Da so­ci­e­da­de de­pen­den­te pa­ra a so­ci­e­da­de com­pe­ti­ti­va

Edição Público Lisboa - - POLÍTICA - Opi­nião Jo­a­quim Agui­ar Subs­cri­tor do MEL – Mo­vi­men­to Eu­ro­pa e Li­ber­da­de

Quan­do os Es­ta­dos Uni­dos de­ci­dem, em no­me de um pro­gra­ma ne­o­na­ci­o­na­lis­ta e iso­la­ci­o­nis­ta, rom­per as su­as re­des de ali­an­ças e des­man­te­lar a ar­qui­tec­tu­ra de ins­ti­tui­ções mul­ti­la­te­rais que an­tes ti­nham pro­mo­vi­do, pa­ra dei­xa­rem de su­por­tar o que con­si­de­ram ser os cus­tos das ali­an­ças e pa­ra não se­rem con­di­ci­o­na­dos pe­la obe­di­ên­cia a pro­gra­mas e nor­mas co­muns, não se po­de es­pe­rar que o pa­drão de or­dem mun­di­al que es­tá a ser des­truí­do se ve­nha a re­cons­ti­tuir es­pon­ta­ne­a­men­te.

Es­ta even­tu­a­li­da­de do co­lap­so do pa­drão de or­dem mun­di­al ge­ra uma no­va urgência pa­ra o es­ta­be­le­ci­men­to de pro­gra­mas de ac­ção, na po­lí­ti­ca, na eco­no­mia, na so­ci­e­da­de e na ide­o­lo­gia, que se­jam ade­qua­dos a es­ta cir­cuns­tân­cia, na vi­zi­nhan­ça de um pon­to de des­con­ti­nui­da­de, e es­te­jam ope­ra­ci­o­nais pa­ra quan­do já não hou­ver o re­fe­ren­ci­al de es­ta­bi­li­da­de re­la­ti­va em que se vi­veu nas úl­ti­mas se­te dé­ca­das.

Es­te não é um pro­ces­so que es­te­ja a ser de­sen­ca­de­a­do no Oci­den­te pe­la pro­pos­ta de um mun­do no­vo e de uma or­dem no­va, que pos­sa ser ava­li­a­do em fun­ção do que são es­sas no­vas idei­as que se apresentam pa­ra con­fi­gu­rar o que de­ve­rá ser o no­vo pa­drão de or­dem mun­di­al.

Pe­lo con­trá­rio, o pro­ces­so é de­sen­ca­de­a­do a par­tir de idei­as e de pro­gra­mas po­lí­ti­cos que de­fen­dem a reprodução de con­fi­gu­ra­ções po­lí­ti­cas, eco­nó­mi­cas, so­ci­ais e de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais que exis­ti­ram num pas­sa­do já mui­to dis­tan­te, mas que fo­ram su­pe­ra­das pe­la evo­lu­ção his­tó­ri­ca e não po­de­rão vol­tar a ser re­le­van­tes.

Es­te é o pa­ra­do­xo ac­tu­al do ne­o­na­ci­o­na­lis­mo e da re­gres­são da cul­tu­ra po­lí­ti­ca no Oci­den­te: pre­ten­de re­cons­ti­tuir o na­ci­o­na­lis­mo da so­be­ra­nia em es­pa­ços de­li­mi­ta­dos por fron­tei­ras quan­do as con­di­ções em que es­sa con­fi­gu­ra­ção po­lí­ti­ca foi pos­sí­vel já não exis­tem.

O ne­o­na­ci­o­na­lis­mo é uma im­pos­si­bi­li­da­de es­tra­té­gi­ca na medida em que não é con­cre­ti­zá­vel, mas is­so não im­pe­de que se­ja uma ilu­são po­lí­ti­ca que mo­ti­va os com­por­ta­men­tos elei­to­rais de gran­des gru­pos so­ci­ais.

E os mais se­du­zi­dos pe­la ilu­são das so­ci­e­da­des fechadas e das eco­no­mi­as pro­te­gi­das pro­me­ti­das pe­lo ne­o­na­ci­o­na­lis­mo são jus­ta­men­te aque­les que se sen­tem ame­a­ça­dos pe­la mu­dan­ça no mun­do, pe­lo de­sa­pa­re­ci­men­to das es­tru­tu­ras de or­dem a que se ha­bi­tu­a­ram ou pe­la per­da de po­si­ções no pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção e que não são aju­da­dos nem ori­en­ta­dos pe­los res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos na in­ter­pre­ta­ção do que são as con­di­ções es­tra­té­gi­cas, ac­tu­ais e fu­tu­ras, que de­ter­mi­nam o de­sen­vol­vi­men­to na so­ci­e­da­de e na eco­no­mia.

Sen­do uma im­pos­si­bi­li­da­de es­tra­té­gi­ca, o ne­o­na­ci­o­na­lis­mo é au­to­des­tru­ti­vo, é a ten­ta­ti­va de re­a­li­zar o seu pro­gra­ma que de­mons­tra­rá o seu fra­cas­so. Po­rém, o tem­po pa­ra se fa­zer es­sa de­mons­tra­ção se­rá tam­bém um tem­po de des­trui­ção de opor­tu­ni­da­des e de con­trac­ção de pos­si­bi­li­da­des, um tem­po per­di­do no ca­mi­nho de mo­der­ni­za­ção. Não bas­ta dei­xar que o ne­o­na­ci­o­na­lis­mo se des­trua a si mes­mo, é pre­ci­so evi­tar que ele des­trua re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os pa­ra o pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção no fu­tu­ro.

A pri­mei­ra res­pon­sa­bi­li­da­de da po­lí­ti­ca é as­se­gu­rar que a so­ci­e­da­de não se di­ri­ja pa­ra o abis­mo da im­pos­si­bi­li­da­de, evi­tan­do que te­nha de ser por ten­ta­ti­va e er­ro que a so­ci­e­da­de vai en­con­trar o ca­mi­nho que de­ve se­guir.

E is­so sig­ni­fi­ca que a po­lí­ti­ca tem de abandonar as mis­tu­ras con­sen­su­a­lis­tas, que não es­co­lhem nem de­ci­dem, que não go­ver­nam mas se re­pro­du­zem no po­der nu­ma eter­na re­pe­ti­ção do mes­mo, pa­ra vol­tar a re­a­bi­li­tar as cli­va­gens e po­la­ri­za­ções que dis­tin­guem o pos­sí­vel do im­pos­sí­vel, as­su­min­do a

A po­lí­ti­ca tem de abandonar as mis­tu­ras con­sen­su­a­lis­tas, que não es­co­lhem nem de­ci­dem, pa­ra vol­tar a re­a­bi­li­tar as cli­va­gens e po­la­ri­za­ções que dis­tin­guem o pos­sí­vel do im­pos­sí­vel

res­pon­sa­bi­li­da­de po­lí­ti­ca da con­du­ção es­tra­té­gi­ca.

Por um la­do, a dis­tin­ção en­tre so­ci­e­da­de fe­cha­da e so­ci­e­da­de aber­ta, que se­pa­ra os que se con­de­nam à es­tag­na­ção do mer­ca­do in­ter­no pro­te­gi­do por bar­rei­ras al­fan­de­gá­ri­as, dos que re­co­nhe­cem que é pe­lo alar­ga­men­to dos mer­ca­dos na­ci­o­nais em re­des de re­la­ções co­mer­ci­ais e de ca­dei­as de pro­du­ção que se ge­ram os no­vos fac­to­res de cres­ci­men­to das eco­no­mi­as.

Por ou­tro la­do, a po­la­ri­za­ção en­tre as po­si­ções so­ci­ais de­pen­den­tes das po­lí­ti­cas pú­bli­cas dis­tri­bu­ti­vas que pro­cu­ram no Es­ta­do a pro­tec­ção ou a com­pen­sa­ção pa­ra a cri­se de com­pe­tên­ci­as e as po­si­ções so­ci­ais competitivas que fa­zem do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co a con­di­ção de ba­se pa­ra as po­lí­ti­cas pú­bli­cas dis­tri­bu­ti­vas.

Es­tas cli­va­gens e po­la­ri­za­ções al­te­ram as ca­te­go­ri­as tra­di­ci­o­nais da es­fe­ra po­lí­ti­ca. A dis­tin­ção en­tre di­rei­ta e es­quer­da, ou en­tre com­pe­ti­ção e dis­tri­bui­ção, tem ago­ra de ser ar­ti­cu­la­da com a dis­tin­ção en­tre o in­te­ri­or e o ex­te­ri­or, en­tre o iso­la­men­to e a in­te­gra­ção. Na es­fe­ra po­lí­ti­ca, há qua­tro qua­dran­tes re­le­van­tes, on­de di­rei­ta e es­quer­da são mui­to di­fe­ren­tes con­for­me fo­rem na­ci­o­na­lis­tas ou in­te­gra­ci­o­nis­tas, fechadas ou aber­tas.

A so­li­da­ri­e­da­de dis­tri­bu­ti­va en­con­tra os seus li­mi­tes no que for o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e vi­o­lar es­ses li­mi­tes im­pli­ca o cres­ci­men­to do dé­fi­ce or­ça­men­tal e da dí­vi­da pú­bli­ca, trans­fe­rin­do pa­ra fu­tu­ro o en­car­go com os ju­ros do que é dis­tri­buí­do pa­ra a ge­ra­ção ac­tu­al.

Na re­a­li­da­de dos factos, a so­li­da­ri­e­da­de dis­tri­bu­ti­va só é sus­ten­tá­vel se hou­ver mobilização com­pe­ti­ti­va, por­que é es­ta que as­se­gu­ra o cres­ci­men­to dos re­cur­sos eco­nó­mi­cos que tor­na pos­sí­vel o exer­cí­cio da so­li­da­ri­e­da­de dis­tri­bu­ti­va.

Es­tas são as cli­va­gens es­tra­té­gi­cas cen­trais no pre­sen­te e no fu­tu­ro: só há so­li­da­ri­e­da­de dis­tri­bu­ti­va on­de hou­ver mobilização com­pe­ti­ti­va e só há cres­ci­men­to eco­nó­mi­co on­de a so­ci­e­da­de aber­ta subs­ti­tuir a so­ci­e­da­de fe­cha­da.

Se quem dis­ser a ver­da­de não po­de ga­nhar elei­ções, é pre­ci­so, pa­ra as­se­gu­rar a de­fe­sa da de­mo­cra­cia plu­ra­lis­ta, que ha­ja ou­tras en­ti­da­des que pos­sam pro­cu­rar a ver­da­de efec­ti­va das coi­sas pa­ra a apre­sen­ta­rem sem es­ta­rem in­te­res­sa­das em elei­ções. É es­te o pa­pel dos cen­tros de ra­ci­o­na­li­za­ção e de re­gu­la­ção: não têm por ob­jec­ti­vo ob­ter le­gi­ti­mi­da­de elei­to­ral nem exer­cer o po­der, mas têm por fun­ção in­ter­pre­tar os efei­tos do exer­cí­cio do po­der.

Se o Mo­vi­men­to Eu­ro­pa e Li­ber­da­de con­tri­buir pa­ra in­ter­pre­tar por que é que o re­gi­me po­lí­ti­co por­tu­guês acu­mu­la opor­tu­ni­da­de per­di­das e pro­mes­sas que não são cum­pri­das, es­ta­rá a con­tri­buir pa­ra me­lho­rar a qu­a­li­da­de da de­mo­cra­cia plu­ra­lis­ta, por­que es­ta­rá a cla­ri­fi­car o que são os pe­ri­gos e as opor­tu­ni­da­des nes­tes tem­pos de cri­se do pa­drão de or­dem mun­di­al e de frag­men­ta­ção da Eu­ro­pa, on­de a li­ber­da­de se per­de no iso­la­men­to e na de­ma­go­gia po­pu­lis­ta. Se for ape­nas um gru­po de pro­ta­go­nis­tas à es­pe­ra do au­tor que lhes es­cre­va a pe­ça — se­ja co­mé­dia, dra­ma, tra­gé­dia ou bur­les­co — pa­ra eles su­bi­rem ao pal­co, se­rá a re­pe­ti­ção do que já se co­nhe­ce, não ser­vi­rá pa­ra na­da.

NUNO FER­REI­RA SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.