­ra ge­ra­ção de cui­da­do­res: in­for­mais, can­sa­dos e to­tal­men­te de­sa­poi­a­dos.

Con­ti­nu­ar a co­lo­car a tó­ni­ca “ape­nas” no tem­po e con­di­ções pa­ra acom­pa­nhar os fi­lhos es­tá des­fa­sa­do da­que­las que são as re­ais ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

Insistir na ne­ces­si­da­de de res­pos­tas e equi­pa­men­tos pa­ra a in­fân­cia é, sem qual­quer dú­vi­da, ne­ces­sá­rio, mas já não che­ga. Há que pen­sar, e com urgência, nas res­pos­tas de cui­da­do pa­ra os mais ve­lhos, se­ja na­que­las que pres­su­põem a sua ma­nu­ten­ção no am­bi­en­te fa­mi­li­ar, se­ja nas que im­pli­cam a sua ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção, em uni­da­des es­pe­ci­a­li­za­das, aces­sí­veis e dig­nas.

Só a pon­de­ra­ção con­jun­ta das va­riá­veis tra­ba­lho, na­ta­li­da­de e en­ve­lhe­ci­men­to po­de­rá conceber me­di­das e so­lu­ções que con­tri­bu­am, re­al­men­te, pa­ra a von­ta­de e o gos­to de ser e vi­ver fa­mí­lia em Portugal. So­ció­lo­ga; pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria ISCSP-ULis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.